Psychosocial Care Network (RAPS) and the recursion of care in the territory: family health strategy team of the municipality of Guaratuba/PR

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.35934

Keywords:

Mental health; Family Health Strategy; Mental Health Services; Primary health care.

Abstract

The Psychosocial Care Network (RAPS) is a thematic health network, which involves care, aiming to ensure that people with mental suffering and with needs arising from drug use have access to comprehensive, continuous care and linkage to the network. The research aims to investigate how the actions of territorial and community-based services focused on mental health, with the participation of the RAPS, more specifically of the family health strategy teams, are happening in the municipality of Guaratuba/PR. A descriptive, exploratory study with a qualitative approach was elaborated, where the qualitative data collected through semi-structured interviews with doctors and nurses from the seven (07) Basic Health Units in the city of Guaratuba, with eighteen (18) individual interviews and five (05) focus groups with Community Health Agents (CHA). The collected data were entered into the N-VIVO software, which supported the coding and analysis of the categories. All information was compiled and analyzed using the literature on Sustainable Territorial Development and legislation in the area of ​​Public Mental Health Policies. This research was approved by the Research Ethics Committee of UFPR/SCS in December 2020, CAAE 39730220.9.0000.0102, with opinion number 4,465,459.

References

Almeida, D. L. de, Cota, A. L. S., Alvim, R. G., & Pereira, T. da S. (2020). Conhecimento em saúde mental: prática de profissionais da estratégia saúde da família. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 9 (3), e18932134. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2134

Brasil. (2001). Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadores de transtorno mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2006). Manual de estrutura física das unidades básicas de saúde: saúde da família. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2010). Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2010). Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Série A. Normas e Manuais Técnicos, Cadernos de Atenção Básica, n. 27. Brasília: Ministério da Saúde. http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad27.pdf.

Brasil. (2011). Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011 (2011). Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2012). Portaria nº 854, de 22 de agosto de 2012. Altera tabela de Procedimentos dos Centros de Atenção Psicossocial – RAAS. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2013). Cadernos de Atenção Básica: Saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde. Departamento de atenção Básica. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_34_saude_mental.pdf

Bezerra, ENR. (2022). Atenção psicossocial: ampliando o cuidado na construção de uma rede articulada em saúde mental. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 11 (3), e47511326634. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26634

Chiaverini, D. H., Gonçalves, D.A., Ballester, D., Tófoli, L.F., Almeida, N. & Fortes, S. (2011). Guia Prático de Matriciamento em saúde mental. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf.

Coutinho, M. F. C., Portugal, C. M., Nunes, M. de O., & O’Dwyer, G. (2020). Articulations between the Global Mental Health project and the cultural aspects of care in the Psychosocial Care and Primary Health Care Network in Brazil. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 30. https://doi.org/10.1590/S0103-73312020300219

Dimenstein, M. (2004). A reorientação da atenção em saúde mental: sobre a qualidade e humanização da assistência. Psicologia: Ciência E Profissão, 24(4), 112–117. https://doi.org/10.1590/s1414-98932004000400013

Hirdes, A., & Scarparo, H. B. K. (2015). O labirinto e o minotauro: saúde mental na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 20, 383–393. https://doi.org/10.1590/1413-81232015202.12642013

Lima, R., & Guimarães, J. (2019). Articulação da Rede de Atenção Psicossocial e continuidade do cuidado em território: problematizando possíveis relações. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 29(03). https://doi.org/10.1590/S0103-73312019290310

Lotta, G. S. (2006). SABER E PODER: Agentes Comunitários de Saúde Aproximando Saberes Locais e Políticas Públicas. Dissertação de Mestrado Escola de Administração de Empresas de São Paulo /FGV. São Paulo, SP, Brasil. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/2389.

Mello, M. C. de Fugulin, F. M. T., & Gaidzinski, R. R. (2007). O tempo no processo de trabalho em saúde: uma abordagem sociológica. Acta Paulista de Enfermagem, 20(1), 87–90. https://doi.org/10.1590/s0103-21002007000100015

Mendes, E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária a saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Organização Pan-Americana da Saúde.

Minayo, M.C.S. (2008). O desafio da pesquisa social. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Vozes.

Morgan, DL (1997). Grupos Focais como Pesquisa Qualitativa. Sage Publications, Thousand Oaks. https://doi.org/10.4135/9781412984287

Rotoli, A., Silva, M. R. S. da, Santos, A. M. dos, Oliveira, A. M. N. de, & Gomes, G. C. (2019). Saúde mental na Atenção Primária: desafios para a resolutividade das ações. Escola Anna Nery, 23. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2018-0303

Santos, G. A., & Nunes, M. de O. (2014). O cuidado em saúde mental pelos agentes comunitários de saúde: o que aprendem em seu cotidiano de trabalho? Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(1), 105–125. https://doi.org/10.1590/s0103-73312014000100007

Santos, A. B. (2019). Escuta qualificada como ferramenta de humanização do cuidado em saúde mental na Atenção Básica. APS EM REVISTA, 1(2), 170–179. https://doi.org/10.14295/aps.v1i2.23

Veloso, T. M. C., & Souza, M. C. B. de M. e. (2013). Concepções de profissionais da estratégia saúde da família sobre saúde mental. Revista Gaúcha de Enfermagem, 34(1), 79–85. https://doi.org/10.1590/s1983-14472013000100010

Published

20/10/2022

How to Cite

GOMES, Z. F.; WANZINACK, C. Psychosocial Care Network (RAPS) and the recursion of care in the territory: family health strategy team of the municipality of Guaratuba/PR. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e81111435934, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.35934. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/35934. Acesso em: 8 dec. 2022.

Issue

Section

Health Sciences