Factors that lead the voluntary blood donor to make the donation

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36212

Keywords:

Blood donors; Hemotherapy; Transfusion; Volunteers.

Abstract

Hemotherapy is a form of treatment for various pathologies or for victims of trauma. Even with the evolution of science and technology, there is nothing that can replace blood tissue. To maintain the quality standard of donated blood, it is necessary to avoid as much as possible donations when someone in the family needs it. This is a responsibility not only of hemotherapy services, but also of the government and society in general. The present study aimed to analyze the factors that lead the individual who is a voluntary blood donor to make the donation. An integrative literature review was carried out, where the results of the main studies contained in the scientific databases SciELO, LILACS and PubMed were collected in Portuguese and English. Ten articles that met the objectives and inclusion criteria were selected. A table was elaborated with the purpose of objectively presenting the main information collected. As blood donation is not an established culture in the Brazilian population. It is important to raise the awareness of a large part of the population to this cause, thus attracting donors who can make blood donation a priority, making a difference in people's lives, and becoming repeat and loyal donors.

References

ANVISA. (2022). 9º Boletim Anual de Produção Hemoterapia. Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Araújo, F. M. R. (2011). Aceitabilidade de doadores de sangue no hemocentro público do Recife, Brasil. Revista Ciência e Saúde Coletiva, 16 (12). 4823-4832.

Belato, D., et al (2011). Perfil dos doadores e não doadores de sangue de um município do sul do Brasil. Revista De Enfermagem Da UFSM, 1 (2) 164–173.

Capra, M. S. (2012). Fidelização de doadores de sangue voluntários e habituais: uma prática de educação em saúde. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Vale do Rio dos Sinos, Porto Alegre, p. 1-77.

BRASIL. Advocacia-Geral da União. Portaria nº 158, de 4 de fevereiro de 2016.

Carlesso, L., et al (2017). Estratégias implementadas em hemocentros para aumento da doação de sangue. Revista Brasileira Em Promoção Da Saúde, vol 30 (2). p 213-220.

Clemente, A. (2016) Manual de Orientações para Promoção da Doação Voluntária de Sangue. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_orientacoes_promocao_doacao_voluntaria_sangue.pdf .(1°ed.)

Covo, M. Z, Cruz E. D. A., & Maurício A. B. (2021). Motivos de inaptidão de candidatos à doação de sangue em hemocentro brasileiro. Revista de Saúde Pública do Paraná, 4 (2) 2-12.

Franco, P., Erdtmann, B. K., & De Cézaro, D. (2005) A importância da doação de sangue e formação de novos doadores em Palmitos, SC. Cidadania em Ação: Revista de Extensão e Cultura, 2 (1).

Freire, I. L. L. (2012) Doadores de sangue: qualidade de vida e atendimento em hemocentro de Natal / RN. 2012. 126 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Liberati, A., et al. (2009). The PRISMA statement for reporting systematic reviews and meta-analyses of studies that evaluate health care interventions: explanation and elaboration. PLoS Med.6(7), p 339-341.

Ludwig, S. T., & Rodrigues, A. C. M. (2005) Doação de sangue: uma visão de marketing. Cadernos de saúde pública, 21 (3). p 932-939.

Malheiros, G. C., et al. (2014). Fatores associados à motivação da doação sanguínea. Revista Científica Da Faculdade De Medicina De Campos, 9 (1). p 08-12.

Moura, A. S., et al. (2012). Doador de sangue habitual e fidelizado: fatores motivacionais de adesão ao programa. Revista Brasileira Em Promoção Da Saúde, 19(2). p 61–67.

Oswaldo Cruz. (2021). Menos de 2% da população brasileira é doadora de sangue. Website Oswaldo Cruz. https://www.oswaldocruz.com/site/noticias-de-saude/menos-de-2-da-populacao-brasileira-e-doadora-de-sangue.

Paulo, I. G. S. (2018). Países ricos respondem por quase metade das ações de sangue no mundo, diz OMS. https://saude.ig.com.br/2018-06-14/doacao-de-sangue-paises-ricos.html

Pereira, J. R., et al. (2016). Fatores influenciadores da intenção de doar sangue: proposição de um modelo exploratório. Ciência & Saúde Coletiva. 13 (4). p 728-747.

Rodrigues, R. S. M., & Reibnitz, K. S. (2011) Estratégias de captação de doadores de sangue: uma revisão integrativa da literatura. Texto & Contexto – Enfermagem. 20 (2). 384-391.

Silva, E. F., et al. (2020). Levantamento sobre o conhecimento, participação e adesão dos acadêmicos quanto a doação de sangue. Revista Uniítalo em Pesquisa. 10 (4).

Souza, A. B., et al. (2008). Fatores contribuintes para a adesão à doação de sangue e medula óssea. Cadernos de Ciência e Cultura. 2 (1).

Souza, M. T. D., Silva, M. D. D., & Carvalho, R. D. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8, p. 102-106.

Zago, A., et al. (2010). Prevalência de doação de sangue e fatores associados. Revista Saúde Pública. 44 (1). 112-120.

Published

06/11/2022

How to Cite

RODRIGUES, H. M. S. .; SILVEIRA , H. V. N. .; LEÃO , N. M. L. .; FRANCO, J. V. V. .; BARBOSA, J. M. .; LABRE, T. B. P. .; MIGLIOLI, J. V. B. .; SILVA , A. L. G. da .; CHAGAS , R. F. .; RODRIGUES , R. S. . Factors that lead the voluntary blood donor to make the donation . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e296111436212, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36212. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36212. Acesso em: 9 dec. 2022.

Issue

Section

Review Article