Breastfeeding until six months of age a literary review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36418

Keywords:

Breastfeeding; Six months; Breast-feeding; Child development; Maternal and infant nutrition.

Abstract

Introduction: The research presents an evaluation, based on bibliographic studies, on breastfeeding up to six months and the impact on child development. Objective: To present the importance of exclusive breastfeeding, early weaning and its consequences for children. Methodology: For the construction of the article, a literature review was used, based on research on scientific article websites, for example, Scielo, PubMed, Governmental Agencies and Magazines, through a search for information relevant to the topic. Results and Discussion: 43 references related to the topic were analyzed, the results found in the articles showed that babies breastfed on exclusive breastfeeding until 06 months of age had a better development than those breastfed until 04 months or even those who did not breastfeed at first year of life. Conclusion: Exclusive breastfeeding is extremely important for the mother and her baby, this breastfeeding connection protects the baby from respiratory infections, reduces the risk of allergies and is linked to optimal motor development for the child, therefore mothers should actively breastfeed their children, to obtain the above benefits.

References

Amaral, L. J. X. et al. (2015). Fatores que influenciam na interrupção do aleitamento materno exclusivo em nutrizes. Rev. Gaúcha de Enfermagem, Paraíba, 36. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56676.

Aparecida, K., et al. (2014). Percepção das mães em relação ao aleitamento materno no período pós-parto. ABCS Health SCI, 39(3), 147. https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/648/647.

Barroso, M., & Souza, A. (2020). Obesidade, sobrepeso, adiposidade corporal e risco cardiovascular em crianças e adolescentes. Arq. Bras Cardiol.

https://www.scielo.br/j/abc/a/WGqvnyMQ7LShPbY4j9mHsvL/?lang=pt.

Bastos, C. et al. Deficiência do aleitamento materno exclusivo como contribuinte para a obesidade infantil. Revista Eletrônica Acervo Cientifico, 17. 2020. https://acervomais.com.br/index.php/cientifico/article/download/5757/3587/.

Bellodi, A.M. (2018). Obesidade em Crianças e Adolescentes: temperamento, estresse, coping e risco psicossocial familiar. 221p Tese (Programa de Pós- Graduação em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de Campinas, SP. http://tede.bibliotecadigital.puc- campinas.edu.br:8080/jspui/bitstream/tede/1054/2/ANITA COLLETES BELLODI.pdf.

Bezerra, J., et al. (2017). Hábitos modernos relacionados à amamentação. Rev. baiana enferm. https://periodicos.ufba.br/index.php/e nfermagem/article/view/1824.

Bezerra, V., et al. (2012). Aleitamento materno exclusivo e fatores associados à sua interrupção precoce: estudo comparativo entre 1999 e 2008. Rev.paul. pediatra. São Paulo, 30(2). https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103 05822012000200004 & script= sci_abstract & tlng=pt.

Braga, M. S., Gonçalves, M. S. Augusto, C. R. (2020). Os Benefícios do aleitamento materno para o desenvolvimento infantil. 6(9). www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/16985/15832.

Brasil. (2015). Ministério da Saúde, caderno de atenção básica: saúde da criança, aleitamento materno e alimentação complementar. (2a ed.), 15. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf.

Brasil. (2013). Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde: caderneta de saúde da criança: passaporte para a cidadania. Brasília. 2013. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderneta_saude_crianca_menino.pdf

Brasil. (2015). Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde: Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde: Manual de Implementação. Brasília.

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategia_ nacional _ promoção _ aleitamento _ materno.pdf.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS): Pesquisa inédita revela que os Índices de Amamentação cresceram no Brasil. Brasília. https://aps.saude.gov.br/noticia/9416.

Brasil. (2021). Ministério Da Saúde: Obesidade Infantil afeta 3,1 milhões de crianças menores de 10 anos no Brasil. https://www.gov.br/saude/pt- br/assuntos/noticias/obesidade-infantil-afeta-3-1-milhões-de-crianças-menores-de-10-anos-no-brasil.

Bruxel, R., & Sica, C. (2019). Análise de proteína e micronutrientes em amostra de leite humano. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e emagrecimento. São Paulo. 13(78), ISSN 1981-9919. 2019. http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/909/662.

Cabral, P., et al. (2013). Motivos do sucesso da amamentação exclusiva na perspectiva dos pais. Revista eletrônica de enfermagem, Goiânia, Brasil, 15(2). https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/16996/14824.

Campos, P., et al. (2020). Contato pele a pele e aleitamento materno de recém-nascido em um hospital universitário. Revista Gaúcha de Enfermagem. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2020.20190154. Acesso em 30 de setembro de 2021.

Cassimiro, I., et al. (2019). A importância da amamentação natural para o sistema estomatognático. Revista Uningá, 56(55). 55.

<http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/2678/1995.

Ciampo, L., & Ciampo, I. (2018). Aleitamento materno e os benefícios do aleitamento materno para a saúde da mulher. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., 40(6), 355. https://www.scielo.br/pdf/rbgo/v40n6/0100-7203-rbgo-40-06-00354.pdf.

Contarato, F., et al. (2016). Efeito independentemente do tipo de aleitamento no risco de excesso de peso e obesidade em crianças entre 12-24 meses de idade.

Cadernos de saúde pública. https://doi.org/10.1590/0102-311X00119015.

Eidelman, A. I. (2013). Amamentação e desenvolvimento cognitivo: existe uma associação? Jornal de Pediatria, 4, 89. https://www.scielo.br/j/jped/a/BMJ WjQ5r43hKrNsdtWHktgp/?lang=pt&format=pdf.

Furtado, L., & Assis, T. (2012). Diferentes Fatores que Influenciam na Decisão e na Duração do Aleitamento Materno: uma revisão da literatura. Movimenta,

(4),304. https://www.revista.ueg.br/index.php/movimenta/article/view/7073/4842.

José, D., et al. (2016). Relação entre desmame e alergias alimentares. 17(3), 67-68. https://revistas.ufpr.br/academica/article/download/49129/30211.

Macedo, R., et al. (2020). Associação entre aleitamento materno e excesso de peso em pré-escolares. Acta Paul Enferm. https://doi.org/10.37689/acta- ape/2020AO0025.

Maciel, A., et al. (2013). "Conhecimento De Gestantes E Lactantes Sobre Aleitamento Materno Exclusivo." Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 26(3),

https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=40829885002.

Marques, S., Cotta, M., & Priore, E. (2011). Mitos e Crenças sobre o aleitamento materno. Departamento de nutrição e saúde, universidade federal de viçosa. Minas gerais. https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000500015.

Martins, M., & Santana, L. (2013). Benefícios da amamentação para saúde materna. Interfaces cientificas- saúde e ambiente. 1(3), 90. https://periodicos.set.edu.br/saude/article/download/763/443/0.

Mascarenhas, A., et al. A (2015). percepção das puérperas frente à atuação do enfermeiro na promoção do aleitamento materno em um Hospital amigo da Criança do Estado do Pará. Rev. para. med., 29(3). http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2015/v29n3/a5558.pdf.

Moraes, et al. (2021). Amamentação nos seis primeiros meses de vida de bebes atendidos por consultoria em lactação. Revista latino am. Enfermagem. https://www.scielo.br/j/rlae/a/5CS4DJJb7J8j3mPSQHMMFWR/?lang=pt&format=pdf. <http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.3538.3412 >

Moreira, et al. (2021). Os benefícios da amamentação exclusiva na vida e saúde das crianças e sua genitora. V colóquio estadual de pesquisa multidisciplinar III congresso nacional de pesquisa multidisciplinar e II de empreendedorismo. <https://publicacoes.unifimes.edu.br/ind ex.php/coloquio/article/view/1016/958>.

Nadal, F., et al. (2017). Investigação das práticas maternas sobre aleitamento materno e sua relação com a infecção de vias aéreas superiores e otite média.

Rev. CEFAC, São Paulo, 19(3), 388. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-18462017000300387&script=sci_abstract&tlng=pt.

Nascimento, V., et al. (2016). Aleitamento materno, introdução precoce de leite não materno e excesso de peso na idade pré-escolar. Revista Paulista de Pediatria. https://doi.org/10.1016/j.rppede.2016.05.002.

Nascimento, J., et al. (2017). Influência do aleitamento materno no desenvolvimento do sistema nervoso. Revista de trabalhos acadêmicos universo recife. 4, 2-1. http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=1UNICARECIFE2&page=article&op=view&path%5B%5D=4940&path%5B%5D=3018.

Oliveira, E., et al. (2020). O excesso de peso modifica a composição nutricional do leite materno? Uma revisão sistemática. Cienc. Saúde coletiva, Rio de janeiro, 25(10). https://www.scielosp.org/pdf/csc/2020.v25n10/3969-3980/pt.

Oliveira, I., et al. (2016). Saberes Maternos Sobre a Relação entre Amamentação Natural e Hábitos Bucais deletérios. Off Health Science, Universidade Federal do Piauí, 18(2), 75-79. https://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/06/833880/01-saberes-maternos.pdf.

Oliveira, S. et al, (2017). Associação entre o Aleitamento Materno, Introdução Alimentar e Desenvolvimento Neuropsicomotor nos Primeiros seis meses de Vida. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, 29(2). https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/29637/22997.

Pereyra, I., et al. (2021). Peso ao nascer, ganho ponderal e obesidade em crianças no Uruguai: estudo prospectivo desde o nascimento. Revista Paulista de Pediatria, 39. https://doi.org/10.1590/1984-0462/2021/39/2019088>.

Perovano, D. G. (2014). Manual de Metodologia Científica. Editora Juruá.

Santos, O., Bispo, B., & Cruz, D. (2016). Padrão de Aleitamento e Estado Nutricional de Crianças até seis meses de idade. Hu Revista Juiz de Fora, 42(2).

<https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2514>

Saqueti, B. et al. Revisão sobre as vitaminas presentes no leite materno. Encontro internacional de produção cientifica. 2019 http://rdu.unicesumar.edu.br/handle/123456789/3985.

Silva, E., et al. (2016). Benefícios do aleitamento materno no crescimento e desenvolvimento infantil: uma revisão sistemática. Revista das Ciências da saúde do Oeste Baiano- Higia. Bahia, 1(2), 151. http://fasb.edu.br/revista/index.php/higia/article/view/151.

Silva, E., et al. (2016). Benefícios do aleitamento materno no crescimento e desenvolvimento infantil: uma revisão sistemática. Revista das ciências da saúde do oeste baiano. 1(2), 150. http://www.fasb.edu.br/revista/index.php/higia/article/download/125/131.

Silva, M., et al. (2019). A introdução alimentar precoce e o risco de alergias: Revisão da literatura. Revista eletrônica de enfermaria, 54, 486, https://scielo.isciii.es/pdf/eg/v18n54/pt_1695-6141-eg-18-54-470.pdf.

Silva, O., et al. (2013). Benefícios provenientes do aleitamento materno exclusivo. Revista Uningá Review, 16(2). http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1473.

Sociedade Brasileira de Pediatria. (2018). Departamento cientifico de aleitamento materno, amamentação: A Base da Vida. 6. www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/_21162c-DC_-_Amamentaçao_-_da_vida.pdf.

Sociedade Brasileira de Pediatria. (2013). Impacto da amamentação no quociente de inteligência de crianças de oito anos de idade. 38, edição 4, https://doi.org/10.1016/j.jped.2012.12.010.

Souza, B., Molero, M., & Gonçalves, R. (2023). Alimentação complementar e obesidade infantil. Revista multidisciplinar da saúde (RMS), 3(2), 3 https://revistas.anchieta.br/index.php/RevistaMultiSaude/article/view/1724/1534.

Tenorio, M., Mello, C., & Oliveira, A. (2018). Fatores associados à ausência de aleitamento materno na alta hospitalar em uma maternidade pública de Maceió, Alagoas, Brasil. Ciênc. saúde coletiva, 23(11), 3550. https://www.scielo.br/pdf/csc/v23n11/1413-8123-csc-23-11-3547.pdf acesso 10/.

Vargas, A. et al. (2016). Atuação dos Profissionais de Saúde da Estratégia Saúde da Família: Promoção da Pratica do Aleitamento Materno. Revista Baiana de Enfermagem, salvador, 30(2), 3. http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2017/06/Atua%C3%A7%C3%A3o-dos-profissionais-de-sa%C3%BAde-da- estrat%C3%A9fia-sa%C3%BAde-da-fam%C3%ADlia-promo%C3%A7%C3%A3o-da-pr%C3%A1tica-do-aleitamento.

Venancio, S., Saldiva, S., & Monteiro, C. (2013). Tendencia secular da amamentação no Brasil. Revista Saúde Pública. 47 (6), 1208. https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004676.

Vieira, A., et al. (2017). As influencias do aleitamento materno para o desenvolvimento infantil: uma revisão integrativa de literatura. Revista Espacios. 38(12). www.revistaespacios.com/a17v38n12p15.pdf.

Wannmacher, L. (2016). Obesidade como um fator de risco para morbidade e mortalidade: Evidencias sobre o Manejo com Medidas não Medicamentosas. OPAS/OMS. 1(7). https://www.paho.org/bra/dmdocuments/Fasciculo 7.pdf.

Weffort, V. (2019). Sociedade Brasileira de Pediatria- Departamento de Nutrologia. Obesidade na infância e adolescência: manual de orientação. (3ª ed.), Manual de Orientação. https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Manual_de_Obesidade_-_3a_Ed_web_compressed.pdf.

Published

30/10/2022

How to Cite

ARAUJO, S. C. de .; AVELINO, B. da S. S. . Breastfeeding until six months of age a literary review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e363111436418, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36418. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36418. Acesso em: 9 dec. 2022.

Issue

Section

Health Sciences