Prevalence of Gardnerella vaginalis in colpocytology exams in the Municipality of Colméia – Tocantins, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37087

Keywords:

Gardnerella vaginalis; Prevalence; Cytopathological examinations.

Abstract

Gardnerella vaginalis is a bacterium that exists in the body of women who have an active sex life, and excessive growth can occur, producing a large number of bacteria at the site, and thus causing bacterial vaginosis. In this context, the objective of this study was to verify the predominance of Gardnerella vaginalis in women attended by the Basic Health Unit, Dr. Joaquim in Colmeia – Tocantins, Brazil. This study is a cross-sectional descriptive approach, whose target population was composed of 43 women attended at the Basic Health Unit, it was found that a high prevalence of Gardnerella Vaginalis colonizing the genital tract of women, being of great importance the orientation and adoption of adequate treatment by patients. Among the 43 samples, 62.64% had the pathology, another 37.36% are not correlated with the pathology, these data are related to age, sex life and numbers of partners, in addition, menopause is one of the conditions that influence in Gardnerella Vaginalis. Finally, it is very important to provide guidance and counseling for these women to have an adequate treatment for this disease.

Author Biographies

Karolaine Martins dos Anjos, Faculdade Guaraí

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG.

Lorena Pereira Duarte Carvalho, Faculdade Guaraí

Graduanda em Enfermagem pela Faculdade Guaraí-FAG.

Glaucya Wanderley Santos Markus, Faculdade Guaraí

Enfermeira. Mestra em Bioengenharia com Ênfase em Saúde. 

Reobbe Aguiar Pereira, Universidade Brasil

Bacharel em Enfermagem. Mestre em Ciências Ambientais.

Adriana Keila Dias, Faculdade Guaraí

Mestra em Ciências Ambientais. Doutoranda em Engenharia Biomédica.

References

Almeida. E. S., et al. (2022). Recomendações para o rastreamento do câncer do colo de útero durante a pandemia: uma revisão integrativa. Estudos avançados sobre saúde e natureza, [s. l.], v. 2, 2022. < https://periodicojs.com.br/index.php/easn/article/view/629>.

Alves. G. B., Alvim. M. C. T., Odorizzi. V. F., Borges. A. K. P., & Baptista. A. B. (2021). Perfil etiológico e epidemiológico das vulvovaginites que acometem mulheres em uma cidade do estado de Tocantins. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 13(2), e5383. < https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/5383>.

Amorim, L. T. L., Monteiro, N. J., Nogueira, L. M. V., Rodrigues, I. L. A., & André, S. R. (2018). Exame de colpocitologia oncótica: revisão integrativa. Revista de enfermagem e atenção à saúde. < https://redib.org/record/oai_articulo1652727-exame-de-colpocitologia-onc%C3%B3tica-revis%C3%A3o-integrativa/Citing>.

Andrade, C. M. V., et al. (2021). Influência da pandemia pelo Coronavírus na realização do exame papanicolau na atenção primária. Revisa. 2021; < http://revistafacesa.senaaires.com.br/index.php/revisa/article/view/805/731>

Araújo, D. E, Brandt, L. N. C., Lenzi, R. V., & Bonfá, M. B. (2017). Presença de agentes Infecciosos em exames colpocitológicos nas unidades básicas de saúde do município de Cacoal – RO. Revista Eletrônica FACIMEDIT, 6(1), Maio/Jun 2017. < http://repositorio.facimed.edu.br/xmlui/handle/123456789/61 >

Bonfanti, G., & Gonçalves, T. de L. (2011). Prevalência de gardnerella vaginalis, candida spp. e trichomonas vaginalis em exames citopatológicos de gestantes atendidas no hospital universitário de Santa Maria-RS, saúde (Santa Maria), [S. l.], 36(1), 37–46, 2011. < https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/2343 >.

Darck. J. P. J. (2020). Infecção por Gardnerella vaginalis: Principais faixas etárias e mecanismos de resposta inflamatória. Brazilian journal. < https://brazilianjournals.com/ojs/index.php/BJHR/article/view/38453>

De Jesus, J. D. P., et al. (2020). Infecção por Gardnerella vaginalis: Principais faixas etárias e mecanismos de resposta inflamatória Gardnerella vaginalis infection: Main age groups and inflammatory response mechanisms. Brazilian Journal of Health Review. < https://scholar.archive.org/work/lbxxm5yctzgqbixpznje6s6jfy/access/wayback/https://brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/download/38453/pdf>

Fontelles, M. J., Simões, M. G., Farias, S. H., & Fontelles, R. G. S. (2021). Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista paraense de medicina, 23(3), 1-8. < https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/150/o/Anexo_C8_NONAME.pdf.>.

Martins, R. A., et al., (2018). Frequência de trichomonas vaginalis, gardnerella vaginalis e candida spp. em exames colpocitológicos em vista serrana-pb. Rev. de ciências da saúde Nova Esperança. 16(2) - OUT/2018. < http://www.facene.com.br/wp-content/uploads/2018/10/ARTIGO-03_N2.pdf >

Moreira, C. N. (2019). Incidência da gardnerella vaginalis. Maceió-AL. Monografia [Pós graduação em Citologia Clínica] - Centro Universitário Cesmac, 2019. < https://ri.cesmac.edu.br/handle/tede/514>

Nai, G. A., et al., (2021). Freqüência de Gardnerella vaginalis em esfregaços vaginais de pacientes histerectomizadas. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 53, n.pp. 162-165. < https://doi.org/10.1590/S0104-42302007000200023 >.

Norberg, et al. (2015). Prevalência de candidíase vulvovaginal em mulheres da Região da Baixada Fluminense, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Revista da Faculdade de Ciências Gerenciais de Manhuaçu – FACIG (ISSN 1808-6136). Pensar Acadêmico, 12(1), 109-114.

Oliveira, N. C., et al., (2010). Desempenho de enfermeiras na coleta de material cervico uterino para exame de Papanicolaou. Acta Paulista de Enfermagem [online]. 2010, 23, n, pp. 385-391. < https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000300012>

Oliveira, L. L., Santos, M. R. S., Rodrigues, I. L. A., André, S. R., Silva, I. F. S., & Nogueira, L. M. V. (2020). Exclusividade na coleta de material para exame de colpocitologia oncótica: percepção dos enfermeiros. Revista de Enfermagem da UFSM, 10, e15. 10.5902/2179769233721. < https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/33721>

Rebouças. D. S., C., & Amélia. A. D. E. (2020). Incidência de infecções por Gardnerella vaginalis em mulheres sexualmente ativas: Um levantamento de laudos citológicos. https://textura.famam.com.br/textura/article/view/527#:~:text=Considerando%20o%20per%C3%ADodo%20da%20pesquisa,a%20pandemia%20por%20COVID%2D19.

Santana, J. R., et al. (2021). Prevalência de Gardnerella vaginalis em mulheres atendidas em uma Unidade Básica de Saúde no município de Macapá- AP. < https://pubsaude.com.br/wp-content/uploads/2021/01/103-Prevalencia-de-Gardnerella-vaginalis-em-mulheres-atendidas-em-uma-Unidade-Basica-de-Saude.pdf >

Santos, G. O., & Steffens, A. P. (2011). Representações das mulheres de Cristópolis sobre a importância do exame de colpocitologia. Scire Salutis, Aquidabã, 1(1), 15‐27, 2011. https://www.sustenere.co/index.php/sciresalutis/article/download/ESS2236-9600.2011.001.0002/81 >

Silveira, A, C., et al. (2020). A Gardnerella vaginalis e as infecções do trato urinário. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial. 46(4), 295-300. < https://doi.org/10.1590/S1676-24442010000400006 >.

Teixeira, A, A., et al. (2015). Análise retrospectiva: o que denota os exames citopatológicos da unidade CEPS. < https://sustenere.co/index.php/sciresalutis/article/view/CBPC2236-9600.2021.002.0010 >.

Thuler, L. C. S., Bergmann, A., & Casado, L. (2012). Perfil das Pacientes com Câncer do Colo do Útero no Brasil, 2000-2009: Estudo de Base Secundária. Revista Brasileira de Cancerologia, [S. l.], 58(3), 351–357, 2012. < https://rbc.inca.gov.br/index.php/revista/article/view/583>.

Toninato, L. G., Irie, M. M., Consolaro, M. E., Teixeira, J. J., & Boer, C. G. (2014). Vaginose bacteriana diagnosticada em exames citológicos de rotina: prevalência e características dos esfregaços de Papanicolau. RBAC. < http://sbac.org.br/rbac/wp-content/uploads/2016/06/ARTIGO-12_RBAC-48-2-2016-ref.-1205.pdf >

Xavier, C. M., Filho, M. I., Araujo, J. T. T. d., & Oliveira, A. V. d. (2019). Frequência de trichomonas vaginalis e gardnerella vaginalis em exames colpocitológicos realizados em uma rede de laboratórios privados no município de joão pessoa – pb. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança, 17(1).

Xavierm. P., DE Carvalhot. A., do Valeb. N., & Villas Boasa. F. (2015). Incidência de Alterações da Microbiota (Vaginose) por Gardnerella vaginalis em Mulheres Sexualmente Ativas. Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Saúde e Tecnologia, 1(11), 13-27, https://revista.fasem.edu.br/index.php/fasem/article/view/103>

Published

16/11/2022

How to Cite

MARTINS DOS ANJOS, K.; CARVALHO, L. P. D. .; MARKUS, G. W. S. .; PEREIRA, R. A.; DIAS, A. K. . Prevalence of Gardnerella vaginalis in colpocytology exams in the Municipality of Colméia – Tocantins, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e260111537087, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37087. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37087. Acesso em: 31 jan. 2023.

Issue

Section

Health Sciences