Adulterants survey in informal raw milk and uat milk sold in a county in south

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37150

Keywords:

Milk; Adulterants; Fraud.

Abstract

Milk is composed of a mix of complex substances and constitutes one of the main foods consumed in the world, due to its organoleptic and nutritional characteristics. The lack of quality of this product is related to various forms of fraud, causing food and public health problems. This research aimed to detect the presence of adulterants in “informal” raw milk and UHT milk sold in a municipality in the south of Tocantins. Six samples of UHT milk and three samples of informal raw milk were collected, which were submitted to sensory analysis, alizarol, formaldehyde, chlorine, hypochlorite, sucrose, chloride, sodium hydroxide tests and pH determination. An unsatisfactory result was detected in only one UHT milk sample (LT3), which showed the presence of hypochlorite. In the analysis of informal raw milk, two samples were detected with alterations in one of the analyzed parameters: the LC1 sample showed changes in its organoleptic characteristics and the LC2 sample showed a positive result in the chloride test. The other analyzes of adulterants and physical-chemical characteristics were found in accordance with the criteria defined in legislation. This research shows the need for monitoring and inspection of the quality parameters of products on the market, especially the need for greater control over illegally traded milk, which is more subject to the presence of adulterants.

References

Almeida, T.V. (2013). Detecção de adulteração em leite: análises de rotina e espectroscopia de infravermelho. 23f. Mestrado em Ciência Animal da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás. https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/67/o/2013_Thamara_Venancio_Seminario2corrig.pdf.

Amorim, A. L. B. do C. (2017). Avaliação da presença de substâncias químicas em leites cru e beneficiado produzidos e comercializados no Distrito Federal e Entorno. Dissertação de mestrado em saúde animal. Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária – Universidade de Brasília. https:// https://repositorio.unb.br/bitstream/10482/23637/1/2017_AmandaLaryssaBorgesdoCarmoAmorim.pdf.

Beloti, V. (2015). Leite: obtenção, inspeção e qualidade. Editora Planta.

Bisognin, F. et al. (2016). Caracterização físico-química do leite para produção de derivados lácteos em um laticínio na região noroeste do Rio Grande do Sul nota técnica. Revista SODEBRAS. 11(131), 228-233.

Costa, A.L.R. (2021). Incidência de fraudes, alterações e adulterações em leite cru refrigerado comercializado clandestinamente no Norte do Tocantins. 31 f. Monografia (Graduação) - Zootecnia, Universidade Federal do Norte do Tocantins, Araguaína. http://hdl.handle.net/11612/3066.

Brasil. (2006). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 68, de 12 de dezembro. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais Físico-Químicos, para Controle de Leite e Produtos Lácteos, em conformidade com o anexo desta Instrução Normativa, determinando que sejam utilizados nos Laboratórios Nacionais Agropecuários. Diário Oficial da União, Brasília. 1-141.

Brasil. (2011). Instrução Normativa nº 62 de 29 de dezembro de 2011. Aprova o Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel. Diário Oficial da União, Brasília, 30 dez. 1, 1-24.

Brasil. (2018). Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 76. Brasília, DF: MAPA. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. 1, 1-4. https://www.gov.br/agricultura/pt-br/.

Cords, B.R; Dychadala, G.R; Richter, F.L. (2001). Cleaning and Sanitizing in Milk Production and Processing. In: Applied dairy microbiology. MARTH, E.H; STEELE, J.L 2. Ed. New York: Marcel Dekker. 547-587.

Fornasari, M.T.C; Montanhini, M.T.M. (2015). Avaliação da Eficiência da Prova Qualitativa de Cloretos para Investigação de Adulteração do Leite. Brazilian Journal of Food Research. 6(2), 75 – 79.

Gondim, C. S. (2016). Métodos qualitativos para detecção de adulterantes em leite cru: validação intra e interlaboratorial. 244 f. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Farmácia, Programa de Pós- Graduação em Ciência de Alimentos. http://hdl.handle.net/1843/BUOS-BAPJJS.

Hochmüller, A.L.H. et al. (2017). Estudo exploratório em leites UHT para verificação de ocorrência de adulteração. Revista interdisciplinar de ensino, pesquisa e extensão. 4(1) 174-180.

Kartheek, M. et al. (2011). Determination of Adulterants in Food: A Review. Journal of Chemical and Pharmaceutical Research. 3(2), 629-636.

Lima, N.K. P. et al. (2012). Análises físico-químicas de amostras de leite UHT integral comercializados no município de Morrinhos, GO. Rev. de Biotecnologia & Ciência. 2 (1), 93-102.

Lobato, P. R. (2014). Pesquisa da adição de soro de queijo ao leite pasteurizado comercializado em Minas Gerais: determinação de CMP por cromatografia líquida de alta eficiência (CLAE) e comparação dos métodos imunoquímicos (Stick CGMP e BRW Elisa). 49 f. TCC (Pós-Graduação) – Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. http://hdl.handle.net/1843/SMOC-9V5HLU.

Marques, A.E.F. et al. (2019). Análise de adulterantes no leite de vaca in natura comercializado informalmente no interior do estado do Ceará. Educ. Ci. e Saúde. 6 (2), 37-51.

Mendes, C.G. et al. (2010). Análises físico-químicas e pesquisa de fraude no leite informal comercializado no município de Mossoró, RN. Ciência Animal Brasileira. 11(2), 349-356.

Recio, I. et al. (2000). Detection of rennet whey solids in UAT milk by capillary electrophoresis. International Dairy Journal. 10, 333-338.

Rosa, L. S. et al. (2015). Avaliação da qualidade físico-química do leite ultra pasteurizado comercializado no município de Erechim – RS. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia. 3(2), 99-107.

Sales, G. L. et al. (2020). Leite: ser ou não ser? eis a questão! Research, Society and Development. 9 (5), 1-21.

Santos, M.C.M. et al. (2018). Desenvolvimento de um modelo preditivo para identificação de perda de estabilidade e ocorrência de proteólise em leite UAT. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. 70(1), 247-253.

Santos, T.B. et al. (2022). Investigação de fraudes e caracterização físico química e microbiológica em leite cru comercializado informalmente no município de Ariquemes - RO. Revista Edutec. 3(1), 66-76.

Silva, D.V.; Goulart, S.M.; Santos, J.P.V. (2018). Análise físico-química e pesquisa de adulterantes químicos em leite UAT comercializado na cidade de Itumbiara-GO. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande. 20 (2),121-127.

Silva, G.W.N. et al. (2017). Avaliação físico-química de leite in natura comercializado informalmente no sertão paraibano. Revista Principia - Divulgação Científica e Tecnológica do IFPB. 35, 34-41.

Souza, L. V. et al. (2014). Avaliação da qualidade microbiológica e físico-química de leite UHT integral processado em indústrias do estado de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável (RBAS). 4 (2), 6-15.

Tronco, V. M. (2008). Manual para Inspeção da Qualidade do Leite. Editora UFSM.

Venturini, K.S.; Sarcinelli, M.F; Silva, L.C. (2007). Características do leite. Vitória: UFES/Pró-Reitoria de Extensão. 1-6.

Wanderley, C.H. (2014). Avaliação e comparação de diferentes metodologias para detecção de fraudes em leite. 74 f. TCC (Pós-Graduação) – Curso Medicina Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Niterói. https://higieneveterinaria.uff.br/wp-content/uploads/sites/270/2020/08/tese_carolinahood.pdf

Weschenfelder, S. et al. (2016). Avaliação da rotulagem nutricional e das características físico-químicas e microbiológicas de diferentes marcas de leite pasteurizado e leite UHT. Boletim De Indústria Animal. 73(1), 32-38.

Zanlorenzi, M.T.C.F; Montanhini, M.T.M. (2014). Avaliação da eficiência da prova qualitativa de cloretos para investigação de adulteração do leite. Pubvet. 8(21), 1-9. https://doi.org/10.22256/pubvet.v8n21.1804.

Published

18/11/2022

How to Cite

RIOS, M. C. .; PEREIRA, P. S. .; FRANCO, J. V. V. .; SANTOS JUNIOR, C. S. dos .; RIBEIRO, K. E. .; MATA, D. N. F. da .; RODRIGUES, H. M. S. .; MARINHO, E. C. .; RODRIGUES, R. S. .; ALMEIDA, E. C. V. . Adulterants survey in informal raw milk and uat milk sold in a county in south . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e307111537150, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37150. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37150. Acesso em: 31 jan. 2023.

Issue

Section

Review Article