Traditional knowledge as folk medicine for health care in a riverside community in the interior of the Amazon

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37312

Keywords:

Traditional knowledge; Riverside populations; Amazon.

Abstract

This study deals with the use of traditional knowledge for health care in communities in the interior of the Amazon, specifically in the community of Arapixuna, in the municipality of Santarém, State of Pará, Brazil. The objective was to investigate the traditional medicinal practices of health care that residents of the locality. 154 medical records of users of the Family Health Strategy were evaluated, from 2018 to 2021, to verify the main diseases that occurred in the region and the existence or not of the record of their treatment, with traditional knowledge. Then, 100 individual registration forms from the Health Unit were evaluated and, from these, 21 participants were selected for the interview. It was observed in the sociodemographic profile, equivalence between females and males, age group between 54-65 years, complete high school, farming profession, family income of 1 minimum wage and Catholic religion. The profile of the interviewees showed that the majority were women aged between 31 and 40 years. Popular resources are used by the population, such as teas, baths, syrups, animal lard and massages, as well as allopathic medicines available at the Health Unit, however, traditional knowledge is the first resource used. The main health problem reported by study participants was Covid-19 flu syndrome. It is hoped that this research can contribute to new studies on the subject, fostering dialogues and reflections on care and its popular practices, passed on between generations in riverside communities in the interior of the Amazon.

References

Araújo, K. A. (2018). Conhecimento local e o uso de plantas medicinais em Boa Vista/Roraima-novas estratégias em saúde coletiva. Manaus, Amazonas.

Bagata, L. D. C. B. (2018). Cuidado em saúde de mulheres ribeirinhas: relações de saber-poder no interior da Amazônia. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Oeste do Pará).

Batista, V. D. A., Bichara, C. N. C., Carneiro, C. R. D. O., Furtado, L. G., Botelho, M. G. L., Silva, D. F. D., & Pontes, A. N. (2021). Tecnologias sociais voltadas para o saneamento básico de comunidades ribeirinhas na Amazônia. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 8(19), 909-920. 10.21438/rbgas(2021)081918

Castro, F. F., Castro, F. F., Souza, C. R. S., Diniz, C. X., Parmejiani, E. P., Santos, F. S., & Nascimento, J. N. (2020). Idosos ribeirinhos da Amazônia Brasileira no enfrentamento da covid-19. In: Santana RF (Org.). Enfermagem gerontológica no cuidado do idoso em tempos da COVID 19. (2a ed.) rev. Brasília, DF: Editora ABEn; p 131-138. https://doi.org/10.51234/aben.20.e02.c20.

Chaves, M. D. P. S. R. (2001). Uma experiência de pesquisa-ação para gestão comunitária de tecnologias apropriadas na Amazônia: o estudo de caso do assentamento de Reforma Agrária Iporá. Campinas, São Paulo.

Costa, R. S. L., Tavares, V. V. A. V., Dourado, E. S., Lameira, Y. C., Américo, P. S., & dos Santos, R. R. (2021). Uso de plantas medicinais por indivíduos de uma comunidade do Acre. Research, Society and Development, 10(9), e30610917968-e30610917968. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17968

Da-Gloria, P., & Piperata, B. A. (2019). Modos de vida dos ribeirinhos da Amazônia sob uma abordagem biocultural. Ciência e Cultura, 71(2), 45-51. http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602019000200014

Dias, M. A., & Mendonça, F. (2020). Alternatividades em saúde humana e a geografia da saúde. Hygeia, 16, 264-281. http://dx.doi.org/10.14393/Hygeia16056781

Domingos, I. M., & Gonçalves, R. M. (2019). População ribeirinha no Amazonas e a desigualdade no acesso à saúde. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito, 11(1), 99-108.

Faria, R. M., & Bortolozzi, A. (2009). Espaço, território e saúde: contribuições de Milton Santos para o tema da geografia da saúde no Brasil. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, 17. http://dx.doi.org/10.5380/raega.v17i0.11995.

Feitoza, R. I. C. (2021). Dermatologia tropical na população ribeirinha. Cursos de Atenção à Saúde da População Ribeirinha.1.ed. Manaus, AM: Universidade do Estado do Amazonas – UEA. https://ares.unasus.gov.br/acervo/bitstream/ARES/23856/1/E-book_Unidade_DermatologiaTropical_Final_ISBN.pdf.

Fernandes, F. D. P. (2019). Atenção primária à saúde: práticas profissionais diferenciadas (Arapixuna, Santarém-PA) (Doctoral dissertation, Universidade Federal do Oeste do Pará).

Gama, A. S. M., Fernandes, T. G., Parente, R. C. P., & Secoli, S. R. (2018). Inquérito de saúde em comunidades ribeirinhas do Amazonas, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34. https://doi.org/10.1590/0102-311X00002817

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (Vol. 4, p. 175). Atlas.

Gomes, T. B., & Bandeira, F. P. S. D. F. (2012). Uso e diversidade de plantas medicinais em uma comunidade quilombola no Raso da Catarina, Bahia. Acta Botanica Brasilica, 26, 796-809.

IBGE. (2020). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por amostra de domicílios contínua 2012-2019. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101707_informativo.pdf.

Luz, M. T. (2019). Natural, racional, social: razão médica e racionalidade científica moderna. Editora Fiocruz/Edições Livres.

Moran, E. (1990). A Ecologia Humana das Populações da Amazônia. Vozes.

Rocha, L. P. B., Oliveira Alves, J. V., Silva Aguiar, I. F., Silva, F. H., Silva, R. L., Arruda, L. G., & Silva, M. V. (2021). Uso de plantas medicinais: Histórico e relevância. Research, Society and Development, 10(10), e44101018282-e44101018282. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18282

Ruela, L. D. O., Moura, C. D. C., Gradim, C. V. C., Stefanello, J., Iunes, D. H., & Prado, R. R. D. (2019). Implementação, acesso e uso das práticas integrativas e complementares no Sistema Único de Saúde: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 24, 4239-4250. https://doi.org/10.1590/1413-812320182411.06132018

Santos, C. D., Salgado, M. S., & Pimentel, M. D. S. (2012). Ribeirinhos da Amazônia: modo de vida e relação com a natureza. V Encontro da Rede de Estudos Rurais. https://rederural5. wordpress. com/.

Santos, É. R., Leal, R. S., de Rezende Veras, A. T., & da Silva Maia, R. O. (2020). Geograficidade amazônica: A percepção do lugar dos ribeirinhos de Sacaí, Baixo Rio Branco-RR. Acta Geográfica, 14(35), 48-63.

Silva, A. S. P., & Feitosa, S. T. (2018). Revisão sistemática evidencia baixo nível de conhecimento acerca da política nacional de práticas integrativas e complementares por parte de gestores e profissionais da saúde. VITTALLE - Revista De Ciências Da Saúde, 30(1), 105–114. https://doi.org/10.14295/vittalle.v30i1.7491

Silva, E. D. S., Oliveira, D. D. D., & Lopes, A. P. (2019). Acesso ao Saneamento básico e Incidência de Cólera: uma análise quantitativa entre 2010 e 2015. Saúde em debate, 43, 121-136. https://doi.org/10.1590/0103-11042019S309

Silva, G. (2005). Sustentabilidade ou subordinação: modos de vida em comunidades de várzea na foz do Amazonas. Diversidade socioambiental nas várzeas dos rios Amazonas e Solimões: perspectivas para o desenvolvimento da sustentabilidade. Manaus: MMA, 265-313.

Silveira, Y. M. S. C., & de Lima Ramires, J. C. (2014). O uso de plantas medicinais na área urbana de Montes Claros-MG: reflexões a partir da população atendida na estratégia saúde da família do bairro Morrinhos. Revista Cerrados, 12(01), 181-198. https://www.periodicos.unimontes.br/index.php/cerrados/article/view/2984

Siqueira, K. M., Barbosa, M. A., Brasil, V. V., Oliveira, L. M. C., & Andraus, L. M. S. (2006). Crenças populares referentes à saúde: apropriação de saberes sócio-culturais. Texto & Contexto-Enfermagem, 15, 68-73. https://doi.org/10.1590/S0104-07072006000100008

Steward, J. H. (1948). Culture areas of the tropical forests. Handbook of south american indians, 3, 883-899.

Tavares, A. R. F., Silva, G. R. A., Silva, S. T. T., & Castro, A. P. S. (2021). A dificuldade de acesso ao saneamento básico nas regiões ribeirinhas do Estado do Pará e suas consequências na qualidade dos recursos hídricos: estudo de caso da Ilha das Onças. Research, Society and Development, 10(16), e527101623899. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i16.23899

Zeni, A. L. B., Parisotto, A. V., Mattos, G., & Helena, E. T. D. S. (2017). Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 2703-2712. https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.18892015

Published

21/11/2022

How to Cite

RIBEIRO, M. R. .; GALVÃO, E. F. C. Traditional knowledge as folk medicine for health care in a riverside community in the interior of the Amazon. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e402111537312, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37312. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37312. Acesso em: 9 feb. 2023.

Issue

Section

Health Sciences