Protagonism of medical students in carrying out the activities of the HIPERDIA program: an experience report

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37501

Keywords:

Systemic Arterial Hypertension; Diabetes Mellitus; Medical education.

Abstract

Complications involving Systemic Arterial Hypertension and Diabetes Mellitus contribute to the increase in premature mortality from non-transmissible chronic diseases, as well as increase the costs of the Brazilian Unified Health System. The objective of this work was to dynamize the teaching-learning of Situational Strategic Planning to medical students, with the motto of the execution of the activities of the National Program of Hypertension and Diabetes.  The methodology used was the experience report of teaching-learning with the use of pedagogy by problems, leading the students to be the protagonists of their learning process under the coordination of the teacher. The execution of the programmed actions for the individuals in the community was developed in three moments, with home visits to actively search for the absent, invitation to participate in the programmed activities, and the performance of the actions inherent to the National Hypertension and Diabetes Program in the physical environment of the Family Health Strategy Unit. The results found were positive for the students' learning about Situational Strategic Planning, the formatting of the Intervention Plan, and the execution of health promotion actions. The concrete factors observed and pointed out here signaled a positive result in self-care, in the sensitization of the target audience and in the awakening of individuals to the knowledge about health promotion and prevention of the diseases in focus. For the medical students, the protagonism in the execution of the activities brought them closer to humanized care and provided a closer relationship between the Federal University of Pará and the community of Riacho Doce.

References

Almeida-Pititto, B., Dias, M. L., Moraes, A. C. F., Ferreira, S. R. G., Franco, D. R., Eliaschewitz, F. G. (2015). Type 2 diabetes in Brazil: epidemiology and management. Diabetes, Metabolic Syndrome and Obesity: Targets and Therapy, 2015:8 17–28. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4298341/

Alves, B. A., & Calixto, A. A. T. F. (2012). Aspectos determinantes da adesão ao tratamento de hipertensão e diabetes em uma Unidade Básica de Saúde do interior paulista. Journal of the Health Sciences Institute, 30(3): 255-260. https://repositorio.unip.br/journal-of-the-health-sciences-institute-revista-do-instituto-de-ciencias-da-saude/aspectos-determinantes-da-adesao-ao-tratamento-de-hipertensao-e-diabetes-em-uma-unidade-basica-de-saude-do-interior-paulista/

Araújo, C. C., Cunha, C. L. F., Valois, R. C., Botelho, E. P., Barbosa, J. S., & Ferreira, G. R. O. N. (2019). Internações por diabetes mellitus no estado do Pará: distribuição espacial e fatores associados ao óbito. Revista Nursing, 22(257): 3226-3233. http://www.revistanursing.com.br/revistas/257/pg56.pdf

Artmann, E. (2000). O Planejamento Estratégico Situacional: um instrumento a favor da visão multissetorial. Cadernos da Oficina Social, 3(1): 98-119. https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/2153.pdf

Asso, R. N., Affonso, V. R., Santos, S. C., Castanheira, B. E., Zaha, M. S., Losada, D. M., & Santos, J. (2013). Avaliação das visitas domiciliárias por estudantes e pelas famílias: uma visão de quem as realiza e de quem as recebe. Revista Brasileira de Educação Médica, 37(3): 326-332. https://www.scielo.br/j/rbem/a/JgfVS3wfCMqz5CkCxQcxYhb/?lang=pt

Barroso, W. K. S., Rodrigues, C. I. S., Bortolotto, L. A., Mota-Gomes, M. A., Brandão, A. A., Feitosa, A. D. M., Machado, C. A., Poli-de-Figueiredo, C. E., Amodeo, C., Mion Júnior, D., Barbosa, E. C. D., Nobre, F., Guimarães, I. C. B., Vilela-Martin, J. F., Yugar-Toledo, J. C., Magalhães, M. E. C., Neves, M. F. T., Jardim, P. C. B. V., Miranda, R. D., . . . Nadruz, W. (2021). Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial – 2020. Arquivos brasileiros de cardiologia, 116(3): 516-658. https://doi.org/10.36660/abc.20201238

Betti, I. A., Coutinho, A., Monteiro, A. C. R. S., Chetelat, E. S. M., Cardoso, E. A., Porto, F. L. F., Lopes, L. C. M., Leite, M. C. C. M. B., Santos, M. C., Amato, P. G. A., Santos, R. C. D., Rabello, S. N. R., Afonso, T. G. A. S., & Pereira, V. R. (2020). Adesão ao tratamento de HAS: uma questão de organização do processo de trabalho na Atenção Primária no SUS. Revista Qualidade HC, Ribeirão Preto, p. 252-255. https://www.hcrp.usp.br/revistaqualidadehc/edicaoselecionada.aspx?Edicao=12

Brasil. Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS. (2019). Hipertensão arterial nas 4 macrorregiões do Pará. Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB). http://www2.datasus.gov.br/SIAB/index.php?area=04

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). (2013). Prevalência do diabetes mellitus. Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?hiperdia/cnv/hdpa.def

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Saúde da Família / Secretaria de Atenção Primária à Saúde. (n.d.b). Estratégia Saúde da Família. Gov.br. https://www.gov.br/saude/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/estrategia-saude-da-familia

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. (2014a). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério da Saúde. 128 p. https://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/mis-37355

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. (2014b). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: diabetes mellitus. Brasília: Ministério da Saúde. 160 p. http://www.saude.ba.gov.br/caderno-atencao-basica-diabetes-estrategias-para-o-cuidado-da-pessoa-com-doenca-cronica-no-35-2014/

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. (2021). Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil 2021-2030. Brasília: Ministério da Saúde. 118 p. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_enfrentamento_doencas_cronicas_agravos_2021_2030.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. (2017). Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016. Brasília: Ministério da Saúde. https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/publicacoes-svs/vigitel/vigitel-brasil-2016-fatores-risco.pdf/view

Brasil. Ministério da Saúde. (n.d.a). 26/6 – Dia Nacional do Diabetes. Biblioteca Virtual em Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/26-6-dia-nacional-do-diabetes-4/

Brasil. Ministério da Saúde. (2001). Portaria nº 235, de 20 de fevereiro de 2001. Estabelece as diretrizes para a reorganização da atenção aos segmentos populacionais expostos ou portadores de hipertensão arterial e de diabetes mellitus na rede pública de serviços de saúde. https://bvsms.saude.gov.br › bvs › prt0235_20_02_2001

Brasil. Ministério da Saúde. (2007). Portaria nº 2.583, de 10 de outubro de 2007. Define elenco de medicamentos e insumos disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde, nos termos da Lei nº 11.347, de 2006, aos usuários portadores de diabetes mellitus. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt2583_10_10_2007.html

Bustamante, J. (2010). Poder comunicativo, ecossistemas digitais e cidadania digital. In: Silveira, A. S. (orgs). Cidadania e redes digitais. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, Maracá, Educação e Tecnologias. p. 12-35. https://www.cgi.br/media/docs/publicacoes/1/livro-cidadania-e-redes-digitais.pdf

Castro, M. C C., Massuda, A., Almeida, G., Menezes-Filho, N. A., Andrade, M. V., Noronha, K. V. M. S., Rocha, R., Macinko, J. Hone, T., Tasca, R., Giovanella, L. Malik, A. M., Werneck, H., Fachini, L. A., & Atun, R. (2019). Brazil's unified health system: the first 30 years and prospects for the future. Lancet, 394(10195): 345-356. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(19)31243-7

Casarin, S.T., & Porto, A.R. (2021). Relato de Experiência e Estudo de Caso: algumas considerações. Journal of Nursing and Health, 11(2):e2111221998. https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/21998

Cortes, L.F., Padoin, S.M.M., & Berbel, N.A.N. (2018). Problematization Methodology as Convergent Healthcare Research: práxis proposal in research. Rev Bras Enferm, 71(2):440-5. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0362

Desidério, M. (2015, 24 de maio). As capitais brasileiras onde mais gente tem hipertensão. Exame.com. https://exame.com/brasil/as-capitais-brasileiras-onde-mais-gente-tem-hipertensao/

Dos Santos, B. P., Feijó, A. M., Viegas, A. da C., Lise, F., & Schwartz, E. (2018). Classificação das pesquisas. In F. Lise, B. M. Souza, E. Schwartz, & F. R. M. Garcia (Orgs.). Etapas da construção científica: da curiosidade acadêmica à publicação dos resultados. Pelotas: Ed. UFPel. p. 61-73. http://guaiaca.ufpel.edu.br/handle/prefix/4171

Filha, F. S. S. C.; Nogueira, L. T.; & Viana, L. M. M. (2011). HIPERDIA: Adesão e Percepção de Usuários Acompanhados Pela Estratégia Saúde da Família. Rev. Rene, Fortaleza; 12(n. esp.):930-6; 2011. http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/4380

Magnago, C., & Pierantoni, C. R. (2015). Dificuldades e estratégias de enfrentamento referentes à gestão do trabalho na Estratégia Saúde da Família, na perspectiva dos gestores locais: a experiência dos municípios do Rio de Janeiro (RJ) e Duque de Caxias (RJ). Saúde Debate, Rio de Janeiro, 39(104): 9-17. https://doi.org/10.1590/0103-110420151040194

Morsch, J.A. (2021, maio 13). 5 problemas do SUS e alternativas ao paciente. Telemedicina Morsch. https://telemedicinamorsch.com.br/blog/problemas-do-sus

Negreiros, R. V., Fonseca, E. N. R., Abreu, R. A., Freire, E. E., Gaudêncio, E. O., Safra, G., Mendes, J. M. S., Sousa, A. O. B. (2021). Internações de Diabete Mellitus entre 2016 e 2020. Brazilian Journal of Development, Curitiba, 7(8): 77218-77232. https://doi.org/10.34117/bjdv7n8-100

Nishijina, M., Cyrillo, D. C., & Junior, G. B. (2010). Análise econômica da interação entre a infraestrutura da saúde pública e privada no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 3 (40), p. 589-611. https://www.scielo.br/j/ecos/a/YJWqFmPFY7ttT4GXnRtBQMF/?lang=pt

Pelisoli, C., Sacco, A. M., Barbosa, E. T., Pereira, C. O., & Cecconello, A. M. (2014). Acolhimento em saúde: uma revisão sistemática em periódicos brasileiros. Estudo de Psicologia, Campinas, 31(2): 225-235. http://dx.doi.org/10.1590/0103-166X2014000200008

Pinto, L. F., & Giovanella, L. (2018). The Family Health Strategy: expanding access and reducing hospitalizations due to ambulatory care sensitive conditions (ACSC). Ciência & Saúde Coletiva, 23(6): 1903-1914. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05592018

World Health Organization. (2021a). Guideline for the pharmacological treatment of hypertension in adults. Geneva: World Health Organization. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK573631/

World Health Organization. (2021b). Keeping the 100-year-old promise: making insulin access universal. Geneva: World Health Organization. https://www.who.int/publications/i/item/9789240039100

Published

25/11/2022

How to Cite

BORGES, E. T.; BARBOSA, A. V.; CASTRO, A. C. F.; REIS, M. M. A.; NASCIMENTO, E. A. N. do; PEREIRA, W. M. M. Protagonism of medical students in carrying out the activities of the HIPERDIA program: an experience report . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e527111537501, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37501. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37501. Acesso em: 9 feb. 2023.

Issue

Section

Health Sciences