The importance of the pharmacist in hospital infection control: integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37616

Keywords:

Hospital; Pharmacy; Safety.

Abstract

Introduction: Hospital infection is a public health risk, being responsible for the highest number of complications and deaths of hospitalized patients. The Hospital Infection Control Commission (CCIH) is therefore responsible for contributing with measures and actions to prevent and control infections and resistant bacteria. According to Resolution No. 300/97 of the Federal Council of Pharmacy, it is mandatory for the pharmacist to participate in this commission, contributing to important decision-making and being the essential professional among the others who are part of the commission. Objective: The present study aims to identify and highlight the role of pharmacists in controlling nosocomial infections and highlight their contribution to prevention. Methodology: The type of study was an Integrative Literature Review, with a descriptive, qualitative and quantitative approach, in which the databases available in the virtual libraries, SciELO, LILACS, BVS and PubMed, available in the years 2015 to 2021, were used. Result: Twelve articles were identified, which matched the proposed theme, as well as the proposed title. Thus, it is possible to analyze that the pharmacist plays an important role within the hospital pharmacy, contributing to safer prescribing and dispensing, standardization of antibiotics and germicides, educational measures to promote the rational use of medicines and the elaboration of therapeutic guides for dilution and reaction. adverse. Conclusion: Thus, pharmacists as a professional working in the CCIH effectively contribute to the reduction of hospital infectious cases.

References

Alvim, A. L. S., Couto, B. R. G. M., & Gazzinelli, A. (2020). Qualidade dos programas de controle de infecção hospitalar: revisão integrativa. Rev. Gaúcha Enferm. 41, 1, 3-60.

Anvisa. (2007). Módulo 3. Resistência Microbiana. https://www.anvisa.gov.br/servicosaude/controle/rederm/cursos/rmcontrole/opasweb/modulo3/mecanismos.htm.

Batista, M. G. F. M. (2015). Mecanismos de Resistência aos Antibióticos. Monografia (Dissertação de Mestrado) - Curso de Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, Lisboa.

Bjornsdottir, I., Kristinsson, K. G., & Hansen, E. H. (2010). Diagnosticando infecções: uma visão qualitativa sobre as decisões de prescrição na clínica geral ao longo do tempo. Pharm World Sci. 1, 32, 805-14.

Botelho, L. R., Cunha, C. A., & Macedo, M. (2011). O método de revisão integrativa em organizações e estudos. Gestão e Sociedade. 5, 11, 11-20.

Brasil, M. S. (1998). Portaria Nº 2616, de 12 de maio de 1998. Expede na forma dos anexos I, II, III, IV e V, diretrizes e normas para prevenção e o controle das infecções hospitalares. Brasília. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt2616_12_05_ 1998.html.

Costa, A. L. P. (2017). Resistência Bacteriana aos Antibióticos: Uma Perspectiva Do Fenômeno Biológico, Suas Consequências e Estratégias De Contenção. 63 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biologia) – Curso de Ciências Biológicas, Departamento de Ciências Biológicas e da Saúde, UNIFAP, Macapá.

Delage, D. G. A., & Silva, G. A. (2011). Prevenção e controle das infecções hospitalares: um desafio em instituições de saúde de Juiz de Fora. Revista Baiana de Saúde Pública. 35, 4, 984-1000.

Donizete, A. L., et al. (2020). Importância do uso racional de medicamentos na administração de antibioticoterapia injetável. Cuid Enferm. 14, 2, 226-232.

Fanhani, H. R., & Beltrão, L. (2011). Uso inadequado das cefalosporinas e a atuação da comissão de controle de infecção hospitalar. Revista Saúde e Biologia. 6, 3, 70-82.

Faria, T. V. de., et al. (2016). Fatores de risco no uso de antimicrobianos em uma instituição hospitalar: reflexões bioéticas. Acta Bioethica. 22, 2, 321-329.

Ferracini, F. T. (2010). Intervenção Farmacêutica. In Prática Farmacêutica no Ambiente Hospitalar – Do planejamento à realização. (2°. ed.): Atheneu.

Franco, J. M. P. L., et al. (2015). O Papel do Farmacêutico Frente à Resistência Bacteriana Ocasionada pelo Uso Irracional de Antimicrobianos. Semana Acadêmica Revista Científica. 1, 72, 1–19.

Giroti, A. L. B., et al. (2018). Programas de Controle de Infecção Hospitalar: avaliação de indicadores de estrutura e processo. Rev. Esc. Enferm. USP. 52, 1, 1-7.

Guimarães, D. O., Momesso, L. S., & Pupo, M T. (2010). Antibióticos: Importância Terapêuticas e perspectivas para a descoberta e desenvolvimento de novos agentes. Departamento de Ciências Farmacêuticas. 33, 3, 669-678.

Hernández-Gámez, O., et al. (2019). Impacto sobre la resistencia bacteriana de la revisión previa de la prescripción de antibióticos por el servicio farmacéutico en hospitales del Atlántico (Colombia). Salud Uninorte. 35, 2, 187-204.

Hespanhol, L. A. B., et al. (2019). Infecção relacionada à Assistência à Saúde em Unidade de Terapia Intensiva Adulto. Enero. 1, 53, 229-241.

Holguín, H., et al. (2020). Intervenciones farmacéuticas y desenlaces clínicos en un programa de gerenciamiento de antimicrobianos. Rev. chil. infectol. 37, 4, 2-10.

Kadosaki, K., et al. (2012). Análise do uso e da resistência bacteriana aos antimicrobianos em nível hospitalar. Rev Bras Farm. 93, 2, 128-135.

Lamblet, L. C. R., & Padoveze, M. C. (2018). Comissões de Controle de Infecção Hospitalar: perspectiva de ações do Conselho Regional de Enfermagem. Cad. Ibero-Amer. Dir. Sanit. 7, 1, 29-42.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2010). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. (3°. ed.): Atlas.

Massaroli, A., & Martini, J. G. (2014). Perfil dos Profissionais do Controle de Infecções no Ambiente Hospitalar. Revista Ciência, Cuidado e Saúde. 13, 3, 511- 518.

McCullough, A. R., et al. (2017). Antibióticos para infecções respiratórias agudas na prática geral: comparação das taxas de prescrição com as recomendações das diretrizes. Med J Aust. 1, 207, 65-9.

Mello, M. S. de., & Oliveira, A. C. (2021). Desafios para adesão às ações de contenção da resistência bacteriana em hospitais de grande porte. Rev. Bras. Enferm. 74, 3, 1-9.

Mello, M. S. de., & Oliveira, A. C. (2021). Panorama das ações de combate à resistência bacteriana em hospitais de grande porte. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 29, 1, 1-13.

Menegueti, M. G., et al. (2015). Avaliação dos Programas de Controle de Infecção Hospitalar em serviços de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 23, 1, 98-105.

Oliveira, F. R. P. de., et al. (2015). Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) e atuação do farmacêutico hospitalar: contexto e importância. Boletim Informativo Geum. 6, 3, 37-42.

Oliveira, H. M., Silva, C. P. R., & Lacerda, R. A. (2016). Políticas de controle e prevenção de infecções relacionadas à assistência à saúde no Brasil: análise conceitual. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2, 1, 4-23.

OMS. (2014). Estratégia Global para Contenção da Resistência Antimicrobiana. Genebra, Suíça: Organização Mundial da Saúde.

O’Neill, J. (2016). Combatendo globalmente as infecções resistentes a medicamentos: relatório final e recomendações A revisão sobre a resistência antimicrobiana. https://amr-review.org/sites/default/files/160518_Final%20paper_with%20cover.pdf.

OPAS. Consenso brasileiro de atenção farmacêutica: proposta. (2002). Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Quirino, J. M. G., & Mendes, R. de C. (2017). Importância do farmacêutico na prevenção e controle junto a equipe do programa de controle de infecção hospitalar. Revista E-Ciência. 4, 2, 16-41.

Rêgo, M. M. do., & Comarella, L. (2016). O Papel da Análise Farmacêutica da Prescrição Médica Hospitalar. Saúde e Desenvolvimento. 1, 1, 8.

Santos, P. L. C., et al. (2020). Desempenho dos programas de prevenção e controle de infecções em pequenos hospitais. Rev. Esc. Enferm. USP. 54, 1, 1-8.

Silva, A. C. de S., et al. (2018). Acompanhamento farmacoterapêutico em unidade de terapia intensiva respiratória: descrição e análise de resultados. Einstein. 16, 2, 1-7.

Vasconcelos, D. V., et al. (2015). O Uso De Antimicrobianos No Âmbito Hospitalar E As Atribuições Do Farmacêutico Na Comissão De Controle Infecção Hospitalar (CCIH). Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Saúde e Tecnologia. 8, 2, 8-17.

Vasconcelos, D., Oliveira, T., & Araújo, L. (2016). O uso de antimicrobianos no âmbito hospitalar e as atribuições do farmacêutico na comissão de controle de infecção hospitalar (CCIH). Revista Eletrônica de Ciências Humanas, Saúde e Tecnologia. 4, 2, 48-62.

Published

26/11/2022

How to Cite

PEREIRA, E. da S. .; JESUS, G. de A. C. .; SOUZA, L. D. B. de .; CARNEIRO, V. M. S. . The importance of the pharmacist in hospital infection control: integrative review . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e573111537616, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37616. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37616. Acesso em: 9 feb. 2023.

Issue

Section

Review Article