Challenges and advances: the role of nursing professionals in aesthetics

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i15.37803

Keywords:

Nursing; Aesthetics; Care.

Abstract

The aim of the study is to know about the performance of nursing professionals in aesthetics in the face of scientific literature. The research is based on an integrative review of a qualitative, exploratory approach. Data collection was performed in March 2022 in the BIREME and PubMed databases with the DECS/MESH: aesthetics (Esthetics), nursing, health. The inclusion criteria were studies in the timeline from 2017 to 2022, aiming to identify articles that were in accordance with the opinion of COFEN 529/2016, according to the descriptors stipulated and the guide question. Exclusion criteria were editorials and notes for editors, as well as research outside the theme addressed. The results of the research showed that the area of nursing activity in aesthetics has challenges in the labor market as an entrepreneur because of capital and awareness of other professionals already inserted in the area, in addition, there are limitations in the matter of graduate studies in the area that are regulated. Thus, it is emphasized that their conduct is not limited to the aesthetic treatment of healthy individuals, without diseases and limitations, but also includes patients with diseases, limitations and care needs, which can combine the competencies and knowledge of nurses in aesthetic services. It is concluded that for nurses, insertion in the field of aesthetics is an opportunity for financial and intellectual complementarity, technical improvement and job satisfaction. The regulation of treatment procedures and resources will increase the safety of practice and legal performance for clients and nurses, reaffirming professional skills and competences previously acquired after professional courses.

Author Biographies

Beatriz dos Reis Sousa, Centro Universitário do Maranhão

Discente do curso de enfermagem Universidade Ceuma

Raiane Gama de Souza Ramalho, Centro Universitário do Maranhão

Graduada em enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão – UFMA

Bruna Oliveira Silva Milhomem, Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos

Graduada em Enfermagem pelo Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos - ITPAC. Graduanda do curso de pós graduação em Gestão e Auditoria em Serviço de Saúde pelo Instituto Florence de Ensino Superior

Cristina Limeira Leite, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em Enfermagem, UNISULMA. Doutora em Ciências, UFRJ/UNIRIO - Mestre em Ciências Ambientais e Saúde, PUC-GO. Especialista em Enfermagem do Trabalho - FABIC. Docente na Universidade Ceuma nos cursos de Enfermagem E Odontologia e Professora Substituta Universidade Federal do Maranhão.

Amanda Letícia Moreira dos Santos, Universidade Estadual do Tocantins

Graduada em enfermagem pela Universidade Estadual do Tocantins – Campus Augustinópolis, Estado do Tocantins

Vanessa Silva Sousa Viana, Universidade Estadual do Tocantins

Graduada em Enfermagem, pela Universidade do Tocantins - UNITINS

Denise Chrysostomo Suzuki, Universidade Federal de São Paulo

Doutoranda em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência na Universidade Federal de São Paulo desde 2021. Mestra em Ciências pelo Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de São Paulo e Escola Paulista de Medicina, 2020. Musicoterapeuta Neurológica pela Robert F. Unkefer Academy for Neurologic, 2020. Especialização em Adolescência para Equipe Multiprofissional no Setor de Medicina do
Adolescente da Universidade Federal de São Paulo, 2018. Bacharel em Musicoterapia (Faculdade Paulista de Artes, 2009). Music Therapy. Musicoterapeuta Clínica e pesquisadora na área de musicoterapia neurológica.

Janayna Araújo Viana, Universidade Federal de São Paulo

Enfermeira. Graduada pela Faculdade do Bico do Papagaio - FABIC. Especialista em Docência do Ensino Superior (Lato Sensu) pela FABIC. Especialista em Enfermagem em Terapia Intensiva (Lato Sensu) pelo Instituto Nordeste de Educação Superior e Pós- Graduação - INESPO. Mestre pelo Programa Stricto Sensu em Ciências Ambientais e Saúde da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC - GO). Docente do Centro Universitário do Maranhão (UNICEUMA) nas disciplinas de: Semiologia, Bioética, Enfermagem no controle das infecções hospitalares e Práticas integrativas VII. Docente do curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS, ministrando a disciplina de Tópicos Especiais da Sistematização da Assistência de Enfermagem. Integrante do grupo de pesquisa Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Saúde Pública- NIEPESP da UNITINS. Doutoranda em Educação e Saúde na Infância e Adolescência pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

Maria Sylvia de Souza Vitalle, Universidade Federal de São Paulo

Graduada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Mogi das Cruzes, Residência Médica em Pediatria na Cruz Vermelha Brasileira, Residência Médica em Pediatria no Hospital Universitário da Universidade de São Paulo (R3, 1985), Mestre em Pediatria pela Escola Paulista de Medicina (EPM) /Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, Doutora em Medicina pela EPM/Unifesp (2001). Membro do Departamento de Adolescência da Sociedade de Pediatria de São Paulo/SPSP desde 1991. Chefe do Setor de Medicina do Adolescente/Unifesp desde 2007. Prof. Adjunto Doutor do Departamento de Pediatria da Escola Paulista de Medicina, UNIFESP. Atua como Co-Coordenadora da Semiologia Pediátrica/Unidade Curricular Semiologia Humana. Membro da Comissão de Avaliação Discente - Prova de Habilidades e Atitudes (desde 2017). Vice-Coordenador do Programa de Pós Graduação Educação e Saúde na Infância e Adolescência do Departamento de Educação da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Unifesp, Campus Guarulhos (de agosto/2017 a fev/2018). Participa das Disciplina de Pediatria Geral e Comunitária (ênfase na Adolescência) e  Disciplina de Semiologia Pediátrica. Professor Permanente do Programa de Pós Graduação Educação e Saúde na Infância e Adolescência, Departamento de Educação, Unifesp (Área 46 -Ensino, CAPES) desde 2009. Orientadora (Mestrado e Doutorado) deste Programa nas linhas:Inclusão Social e Vulnerabilidades e Desenvolvimento Humano e Saúde. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, UNIFESP (2017), área de concentração: Ciências Sociais e Humanas em Saúde e Professor Colaborador de 2018 a 2019. Membro do Centro de Educação Transdisciplinar CETRANS (desde 2012). Membro da International Association for Adolescent Health IAAH (desde 2012). Vice- Presidente do Departamento de Adolescência da SPSP no triênio 2013-2015. Presidente do Departamento de Adolescência da SPSP DE 2016-2019. Membro da Confederación de Adolescencia y Juventud de Iberoamerica y el Caribe - CODAJIC (desde 2013) Membro do Conselho Executivo de CODAJIC no triênio 2020-2023. Líder do Grupo de Pesquisa: Atenção Integral e Interdisciplinar ao Adolescente.

References

Andrade, A. D. C., Ben, L. W. D., & Sanna, M. C. (2015). Empreendedorismo na Enfermagem: panorama das empresas no Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Enfermagem, 68, 40-44.

Aprigio, B. T. (2013). Gerações no mercado de trabalho: geração Y. Revista de Administração do UNISAL, 3(3).

Auricchio, A. M., & Massarollo, M. C. K. B. (2007). Procedimentos estéticos: percepção do cliente quanto ao esclarecimento para a tomada de decisão. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 41(1), 13-20.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. Brasil.(2014a). Manual de enfrentamento à violência contra a pessoa idosa. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Botelho, L. L. R., Cunha, C. C. de A. & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e sociedade · Belo Horizonte · v. 5 n. 11 p. 121-136 maio/agosto 2011.

Branquinho, M. R., & Bicalho, E. A. G. (2019). Atuação Do Enfermeiro Estético: competências, conquistas e avanços. Psicologia e Saúde em debate, 5(Suppl. 2), 96-96.

Cardoso, A. C. (2019). Atuação do enfermeiro na área da estética: mercado de trabalho e empreendedorismo. Repositório institucional. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 2019.

Chernicharo, I. D. M., Silva, F. D. D., & Ferreira, M. D. A. (2011). Humanização no cuidado de enfermagem nas concepções de profissionais de enfermagem. Escola Anna Nery, 15, 686-693.

COFEN (2014). Parecer 197/2014 de 26 de setembro de 2014. Parecer com posicionamento do Conselho Federal de Enfermagem sobre a legalidade da atuação do Enfermeiro e Técnicos de enfermagem na realização de procedimentos estéticos. Avaliable from: <http://www.cofen.gov.br/wp content/uploads/2014/10/PARECER-DE-CONSELHEIRO-197_2014.pdf>.

COFEN (2016). Resolução 529/2016 de 06 de novembro de 2016. Aprovar a normatização da atuação do Enfermeiro na área de Estética. Avaliable from: <http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no- 05292016_46283.html>.

de Almeida Vieira, A. P. T., Curado, M., & Queirós, P. (2017). Biotecnologia: revolução digital e conhecimento estético em enfermagem. Revista de enfermagem referência, 4(13), 139-146.

Epstein, I. (2016). An inquiry into the role of the aesthetic nurse:“Should Nurses Sell?”. Plastic Surgical Nursing, 36(2), 81-83.

Kahlow, A., & Oliveira, L. D. (2012). A estética como instrumento do enfermeiro na promoção do conforto e bem-estar. Artigo Científico Apresentado Como Requisito Parcial Para Conclusão do Curso de Pós-grauação Lato Sensu em Estética Facial e Corporal, Rio Negro, 1-28.

Kahlow, A., & Oliveira, L. D. (2012). A estética como instrumento do enfermeiro na promoção do conforto e bem-estar. Artigo Científico Apresentado Como Requisito Parcial Para Conclusão do Curso de Pós-grauação Lato Sensu em Estética Facial e Corporal, Rio Negro, 1-28.

Machado, M. H., de Oliveira, E., Lemos, W., de Lacerda, W. F., Aguiar Filho, W., Wermelinger, M., ... & Barbosa, C. (2016). Mercado de trabalho da enfermagem: aspectos gerais. Enfermagem em Foco, 7(ESP), 35-53.

Mendonça, E.M.J, Dulino, N. M, Ferreira, K.D. Enfermagem dermatológica: atuando na estética, conforto e bem-estar do paciente. Simp.TCC/ Sem.IC.2017.

Miranda, L. C. M. et al., Novo olhar acerca da influência dos procedimentos estéticos na saúde mental da mulher: uma revisão da literatura. Research, Society and Development. 2022.

Monteiro, A.P.T.A, Curado, M, Queíros, P. Biotechnology: digital revolution and aesthetic knowledge in nursing. Revista de Enfermagem Referência. 2017.

Oliveira, J. S. A. D., Pires, D. E. P. D., Alvarez, Â. M., Sena, R. R. D., Medeiros, S. M. D., & Andrade, S. R. D. (2018). Trends in the job market of nurses in the view of managers. Revista brasileira de enfermagem, 71, 148-155.

Salomão, A.C. M., Silva, L.L.O., Santos, J.R. Benefícios dos procedimentos estéticos na melhora da autoestima. Research, Society and Development. 2021.

Santos, I., Caldas, C. P., Erdmann, A. L., Gauthier, J., & de Figueiredo, N. M. A. (2012). Cuidar da integralidade do ser: perspectiva estética. Revista Enfermagem UERJ, 20(1), 9-14.

Silva, J. D. F. (2018). O enfermeiro no exercício de uma profissão predominantemente feminina: uma revisão integrativa.

Sociedade Brasileira de Enfermagem Estética (2017). Prerrogativas. 2017. <http://www.sociedade-brasileira-de-enfermagem- estetica.com/prerrogativas.html>.

Souza, M. P. W. D. (2019). Competências profissionais do enfermeiro para atuação no mercado de trabalho de estética. Repositório institucional. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 2019.

Published

27/11/2022

How to Cite

SOUSA, B. dos R. .; RAMALHO, R. G. de S.; MILHOMEM, B. O. S.; LEITE, C. L.; SANTOS, T. R. dos .; SANTOS, A. L. M. dos .; VIANA, V. S. S.; SUZUKI, D. C. .; VIANA, . J. A. .; VITALLE, M. S. de S. Challenges and advances: the role of nursing professionals in aesthetics. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 15, p. e579111537803, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i15.37803. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/37803. Acesso em: 9 feb. 2023.

Issue

Section

Review Article