Prevalence of postpartum depression symptoms and associated factors

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39183

Keywords:

Postpartum depression; Prevalence; Mental disorders.

Abstract

Objective: To identify the prevalence of postpartum depression symptoms and associated factors in women who had children in the last 12 months of 2019 in the city of Montes Claros/MG. Method: Analytical and cross-sectional exploratory study, composed of 236 women who gave birth in the last 12 months of 2019. For sample calculation, a prevalence of 20% was adopted. Household interviews were conducted, and the Edinburgh Postnatal Depression Scale was applied. Descriptive analyzes and bivariate comparisons were performed using the chi-square test. In the multivariate model, the variables that presented P value <0.20 were selected, included in the Poisson Regression. The results were presented in tables containing P value, β, Exponential of β and confidence interval (95%). Results: The prevalence of depressive symptoms was found in 32.2% of the interviewees. The main risk factors for the emergence of PPD can be identified, such as: absence of a partner, low family income, low level of education, lower number of prenatal consultations performed and number of children. Final considerations: A high prevalence of symptoms was identified, even higher than in studies cited in this article, however, it characterized several risk factors that associated with pregnant women or with a child under one year old, collaborate for the development of depression- post childbirth.

References

Abuchaim, E. S. V., Caldeira, N. T., Lucca, M. M. D., Varela, M., & Silva, I. A. (2016). Depressão pós-parto e autoeficácia materna para amamentar: prevalência e associação. Acta Paulista de Enfermagem. 29(6), 664–70. https://doi.org/10.1590/1982-0194201600093.

APA. (2015). Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais: DSM-5. American Psychiatric Association (APA). ed. Artmed, 28(3), 36-37.

Araújo, I. S., Aquino, K. S., Fagundes, L. K. A., & Santos, V. C. (2019). Postpartum Depression: Epidemiological Clinical Profile of Patients Attended In a Reference Public Maternity in Salvador-BA. Revista Brasileira de Ginecologia E Obstetrícia. 41, 155-63. https://doi.org/10.1055/s-0038-1676861.

Arrais, A. R., Araujo, T. C. C. F., & Schiavo, R. A. (2018). Fatores de Risco e Proteção Associados à Depressão Pós-Parto no Pré-Natal Psicológico. Psicologia: Ciência e Profissão. 38(4), 711-29. https://doi.org/10.1590/1982-3703003342016.

Bass, P., & Bauer, N. S. (2018). Parental postpartum depression: More than “baby blues”. Contemporary Pediatrics, 35(9), página inicial-final.

Both, C. T., Numer, C., Silva, T. B. Q., Rosa, B., Sperling, A. O., & Cabrl, F. B (2016). Depressão pós-parto na produção científica da enfermagem brasileira: Revisão narrativa. Revista Espaço Ciência &Saúde, 4, 67-81. https://docplayer.com.br/43457255-Depressao-pos-parto-na-producao-cientifica-da-enfermagem-brasileira-revisao-narrativa.html.

Brasil. Ministério da Saúde (2000). Portaria nº 570, 1º de junho de 2000. Estabelece o Programa de Humanização no Pré-natal e Nascimento. Brasília: 2000.

Brasil. Ministério da Saúde (2012). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 5ª. ed. 302p.

Brasil. Ministério da Saúde (2019). Depressão pós-parto: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/d/depressao-pos-parto.

Degner, D. (2017). Differentiating between “baby blues,” severe depression, and psychosis. BMJ, j4692. https://doi.org/10.1136/bmj.j4692.

Ferrari, W., & Peres, S. (2020). Itinerários de solidão: aborto clandestino de adolescentes de uma favela da Zona Sul do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 36(suppl 1). https://doi.org/10.1590/0102-311x00198318.

Ferreira, G. R., Pires, B. S., Machado, L. C. C., Frade, R. I., & Ribeiro, M. de A. O. (2020). Identificação dos fatores desencadeantes da depressão no pósparto. Revista NBC, 10(20), 1-11. https://www.metodista.br/revistas-izabela/index.php/bio/article/view/2103.

Freitas, D. R., Vieira, B. D. G., Alves, V. H., Rodrigues, D. P., Leão, D. C. M. R., & Cruz, A. F. N. da (2014). Alojamento conjunto em um hospital universitário: depressão pós-parto na perspectiva do enfermeiro. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 6(2), 1202–1211. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-25656.

Gonçalves, F. B. A. C., & Almeida, M. C. (2019). A Atuação da Enfermagem Frente à Prevenção da Depressão Pós-Parto. Ensaios E Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias E Da Saúde, 23(2), 140. https://doi.org/10.17921/1415-6938.2019v23n2p140-147

Hartmann, J. M., Mendoza-Sassi, R. A., & Cesar, J. A. (2017). Depressão entre puérperas: prevalência e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública, 33(9). https://doi.org/10.1590/0102-311x00094016 . https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/prefix/13625.

Kibler, N., & Wells, P. (2019). Beyond the Baby Blues. Cross-Cultural Perspective on Perinatal Mental Health. National Cross-Cultural Counseling and Education Conference for Research, Action, and Change. https://digitalcommons.georgiasouthern.edu/ccec/2019/2019/19.

Koche, J. C. (2011). Fundamentos de metodologia científica. Petrópolis: Vozes. http://www.adm.ufrpe.br/sites/ww4.deinfo.ufrpe.br/files/Fundamentos_de_Metodologia_Cienti%CC%81fica.pdf

Leal, M. do C., & Gama, S. G. N. da (2014). Nascer no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30(suppl 1), S5–S5. https://doi.org/10.1590/0102-311xed01s114.

Lucci, T. K., Otta, E. David, V. F., & Chelini, M. O. M. (2016). Depressão materna e concentração de cortisol de recém-nascidos em uma amostra brasileira. Psico, 47(2), 140. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2016.2.23655.

Machado, I. P. (2019). Atuação do enfermeiro na depressão pós-parto: uma revisão narrativa. Repositorio.uniceub.br. https://repositorio.uniceub.br/jspui/handle/prefix/13625.

Martins, A. C. O. (2018). Promoção da saúde mental das puérperas da USF Leme, em contexto de visita domiciliária: intervenção do enfermeiro de família. Ria.ua.pt. https://ria.ua.pt/handle/10773/25705?mode=full.

Oliveira, L. C. C., & Lima, G. M. B. (2017). Gestação de alto risco e o acompanhamento pré-natal no município de cuité-pb: um estudo na Zona Urbana. Revista de Ciências da Saúde Nova Esperança. 15(2).

Oliveira, M. J. M., & Dunningham, W. A. (2015). Prevalência e fatores de risco relacionados a depressão pós-parto em Salvador. Rev. Brasileira de Neurolog. e Psiq. 19(2), 72-83. https://www.revneuropsiq.com.br/rbnp/article/ view/158/69.

Pessoa, W. G. S., Lima, M. M. de F. B., & Tavares, L. de M. (2021). Conhecimento da gestante sobre a importância da consulta pré-natal: Revisão integrativa. Revista Eletrônica da Estácio Recife, 7(01). https://reer.emnuvens.com.br/reer/article/view/554/251.

Pires, M. L. N., & Calil, H. M. (1999). Associação entre transtorno disfórico pré-menstrual e transtornos depressivos. Brazilian Journal of Psychiatry, 21, 118–127. https://doi.org/10.1590/S1516-44461999000200011.

Poles, M. M., Carvalheira, A. P. P., Carvalhaes, M. A. de B. L., & Parada, C. M. G. de L. (2018). Sintomas depressivos maternos no puerpério imediato: fatores associados. Acta Paulista de Enfermagem, 31, 351–358. https://doi.org/10.1590/1982-0194201800050.

Santos, F. S., Siqueira, E. H., Aquino, J. V. R.N. M., & Aragão, I. P. B. de (2022a). Características clínicas e fatores de risco da depressão pós-parto: uma revisão de literatura. Revista Eletrônica Acervo Médico, 5, e10041. https://doi.org/10.25248/reamed.e10041.2022

Santos, M. L. C., et al (2022b). Sintomas de depressão pós-parto e sua associação com as características socioeconômicas e de apoio social. Escola Anna Nery [online], 26, e20210265,. https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2021-0265.

Silva, A. M. (2020). Perfil das puérperas de um hospital universitário e sua relação com depressão pós-parto segundo a escala de depressão pós-parto de Edimburgo. (TCC de graduação em medicina) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Santa Catarina.

Silva, C. R. A., Pereira, G. M., Jesus, N. B. de Souto., G. R., & Aoyama, E. de A. (2020). Depressão pós-parto: a importância da detecção precoce e intervenções de enfermagem. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde [internet], 2(2), 12-19. https://revistarebis.rebis.com.br/ index.php/rebis/article/view/82/115.

Soares, Y. K. C., Gonçalves, N. P. C., & Carvalho, C. M. S. de (2015). Avaliação da depressão pós-parto: prevalência e fatores associados. R. Interd, 8, (4), 40-46. https://silo.tips/download/issn-avaliaao-da-depressao-pos-parto-soares-y-k-c-gonalves-n-p-c-carvalho-c-m-s

World Health Organization (2013). Mental health action plan 2013-2020. World Health Organization, 50p.

Published

01/01/2023

How to Cite

GOMES, B. K. G.; MARTINS, B. R. A. .; SANTANA, A. A. .; OLIVEIRA, P. S. D. .; FREITAS, R. F. .; RAMOS , R. de S. F. .; PERCIDIO, M. L. S. .; VERSIANI, C. de C. .; VOGT, S. E. .; RODRIGUES, V. A. . Prevalence of postpartum depression symptoms and associated factors. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 1, p. e0812139183, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i1.39183. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/39183. Acesso em: 27 jan. 2023.

Issue

Section

Health Sciences