Challenges of health care in riverside populations

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39440

Keywords:

Emergency; Riverside; Health Care; Difficulties.

Abstract

The difficulties related to the few and inefficient actions of public policies include the lack of access to basic public services, such as education and health. Furthermore, the lack of equity has led to serious deficiencies in service delivery and limited health care for the riverside population. Thus, the present study aims to identify the main challenges and problems that hinder health services for the riverside population in general. The present study is an exploratory qualitative research, based on a Systematic Literature Review (SLR), in order to identify relevant publications between the years 2017 and 2021 that determine which factors hinder the population's access to health services. For this, an active search was made for articles that addressed the theme, initially evaluating the title, abstract and later the content in full of the suitable works. The active search for articles in the database resulted in 62 works published in the stipulated period and after applying the inclusion and exclusion criteria, 6 works were able to integrate the results. The authors agree that even today, the biggest problems related to adequate care or provision of health services for the riverside population are found in geographic limitations, however, not necessarily due to location, but due to the lack of structure of the teams involved in providing care.

References

Albuquerque M. V, Viana A. L. A., Lima L. D., Ferreira M. P, Fusaro E. R, & Iozzi F. L. Desigualdades regionais na saúde: mudanças observadas no Brasil de 2000 a 2016. Ciência & Saúde Coletiva. 2017, 22(4): 1055-64.

Amaral, S., et al. (2013). Riverine communiti es as socio-spati al units of the urban process in Amazon: a typology for the lower Tapajós River (State of Pará, Brazil). Revista Brasileira de Estudos de População. 30(2), 367-399.

Brasil G. B. et al. (2016). Modo de vida ribeirinho e a longitudinalidade do cuidado na atenção primária em saúde. Rev. Saúde Santa Maria, 42(1), 31-38.

Costa, S. M. F. Da, & Rosa, N. C. (2017). O processo de urbanização na Amazônia e suas peculiaridades: uma análise do delta do rio amazonas. Revista Políticas Públicas & Cidades. 5(2), 2359-1552.

Ferreira, D. et al. (2020). Desafios na manutenção do serviço de atendimento móvel de urgência fluvial no Alto Solimões. Revista Humanidades e Inovação. 7(16), 494-505.

Flyvbjerg, B. (2006). Five Misunderstandings About Case-Study Research. Qualitati ve Inquiry. 12(2), 219–245.

Gama, A. S. M. et al. (2018). Inquérito de saúde em comunidades ribeirinhas do Amazonas, Brasil. Cadernos de Saúde Pública.34(2), 1-16.

Gonçalves, R. M. & Domingos, I. M. (2019). População ribeirinha no Amazonas e a desigualdade no acesso à saúde. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito (RECHTD). 11(1), 99-108.

Guimarães, A. F. et al. (2020) Acesso a serviços de saúde por ribeirinhos de um município no interior do estado do Amazonas, Brasil. Rev Pan Amaz Saude. 11(2), 2176-6223.

Júnior, A. M. F. et al. O acesso aos serviços de saúde da população ribeirinha: um olhar sobre as dificuldades enfrentadas. REAC/EJSC. 13(46), 1-12.

Motisuki, et al. (2018). Roda de conversa como estratégia de educação em saúde para a enfermagem / Conversation wheel as education strategy in health for nursing. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. 10(2): 379-384.

Nunes, J. G. S. (2021) desafios para promoção da saúde da população ribeirinha. Faculdade de educação e meio ambiente. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA. 2021.

O’dwyer, G. et al. (2017). O processo de implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência no Brasil: estratégias de ação e dimensões estruturais. Cadernos de Saúde Pública. 33(7), 1-14.

Oliveira, J. W. B. et al. (2012). Promoção da saúde na comunidade indígena Pankararu. Rev. bras. enferm. 65(3), 437-444.

Queiroz, M. K. et al. (2018). Fluxos assistenciais e a integralidade da assistência à saúde de ribeirinhos. Rev enferm UERJ. 26(6), 1-6.

Sampaio, R. F. & Mancini, M. C. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter. 11(1), 83-89.

Santos, I. C. P. A. M. (2020). O “pulso das águas” e o acesso à rede de urgência e emergência da população ribeirinha na região do baixo Amazonas/AM. 7(16), 1-9.

Silva, L. A. N. et al. (2021). Abaré I: Atenção Básica em contextos ribeirinhos na região Oeste do Pará. Saúde em Redes. 7(2), 1-14.

Silva, D. M. P. P. & Tomanik, E. A. (2012). Morbidade referida por moradores ribeirinhos de Porto Rico, PR, Brasil. Rev Bras Enferm. 63(3): 452-458.

Sousa, I. S. (2009). As condições de vida e saneamento nas comunidades da área de influência do gasoduto Coari-Manaus em Manacapuru – AM. Hygeia (Uberlândia). 20(5):88-98.

Published

10/01/2023

How to Cite

FONSECA, E. T. da .; CASTRO, D. S. G. .; MORAIS, R. C. .; BANDEIRA, F. J. S. . Challenges of health care in riverside populations. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 1, p. e24812139440, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i1.39440. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/39440. Acesso em: 3 feb. 2023.

Issue

Section

Health Sciences