Strategic Planning and Environmental Education for Elementary School students, intertwined in the teaching and learning of medical professionals: experience report

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39819

Keywords:

Medicinal plants; Environmental health education; Medical education; Strategic planning.

Abstract

The knowledge and use of medicinal plants included in Primary Health Care provide countless benefits for individuals, by facilitating access to effective cultural therapy. The curricular content of medical schools presents weaknesses in terms of a holistic view, which determines the training of professionals who are far from regional realities, centered on technicalities and medicalization for all types of illness. This experience promoted Environmental Education in a Municipal Elementary School, located in a community composed of 100% subnormal population, located in the capital of the state of Pará, through the implementation of a garden of medicinal plants called " Living Pharmacy”. It was carried out during the teaching-learning process of Situational Strategic Planning, with the elaboration of an Intervention Project. The operations and programmed actions allowed to initiate discussions on environmental education and the exchange of seedlings between the school community. The verification of the absorption of knowledge was carried out with the application of a test before and after the dialogued exposition, revealing a growth of 28.8% in knowledge about the use of medicinal plants and a growth of 10.6% on the use of medicinal plants by the students' families. The case report produced aims to describe the learning of medical students about planning and executing health promotion actions, analyze the integration of the Federal University of Pará with the Elementary School and with the Community itself and contribute to the production of extensionist actions with Situational Strategic Planning.

References

Andrade, R. M. M. de, Morosini, M. C. & Lopes, D. O. (2019). A extensão universitária na perspectiva da universidade do encontro. Revista em aberto, 32(106), 117-131.

Antonio, G. D., Tesser, C. D. & Moretti-Pires, R. O. (2013). Contributions of medicinal plants to care and health promotion in primary healthcare. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 17(46), 615-633.

Antonio, G. D., Tesser, C. D. & Moretti-Pires, R. O. (2014). Fitoterapia na atenção primária à saúde. Revista de Saúde Pública, 48(3), 541-553.

Artmann, E. (2000). O planejamento estratégico situacional no nível local: um instrumento a favor da visão multissetorial. Cadernos da Oficina Social, 3(98), 119.

Barros, A. S. M. (2018). Investigação científica da atividade medicinal da espécie Arrabidaea chica (Pariri). Monografia - Curso de licenciatura em Ciências Naturais, Universidade Federal do Maranhão.

Bianchi, R. V., Behrens, M. & Soares, A. M. (2016). Farmácia da natureza: um modelo eficiente de farmácia viva. Revista Fitos, 10(1), 73-76.

Brasil & Ministério da Saúde. (2012). Práticas Integrativas e Complementares. Plantas Medicinais e Fitoterapia na Atenção Básica. Normas e Manuais Técnicos – Caderno de Atenção Básica, 31.

Brasil & Ministério da Saúde. (2018). Plantas Medicinais e Fitoterapia. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS, Ed. MS, 16-18.

Buss, P. M., & Pellegrini Filho, A. (2007). A saúde e seus determinantes sociais. Physis: revista de saúde coletiva, 17(1), 77-93.

Chaer, G., Diniz, R. R. P. & Ribeiro, E. A. (2012). A técnica do questionário na pesquisa educacional. Revista Evidência, 7(7), 251-266.

Casarin, S. T. & Porto, A. R. (2021). Relato de Experiência e Estudo de Caso: algumas considerações. Journal of Nursing and Health, 11(2), 1-3. https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/21998

Cortes, L. F., Padoin, S. M. M. & Berbel, N. A. N. (2018). Problematization Methodology as Convergent Healthcare Research: práxis proposal in research. Rev Bras Enferm, 71(2), 440-5.

Costa, M. A. A. da, Silva, F. M. C. da, & Souza, D. da S. (2019). Parceria entre escola e família na formação integral da criança: Práticas Educativas, Memórias e Oralidades. Rev. Pemo, 1(1), 1-3.

Custódio, L. A. F., Vieira, C. M. & Francischetti, I. (2020). A dimensão social na formação médica: o contexto de vida na aprendizagem baseada em problemas. Trabalho, Educação E Saúde, 18(3), 1-20.

Depetris, N. J., Machado, V., Chechetto, F., Moraes, F. & Galvão, P. (2020). Perfil da prescrição de fitoterápicos na farmácia ensino: Farmácia Viva de Itapeva/SP no SUS. Revista científica eletrônica de ciências aplicadas da FAIT, 2(1), 1-14.

Dos Santos, B. P., Feijó, A. M., Viegas, A. da C., Lise, F. & Schwartz, E. (2018). Classificação das pesquisas. Etapas da construção científica: da curiosidade acadêmica à publicação dos resultados. Ed. UFPel, 61-73. http://guaiaca.ufpel.edu.br/handle/prefix/4171

El Menyiy, N., Mrabti, H. N., El Omari, N., Bakili, A. E., Bakrim, S., Mekkaoui, M., Balahbib, A., Amiri-Ardekani, E., Ullah, R., Alqahtani, A. S., Shahat, A. A. & Bouyahya, A. (2022). Medicinal Uses, Phytochemistry, Pharmacology, and Toxicology of Mentha spicata. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, 2022, 1-32.

Figueiredo, C. H. A., Alencar, M. C. B., Souza, K. A., Pedroza, A. P., Silva, C. F., Ribeiro, S. R. S., Sousa Neto, O. L. & Roberto, S. B. A. (2016). A Utilização Medicinal da Mentha spp. Informativo Técnico Do Semiárido, 10(2), 16-20.

Fontenele, R. P., Sousa, D. M. P. D., Carvalho, A. L. M., & Oliveira, F. D. A. (2013). Fitoterapia na Atenção Básica: olhares dos gestores e profissionais da Estratégia Saúde da Família de Teresina (PI), Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(8), 2385-2394.

Giassi, M. G., Dajori, J. F., Machado, A. C. & Martins, M. C. (2016). Ambiente e Cidadania: Educação Ambiental nas Escolas. Revista de Extensão, 1(1), 24-32.

Hasenclever, L., Paranhos, J., Costa, C. R., Cunha, G., & Vieira, D. (2017). A indústria de fitoterápicos brasileira: desafios e oportunidades. Ciência & Saúde Coletiva, 22(8), 2559-2569.

Joseph, B. & Justin, S. (2010). Pharmacognostic and Phytochemical Properties of Aloe Vera Linn-an overview. International Journal of Pharmaceutical Sciences Review and Research, 4(2), 106-110.

Júnior, F. P., Aciole, I. H. M., Oliveira Souza, A. K. de, Alves, T. W. B. & de Souza, J. B. P. (2020). Uso de babosa (aloe vera) como pró–cicatrizante em diferentes formas farmacêuticas: uma revisão integrativa. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, 19(2), 347-352.

Lovato, F. L., Michelotti, A. & da Silva Loreto, E. L. (2018). Metodologias ativas de aprendizagem: uma breve revisão. Acta Scientiae, 20(2), 154-171.

Maciel, M. A. M., Pinto, A. C., Veiga Jr, V. F., Grynberg, N. F. & Echevarria, A. (2002). Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química nova, 25(3), 429-438.

Marinho, A. A., Marques, M. L. A. P., Silva, A. F., da, Araújo, J. E. Q., Queiroz, T. H. da S. & Almeida, I. D. A. de. (2014). A educação ambiental na formação da consciência ecológica. Caderno de Graduação - Ciências Exatas e Tecnológicas, 1(1), 11-18.

Mattos, G., Camargo, A., Sousa, C. A. D. & Zeni, A. L. B. (2018). Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: percepção dos profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, 23(11), 3735-3744.

Mucelin, C. A. & Bellini, M. (2008). Lixo e impactos ambientais perceptíveis no ecossistema urbano. Sociedade & Natureza, 20(1), 111-124.

Oliveira, S. H. D. S., Soares, M. J. G. O. & Rocha, P. D. S. (2010). Uso de cobertura com colágeno e aloe vera no tratamento de ferida isquêmica: estudo de caso. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 44(2), 346-351.

Oliveira, S. R. L. (2022). Aspectos do lúdico no processo de ensino-aprendizagem no ensino fundamental: uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Development, 8(5), 38933-38953.

Pinto, L. N., de Oliveira Flor, A. S. S. & Barbosa, W. L. R. (2014). Fitoterapia popular na Amazônia Paraense: uma abordagem no município de Igarapé-Mirí, estado do Pará nos anos de 2000 e 2008. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, 35(2), 305-311.

Pires, J. O., Léda, P. H. D. O., Oliveira, D. R. D., Coelho-Ferreira, M. R., Scher, I. S. & Talgatti, D. M. (2020). Etnobotânica aplicada à seleção de espécies nativas amazônicas como subsídio à regionalização da fitoterapia no SUS: município de Oriximiná–PA, Brasil. Revista Fitos, 14(4), 492-512.

Rosinke, P., Troian, M. L., Hardoin, E. L. & Neto, G. G. (2019). Preservação dos saberes tradicionais no exemplo do projeto erva medicinal – farmácia viva: escola Florestan Fernandes, em Cláudia (MT). REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, 7(1), 268-287.

Santos, D. M. & Leal, N. M. (2018). A pedagogia de projetos e sua relevância como práxis pedagógica e instrumento de avaliação inovadora no processo de ensino aprendizagem. Revista Internacional de apoyo a la inclusión, logopedia, sociedad y multiculturalidad, 6(1), 76–87.

Santos, L. L., Vieira, M. A. B., Marques, M. M. M., Sousa, H. H. de L. & Duque, A. N. F. (2020). O direito à educação na Constituição Cidadã (1988): a luz dos artigos 6, 205, 206 e 208. Research, Society and Development, 9(10), 1-14.

Silva, M. J., da, Gomes, M. L. B. & Siqueira, L. P. (2021). Tratamento alternativo para ansiedade à base da planta medicinal Melissa Officinalis (erva-cidreira) – uma revisão de literatura. Research, Society and Development, 10(14), 1-8.

Veiga, V. F. J., Pinto, A. C. & Maciel, M. A. M. (2005). Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, 28(3), 519-528.

Zuber, J., Alexandre, J. & Carneiro, J. (2016). Considerações sobre o tema da Farmácia Viva, os fitoterápicos mais utilizados. 14º Seminário de Pesquisa/Seminário de iniciação científica.

Published

11/01/2023

How to Cite

SILVA, B. E. S. da; LÔLA, G. L.; ALMEIDA, G. S. P. B. de; GUERRA, G. Y. P.; COSTA, G. dos S.; NASCIMENTO, E. A. N. do; PEREIRA, W. M. M. Strategic Planning and Environmental Education for Elementary School students, intertwined in the teaching and learning of medical professionals: experience report. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 1, p. e26812139819, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i1.39819. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/39819. Acesso em: 3 feb. 2023.

Issue

Section

Health Sciences