Profile of infant deaths in the state of Piauí in the period between 1996 and 2020

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39827

Keywords:

Infant mortality; Health profile; Health transition.

Abstract

Objective: Calculate the Infant Mortality Rate (IMR) and analyze the epidemiological profile of infant deaths in the period between 1996 and 2020 in the State of Piauí. Methodology: This is a quantitative and descriptive epidemiological study. Results: Data from 1996 to 2020 were evaluated and compared, considering the IMR and the epidemiological profile of infant deaths. With regard to cases of infant deaths, there is a slight increase in this indicator, due to 156 more deaths in 2020 compared to the initial year of the study. Regarding the epidemiological profile of infant deaths, pregnancies lasting between 22 and 36 weeks (41.9%), singleton pregnancies (77.1%) and vaginal deliveries (54%), newborns from 0 to 6 days old (55.6%), male (55.7%), brown (50.2%,), with birth weight from 3000 to 3999g (18.2%). As for the variables related to death, 74.7% of deaths occurred after childbirth, 82.9% of deaths occurred in the hospital environment and 66.8% were from preventable causes. Final considerations: During the described period, it is clear that the high infant mortality rates in Piauí allow us to analyze the effectiveness of public policies in coping with deaths, so that they reflect socioeconomic, regional and ethnic-racial inequalities. Finally, in order to reduce child mortality, better prevention and management is needed for both the mother and those responsible for the child, providing society with involvement and awareness of the efforts necessary for care.

References

Araújo, G. A. D. S., Maranhão, T. A., Sousa, D. D. B., Sousa, G. J. B., Lira Neto, J. C. G., Pereira, M. L. D., ... & Silva, J. W. M. D. (2022). Padrão espaço-temporal e fatores relacionados à mortalidade infantil no Nordeste brasileiro. Revista Gaúcha de Enfermagem, 43

Araújo, L. A. M, Bezerra I. N. M., Lima, J. C. S., Nascimento, J. L., Farias, L. L. S., Assis, L. T. D., Cardoso, G. R., Lins, D. J. P., & Lima, M. W. H. (2020). Perfil da mortalidade neonatal no Rio Grande do Norte (2008-2017). Av Enferm.38(3), 307-315

Alexandre, M. G., Rocha, C. M. F., & Carvalho, P. R. A. (2022). Vigilância e evitabilidade do óbito infantil numa capital do extremo sul do Brasil. Rev Contexto & Saúde, 22(46), e13346

Albuquerque, M. A. J. R., Dourado, T. F., Carneiro, V. M. N., & Pastro, D. O. T. (2021). Estudo do perfil epidemiológico da mortalidade infantil em Rio Branco (AC), no período de 2013 a 2018. Dê Ciência em Foco, 5(1), 193-205

Andrade, R. D., Santos, J. S., Maia, M. A. C., & Mello, D. F. D. (2015). Fatores relacionados à saúde da mulher no puerpério e repercussões na saúde da criança. Escola Anna Nery, 19, 181-186. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150025

Alves, T. F. & Coelho, A. B. (2021) Mortalidade infantil e gênero no Brasil: uma investigação usando dados em painel. Ciência & Saúde Coletiva, 26, 1259-1264

Barreto, J. O. M., & Nery, I. S. (2015). Óbitos infantis em um estado do Nordeste brasileiro: características e evitabilidade. Tempus – Actas De Saúde Coletiva, 9(3), 09-19. https://doi.org/10.18569/tempus.v9i3.1782

Barros, F. F., Mendonça, A. P., Furtado, F. J. A., & Boer, L. A. (2022). Perfil de mortalidade de crianças menores de 1 ano em Criciúma (SC), de 2015 a 2019. Espaço Para a Saúde, 23, e810

Bernardino, F. B. S., Gonçalves, T. M., Pereira, T. I. D., Xavier, J. S., Freitas, B. H. B. M. D., & Gaíva, M. A. M. (2022). Tendência da mortalidade neonatal no Brasil de 2007 a 2017. Ciência & Saúde Coletiva, 27, 567-578

Brasil. (2019). Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Ministério da Saúde. [Internet]. https://www.datasus.gov.br

Brasil. (2009). Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de Vigilância do Óbito Infantil e Fetal e do Comitê de Prevenção do Óbito. Série A. Normas e Manuais Técnicos. [Livro]. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 77

Brasil. (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF. http://bit.ly/1mTMIS3

Brasil. (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF. http://bit.ly/2fmnKeD

Brito, S. P. D. S., Lima, M. D. S., Ferreira, A. F., & Ramos Jr, A. N. (2022). Hospitalizações por doenças tropicais negligenciadas no Piauí, Nordeste do Brasil: custos, tendências temporais e padrões espaciais, 2001-2018. Cadernos de Saúde Pública, 38, e00281021

Costa, L. D., & Borges, L. M. (2022). Características epidemiológicas da mortalidade neonatal e infantil em uma regional de saúde. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, Umuarama, 26(1), 57-64

Da Silva, E. S. D. A., & Paes, N. A. (2018). Programa Bolsa Família e mortalidade infantil no Brasil: revisão integrativa. Holos, 1, 201-211

De Araújo, R. F., Costa, K. K. D., Silva, F. M. F., Diniz, C. R., & Alves, M. M. (2020). Índice de mortalidade infantil no nordeste brasileiro entre 2015 e 2017. Revista Enfermagem Digital Cuidado e Promoção da Saúde, 5(1)

Fonseca, S. C., Flores, P. V. G., Camargo Jr, K. R., Pinheiro, R. S., & Coeli, C. M. (2017). Escolaridade e idade materna: desigualdades no óbito neonatal. Revista de Saúde Pública, 51(94)

Fundo de Las Naciones Unidas para La Infancia (UNICEF). (2018). Cada Vida Cuenta: La urgente necesidad de poner fin a las muertes de los recién nacidos. [Internet]. https://www.unicef.org/lac/informes/cada-vida-cuenta

Hug, L.; Sharrow, D.; You, D. Levels & trends in child mortality: report 2017. (2017). Estimates developed by the UN Inter-agency Group for Child Mortality Estimation. [Internet]. https://www.popline.org/

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2022). Brasil/Piauí. [Internet]. https://cidades.ibge.gov.br

Interagencial de Informação para a Saúde. (RIPSA). Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Rede Interagencial de Informação para a Saúde - Ripsa. 2. ed. [Livro]. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2008, 349

Jacinto, E., Aquino, E. M., & Mota, E. L. A. (2013). Mortalidade perinatal no município de Salvador, Bahia: evolução de 2000 a 2009. Revista de Saúde Pública, 47, 846-853

Lima-Costa, M. F., & Barreto, S. M. (2003). Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e serviços de saúde, 12(4), 189-201

Lima, M. M., & Aguilar, A. M. M. (2017). Análise dos Indicadores de Saúde Materno Infantil de um Município do Estado do Mato Grosso. J Health Sci, 19(2), 183-0

Lisboa, L., Abreu, D. M. X. D., Lana, Â. M. Q., & França, E. B. (2015). Mortalidade infantil: principais causas evitáveis na região Centro de Minas Gerais, Brasil, 1999-2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24, 711-720. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000400013

Ministério da Saúde. (2021). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Volume 52 | Nº 37. https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/epidemiologicos/edicoes/2021/boletim_epidemiologico_svs_37_v2.pdf

Maia, L. T. D. S., Souza, W. V. D., & Mendes, A. D. C. G. (2020). Determinantes individuais e contextuais associados à mortalidade infantil nas capitais brasileiras: uma abordagem multinível. Cadernos de saúde pública, 36, e00057519

Malta, D. C., Duarte, E. C., Almeida, M. F. D., Dias, M. A. D. S., Morais Neto, O. L. D., Moura, L. D., ... & Souza, M. D. F. M. D. (2007). Lista de causas de mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742007000400002

Medeiros, V. A.B., Bezerra, I. N. S, Mota, L. M, &. Monteiro, F. S., (2019). Perfil da mortalidade neonatal em alagoas no período de 2008 a 2017. Revista Ciência Plural, 5(2), 16-31

Organização das Nações Unidas (ONU). (2022). Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. 17 Objetivos para transformar nosso mundo. [Internet]. https://nacoesunidas.org/pos2015/ods3/

Pereira, S. L. B., Nascimento, M. S. & Rodrigues, J. V. S. (2017). Compatibilização entre territórios de desenvolvimento e instâncias de gestão regionais. Teresina, PI: Fundação CEPRO.

Pereira, L. K. M., Melo, R. H. V., Silva, J. A., Barbosa, M. H. P. A., Rosendo, T. M. S. S., & Amorim, K. P. C. (2021). Análise da evitabilidade do óbito infantil e fetal em um município de médio porte no Brasil. Research, Society and Development,10 (8), e21010817120

Romaguera, A. D. A., Guimarães, A. L. S., Oliveira, C. M. D., Cardoso, M. D., & Bonfim, C. V. D. (2020). Concordância e completude dos dados sobre nascidos vivos e óbitos infantis. Acta Paulista de Enfermagem, 33

Seade Informa Demografia. (2021). Nascimentos e perfil das mães em 2020. Estado de São Paulo. https://informa.seade.gov.br/analise_pdf/nascimentos-perfil-maes-2020/

Sousa, D. B., Maranhão, T. A., Sousa, G. J.B., Araújo, G. A. S., Rocha, M. I. F., & Pereira, M. L. D. (2022). Fatores de risco individuais associados à mortalidade infantil no nordeste brasileiro. Revista Enfermagem Atual In Derme, 96(39), e–021301

Sanders, L. S. C, Pinto, F. J. M., Medeiros, C. R. B., Sampaio, R. M. M., Viana, R. A. A, Lima, K. J. L. (2017). Mortalidade infantil: análise de fatores associados em uma capital do Nordeste brasileiro. Cad. saúde colet, 25 (1), 83-89

Silveira, B. R. M., Mota, E. C., Silva, D. V. A., Borges, M. C. D. S., & Azevedo, S. L. G. (2020). Evolução da mortalidade infantil em um município do norte de Minas Gerais, 2000-2010. Revista De Ciências Médicas E Biológicas, 19(2), 265–269

Silva, F. R., Moura, D. N. A., Gonçalves, M. F., Gusmão, R. B., Freitas, E. D., Simões, M. O., & Alves, W. A. (2021). Análise da mortalidade infantil no leste de Minas Gerais, 2008-2019. HU Rev, 47, 1-11

Sene, E. R., Silva, N. M., Sene, I., Neto, R. D. M., Leme, L. B. P., & Machado, L. C. S. (2021). Análise dos óbitos fetais ocorridos na região do Centro-Oeste entre os anos de 2008 a 2018. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, 4(1), 2072-2083

Vidal, S. A., Frias, P. G. D., Barreto, F. M. P., Vanderlei, L. C. M., & Felisberto, E. (2003). Óbitos infantis evitáveis em hospital de referência estadual do Nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 3, 281-289. https://doi.org/10.1590/S1519-38292003000300007

Vasconcelos, A. M. N., & Gomes, M. M. F. (2012). Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 21(4), 539-548

Published

11/01/2023

How to Cite

RAMOS , G. S.; PINHEIRO, P. J. da S. .; CALDAS, M. S.; JESUS , C. C. de .; SAMPAIO, T. C. G. .; MONTEIRO, L. C. L. do R. .; MASLINKIEWICZ, A.; PORTO, M. B. S. .; MIRANDA , M. da S. .; CARVALHO , F. R. de . Profile of infant deaths in the state of Piauí in the period between 1996 and 2020. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 1, p. e26912139827, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i1.39827. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/39827. Acesso em: 27 jan. 2023.

Issue

Section

Health Sciences