Perception of nurses in relation to the treatment of gestational syphilis in a district of the country of Curitiba-PR

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i4.40715

Keywords:

Infectious Complications of Pregnancy; Communicable Disease Control; Nurse ; Permanent education in health.

Abstract

The sexually transmitted infections (STIs) are caused by more than 30 etiological agents, they can be: viruses, bacteria, fungi and protozoa, transmitted mainly through sexual contact and, eventually, through blood. Among these diseases, one of the most common is syphilis, which is systemic, curable and exclusive to humans. Objective: To describe the perceptions of nurses in relation to the treatment of gestational syphilis in a health district (DS) in the city of Curitiba/PR. Method: The method had a qualitative approach with a descriptive character, in which semi-structured interviews were carried out with 15 nurses from the Health Care Network (RAS) in a Sanitary District (DS) in Curitiba/PR, later these were transcribed and grouped in a spreadsheet from Microsoft Excel to the start of Minayo's content analysis, Results: The analysis resulted in four categories highlighted as: lack of adherence to treatment; difficulties encountered in carrying out the protocol; lack of scientific knowledge about a pathology; and carrying out training for professional nurses in the treatment of syphilis during pregnancy. Final considerations: It was evidenced the need to approach with strategies in permanent education in health, to go beyond constant updates, but also to promote reflections and debates about the problems raised by the professionals themselves. Among them, the most perceived challenges were insecurity and high demand in the daily routine of nurses, or that prevented the performance of specific protocols for the category, including the treatment of gestational syphilis.

Author Biographies

Marli Aparecida Rocha de Souza, Centro Universitário Dom Bosco

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Estadual de Londrina (1998), Especialização em Gestão Estratégica em Instituições de Saúde (2002), MBA-Gestão Empresarial (2010), Especialização em Gestão do Conhecimento (2014). Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná (2015) e Doutora em enfermagem pela Universidade Federal do Paraná (2020). Atuou em áreas assistenciais e na Gerência Geral de Enfermagem em instituição hospitalar e como professora do EAD do Instituto Federal do Paraná. Atualmente é docente do curso de enfermagem no Centro Universitário Dom Bosco, membro do grupo de pesquisa GPPGPS, da Universidade Federal do Paraná e do grupo de pesquisa do Centro Universitário Dom Bosco e enfermeira no complexo do Hospital de Clínicas da UFPR.

Marcelexandra Rabelo, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná- PUC-PR (2006). Especialista em obstetrícia pela PUC-PR (2010). Mestre em enfermagem pela Universidade Federal do Paraná-UFPR (2015). Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Enfermagem-UFSC. Membro do grupo de pesquisa Práxis - Laboratório de Pesquisa sobre Trabalho, Ética, Saúde e Enfermagem , do(a) Universidade Federal de Santa Catarina. Responsável Técnica e Supervisora de Enfermagem na Unidade materno infantil, do Hospital de Clínicas-UFPR. Preceptora da residência Multiprofissional de Saúde da Mulher.-UFPR. Membro da Comissão interna da Iniciativa Hospital Amigo da Criança-HC, Membro da Comissão de Near Miss Materno-HC. Membro da Comissão Permanente de análise Disciplinar-HC. Presidente da Associação Brasileira de Enfermagem Obstétrica- (ABENFO)- Seccional Paraná, gestão de 2018-2024. Coordenadora da Comissão de saúde da mulher- COREN-PR-2019 a 2020. Membro da Rede Feminista de Saúde-PR, Coordenadora do curso de Pós Graduação em Enfermagem Obstétrica-Faculdade Ibrate-2018 a 2020. Avaliador ad hoc Revista Cogitare Enfermagem-UFPR- 2019- atual . Membro do Grupo de pesquisa NEPECHE-UFPR-- 2016-2020. Professora Substituta da área da Saúde da Mulher-UFPR ( 2011 A 2013). Coordenadora de Enfermagem da Maternidade Bairro Novo ( 2013 a 2017). Docente da pós graduação de Enfermagem Obstétrica da Universidade Positivo e Faculdade Inspirar ( Módulo de gerenciamento em serviços Obstétricos), FAG-Cascavel ( Módulo de Ética e Legislação, Pós Graduação de Urgência e Emergências da Universidade Positivo (módulo de Emergências Obstétricas). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Obstétrica, atuando principalmente nos seguintes temas: Modelo Assistencial Obstétrico, Políticas Públicas de Saúde da Mulher. Práticas baseadas em evidências científicas, Educação em saúde,Gestão e Qualidade em Obstetricia. Direitos sexuais e Reprodutivos, Violência contra mulher e Violência Obstétrica.

Romulo Pereira, Fundação Estatal de Atenção à Saúde

Possui graduação em Medicina pela FACULDADE EVANGELICA MACKENZIE DO PARANA (2015). Atualmente é coordenador médico da central de telessaúde da Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Medicina

References

Backes, M. T. S., Higashi, G. D. C., Damiani, P. da R., Mendes, J. S., Sampaio, L. de S., & Lopes Soares, G. (2021). Condições de trabalho dos profissionais de enfermagem no enfrentamento da pandemia da covid-19. Revista Gaúcha De Enfermagem, 42(1).

Barbosa, P. J. B., Mülle, R. E., Andrade, J. P. (2009). Diretrizes Brasileiras para o Diagnóstico, Tratamento e Prevenção da Febre Reumática. Sociedade Brasileira de Cardiologia da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Sociedade Brasileira de Reumatologia. Arq Bras Cardiol; 93 (3 supl. 4).

Brasil (2023). Educação Permanente em Saúde: Reconhecer a produção local de cotidianos de saúde e ativar práticas colaborativas de aprendizagem e de entrelaçamento de saberes. Ministério da Saúde. Secretária de atenção a saúde. Brasília (DF).

Brasil (2021). Fluxograma para manejo clínico das infecções sexualmente transmissível. Ministério da Saúde. Secretária de atenção a saúde. Brasília (DF).

Brasil (2022). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêutica para Atenção Integral às pessoas com Infecção Sexualmente Transmissível. Ministério da Saúde. Secretária de atenção a saúde. Brasília (DF).

Brasil (2020). Boletim epidemiológico: Sífilis. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília (DF).

Brasil (2010). Sífilis Adquirida e Congênita: aspectos clínicos e epidemiológicos. In: Doenças infecciosas parasitárias. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Brasília (DF).

Brasil (2007). Diretrizes para o fortalecimento das ações de adesão ao tratamento para pessoas que vivem com hiv e aids. Ministério da Saúde. Secretária de Vigilância Sanitária. Brasília (DF).

Cavalcante, E. G. F., Lima, I. C. V. de, Pinheiro, A. K. B., Miranda, M. C. C., & Galvão, M. T. G. (2017). Dificuldades e facilidades para notificação de parceiros sexuais com infecções sexualmente transmissíveis. Revista Da Rene de Enfermagem Do Nordeste, Vol. 18(2), pp. 250-256. doi: 10.15253/2175-6783.2017000200015

Cofen (2017). Nota Técnica COFEN/CTLN Nº03/2017. Conselho Federal de Enfermagem. Brasília (DF).

Curitiba (2022). Boletim epidemiológico AIDS/HIV- 2021. Vigilância Epidemiológica. Curitiba. Recuperado de: https://saude.curitiba.pr.gov.br/images.

Damasceno, C. K. C. S., Campelo, T. P. T., Cavalcante I. B., Sousa, P. S. A., Moreira, W. C. & Campelo, D. S. (2016). O trabalho gerencial da enfermagem: conhecimento de profissionais enfermeiros sobre suas competências gerenciais. Rev enferm UFPE Online. Vol. 10 (4). doi: 10.5205/reuol.8464-74011-1-SM.1004201607.

Ferreira, L., Barbosa, J. S. A., Esposti, C. D. D. & Cruz, M. M. (2019). Educação Permanente em Saúde na atenção primária: uma revisão integrativa da literatura. Saúde debate. Vol.43 (120). Rio de Janeiro. doi: 10.1590/0103-1104201912017.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas. São Paulo.

Gonçalves, D. A., Matida, L.H. (2010). Guia de referência técnica e programática para ações do plano de eliminação da sífilis congênita. Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids. São Paulo.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. Hucitec-Abrasco. São Paulo.

Oliveira, M. P. R., Menezes, I. H. C. F., Sousa, L. M., Peixoto, M. R. G. (2016). Formação e Qualificação de Profissionais de Saúde: Fatores associados à Qualidade da atenção Primária. Revista Brasileira de Educação Médica. Vol. 40 (4). Goiânia. doi: 10.1590/1981-52712015v40n4e02492014.

Pereira, P.M., Bizinelli, B.M., Guerra, P. H. A. M. (2020). Análise epidemiológica da sífilis em gestantes no município de Curitiba/PR: um estudo observacional descritivo. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde. Vol. 22 (4). Vitória. doi: 10.47456/rbps.v22i4.27827.

Portaria Nº33, de 14 de Julho de 2005. (2005). Inclui doenças à relação de notificação compulsória, define agravos de notificação imediata e a relação dos resultados laboratoriais que devem ser notificados pelos Laboratórios de Referência Nacional ou Regional. Secretária de Vigilância Sanitária. Brasília (DF).

Rohde, A. A. R., Oliveira, M. E. T. (2021). Experiência de trabalho dos profissionais da enfermagem no contexto da covid-19: uma revisão integrativa [Monografia]. - Universidade do Vale do Taquari Univates. Rio Grande de Sul.

Sade, P. M. C., Peres, A. M., Zago, D. P. L., Matsuda, L. M., Wolff, L. D. G., Bernardino, E. (2020). Avaliação dos efeitos da educação permanente para enfermagem em uma organização hospitalar. Acta Paul Enferm. Vol.33. São Paulo. doi: 10.37689/acta-ape/2020AO0023.

Silva, R. A. Estécio, T. C. H. Binhardi, M. F. B. Assis, J. C. Santos, C. C. M. (2020). Breve histórico da sífilis e evolução do diagnóstico laboratorial no período de 2005 a 2016. Revista do Instituito Adolfo Lutz.79.

Souza, G. C., Peduzzi, M., Silva, J. A. M., Carvalho, B. G. (2016). Trabalho em equipe de enfermagem: circunscrito à profissão ou colaboração interprofissional. Rev Esc Enferm USP. Vol. 50 (4). São Paulo. doi: 10.1590/S0080-623420160000500015.

Souza, M. A. R. (2020). Educação permanente em saúde: desenvolvimento de competências profissionais na atenção às mulheres em situação de violência [Dissertação Doutorado] - Universidade Federal do Paraná. Curitiba.

Vasconcelos, R. O., Mazzi, N. R., Fonseca, K. Z., Silva, J. A. M., Agreli, H. F., Leonello, V. M. (2021). Percepção de enfermeiros acerca da colaboração interprofissional em um serviço de urgência e emergência hospitalar. SciELO Preprints. doi:10.1590/SciELOPreprints.1867.

Souza, E. M. Há 100 anos, a descoberta do Treponema pallidum. (2005). Anais Brasileiros de Dermatologia. São Paulo.

Published

04/04/2023

How to Cite

VALDEIRA, L. P. .; SOUZA, M. A. R. de .; RABELO, M. .; PEREIRA, R. . Perception of nurses in relation to the treatment of gestational syphilis in a district of the country of Curitiba-PR. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 4, p. e11112440715, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i4.40715. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/40715. Acesso em: 20 may. 2024.

Issue

Section

Health Sciences