“My boat I do not leave”: right of land use in the Serra do Pardo National Park by the beiradeiros, Pará, Brasil

Authors

  • Thiago Oliveira da Silva Justiça Federal de 1º Grau, Subseção de Altamira
  • Carla Giovana Souza Rocha Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.17648/rsd-v7i10.426

Keywords:

Conservation Unit; Traditional Populations; Amazon.

Abstract

This paper analyses which territorial rights have the beiradeiros from Saint Sebastian village, located today in the Serra do Pardo National Park (SPNP), between São Felix do Xingu and Altamira (Pará). Field research have been effected, through targeted conversations with the beiradeiros, in order to understand their territorialization process and verify if they can been seeing as traditional people. Bibliographical research has also been effected, specially about the art. 42 of Law nr. 9.985/2000 validity, in order to verify the possibility of the sustainable use of the environment and of the natural resources of the areas used by them, instead of their resettlement. It was concludes that those beiradeiros are Amazon traditional population and that they can use rationally the natural resources from the SPNP, what doctrine and jurisprudence named double affection of the conservation units.

References

ALEXANDRINO, Marcelo; PAULO, Vicente. Direito Administrativo Descomplicado. 19.ed. São Paulo: Método, 2011.

ALMEIDA, William Barbosa de. 2012. As colocações: forma social, sistema tecnológico, unidade de recursos naturais Mediações. Revista de Ciências Sociais. v. 17, n. 1. Disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/2012.v17n1p121/10990>. Acesso em 15 de outubro de 2017.

BARRETO FILHO, Henyo Trindade. Notas para uma história social das áreas de proteção integral no Brasil. In: RICARDO, Fany. Terras indígenas e unidades de conservação da natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: Instituto Sociambiental, 2004. p. 66-72. Disponível em: <https://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/10144.pdf>. Acesso em 19 de outubro de 2017.

BENATTI, José Heder. Posse Coletiva da Terra: um estudo jurídico sobre o apossamento de seringueiros e quilombolas. Revista CEJ, v. 1, n. 3, set./dez.,1997.

BENSUSAN, Nurit. Terras Indígenas: as primeiras unidades de conservação. In: RICARDO, Fany. Terras indígenas e unidades de conservação da natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: Instituto Sociambiental, 2004. p. 66-72. Disponível em: <https://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/10144.pdf>. Acesso em 19 de outubro de 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm>. Acesso em 31 de março de 2017.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=322>. Acesso em 31 de março de 2017.

BRASIL. Decreto de 17 de fevereiro de 2005. Cria o Parque Nacional da Serra do Pardo, localizado nos Municípios de Altamira e São Félix do Xingu, Estado do Pará, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_Ato2004‐ 2006/2005/ nn/Dnn10451.htm> Acesso: 31 de março de 2017.

BRASIL. Decreto de 18 de abril de 2006. Homologa a demarcação administrativa da Terra Indígena Inãwébohona, localizada nos Municípios de Pium e Lagoa da Confusão, no Estado do Tocantins. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Dnn/Dnn10823.htm>. Acesso em 23 de outubro de 2017

BRASIL. Decreto 6.040 de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6040.htm>. Acesso em 05 de outubro de 2017.

BRASIL. Ministério Público Federal. Câmara de Coordenação e Revisão, 6. Manual de atuação: territórios de povos e comunidades tradicionais e unidades de conservação de proteção integral – alternativas para o asseguramento de direitos socioambientais. Brasília: MPF, 2014.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Acórdão na Petição 3388/RR. Relator: BRITO, Carlos. Publicado no DJe de 27-03-2009. Edição 59. Disponível em <http://www.stf.jus.br/portal/processo/verProcessoAndamento.asp?incidente=2288693>. Acesso em 15 de outubro de 2017.

CARNEIRO FILHO, Arnaldo; SOUZA, Oswaldo Braga de. Atlas de pressões e ameaças às terras indígenas na Amazônia brasileira. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2009. Disponível em: < https://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/publicacoes/10378.pdf>. Acesso em 19 de outubro de 2017.

DANTAS, Marcus Eduardo de Carvalho. Populações tradicionais e apossamento ilegal: para além da função social da propriedade. In. SOUZA, Carlos Frederico Marés (Filho) at all (Org.). Direitos territoriais de povos e comunidades tradicionais em situações de conflitos socioambientais. Brasília: IPDMS, 2015. p. 354-372.

DIEGUES, Antonio Carlos Santana. O Mito Moderno da Natureza Intocada. 3. ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2001.

DUPRAT DE BRITTO PEREIRA, Deborah Macedo. O Estado Pluriétnico. In: LIMA, Antônio Carlos de Souza; BARROSO-HOFFMANN (Org.). Além da Tutela: bases para uma nova política indigenista. Vol. III. São Paulo: Contracapa, 2002. p. 41-47. Disponível em <http://www.mpf.mp.br/atuacao-tematica/ccr6/documentos-e-publicacoes/artigos/docs/artigos/docs_artigos/estado_plurietnico.pdf>. Acesso em 23 de outubro de 2017.

FIGUEIREDO, Leandro Mitidieri. Populações tradicionais e meio ambiente: espaços territoriais especialmente protegidos com dupla afetação. In. DUPRAT, Déborah (Org.). Convenção n. 169 da OIT e os Estados Nacionais. Brasília: ESMPU. 2015. p. 209-242.

GONÇALVES, Amanda Cristina Oliveira, et all. Médio Xingu. In: ALVES, Fábio (Org.). A função social do patrimônio da União na Amazônia. Brasília: IPEA, 2016. p. 199-274.

GUERRERO, Natalia Ribas. Nem na unha, nem na fome: resistência camponesa às margens do médio Xingu. Relatório de consultoria especializada para apoio à elaboração de termo de compromisso junto aos ribeirinhos e colonos do Parque Nacional da Serra do Pardo (Consultoria ao ICMBio). Altamira, 2015.

ICMBio – INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. 2015. Plano de Manejo da Estação Ecológica da Terra do Meio. Disponível em <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/DCOM_plano_de_manejo_Esec_da_Terra_do_Meio.pdf>. Acesso em 30 de março de 2017.

ICMBio – INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. 2015. Plano de Manejo do Parque Nacional da Serra do Pardo. Disponível em <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/DCOM_plano_de_manejo_Parna_Serra_do_Pardo_18092015.pdf>. Acesso em 30 de março de 2016.

IPHAN – INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Convenção nº. 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da OIT. Disponível em <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Convencao_169_OIT.pdf>. Acesso em 31 de março de 2017.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia, nº 322. Brasília: Departamento de Antropologia, 2002.

LOPES, Ana Débora da Silva. A cura que vem da natureza: conhecimentos, práticas e apreensões da biodiversidade dos beiradeiros da Estação Ecológica Terra do Meio, Amazônia brasileira. 2015. 117 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Mestrado em Antropologia. Universidade Federal do Pará, Pará. 2015.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. DECLARAÇÃO do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Disponível em < http: //www.onu.org.br /rio20/img /2012/01/ rio92.pdf> . Acesso em 16 de outubro de 2017

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São Paulo: Saraiva, 2013.

SANTILLI, Juliana. Áreas protegidas e direitos de povos e comunidades tradicionais. In: BENSUSAN, Nurit e PRATES, Ana Paula (Org.). A diversidade cabe na unidade? Áreas protegidas do Brasil. Brasília: IEB, 2014. p. 399-434.

SANTILLI, Juliana. Povos indígenas, quilombolas e populações tradicionais: a construção de novas categorias jurídicas. In: RICARDO, Fany. Terras indígenas e unidades de conservação da natureza: o desafio das sobreposições. São Paulo: Instituto Sociambiental, 2004. p. 42-49. Disponível em: <https://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/10144.pdf>. Acesso em 19 de outubro de 2017.

SILVA, José Afonso da. Direito Ambiental Constitucional. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

UMBUZEIRO, Antônio Ubirajara Bogea; UMBUZEIRO, Ubirajara Marques. Altamira e sua história. 4 ed. rev. e ampliada. Belém: Ponto Press, 2012.

Published

28/05/2018

How to Cite

SILVA, T. O. da; ROCHA, C. G. S. “My boat I do not leave”: right of land use in the Serra do Pardo National Park by the beiradeiros, Pará, Brasil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 7, n. 10, p. e4710426, 2018. DOI: 10.17648/rsd-v7i10.426. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/426. Acesso em: 27 sep. 2021.

Issue

Section

Articles