Use of active teaching methodologies and Bloom’s Taxonomy in a class at the residence: Experience report of preceptorship

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i1.44670

Keywords:

Internship and residency; Nursing education; Problem-based learning; Patient safety.

Abstract

Objective: to report the experience of developing a class on patient safety for a group of residents, facing an adverse event, from the use of active teaching methodologies and Bloom Taxonomy. Methodology: this is a descriptive study, the type of experience report, developed from a class that addressed the protocol of safe administration of medication for a group of 20 nursing residents of a university hospital located in southern Brazil. The inverted classroom methodology was used, in which residents received the protocol of safe administration of medication previously. From teaching strategies, we used the lecture dialogue, Problem-Based Learning and the mini-seminar. Results: a real case, of public knowledge, was presented, which dealt with adverse event related to medication error. Subsequently, there was the proposal to prepare the Ishikawa diagram and action plan based on the 5W2H model. For the evaluation of the results achieved, Bloom’s Taxonomy was used, which allowed to recognize that the cognitive and affective domains were achieved. Conclusion: the use of active teaching methodologies and Bloom’s Taxonomy in the residency classes can be considered an effective pedagogical strategy, encouraging the protagonism and autonomy of residents in the teaching-learning process. In addition, it enabled the insertion and discussion of the subject of patient safety in the context of health education.

References

Abreu, I. M., Rocha, R. C., Avelino, F. V. S. D., Guimarães. D. B. O., Nogueira, L. T & Madeira, M. Z. A. (2019) Cultura de segurança do paciente em centro cirúrgico: visão da enfermagem. Rev Gaúcha Enferm., 40. https://doi.org/10.1590/1983- 1447.2019.20180198.

Ageitos, J. (2022). ‘A pessoa entra saudável e nunca mais sai’, diz tio de homem que está em estado vegetativo após superdosagem de remédio no RS. G1- Rio Grande do Sul, 30 agosto de 2022.

Anderson, L. W., Krathwohl, D. & Bloom, B. (2001). A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revison of Bloom's Taxonomy of Educational Objectives. Nova York: Addison Wesley Longman. 336 p.

Brasil (2023). Ministério da Saúde. Portaria nº 2.095, de 24 de setembro de 2013. Aprova os protocolos de segurança do paciente: Protocolos de Prevenção de Quedas; o Protocolo de Identificação do Paciente e o Protocolo de Segurança na Prescrição e de Uso e Administração de Medicamentos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 setembro 2013. Seção 1, p. 47.

Brasil. Ministério da Saúde (2014). Programa Nacional de Segurança do Paciente / Ministério da Saúde; Fundação Oswaldo Cruz; Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

Brito, A. R., Penha, E. C. S., Pinheiro, R. T. S., Rocha, L. S., Marchezini, J. L. C., Arruda, R. A. J., Feio, A. P. S., Pontes, E. D., Mesquita Neto, A. R. & Silva, J. A. C. (2022). O uso de metodologias ativas no processo de ensino - aprendizagem: proposta de intervenção. Research, Society and Development, 11(6). http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29239

Chianca-Neves, M. G. B., Lauer-Leite, I. D. & Priante, P. T. (2020). As concepções de preceptores do SUS sobre metodologias ativas na formação profissional da saúde. Educ rev., 36. https://doi.org/10.1590/0102-4698207303

Durce, K., Barbosa, R. C. C., Gondo, F. L. B., Aquino, L. M., Liberali, J., Lucato, J. J. J., Carbone, E. S. M. & Silva, L. C. (2019). Programa prática da educação, pesquisa e extensão em saúde: relato de experiência da utilização de casos clínicos à luz da taxonomia de Bloom. Cadernos de educação, saúde e fisioterapia, 6(12). Suplemento – anais do XXIX fórum nacional de ensino em fisioterapia e VI congresso brasileiro de educação em fisioterapia. https://doi.org/10.18310/2358-8306.v6n12suple

Ferraz, A. P. do C. M.& Belhot, R.V. (2010). Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gest Prod., 17(2). https://doi.org/10.1590/S0104-530X2010000200015

Ferraz, R. M., Kron-Rodrigues, M. R., Galvão, H. M. & Araújo, C. L.de O. (2021). Metodologias ativas de ensino e aprendizagem: o ensino de hoje na saúde. Saúde Coletiva, 11(63). https://doi.org/10.36489/saudecoletiva.2021v11i63p5488-5499

Garzin, A. C. A. & Melleiro, M. M. (2019). Segurança do paciente na formação dos profissionais de saúde. Cienc Cuid Saude, 18(4). http://dx.doi.org/ 10.4025/cienccuidsaude.v18i4.4578

Lawall, P. Z. M., Pereira, A. M. M, Oliveira, J. M .de & Gasque, K. C da S. (2023). A preceptoria médica em medicina de família e comunidade: uma proposta dialógica com a andragogia. Rev bras educ med., 47(1). https://doi.org/10.1590/1981-5271v47.1-20220058

Marin, M. J. S., Gomes, R., Marvulo, M. M. L., Primo, E. M., Barbosa, P. M. K. & Druzian S. (2010). Pós-graduação multiprofissional em saúde: resultados de experiências utilizando metodologias ativas. Interface (Botucatu), 14(33). https://doi.org/10.1590/S1414-32832010000200008

Mello, A. de L., Terra, M. G., Nietsche, E. A., Kocourek, S. & Arnemann, C. T. (2019). Integração ensino-serviço na formação de residentes em saúde: perspectiva do docente. Texto Contexto Enferm [Internet], 28. http://dx.doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2017-0019.

Nascimento, J. da S. G., Siqueira, T. V., Oliveira, J. L. G., Alves, M. G., Regino, D. da S. G. & Dalri, M. C. B. (2021). Development of clinical competence in nursing in simulation: the perspective of Bloom’s taxonomy. Rev Bras Enfer, 74(1). https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0135.

Silva, C. A. & Dalbello-Araujo, M. (2019). Programa de Residência Multiprofissional em Saúde: o que mostram as publicações. Saúde em Debate [online], 43(123). https://doi.org/10.1590/0103-1104201912320.

Oliveira, J. L. C., Silva, S. V., Santos, P. R., Matusa, L.M., Tonini, N. S. & Nicola, A.L. (2017). Segurança do paciente: conhecimento entre residentes multiprofissionais. Einstein, 15(1):50-7.

Organização Mundial de Saúde (OMS) (2011). Ministério da Saúde. Estrutura concetual da classificação internacional sobre segurança do doente. Relatório Técnico Final, Lisboa, 2011.

Organização Mundial de Saúde (OMS) (2021). Plano de ação global para a segurança do paciente 2021-2030: Em busca da eliminação dos danos evitáveis nos cuidados de saúde. Genebra, 2021.

Pereira, A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM

Ventura, J. M. de A., Martins da Paz, A. & Dantas Ricarte, M. (2022). Uso das metodologias ativas em programa de Residência em Saúde no contexto da pandemia por COVID-19. Health Residencies Journal - HRJ, 3(15). https://doi.org/10.51723/hrj.v3i15.204

Villar, V. C. F. L., Duarte, S. C. M. & Martins, M. (2020). Segurança do Paciente no cuidado hospitalar: uma revisão sobre a perspectiva do paciente. Cad Saúde Pública, 36(12). https://doi.org/10.1590/0102-311X00223019

Published

03/01/2024

How to Cite

SILVA, D. P. da .; RODRIGUES, J. A. P. .; CUTCHMA, G.; TERASSI, M.; BRUSAMARELLO , T.; MODANESE, V. K. G. . Use of active teaching methodologies and Bloom’s Taxonomy in a class at the residence: Experience report of preceptorship. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 1, p. e1213144670, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i1.44670. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44670. Acesso em: 25 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences