Physicochemical and microbiological characteristics of minimally processed and stored pumpkin (Cucurbita moschata Poir.)

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i1.44767

Keywords:

Blanching; Freezing; Conservation; Cucurbita moschata.

Abstract

Pumpkin is one of the main vegetables used in human consumption, however, the rusticity of the fruit's skin and the excess of seeds are characteristics that reduce its commercialization, considering that there is a growing demand for foods that provide practicality and nutritional quality. Minimal processing of vegetables combined with conservation techniques is essential for maintaining the physical-chemical and microbiological quality of the food. Therefore, the objective of this work was to analyze the feasibility of minimal processing combined with blanching and freezing, as a way of preserving the alligator pumpkin (Cucurbita moschata). The experimental design used was completely randomized (DIC) in a 2x5+2 factorial scheme, consisting of two controls, (T1) = pumpkins with blanching and (T2) = pumpkins without blanching, both without freezing and two treatments (T3= blanching and freezing between (-18 ºC to -26 ºC) and T4= only freezing between (-18 ºC to -26 ºC) and five evaluation times (0, 5, 10, 15 and 20 days) of storage. Physical analyzes were carried out -chemistry of moisture, soluble solids, pH, titratable acidity, ascorbic acid and microbiological analysis of thermotolerant coliforms. Significant differences were observed between the results of treatments T3 and T4 for all variables analyzed. Minimally processed pumpkin subjected to conservation methods blanching followed by freezing or just freezing for a period of 20 days of storage, presented better nutritional quality for consumption when compared to fresh pumpkin processed without conservation treatments.

References

Alvarenga, A. L. B.; Toledo, J. C. de & Paulillo, L. F. de O. (2014). Qualidade e segurança de vegetais minimamente processados: proposta de estruturas de governança entre os agentes da cadeia e os sinais de qualidade. Gestão e Produção, 21(2), 341-354.

Alves, J. A. et al. (2010). Qualidade de produto minimamente processado à base de abóbora, cenoura, chuchu e mandioquinha-salsa. Ciência e Tecnologia de alimentos, 30(3), 625-634.

Amaro, G. B. et al. (2017). Desempenho agronômico de híbridos experimentais de abóbora Tetsukabuto para características dos frutos. Horticultura brasileira, 35(2), 180-185.

Assis, O. B. G. & Brito, D. de. (2014). Coberturas comestíveis protetoras em frutas: fundamentos e aplicações. Brazilian Journal of Food Technology, 17(2), 87-97.

Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC ANVISA/MS nº. 724, de 01 de julho de 2022. Regulamento técnico sobre os padrões microbiológicos para alimentos.

Cardoso, B. T. et al. (2015). Avaliação preliminar da quantificação dos teores de umidade e sólidos solúveis totais em abóbora utilizando NIR. V Reunião de Biofortificação no Brasil Brasília, DF: Embrapa, 5, 50-52.

Carneiro, J. de O. C. et al. (2015). Efeito da temperatura e do uso de embalagem na conservação pós-colheita de frutos de cagaita (Eugenia dysenterica). Revista Brasileira de Fruticultura, 37(3), 568-577.

Cunha, K. D. et al. (2014). Estabilidade de ácido ascórbico em sucos de frutas frescos sob diferentes formas de armazenamento. Brazilian Journal of Food Technology, 17(2), 139-145.

Ferreira, C. C. et al. (2016). Análise de coliformes termotolerantes e Salmonella sp. em hortaliças minimamente processadas comercializadas em Belo Horizonte-MG. Hospital Universitário Revista, 42(4), 307-313.

Forsythe, Stephen J. (2002). Microbiologia da segurança alimentar. Trad. Maria carolina Minardi Guimarães e Cristina Leonhardt, 216 p.

Freire, C.S. (2014). Qualidade de raízes de mandioca de mesa minimamente processada nos formatos minitolete e rubiene. Revista Caatinga, 27(4), 95- 102.

Instituto adolfo lutz. (2008). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. (4a ed.). Instituto Adolf Lutz, 1020 p.

Lima, A. A. et al. (2020). Abóbora minimamente processada e e revestida com galactomanana extraída da semente de Caesalpinia pulcherrima. Brazilian Journal of Development, 6(3), 12479-12488.

Malvezzi, B. Z. et al. (2019). Pesquisa mercadológica sobre consumo de alimentos minimamente processados. Universitas, 8(15), 135-150.

Marchetto, A. M. P. et al. (2008). Avaliação das partes desperdiçadas de alimentos no setor de hortifrúti visando seu reaproveitamento. Revista Simbio-logias, Botucatu, 1(2), 1-14.

Miranda, A. L. S. et al. (2017). Efeito do tipo de embalagem e do tempo de armazenamento nas qualidades físico-químicas de cenoura minimamente processada. The Journal of Engineering and Exact Sciences, 3(6), 807-812.

Moraes, F. A. (2010). Perdas de vitamina C em hortaliças durante o processamento, preparo e distribuição em restaurantes. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15(1), 51-62.

Nascimento, K. et al. (2014). Alimentos minimamente processados: uma tendência de mercado. Acta Tecnológica, São Luís, 9(1), 48-61.

Nascimento, L. E. S. et al. (2016). Efeito do processo de branqueamento sobre as características físico-químicas e microbiológicas em frutos de acerola (Malpighia punicifolia DC). In: Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Gramado: UFRGS, p. 6.

Nobre, M. A. F. et al. (2022). Conservação da abóbora brasileirinha (Cucurbita moschata Poir.) minimamente processada. Revista Princípia, 59(1), 29-40.

Oliveira, A. do N. et al. (2013). Cinética de degradação e vida-de-prateleira de suco integral de manga. Ciência Rural, 43(1), 172-177.

Oliveira, E. B. et al. (2015). Cinética de degradação de cores de frutas frescas refrigeradas. Agropecuária Técnica, 36(1), 183-189.

Pena, F. L. et al. (2015). Avaliação microbiológica de hortaliças minimamente processadas disponíveis no mercado e servidas em redes de fast-food e em unidades de alimentação e nutrição nas cidades de Limeira e Campinas, São Paulo, Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional, 22(1), 633-643.

Pedro Júnior, M. J. et al. (2014). Curva de maturação e estimativa do teor de sólidos solúveis e acidez total em função de graus-dia: uva IAC 138-22 ‘máximo’. Bragantia, 73(1), 81-85.

Russo, V. C. et al. (2012). Qualidade de abóbora minimamente processada armazenada em atmosfera modificada ativa. Semina: Ciências Agrárias, 33(3), 1071-1083.

Santos, I. V. et al. (2015). Doce de abóbora com leite contendo alta proporção de abóbora – avaliação da textura e aparência. Revista Nutrir, 1(2), 1-12.

Sátiro, L. S. et al. (2020). Avaliação da qualidade físico-química da abóbora brasileirinha (Cucurbita moschata) minimamente processada. Research, Society and Development, 9(5), e58953202.

Silva, A. V. C. et al. (2009). Temperatura e embalagem para abóbora minimamente processada. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 29(2), 391-394.

Silva, A. S. et al. (2016). Análise parasitológica e microbiológica de hortaliças comercializadas no município de Santo Antônio de Jesus, Bahia (Brasil). Revista Visa em Debate Sociedade, Ciências e Tecnologia, 4(3), 77-85.

Silva, M. R.; Silva, M. S. & Oliveira, J. S. (2004). Estabilidade de ácido ascórbico em pseudofrutos de caju-do-cerrado, refrigerados e congelados. Pesquisa Agropecuária Tropical, 34(1), 9-14.

Spagnol, W. A. et al. (2018). Redução de perdas nas cadeias de frutas e hortaliças pela análise de vida útil dinâmica. Brazilian Journal of Food Technology, 21(1), 1-10.

Trennepohl, F. T. N. et al. (2019). Prebióticos e probióticos e os estudos de nutrigenética e nutrigenômica. Boletim Técnico-Científico, 5(2), 11-25.

Tukey, J. W. (1949). Comparing individual means in the analysis of variance. International Biometric Society, 5(2), 99-114.

Vannucchi, H. & Rocha, M. M. (2012) Funções plenamente reconhecidas de nutrientes – ácido ascórbico (vitamina C). ILSI Brasil - International Life Sciences Institute do Brasil. [Internet].

Zanoni, K. & Gelinski, J. M. L. N. A. (2013). Condições higiênico-sanitárias de salada de vegetais servidas em três restaurantes self-service em munícipio do interior de Santa Cantarina, Brasil. Revista Eletrônica de Farmácia, 10(3), 30-42.

Published

14/01/2024

How to Cite

RODRIGUES, D. P. .; FURTADO, M. T. .; SILVA, R. F. da .; NUNES, G. L. .; IMADA, K. S. . Physicochemical and microbiological characteristics of minimally processed and stored pumpkin (Cucurbita moschata Poir.). Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 1, p. e6313144767, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i1.44767. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44767. Acesso em: 27 may. 2024.

Issue

Section

Health Sciences