Epidemiological analysis of reported cases of congenital syphilis in a city in the interior of Bahia

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i1.44783

Keywords:

Prenatal care; Nursing care; Pregnant women; Epidemiological monitoring; Syphilis congenital.

Abstract

Introduction: The pregnant woman with syphilis when umtreated or offered an inadequate therapeutic plan increases the susceptibility of the baby to contact T. Pallidum, thus developing congenital syphilis (CS). Objectives: To identify the epidemiological profile of CS in a city in the interior of Bahia from 2017 to 2021; Detect the percentage of pregnant women affected by syphilis who underwent prenatal care, according to the cs notification form in a city in the interior of Bahia in 2017 to 2021; To highlight the moment of the diagnosis of maternal syphilis and the inclusion of the partner in the therapeutic plan in a city in the interior of Bahia in 2017 to 2021; To identify the age group, gender, evolution and clinical classification of neonates and infants reported with CS in a city in the interior of Bahia from 2017 to 2021. Methodology: Descriptive, exploratory and quantitative study, based on the information provided by SINAN, regarding the cases of CS that occurred in a municipality in the interior of Bahia in the year 2017 to 2021. Results: 208 children were investigated, and there was a marked predominance of sexual partnership excluded from therapy, with 142 (68.27%) individuals. A majority percentage of detection is demonstrated until 6 days of life, with 196 (94.23%) and 144 (83.24%) remained alive until the period of notification and investigation. Final considerations: There was a marked percentage of diagnosis in children with CS at an opportune time and with a favorable clinical outcome.

Author Biographies

Taline Pereira Silveira, UNIGRAD

Enfermeira pelo Centro Universitário de Tecnologia e Ciências – UniFTC, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Pós-graduanda em Enfermagem em Urgência, Emergência e Unidade de Terapia Intensiva, pela UNIGRAD, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Renato Novaes Chaves, UNIGRAD; Faculdade Venda Nova do Imigrante

Enfermeiro pela Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Enfermagem; Mestrado em memória: linguagem e sociedade, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil; Doutor em em Memória, Envelhecimento e Dependência Funcional, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil; Especializado em Enfermagem do Trabalhador pela UNIGRAD, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil; Especializando em Saúde do Adulto Hospitalar, pela FAVENI-Faculdade Venda Nova do Imigrante

References

Almeida, A. S. D., Andrade, J., Fermiano, R., Jamas, M. T., Carvalhaes, M. A. D. B. L., & Parada, C. M. G. D. L. (2021). Sífilis na gestação, fatores associados à sífilis congênita e condições do recém-nascido ao nascer. Texto & Contexto-Enfermagem, 30.

Alves, P. I. C., Scatena, L. M., Haas, V. J., & Castro, S. D. S. (2020). Evolução temporal e caracterização dos casos de sífilis congênita em Minas Gerais, Brasil, 2007-2015. Ciência & Saúde Coletiva, 25(8), 2949-2960.

Amorim, E. K. R., Matozinhos, F. P., Araújo, L. A., & Silva, T. P. R. D. (2021). Tendência dos casos de sífilis gestacional e congênita em Minas Gerais, 2009-2019: um estudo ecológico. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 30(4), e2021128.

Andrade, A. L. M. B., Magalhães, P. V. V. S., Moraes, M. M., Tresoldi, A. T., & Pereira, R. M. (2018). Diagnóstico tardio de sífilis congênita: uma realidade na atenção à saúde da mulher e da criança no Brasil. Revista Paulista de Pediatria, 36 (3), 376-381.

Brasil (2021a). Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim Epidemiológico de Sífilis 2021. Brasília: Ministério da Saúde, 57 p.

Brasil (2021b). Ministério da saúde. Tecnologia da Informação a Serviço do SUS. Sistema de Informação de Agravos de Notificação - Sinan Net.

Brasil (2019). Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Virais. Brasília: Ministério da Saúde, 248 p.

Brasil (2012). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprovar as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: Ministério da Saúde.

Caliman, M. O. S., & Vicente, C. R. (2020). Perfil epidemiológico da sífilis congênita no estado do Espírito Santo, 2010-2019. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 22(4), 46-55.

Cardoso, A. R. P., Araújo, M. A. L., Cavalcante, M. D. S., Frota, M. A., & Melo, S. P. D. (2018). Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(2), 563-574.

Carmo, B. A. G., dos Santos, D. F., Hayase, K. A. S., Santos, M. M. Q., Naiff, G. R. O., & Botelho, E. P. (2020). Sífilis congênita em região da amazônia brasileira: análise temporal e espacial. Revista Eletrônica de Enfermagem, 22.

Cavalcante, A. N. M., Araújo, M. A. L., Nobre, M. A., & Almeida, R. L. F. D. (2019). Fatores associados ao seguimento não adequado de crianças com sífilis congênita. Revista de Saúde Pública, 53.

Cavalcante, P. A. D. M., Pereira, R. B. D. L., & Castro, J. G. D. (2017). Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 26, n. 2, 255-264.

Cerqueira, L. B., de Jesus, T. A., Andrade, A. C. M., Oliveira, M. C. S., & Brasil, C. A. (2022). Perfil epidemiológico e clínico da sífilis gestacional e congênita no estado da Bahia no período de 2010-2019. Revista Enfermagem Contemporânea, 11, e4026.

Conceição, H. N., Câmara, J. T., & Pereira, B. M. (2019). Análise epidemiológica e espacial dos casos de sífilis gestacional e congênita. Saúde em debate, 43 (123), 1145-1158.

Costa, L. C., Bubach, S., dos Santos, A. S, Poton, W. L, dos Santos, D. C D. S., Cicuti, N. T. Z, & Horta, B. L (2022). Perfil epidemiológico e clínico da sífilis congênita na região Norte do Espírito Santo / Perfil epidemiológico e clínico da sífilis congênita na região norte do Espírito Santo. Brazilian Journal of Development, 8 (1), 2300–2317.

Coutinho, F. M., Geha, Y. F., Reis, L. C., Kaizer, W. L., Arantes, T., & Brega, C. B. (2021). Distribuição temporal dos casos e da mortalidade infantil por sífilis congênita nas cinco regiões geográficas do Brasil entre 2009 e 2018. Clinical and biomedical research, 41 (4), 291-298.

Deliberalli, A. L, Pawnoski, V. A, Massafera, G. I, Araujo, J. P, & Fiorentin, L. F (2022). Consulta de enfermagem no pré-natal: atendimento à gestante com sífilis. Research, Society and Development, 11 (1), e22211124676.

Estácio, J. R. (2019). Recém-nascidos com diagnóstico de sífilis congênita: Compreendendo o significado para os pais. 66 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em enfermagem) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Favero, M. L. D. C., Ribas, K. A. W., Costa, M. C. D., & Bonafe, S. M. (2019). Sífilis congênita e gestacional: notificação e assistência pré-natal. Archives of Health Sciences, 26 (1), 2-8.

Ferreira, F. K. S., Rolim, A. C. A., & Bonfada, D. (2021). Perfil dos casos de sífilis congênita no rio grande do norte: estudo de série temporal. Revista Ciência Plural, 7 (2), 33-46.

Godoi Neto, L. D., Gomes, L. M., & Sobrinho, H. M. R. (2019). Epidemiologia da sífilis gestacional e congênita no estado de Goiás no período de 2013 a 2018. Revista Brasileira Militar de Ciências, 5 (13), 64-71.

Guimarães, T. A., Alencar, L. C. R., Fonseca, L. M. B., Gonçalves, M. M. C., & Silva, M. P. D. (2018). Sífilis em gestantes e sífilis congênita no Maranhão. Arquivo Ciência em Saúde, 25 (2), 24-30.

Holztrattner, J. S., Linch, G. F. C., Paz, A. A., Gouveia, H. G., & Coelho, D. F. (2019). Sífilis congênita: realização do pré-natal e tratamento da gestante e de seu parceiro. Cogitare enfermagem, 24.

Lozada, G. & Nunes, K. S. (2019). Metodologia Científica. Porto Alegre: Grupo A, 132-139.

Lucena, K. N. C., Santos, A. A. P. D., Rodrigues, S. T. C., Ferreira, A. L. C., Silva, E. M. D. P., & Vieira, M. J. D. O. (2021). O panorama epidemiológico da sífilis congênita em uma capital do nordeste: estratégias para a eliminação. Revista Online de Pesquisa (Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 13, 730-736.

Macêdo, V. C. D., Romaguera, L. M. D., Ramalho, M. O. D. A., Vanderlei, L. C. D. M., Frias, P. G. D., & Lira, P. I. C. D. (2020). Sífilis na gestação: barreiras na assistência pré-natal para o controle da transmissão vertical. Cadernos Saúde Coletiva, 28 (4), 518-528.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2022). Metodologia Científica. (8a ed.), Atlas, 297 p.

Maschio-Lima, T., Machado, I. L. D. L., Siqueira, J. P. Z., & Almeida, M. T. G. (2019). Perfil epidemiológico de pacientes com sífilis congênita e gestacional em um município do Estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 19 (4), 873-880.

Moreira, D. (2019). Epidemiologia da sífilis congênita e materna em um hospital público do município de Carapicuíba–SP. Journal Health NPEPS, 4 (2), 200-214.

Nagai, M. M., Andrade, A. F., Bispo, D. B. S., Cassimiro, J. C., Andrino, L. M., Queiroz, M. S. C., ... & Costa, M. (2021). Perfil epidemiológico da sífilis congênita no estado de Minas Gerais. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 13 (10), e8938.

Nobre, C. S., Albuquerque, C. D. M., Frota, M. A., Machado, M. D. F. A. S., & Couto, C. S. (2018). Sistema de saúde no controle da sífilis na perspectiva das enfermeiras. Revista enfermagem UERJ, 26, 12527.

Ozelame, J. É. E. P., Frota, O. P., Júnior, M. A. F., & Teston, E. F. (2020). Vulnerabilidade à sífilis gestacional e congênita: uma análise de 11 anos. Revista Enfermagem UERJ, 28, 50487.

Padovani, C., Oliveira, R. R. D., & Pelloso, S. M. (2018). Sífilis na gestação: associação das características maternas e perinatais em região do sul do Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26.

Reis, G. J. D., Barcellos, C., Pedroso, M. D. M., & Xavier, D. R. (2018). Diferenciais intraurbanos da sífilis congênita: análise preditiva por bairros do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34 (9).

Ribeiro, G. E., Silva, D. P. C. D., Montovani, J. C., & Martins, R. H. G. (2021). Impacto da exposição à sífilis materna no sistema auditivo de recém-nascidos. Audiology-Communication Research, 26, e2496.

Roehrs, M. P., Silveira, S. K., Gonçalves, H. H. R., & Sguario, R. M. (2020). Sífilis materna no Sul do Brasil: epidemiologia e estratégias para melhorar. Femina, 48 (12), 753-759.

São Paulo (2020). Tabnet-Tabulações Online.

Signor, M., Spagnolo, L. M. D. L., Tomberg, J. O., Gobatto, M., & Stofel, N. S. (2018). Distribuição espacial e caracterização de casos de sífilis congênita. Revista Enfermagem UFPE on line, 12 (2), 398-406.

Silva, M. J. N. D., Barreto, F. R., Costa, M. D. C. N., Carvalho, M. S. I. D., & Teixeira, M. D. G. (2020). Distribuição da sífilis congênita no estado do Tocantins, 2007-2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 29 (2), e2018477.

Silva, I. M. D., Leal, E. M. M., Pacheco, H. F., Souza Júnior, J. G. D., & Silva, F. S. D. (2019a). Perfil epidemiológico da sífilis congênita. Revista Enfermagen UFPE on line, 13 (3), 604-613.

Silva, J. G., Gomes, G. C., Ribeiro, J. P., Jung, B. C., Nörberg, P. K. O, & Mota, M. S. (2019b). Sífilis gestacional: repercussões para a puérpera. Cogitare enfermagem, 24.

Silva, N. C. P. D., Carvalho, K. B. S. D., & Chaves, K. Z. C. (2021). Sífilis gestacional em uma maternidade pública no interior do Nordeste brasileiro. Femina, 49 (1), 58-64.

Silveira, B. J., Rocha, B. P. C., Silveira, A. A. D., Fagundes, L. C., Silveira, A. V. D., Abreu, C. D. D., ... & Rocha, W. N. F. (2021). Perfil epidemiológico dos casos notificados de sífilis em gestantes em Minas Gerais, de 2013 a 2017. Revista médica de Minas Gerais, 13. 31104-31104.

Soares, M. A. S., & Aquino, R. (2021). Completude e caracterização dos registros de sífilis gestacional e congênita na Bahia, 2007-2017. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 30 (4).

Teixeira, L. O., Belarmino, V., Gonçalves, C. V., & Mendoza-Sassi, R. A. (2018). Tendência temporal e distribuição espacial da sífilis congênita no estado do Rio Grande do Sul entre 2001 e 2012. Ciência & Saúde Coletiva, 23 (8), 2587-2597.

Valença, S. F. V., Almeida, C. A. P. L., Silva, J. C., Ramos, C. V., Moura, L. K. B., & Araújo, E. T. H. (2020). Validação de programa eletrônico para seguimento do recém-nascido com sífilis congênita. Cogitare Enfermagem, 25.

Veiga, D. D. C. O., Folhadela, R. E., & Campos, H. L. M. (2019). Perfil epidemiológico de sífilis congênita de 2008 a 2011 no Espírito Santo. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, 21 (4), 17-26.

Vescovi, J. S., & Schuelter-Trevisol, F. (2020). Aumento da incidência de sífilis congênita no estado de Santa Catarina no período de 2007 a 2017: análise da tendência temporal. Revista Paulista de Pediatria, 38.

Zoilo, C. S., Barbosa, E. P. M., Barbosa, J. A., & Paes, L. B. D. O. (2018). Fatores maternos associados à transmissão vertical da sífilis congênita. CuidArte, Enfermagem, 12 (2), 211-217.

Published

13/01/2024

How to Cite

SILVEIRA, T. P. .; CHAVES, R. N. . Epidemiological analysis of reported cases of congenital syphilis in a city in the interior of Bahia. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 1, p. e5813144783, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i1.44783. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44783. Acesso em: 22 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences