Nursing care for mother-child in postpartum depression

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i3.44986

Keywords:

Post-partum depression; Nursing; Woman’s health.

Abstract

Postpartum depression poses a problem for the health of the mother-child dyad, capable of causing various emotional and behavioral changes in women, as well as in the development and interaction of mother and child. Nursing care in the postpartum period focuses on screening for depression through follow-ups, individual and group sessions, and educational activities. Objective: To analyze the impact of postpartum depression on the mother-child dyad and the role of nursing in caring for women with postpartum depression. Methodology: This is an integrative review that used the PICO strategy to search for scientific articles. Publications were searched in the databases BVS, LILACS, BDENF, and SciELO, including articles from 2011 to 2021. Fifteen studies were selected from 1765 publications. Results: Most articles highlighted the importance of identifying signs and symptoms of depression, particularly guilt, anxiety, and distress. Some studies pointed out that among the main challenges were: lack of continuous professional training, absence in practice of support with a defined flowchart for the diagnosis of postpartum depression. Conclusion: Nursing follow-up is essential to identify signs and symptoms of depression or anxiety within the Family Health Strategy, as well as risk factors that may affect maternal mental health. Screening strategies, such as the use of postpartum depression assessment scales, have been shown to be effective in identifying various symptoms of clinical depression.

References

Abuchaim, E. S. V., et al. (2016). Depressão pós-parto e autoeficácia materna para amamentar: prevalência e associação. Acta Paulista Enfermagem, 29(6), 664-670. http://dx.doi.org/10.1590/1982- 0194201600093

Aloise, S. R., Ferreira, A. A., & Lima, R. F. S. (2019). Depressão pós-parto: Identificação de sinais, sintomas e fatores associados em maternidade de referência em Manaus. Enfermagem Foco, 10(3), 41-45.

Boska, G. A., Wisniewski, D., & Lentsck, M. H. (2016). Sintomas depressivos no período puerperal: Identificação pela Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburgo. Journal Nursing Health, 1(1), 38-50.

Both, C. T., et al. (2016). Depressão pós-parto na produção científica da enfermagem brasileira: Revisão narrativa. Revista Espaço Ciência & Saúde, 4(1), 67-81.

Brasil, Ministério da Saúde. (2005). Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde.

Cardillo, V. A., et al. (2016). Identificação de sintomas depressivos no período pós-parto em mães adolescentes. Revista Eletrônica Enfermagem, 18, 11-49. https://doi.org/10.5216/ree.v18.32728

Daandels, N., Arboit, E. L., & Sand, I. C. P. V. (2013). Produção de enfermagem sobre depressão pós-parto. Cogitare Enfermagem, 18(4), 782-788. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v18i4.34937

Dantas, H. L. L., et al. (2021). Como elaborar uma revisão integrativa: sistematização do método científico. Rev Recien. 12(37):334-345. https://doi.org/10.24276/rrecien2022.12.37.334-345

Elias, E. A., Pinho, J. P., & Oliveira, S. R. (2021). Expectativas e sentimentos de gestantes sobre o puerpério: Contribuições para a enfermagem. Enfermagem Foco, 12(2), 283-289. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2021.v12.n2.4058.

Félix, T. A., et al. (2013). Atuação da enfermagem frente à depressão pós-parto nas consultas de puericultura. Revista Eletrônica trimestral Enfermeria, 29, 420-435.

Freitas, D. R., et al. (2014). Alojamento conjunto em um hospital universitário: Depressão pós-parto na perspectiva do enfermeiro. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 6(2), 1202-1211. 10.9789/2175-5361.2014v6n2p1202.

Leonidas, F. M., & Camboim, F. E. F. (2016). Cuidado de enfermagem à mulher com depressão pós-parto na atenção básica. Revista Temas em saúde, 16(3), 436-446.

Lima, M. O. P., et al. (2017). Sintomas depressivos na gestação e fatores associados: estudo longitudinal. Acta Paulista Enfermagem, 30(1), 39-46. https://doi.org/10.1590/1982-0194201700007

Ludermir, A. B., Lewis, G., Valongueiro, S. A., de Araújo, T. V. B., & Araya, R. (2010). Violence against women by their intimate partner during pregnancy and postnatal depression: a prospective cohort study. The Lancet, 376(9744), 903–910. 10.1016/S0140-6736(10)60887-2

Klaus, M. H., Kennel, J. H., & Klaus, P. (2000). Vínculo: construindo as bases para um apego seguro e para a independência. Artes Médicas

Moll, M. F., et al. (2019). Rastreando a depressão pós-parto em mulheres jovens. Revista de Enfermagem UFPE On line, 13(5), 1338-1344. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i05a239289p1338-1344-2019.

Moraes, I. G. S. et al. (2006). Prevalência da depressão pós-parto e fatores associados. Rev Saúde Pública, 40(1), 65-70. https://doi.org/10.1590/S0034-89102006000100011.

Mendes, K., et al. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. 17 (4) 758-754. https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018.

Oliveira, A. M., et al. (2016). Conhecimento de profissionais da Estratégia Saúde da Família sobre depressão pós-parto. Journal of Nursig Health, 1(1), 17-26.

Polit, D. F.; Beck, C. T., & Hungler, B. P (2004). Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. (5a ed.), Artmed Editora.

Rodrigues, W. L. C., et al. (2019). Consequências da depressão pós-parto no desenvolvimento infantil. Revista Nursing, 22(250), 2729-2734. https://doi.org/10.36489/nursing.2019v22i250p2728-2733

Santos, D. F., et al. (2021). Prevalência de sintomas depressivos pós-parto e sua associação com a violência: estudo transversal, Cariacica, Espírito Santo, 2017. Epidemiol. Serv. Saude, 30(4), 1-17.

Santos, F. K., et al. (2020). Percepção de enfermeiros sobre diagnóstico e acompanhamento de mulheres com depressão pós-parto. Revista Nursing, 23(271), 4999-5005. https://doi.org/10.1590/S1679-49742021000400002

Silva, J. F., et al. (2020). Intervenções do enfermeiro na atenção e prevenção da depressão puerperal. Revista de Enfermagem UFPE On line, 14, 245024. https://doi.org/10.5205/1981-8963.2020.245024.

Schardosim, J. M., & Heltd, E. (2011). Escalas de rastreamento para depressão pós-parto. Revista Gaúcha Enfermagem, 32(1), 159-166. https://doi.org/10.1590/S1983-14472011000100021

Schmidt, E. B., Piccoloto, N. M., & Miller, M. C. (2005). Depressão pós-parto: Fatores de risco e repercussões no desenvolvimento infantil. Revista de Psicologia-USF, 10(1), 61-68. https://doi.org/10.1590/S1413-82712005000100008

Soares, M. L. & Rodrigues, M. M. G (2018). A percepção das puérperas acerca da depressão pós-parto. Com. Ciências Saúde. 29(2), 113-125.

Souza, L. C., et al. (2018). Conhecimento de enfermeiros da atenção básica acerca da depressão puerperal. Revista enfermagem UFPE on line, 12(11), 2933-2943. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i11a231699p2933-2943-2018

Tolentino, E. C., Maximin, D. A. F. M., & Souto, C. G. V. (2016). Depressão pós-parto: Conhecimento sobre os sinais e sintomas em puérperas. Revista Cienc. Saúde Nova Esperança, 14(1), 59-66.

Valença, C. N. & Germano, R. M (2010). Prevenindo a depressão puerperal na Estratégia Saúde da Família: ações do enfermeiro no pré-natal. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 11(2), 129-139.

Published

12/03/2024

How to Cite

SANTOS, M. H. dos .; SOUSA, J. K. T. de . Nursing care for mother-child in postpartum depression . Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 3, p. e3213344986, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i3.44986. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44986. Acesso em: 15 jun. 2024.

Issue

Section

Review Article