Indicators of psychological care in the outpatient clinic of the Unified Health System: A case study

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i3.45424

Keywords:

Psychotherapy; Treatment Dropout; Mental Health Services; Public Health.

Abstract

This article aims to study the indicators associated with dropout and discharge in psychotherapy by patients treated within the Brazilian Unified Health System (SUS), through a census conducted in a mental health outpatient clinic integrated with SUS and part of the care units of a university. Of an exploratory, retrospective, cross-sectional, documentary, and quantitative nature, the research began in 2019, analyzing the schedules of psychologists who worked at the outpatient clinic in 2017. With a sample of 252 patients, data were collected from schedules, case monitoring spreadsheets, and electronic medical records. Indicators were constructed to assess the care provided, and statistical analysis used chi-square tests and t-test for mean differences. Results revealed that 46% of patients dropped out of psychotherapy, 38% continued in treatment, 15% were discharged, and 1% were referred to other services. Indicators such as "no-shows" (p=0.000) and "qualification of the therapeutic plan" (p=0.016) showed statistically significant associations with treatment dropout. For the "discharge" outcome, there was a significant association with low severity of psychiatric diagnosis (p=0.04), a higher number of completed appointments (p=0.018), and a lower proportion of missed appointments (p=0.000). The mean number of completed appointments per patient who was discharged was 7.2 appointments. These analyses support trends observed in the literature regarding the importance of studying appointment scheduling flows, first appointment attendance rates, treatment dropout, and characteristics of psychological care in public health services.

References

Amaral, M. M. S., & Escóssia, L. (2021). Por uma clínica de (s) território no contexto do SUS. Fractal: Revista de Psicologia, 33(1), pp. 31-40. https://doi.org/10.22409/1984-0292/v33i1/5782

Andrade, K., Zeferino, M. T., & Fialho, M. B. (2016). Articulação da rede de atenção psicossocial para o cuidado às crises. Psicologia em Estudo, 21(2), pp. 223-233. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v21i2.31269

Athié, K., Dowrick, C., Menezes, A. L. do A., Cruz, L., Lima, A. C., Delgado, P. G. G., Favoretto, C., & Fortes, S. (2017). Anxious and depressed women's experiences of emotional suffering and help seeking in a Rio de Janeiro favela. Ciência e Saúde Coletiva, 22(1), 75-86. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017221.11732016.

Alves, K.V., Aragão, E. I. S., Almeida, A. P. F., Souza, A. C., Saggese, B. L., Andrade, B. G., Oliveira, J. A., Costa, M. H. da, & Fortes, S. (2020). Grupos de artesanato na atenção primária como apoio em saúde mental de mulheres: estudo de implementação. Estudos de psicologia. (Natal), 25(1), pp. 102-112. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-294X2020000100010

Barcellos, G.M. (2016). Aproveitamento de vagas de consultas eletivas de um hospital universitário. [Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo,Rib. Preto, SP].

Benetti, S. P. C., & Cunha, T. R. S. (2008). Abandono de tratamento psicoterápico: implicações para a prática clínica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(2), pp. 48-59. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672008000200007&lng=pt&tlng=pt

Bock, A. M. B. (2002). A psicologia e sua ideologia: 40 anos de compromisso com as elites. Em Bock, A. M. B. (org.), Psicologia e o compromisso social (pp. 15-28). São Paulo: Cortez.

Boing, E., & Crepaldi, M. A. (2010). O psicólogo na atenção básica: uma incursão pelas políticas públicas de saúde brasileiras. Psicologia: Ciência e Profissão, 30(3), pp. 634-649. https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000300014

Bonita R, Beaglehole R, Kjellstrom T. Epidemiologia Básica. 2ª ed. São Paulo: Grupo Editorial Nacional; 2010.

Brasil (2001). Portaria nº 95, de 26 de janeiro de 2001. Aprova a Norma Operacional da Assistência à Saúde – NOAS-SUS 01/2001 que amplia as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica; define o processo de regionalização da assistência; cria mecanismos para o fortalecimento da capacidade de gestão do Sistema Único de Saúde e procede à atualização dos critérios de habilitação de estados e municípios. Brasília: Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2001/prt0095_26_01_2001.html

Brasil (2017). Portaria nº 3.588, de 21 de dezembro de 2017. Altera as Portarias de Consolidação no 3 e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para dispor sobre a Rede de Atenção Psicossocial, e dá outras providências. Brasília, DF: Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3588_22_12_2017.html

Bueno, H. A., Córdoba, D. J., Escolar, P. A., Carmona, C. J., & Rodríguez, G. C. (2001). El abandono terapéutico. Actas Espain Psiquiatría, 29(1), pp. 33-40. https://medes.com/publication/264

Camargo-Borges, C., & Cardoso, C. L. (2005). A psicologia e a Estratégia Saúde da Família: compondo saberes e fazeres. Psicologia & Sociedade, 17(2), pp. 26-32. https://doi.org/10.1590/S0102-71822005000200005

Campezatto, P.M., & Nunes, M. L. T. (2007). Caracterização da clientela das clinicas-escola de cursos de psicologia da região metropolitana de Porto alegre. Psicologia reflexão e critica, 20(3), 376-88. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722007000300005

Campos, F. C. B., & Guarido, E. L. (2007). O psicólogo no sus: suas práticas e as necessidades de quem o procura. Em Spink, M. J. P., A psicologia em diálogo com o sus: prática profissional e produção acadêmica (pp. 81-103). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Cerioni, R. A. N., & Herzberg, E. (2016). Expectativas de pacientes acerca do atendimento psicológico em um serviço-escola: da escuta à adesão. Psicologia: ciência e profissão, 36(3), pp. 597-609. https://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001402014.

Cintra, M. S., & Bernardo, M. H. (2017) Atuação do psicólogo na atenção básica do sus e a psicologia social. Psicologia: ciência e profissão [online], 37 (4), pp. 883-896. https://doi.org/10.1590/1982-3703000832017

Costa, J. F. (1989). Psicanálise e contexto cultural: imaginário psicanalítico, grupos e psicoterapias. Campus.

Daltro, M. R., & Pondé, M. P. (2017). Internato em psicologia: aprender-a-refletir-fazendo em contextos de prática do SUS. Revista Psicopedagogia, 34(104), pp. 169-179. Recuperado em 21 de janeiro de 2023, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862017000200007&lng=pt&tlng=pt.

Damous, I., & Erlich, H. (2017). O ambulatório de saúde mental na rede de atenção psicossocial: reflexões sobre a clínica e a expansão das políticas de atenção primária. Physis, 27(4), pp. 911-932. https://doi.org/10.1590/S0103-73312017000400004

Dimenstein, M. (2000). A cultura profissional do psicólogo e o ideário individualista: implicações para a prática no campo da assistência pública à saúde. Estudos de Psicologia (Natal), 5(1), pp. 95-121. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2000000100006

Dimenstein, M. (2001). O psicólogo e o compromisso social no contexto da saúde coletiva. Psicologia Em Estudo, 6 (2), pp.57-63. https://doi.org/10.1590/S1413-73722001000200008

Dimenstein, M., Siqueira, K., Macedo, J. P., Leite, J., & Dantas, C. (2017). Determinação social da saúde mental: contribuições à psicologia no cuidado territorial. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 69(2), pp. 72-87. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672017000200006&lng=pt&tlng=pt

Fermino, J. M., Patrício, Z. M., Krawulski, E., & Sisson, M. C. (2009). Atuação de psicólogos no Programa de Saúde da Família: o cotidiano de trabalho oportunizando repensar a formação e as práticas profissionais. Aletheia, (30), pp. 113-128. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942009000200010&lng=pt&tlng=pt

Ferreira Neto, J.L. (2010) A atuação do psicólogo no SUS: Análises de alguns impasses. Psicologia: ciência e profissão (impr.). 30(2): pp. 390-403. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1414-98932010000200013

Ferreira, I. S. S., & Soares, C. T. (2021). Residência Multiprofissional em Saúde e Formação de Psicólogos para o SUS. Psicologia: ciência e profissão, 41 (spe2), pp. 1-14. https://doi.org/10.1590/1982-3703003219139

Fiorini, H. J. (2008). Teoria e técnicas de psicoterapias (2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Giacchero, K.G. & Miasso, A.I. (2008). Ambulatório de psiquiatria em hospital geral: caracterização da adesão de usuários ao agendamento. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 9(2): pp. 20-27. https://www.redalyc.org/pdf/3240/324027962003.pdf

Jimenez, L. (2011). Psicologia na atenção básica à saúde: demanda, território e integralidade. Psicologia e Sociedade, 23 (n. spe.), pp. 129-139. https://doi.org/10.1590/S0102-71822011000400016

Lima. M. (2005) Atuação Psicológica coletiva: uma trajetória profissional em unidade básica de saúde. Psicologia em Estudo, 10(3), pp. 431-440. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000300011

Lo Bianco, A C., Bastos, A V., Nunes, M L., & Silva, R. C. (1994). Concepções e atividades emergentes na psicologia clínica: implicações para a formação. Em Conselho Federal de Psicologia. Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios para a formação. pp.7-79. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Macedo, J. P., & Dimenstein, M. (2019). Psicologia e a produção do cuidado no campo do bem-estar social. Psicologia & Sociedade, 21(3), pp. 293-300. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822009000300002.

Macedo, J. P., & Dimenstein, M. (2011) Formação do psicólogo para a saúde mental: a psicologia piauiense em análise. Interface - Comunicação, Saúde, Educação [online], 15(39), pp. 1145-1158. https://doi.org/10.1590/S1414-32832011005000021

Marconi, M. A; Lakatos, E. M. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Editora Atlas, 2003.

Medeiros, R. H. A. de. (2020). Psicologia, saúde e território: experiências na Atenção Básica. Psicologia Em Estudo, 25, pp.1-11. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v25i0.43725

Menezes, A. L. A., Athie, K., Favoreto, C. A. O., Ortega, F., & Fortes, S. (2019). Narrativas de sofrimento emocional na atenção primária à saúde: contribuições para uma abordagem culturalmente sensível em Saúde Mental Global. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 23, pp. 1-17. https://doi.org/10.1590/Interface.170803

Nepomuceno, L. B., Bosi, M. L. M., Dimenstein, M., & Pontes, R. J. S. (2021). Práticas de Psicólogos na Estratégia Saúde da Família: Poder Simbólico e Autonomia Profissional. Psicologia: Ciência E Profissão, 41 (spe2), pp. 1-15. https://doi.org/10.1590/1982-3703003189629

Oliveira, F. V. de, Bender Filho, R., & Vieira, K. M. (2020). Economic cost of consultation absenteeism: case study in a psychosocial care ambulatory. Research, Society and Development, 9(7), e417974066. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4066

Organização Mundial de Saúde. MI-GAP Manual de intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas na rede de atenção básica. Genebra: OMS; 2010. https://iris.paho.org/handle/10665.2/49096?locale-attribute=pt

Pessota, C. M., Feijo, L. P., & Benetti, S. P. C. (2020). Preditores do abandono inicial em psicoterapia psicodinâmica. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 72(2), pp. 43-56. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672020000200004

Ribeiro, M. S., & Poço, J. L. C. (2006). Motivos referidos para abandono de tratamento em um sistema público de atenção à saúde mental. Revista APS, 9(2), pp. 136-45. Recuperado de https://www.ufjf.br/nates/files/2009/12/motivos.pdf

Ribeiro, M. S., Xavier Junior, J. C. C., Mascarenhas, T. R., Silva, P. M., Vieira, E. M. M., Lamas, C. V. D-B., & Ribeiro, L. C. (2010). Estudo observacional exploratório comparando pacientes com transtornos mentais leves/moderados e transtornos mentais graves em serviço ambulatorial de referência para a atenção primária. Rev. APS, 13(3), pp. 291-300. Recuperado de https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14468/7800

Savassi, L. C. M; Lage, J. L; Coelho, F. L. G. (2012). Sistematização de um instrumento de estratificação de risco familiar: escala de risco familiar de Coelho-Savassi. Journal of Management and Primary Health Care, v. 3, n. 2, p. 179-185. Recuperado de: http://www.jmphc.com.br/jmphc/article/view/155

Schmidt, B., Crepaldi, M. A., Bolze, S. D. A., Neiva-Silva, L., & Demenech, L. M. (2020). Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estudos de Psicologia (campinas), 37, pp. 1-13. https://doi.org/10.1590/1982-0275202037e200063

Scott, M. J. (2018). Improving access to psychological therapies (IAPT) – The need for radical Reform. Journal of Health Psychology, 23, pp. 1136–1147. https://doi.org/10.1177/1359105318755264

Souza, A. L. M., Garbinato, L. R., & Martins, R. P. S. (2012). A atuação do psicólogo no sistema único de saúde: uma revisão. Interbio, Dourados, 6(1), pp. 54-66. Recuperado de https://www.unigran.br/dourados/interbio/paginas/ed_anteriores/vol6_num1/arquivos/artigo7.pdf

Souza, V. A., & Mendonça, E. S. (2020). As psicologias construídas no Sus: possibilidades e desafios profissionais no agreste pernambucano. Rio de Janeiro, 44(127), pp. 1164-1175. https://doi.org/10.1590/0103-1104202012716

Tesser, C. D., & Poli, P. (2017). Atenção especializada ambulatorial no Sistema Único de Saúde: para superar um vazio. Ciência & Saúde Coletiva [online]. 22(3), pp. 941-951. https://doi.org/10.1590/1413-81232017223.18842016.

Published

03/04/2024

How to Cite

ARAGÃO, E. I. S. .; ALVES, K. V. G.; CAMPOS, M. R. .; COSTA, M. H. da .; FORTES, S. . Indicators of psychological care in the outpatient clinic of the Unified Health System: A case study. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 3, p. e14013345424, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i3.45424. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/45424. Acesso em: 15 jun. 2024.

Issue

Section

Health Sciences