Role of the physician in patient safety in transfusion reactions: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4597

Keywords:

Adverse effects; Transfusion reactions; Blood transfusion.

Abstract

The transfusion of blood components is a relevant intervention in current therapy. If used properly, it can significantly decrease the mortality rate and improve the health of patients; however, as in other therapeutic care actions, it can lead to complications such as the transmission of infectious microorganisms among other clinical complications. Therefore, the article aims to write the possible transfusion reactions that affect the patient in blood transfusion and the proposal of strategies to reduce the possible transfusion reactions that affect the patient in blood transfusion. As a methodology, it is an integrative review research, which includes the theoretical conceptions of approach, the set of techniques that enable the construction of reality and the divine breath of the researcher's creative potential. Articles published in virtual databases were used. For this purpose, the Virtual Health Library was used, in the LILACS, BDENF, MEDLINE and Google Scholar databases, with a time frame from 2014 to 2018. After reflective reading of the articles, two categories emerged for data analysis and results found. Transfusion medicine is a complex process that depends on a multidisciplinary team, which plays a fundamental role in the safety of blood transfusion and whose responsibility even consists in keeping the patient informed about the procedures to which he is submitted. It is concluded that the practice of hemotherapy is multiprofessional, and therefore, needs competent, responsible professionals with theoretical and scientific knowledge, to ensure the quality and safety of the patient who experiences the transfusion process transcending the health-disease process.

Author Biographies

Wanderson Alves Ribeiro, Acadêmico de Medicina da Universidade Iguaçu

Enfermeiro. Mestre pelo Programa Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da UFF, Niterói/RJ. Pós-Graduando em Alta Complexidade com ênfase em CTI (UNIGRANRIO0; Saúde da Família (UNIRIO); Informática em Saúde (UNIFESP); Nefrologia Multidisciplinar (UFMA); Pediatria e Neonatologia (FAVENI); Enfermagem em Oncologia (IBRA); Gestão de Redes de Atenção à Saúde (FIOCRUZ); Enfermagem em Estomaterapia (UERJ). Professor Substituto no Departamento de Enfermagem Fundamental da Escola de Enfermagem Anna Nery/UFRJ. Docente do Curso de Graduação da UNIG e UCB. E-mail: nursing_war@hotmail.com

Giovanna Borges Damião Faillace, Médica graduada pela Universidade Iguaçu

Médica graduada pela Universidade Iguaçu, Brasil

Bruna Porath Azevedo Fassarella, Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu

Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Keila do Carmo Neves, Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu

Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Michel Barros Fassarella, Médico graduado pela Universidade Iguaçu

Médico graduado pela Universidade Iguaçu, Brasil

Ary Carlos Spacoski da Silva, Académico de Medicina da Universidade Iguaçu

Académico de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Fabiano Júlio Delesposte Silva, Académico de Medicina da Universidade Iguaçu

Académico de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Felipe de Castro Felício, Académico de Medicina da Universidade Iguaçu

Académico de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Karine Gomes de Moura de Oliveira, Académica de Medicina da Universidade Iguaçu

Académica de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Shirlei Lacerda de Oliveira, Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu

Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Aline Santos Silva, Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu

Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

Bianca Sá Farias, Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu

Acadêmica de Medicina da Universidade Iguaçu, Brasil

References

Agência nacional de vigilância sanitária (BR). (2012). Boletim de Hemovigilância Nº 5. Brasília: Ministério da Saúde.

Agência nacional de vigilância sanitária (BR). (2015). Boletim de Hemovigilância Nº 7. Brasília: Ministério da Saúde.

Bezerra MPP, Portela MP, Monteiro MP, Façanha MC, Adriano LS & Fonteles MMF. (2015). Reações transfusionais em um hospital cearense acreditado:

uma abordagem em hemovigilância. Arquivos de Medicina. Ceará. 28(4): 99–103.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de Setembro de 2017. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde [Internet]. Brasília (DF): Diário Oficial da União.

Brasil. Presidência da República. Subchefia para assuntos jurídicos. Lei nº 10.205, de 21 de Março de 2001. Regulamenta o § 4o do art. 199 da Constituição Federal, relativo à coleta, processamento, estocagem, distribuição e aplicação do sangue, seus componentes e derivados, estabelece o ordenamento institucional indispensável à execução adequada dessas atividades, e dá outras providências [Internet]. Brasília (DF): Diário Oficial da União; 2001.

Carneiro, V.S.M; Barp, M; Coelho, M.A. (2014) Hemoterapia e reações transfusionais imediatas: atuação e conhecimento de uma equipe de enfermagem. REME – Rev Min Enferm. v. 21, p. 1031.

Cherem, E.O; Alves, V.H; Rodrigues, D.P; Guerra, J.V.V; Souza, F.D.L; Maciel, V.L. (2016). Cuidado pós-transfusional na unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador. v. 30, n. 4, p. 1-8.

Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil. 2014 jun 16;151 (113

Seção 1):50

Faquetti, Maritza Margareth et al. (2014). Percepção dos receptores sanguíneos quanto ao processo transfusional. Rev. Bras. Enferm, Florianópolis.. v.67, n.6, p.936-941.

Flausino, G. F.; Nunes, F. F.; Moura, J. G.; et al. (2015). O ciclo de produção do sangue e a transfusão: o que o médico deve saber. Rev. Med. Minas Gerais. 015. v.2. n. 25. P. 269-279.

Forster, F; Camara, A.L; Moraes, C.L.K; Honório, M.T; Mattia, D; Lazzari, D.D. (2018) Enfermeiros quanto à assistência de enfermagem no processo transfusional. Florianópolis. Enferm. Foco.. v. 9 n.3 p. 71-75.

Freitas, B.A.C; Franceschini, S.C.C. (2012). Fatores associados à transfusão de concentrado de hemácias em prematuros de uma unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva; v.24, n.3, p. 224-9.

Grandi, J.L; Grell, M.C; Barros, M.O; Chiba, A.K; Barbosa, D.A. (2017) Frequência dos incidentes transfusionais imediatos em receptores de hemocomponentes. Vigil sanit Debate.. v. 5, n.2, p.83-8.

Grandi, João Luiz et al. (2018). Hemovigilância: a experiência da notificação de reações transfusionais em Hospital Universitário. São Paulo. Revista da Escola de Enfermagem da Usp. v. 52, p.1-7.

Lima, A.A; Silva, G.P; Rocha, S.M; Barbosa, E.L.( 2016) A importância do enfermeiro durante a reação transfusional aguda: revisão de literatura. São Paulo. Revista Recien.. v. 6 n.17 p. 45-56.

Lima. B.L.P; Resende. A.F; Santos, R.C.F; Santos, R.W.F; Silva, J.OM. (2017) Reação transfusional por contaminação bacteriana. International nursing congress.

Macedo, E.D; Silveira, V.M.J; Athayde, L.A. (2015). Índice de reação transfusional em pacientes submetidos a transfusão em um Hemocentro do Norte de Minas Gerais. Rev Bras Pesq Cien Saúde. v.2, n.2, p. 54-7.

Mattia, D; Andrade, S.R. (2016) Cuidados de enfermería en transfusión de sangre: una

herramienta para el control del paciente. Texto & Contexto – Enfermagem. v. 25, n. 2, p.1-8.

Minayo, M.C. de S. Ciência, Técnica e Arte: O Desafio da Pesquisa Social (21 edição). São Paulo: Hucitec-Abrasco,

Ministério da SAÚDE (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 34, de 11 de junho de 2014. Dispões sobre as boas práticas no ciclo de sangue.

Ministério da saúde (Brasil). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual Técnico para Investigação da Transmissão de Doenças Pelo Sangue Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2004.

Ministério da saúde (Brasil). Secretaria de Atenção à Saúde. Guia para o uso de Hemocomponentes. Brasília (DF): Ministério da Saúde. 2008.

Ministério da saúde; Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenadoria Geral de Sangue e Hemoderivados. Sangue e hemoderivados: produção hemoterápica. Brasília: Ministério da Saúde. 2011.

Reis, V.N; Paixão, I.B; Perrone, A.C.A; DE S.J; Monteiro; M.I, DOS Santos. K.B. (2016) Monitorização transfusional: análise da prática assistencial em um hospital público de ensino. Einstein (São Paulo).. v. 14, n. 1, p. 41 – 6.

Rodrigues, T; Baptista, C.L.B.M; (2018) As práticas de segurança do paciente no processo de trabalho de uma agência transfusional. R. Enferm. UFJF - Juiz de Fora. v. 4, n. 1, p. 51 – 60.

Silva, Emísia Maria et al.(2017) Desafios da enfermagem diante das reações transfusionais. Nursing challenges in responding to transfusion reactions] Revista Enfermagem Uerj. Rio de Janeiro. v. 25, p.1-8.

Silva, K.F.N; Soares, S; Iwamoto, H.H. (2009). A prática transfusional e a formação dos profissionais de saúde. Rev Bras Hematol Hemoter; v.31, n.6, p. 421-6.

Soares, C.B. et al. (2014). Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 335-345.

Souza, C.A. (2001). A deficiência de ferro e proteção de doadores de sangue. Med. J, 2001; v.119, n. 4, p.131-131.

Souza, G.F. et al. (2014). Boas práticas de enfermagem na unidade de terapia intensiva: cuidados durante e após a transfusão sanguínea. Rev Min Enferm. v.18, n.4, p. 939-946.

Stella, M.B; Cibele, A.T; Fabiane, A.G. (2011). Enfermagem e a pratica hemoterapica no Brasil: revisão integrativa. Rev Acta Paul Enferm. v.24, n.1, p.132-6.

Vizzoni, AG. (2015) Fundamentos e técnicas em banco de sangue. São Paulo: Érica.

Published

30/05/2020

How to Cite

RIBEIRO, W. A.; FAILLACE, G. B. D.; FASSARELLA, B. P. A.; NEVES, K. do C.; FASSARELLA, M. B.; SILVA, A. C. S. da; SILVA, F. J. D.; FELÍCIO, F. de C.; OLIVEIRA, K. G. de M. de; OLIVEIRA, S. L. de; SILVA, A. S.; FARIAS, B. S. Role of the physician in patient safety in transfusion reactions: an integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 7, p. e572974597, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i7.4597. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/4597. Acesso em: 23 feb. 2024.

Issue

Section

Health Sciences