Challenges of nursing management in oncology intensive care during the COVID-19 pandemic

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4904

Keywords:

Sars-Cov-2; Terapia Intensiva; Enfermagem.

Abstract

The year 2020 is being marked by the pandemic of the new Coronavirus and its consequences for society. In the hospital environment, the pandemic has demanded from the local managers dedication to adapt the work processes to the new needs, being the best assistance to the patient with COVID-19 essential, without detriment to the safety of non-infected patients and health professionals. Objective: To describe the challenges of nursing management in oncology intensive care during the COVID-19 pandemic and to discuss the measures adopted to date to deal with the disease, in an exclusively oncology institution. Methodology: Descriptive study, with a qualitative approach, of the experience report type on the challenges and strategies adopted by the oncology nursing management in the intensive care unit (ICU) in face of the COVID-19 Pandemic in a reference hospital in oncology in Rio de Janeiro January. Results and discussion: seven thematic categories experienced during the adaptation of the service to the service to COVID-19 were identified: availability of beds, staff training, acquisition of equipment and supplies, organization of flows, reorganization of scale due to increased absenteeism, support to care professionals, deal with uncertainties. Conclusion: It is necessary to think about the dyad of care and safety for hospitalized patients and also for the professional who cares, considering the degree of transmissibility of Sars-Cov-2, still without effective medication, with its rapid clinical evolution that is difficult to control for all, and with increasing lethality in the epidemiological curve.

Author Biographies

Alessandra Dutkus Saurusaitis, Universidade Federal Fluminense

Doutoranda em Enfermagem e Biociencias. Mestre em Enfermagem na área de Avaliação de Tecnologias em Saúde e especialista em Terapia Intensiva, possui 23 anos de experiência na assistência de enfermagem, com ênfase em terapia intensiva, gestão e ensino. Coordena a equipe de enfermagem do CTI Adulto e Unidade Pós-Operatória do Instituto Nacional do Câncer - INCA/HCI, onde tem como principais atribuições a gestão de pessoas, materiais e processos, destacando-se o desenvolvimento da equipe de enfermagem com vistas a excelência. Coordena o módulo de Terapia Intensiva do Programa de Residência Multiprofissional em Oncologia e do Curso de Especialização de nível técnico em Oncologia do INCA. Integra a Comissão de Cuidados com a Pele e a Comissão de Ensino Técnico do INCA.

 

Rosana Fidelis Coelho Vieira, Instituto Nacional de Câncer

Doutoranda do Programa Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde da Universidade Federal Fluminense (2019); Mestre em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery, Núcleo Saúde da Criança (EEAN/ NUPESC) (2013), Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013).Especialista em Auditoria de Sistema de Saúde (2007). Especialista em Enfermagem Oncológica (2007). Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998 ). Atualmente Enfermeira Chefe da Área de Pediatria do Instituto Nacional do Câncer I (HCI).(Texto informado pelo autor)

 

Antonio Augusto de Freitas Peregrino, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1984), mestrado em Biologia (Biociências Nucleares) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1996) e doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2007). Atualmente é professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, professor associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, prof. titular da Universidade Veiga de Almeida, prof. titular da Universidade Veiga de Almeida e pesquisador da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Coordenador do Mestrado Profissional em Física Médica/UERJ. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Avaliação de Tecnologia em Saúde, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, economia em saúde, custo efetividade e radioterapia e Avaliação de Tecnologias em Saúde.

 

Fatima Helena do Espirito Santo, Universidade Federal Fluminense

Enfermeira graduada pela Universidade Federal Fluminense (1985), Licenciatura em Enfermagem e Habilitação em Enfermagem Médico Cirúrgica pela UFF (1987); Mestrado (1997) e Doutorado em Enfermagem (2003) pela UFRJ ; Pós Doutorado pela UERJ (2015); Residência em Enfermagem Médico Cirúrgica na UERJ (1988);Especialista em Educação na Área de Saúde (NUTES/UFRJ,1991); Especialista em Terapia Floral (UFRJ,2014); Editora associada da Revista Brasileira de Enfermagem (REBEn).Membro do Comitê de Assessoramento da Área de Enfermagem na CAPES; Professor Associado do Departamento de Enfermagem Médico Cirúrgica da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense (EEAAC/ UFF), Docente Permanente do Curso Mestrado Profissional Enfermagem Assistencial (MPEA/UFF), desde 2004; Docente Permanente do Programa de Ciências do Cuidado em Saúde (PACCS/UFF), desde 2009; Docente do Programa de Residência Multiprofissional do Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP/UFF), Tutora Área do Idoso Enfermagem no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde (HUAP/UFF); Coordenadora do Curso de Especialização em Enfermagem Gerontológica (EEAAC/UFF); Líder do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa, Ensino, Tecnologia e Inovação em Saúde (GIPETIS), Membro do Núcleo de Estudos e Práticas Integrativas e Complementares (NEPIC) da UFF ; Membro Rede PICS Niterói, Rede PICS RJ, Rede Sudeste PICS e Rede PICS Nacional; Coordenadora do Projeto Cuidar e Espaço Saúde: ambulatório de práticas alternativas para idosos (UFFESPA/UFF); Consultora Ad Hoc de diversos periódicos nas áreas de saúde e enfermagem; Tem experiência na área de Enfermagem hospitalar, atuando nos temas: Ensino em Enfermagem e Saúde, Cuidado em Saúde e Enfermagem, Saúde do Adulto e Idoso, Enfermagem Gerontológica e Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, aliadas ao cuidado em saúde e enfermagem.

 

Viviane Rocha Feijó Pereira, Instituto Nacional de Câncer

Mestranda em Enfermagem na UNIRIO. Possui graduação em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1997). É Especialista em Enfermagem em Cirurgia Cardiovascular no molde Residência pelo Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE/UERJ - 2001). Atualmente é Gestora Administrativa do Serviço de Terapia Intensiva do Instituto Nacional de Câncer José Gomes Alencar de Souza (INCa) e Enfermeira do Programa da Saúde da Mulher da Prefeitura Municipal de Duque de Caxias. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Terapia Intensiva e Oncologia, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem intensivista cirúrgica e oncológica, cuidado humanizado, segurança do paciente, controle de infecções na clientela adulta, prevenção e detecção precoce do câncer ginecológico.

 

Roberto Carlos Lyra da Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO; MBA em Economia e Avaliação de Tecnologias em Saúde pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (FIPE) e Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC); Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. É Professor Associado III da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e Coordenador do Programa de Pós-Graduação Doutorado em Enfermagem e Biociências. É Pesquisador Líder do Laboratório de Avaliação Econômica e de Tecnologias em Saúde - LAETS/CNPq e Coordenador do Laboratório de Simulação e Avaliação de Usabilidade e Fator Humano da UNIRIO. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Avaliação Econômica e de Tecnologias em Saúde - ATS, avaliação de usabilidade e fator humano e segurança do paciente. 

References

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2020). Nota técnica GVIMS/GGTES/ANVISA n° 04/2020. Brasília. Recuperado de:

http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/271858/Nota+T%C3%A9cnica+n+04-2020+GVIMS-GGTES-ANVISA/ab598660-3de4-4f14-8e6f-b9341c196b28

Associação de Medicina Intensiva Brasileira. (2020). Comunicado da AMIB sobre o avanço da COVID 19 e necessidade de leitos em UTIs no futuro. São Paulo. Recuperado de: http://www.somiti.org.br/arquivos/site/comunicacao/noticias/2020/covid-19/comunicado-da-amib-sobre-o-avanco-do-covid-19-e-a-necessidade-de-leitos-em-utis-no-futuro.pdf visto em 09/05/2020

Barbosa, D. J., Gomes, M. P., Souza, F. B. A., & Gomes, A. M. T. (2020). Fatores de estresse nos profissionais de enfermagem no combate à pandemia da COVID 19. Comunicação em Ciências da Saúde. 31(1), 31-47. Recuperado de:

http://www.escs.edu.br/revistaccs/index.php/comunicacaoemcienciasdasaude/article/view/651/291

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. Diretrizes para diagnóstico e tratamento da covid-19. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. Oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO) para tratamento de pacientes com COVID-19. Brasília: Ministério da Saúde.

Camacho, A. C. L. F., Joaquim, F. L., & Menezes, H. F. A tutoria na educação à distância em tempos de COVID-19: orientações relevantes. Research, Society and Development, 9(5), e30953151.

Conselho Nacional de Secretarias Municipais. (2015). Recuperado em 19 de maio, de 2020 https://www.conasems.org.br/reconhecer-a-importancia-do-sus-e-o-primeiro-passo-contra-a-pandemia-defendaosus/

Crispim, D., Silva, M. J. P., Cedotti, W., Câmara, M, Gomes, S. A. Recomendações práticas para comunicação e acolhimento em diferentes cenários da pandemia. Recuperado de: http://www.sbph.org.br/site/images/2020/2020_coronavirus/visitas%20virtuais.pdf

Duarte, D. B., Coelho, L. J., & Nascimento, G. L. (2020). Atualidades da farmacoterapia da COVID-19. Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins. 7(Especial 3), 81-89. Recuperado de: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/desafios/article/view/8983

Instituto Nacional do Câncer. (2020). Como o paciente com câncer deve agir no dia do tratamento durante a pandemia de coronaviíurs (COVID-19)? Recuperado em 15 de maio de 2020 de: https://www.inca.gov.br/perguntas-frequentes/como-o-paciente-com-cancer-deve-agir-no-dia-do-tratamento-durante-pandemia-de

Lucchini, A., Giani, M., Elli, S., Villa, S., Rona, R., & Foti, G. (2020). Nursing Activities Score is increased in COVID-19 patients. Intensive & Critical Care Nursing (2020), doi: https://doi.org/10.1016/j.iccn. 2020.102876. Recuperado em 16 de maio de 2020 de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7177066/pdf/main.pdf

Minayo, M. C. S. (2103). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Ribeiro, R. A., Neyeloff, J. R., Itria, A., Santos, V. C. C., Vianna, C. M. M., Silva, E. N., Elias, F. T. S., Wichmann, R. M., Souza, K. M., Cruz, L. N. & Da Silva, A. L. F. A. (2016). Diretriz metodológica para estudos de avalição econômica de tecnologias em saúde no Brasil. J Bras Econ Saude. 8(3), 174-184. Recuperado de:

http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/02/831844/jbes83-ao1-diretriz-metodologica-para-estudos-de-avaliacao.pdf

Silva, C. R. L., Machado, D. A., Peregrino, A. A. F., Marta, C. B., Pestana, L. C., Pessanha, C. M., Vianna, E., C. C. & Meireles, I. B. Anos de vida perdidos ajustados por incapacidade (DALY) entre profissionais de enfermagem por infecção por COVID-19 no Brasil. Comunicação em Ciências da Saúde. Recuperado de:

https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/view/414/version/424

Valle, T., D; & Garcia, P., C. (2018). Critérios de admissão do paciente oncológico em unidades de terapia intensiva de hospitais gerais. Rev. Ciênc. Méd. 2018; 27(2), 73-84. Recuperado de http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/view/4121/2758

Published

20/06/2020

How to Cite

SAURUSAITIS, A. D.; VIEIRA, R. F. C.; PEREGRINO, A. A. de F.; SANTO, F. H. do E.; PEREIRA, V. R. F.; SILVA, R. C. L. da. Challenges of nursing management in oncology intensive care during the COVID-19 pandemic. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 7, p. e845974904, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i7.4904. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/4904. Acesso em: 16 aug. 2022.

Issue

Section

Health Sciences