Quality of fresh milk before normative instruction IN 76 of the Ministry of Agriculture, Livestock and Supply of Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6746

Keywords:

CBT; CCS; Proximal composition; Rural producer.

Abstract

Due to the quality, of the milk, being defined by its physical-chemical and microbiological parameters, normative instruction n ° 76 was established that recommends the mandatory requirements to the producer. The objective of this work was to evaluate the refrigerated fresh milk from four rural properties in the municipality of Rio Verde - GO, regarding the presence of psychrotrophic and proteolytic psychrotrophic microorganisms together with the CBT, CCS and proximal composition of the milk comparing the results with the required by IN 76. The samples of chilled raw milk were collected and later, the milk samples for CBT and CCS analysis, were sent for diagnosis at the Milk Quality Laboratory of the School of Veterinary Medicine and Zootechnics of the Research Center in Food at the Federal University of Goiás (LQL). Milkoscan 4000 equipment (Foss Electric A / S. Hillerod, Denmark) was used to determine the levels of fat, protein, lactose, total dry extract (EST), (ESD), urea and casein. Standard counts were performed on viable proteolytic psychrotrophic and psychrotrophic microorganism plates and the number of CFU / mL of the sample was calculated by multiplying the number of colonies on each plate by the inverse of the dilution. Results were obtained from the values of CBT, CCS, proximal composition, urea, casein, psychrotrophic and proteolytic psychrotrophic microorganisms that are mostly satisfactory and within the limits of the legislation, demonstrating the concern with good hygiene, handling and health practices of the animals that the owners of rural properties have.

References

Brasil (2011). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 62, de 29 de dezembro de 2011. Aprovar o Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e seu Transporte a Granel. Diário Oficial da União. Recuperado em 7 de maio de apcbrh.com.br/files/IN62.pdf.

Brasil (2018a). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n. 77, de 26 de novembro de 2018. Regulamento Técnico onde foram estabelecidos os critérios e procedimentos para a produção, acondicionamento, conservação, transporte, seleção e recepção do leite cru em estabelecimentos registrados no serviço de inspeção oficial. Recuperado em 8 de maio de http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/52750141/do1-2018-11-30-instrucao-normativa-n-77-de-26-de-novembro-de-2018-52749887.

Brasil (2018b). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n. 76, de 26 de novembro de 2018. Diário Oficial da União. Regulamentos Técnicos que fixam a identidade e as características de qualidade que devem apresentar o leite cru refrigerado, o leite pasteurizado e o leite pasteurizado tipo A. Recuperado em 7 de maio de http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/52750137/do1-2018-11-30-instrucao-normativa-n-76-de-26-de-novembro-de-2018-52749894IN%2076.

Brasil (2002). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 51 de 18 de setembro de 2002. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade do Leite tipo A, Leite tipo B, Leite tipo C, Leite Pasteurizado e Leite Cru Refrigerado. Recuperado em 8 de maio de https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/legislacoes/instrucao-normativa-51-de-18-09-2002,654.html.

Bueno, V. F. F., Mesquita, A. J. D., Oliveira, A. N., Nicolau, E. S., & Neves, R. B. S. (2008). Contagem bacteriana total do leite: relação com a composição centesimal e período do ano no Estado de Goiás. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, 15(1), 40-44.

Bueno, V. F. F., Mesquita, A. J. D., Nicolau, E. S., Oliveira, A. N. D., Oliveira, J. P. D., Neves, R. B. S., ... & Thomaz, L. W. (2005). Contagem celular somática: relação com a composição centesimal do leite e período do ano no Estado de Goiás. Ciência Rural, 35(4), 848-854.

Cabral, J. F., Da Silva, M. A. P., Carvalho, T. S., Brail, R. B., Giovannini, C. I., & Neves, R. B. S (2016) Composição química do leite refrigerado em função das contagens de células somáticas e contagem bacteriana total. Ciência Animal, 26(2), 03-12.

Collins, E. B (1981). Heat resistant psychrotrophic microorganisms. Journal of Dairy Science, 64(1), 157-160.

Cunha, M., & Brandao, S. (2000). A coleta a granel pode aumentar os riscos com as bactérias psicrotróficas. Indústria de Laticínios, 71-73.

Defante, L. (2011). Caracterização dos sistemas de produção leiteiros na Região do Oeste do Paraná por meio de análise multivariada. Dissertação – Universidade Estadual do Oeste do Paraná.

Embrapa Gado de Leite (2020). Pecuária de leite espera crescer cerca de 2% em 2020. Recuperado em 7 de maio de https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/49358451/pecuaria-de-leite-espera-crescer-cerca-de-2-em-2020.

Gracindo, A, P. A. C.; Pereira, G. F. (2009). Produzindo leite de alta qualidade. Recuperado de http://www.emparn.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/emparn/arquivos/pdf/ produzindo% 20leite%20de%20alta%20qualidade.pdf.

Gonzalez, H. D. L., Fischer, V., Ribeiro, M. E. R., Gomes, J. F., Stumpf Jr, W., & Silva, M. A. D. (2004). Avaliação da qualidade do leite na bacia leiteira de Pelotas, RS. Efeito dos meses do ano. Revista Brasileira de Zootecnia, 33(6), 1531-1543.

De Kruif, C. G. (2003). Chapter VI Caseins. In Progress in Biotechnology, 23, 219-269). Elsevier.

Lima, M. C. G., Sena, M. J., Mota, R. A., Mendes, E. S., Almeida, C. C., & Silva, R. P. P. E. (2006). Contagem de células somáticas e análises físico-químicas e microbiológicas do leite cru tipo c produzido na região agreste do estado de Pernambuco. Arquivos do Instituto Biológico, 73(1), 89-95.

Lorenzetti, D. K. (2006). Influência do tempo e da temperatura no desenvolvimento de microrganismos psicrotróficos no leite cru de dois estados da região sul. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos) Universidade Federal do Paraná.

Ma, Y., Barbano, D. M., & Santos, M. (2003). Effect of CO2 addition to raw milk on proteolysis and lipolysis at 4 C. Journal of Dairy Science, 86(5), 1616-1631.

Machado, P. F., Pereira, A. R., & Sarríes, G. A. (2000). Composição do leite de tanques de rebanhos brasileiros distribuídos segundo sua contagem de células somáticas. Revista Brasileira de Zootecnia, 29(6), 1883-1886.

Martins, M. L., de Araújo, E. F., Mantovani, H. C., Moraes, C. A., & Vanetti, M. C. (2005). Detection of the apr gene in proteolytic psychrotrophic bacteria isolated from refrigerated raw milk. International Journal of Food Microbiology, 102(2), 203-211.

Marshall, R. T. (1992). Standard methods for the examination of dairy products. American Public Health Association, 16.

Maziero, M. T. & Montanhini (2016). Bactérias psicrotróficas em leite refrigerado. Revista milkpoint. Recuperado em 8 de maio de https://www.milkpoint.com.br/artigos/industria/bacterias-psicrotroficas-em-leite-refrigerado-100639n.aspx.

Menezes, S. F. (2007). Aspectos higienioco-sanitario de queijo de coalho comercializado no Municipio de Agua Branca – Alagoas e perfil de seus fornecedores e consumidores. Monografia. Universidade Federal de Alagoas.

Milani, M. P. (2011). Qualidade do leite em diferentes sistemas de produção, anos e estações climáticas no noroeste do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado) – Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade de Santa Maria.

APHA - American Public Health Association (2001). Compendium of methods for the microbiological examination of foods. Washington, DC: American Public Health Association.

Muir, D. D. (1996). The shelf‐life of dairy products: 1. Factors influencing raw milk and fresh products. International Journal of Dairy Technology, 49(1), 24-32.

Nörnberg, M. D. F. B. L., Tondo, E. C., & Brandelli, A. (2009). Bactérias psicrotróficas e atividade proteolítica no leite cru refrigerado. Acta scientiae veterinariae, 37(2), 157-163.

Pereira, F. E. V. (2010). Isolamento e caracterização de microrganismos em leite cru refrigerado e leite UHT no Estado de Goiás e desenvolvimento de filme ativo antimicrobiano para inibição de Bacillus sporothermodurans. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos da Universidade Federal de Goiás.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Recuperado em 11 de agosto de https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Pinto, C. L. D. O., Martins, M. L., & Vanetti, M. C. D. (2006). Qualidade microbiológica de leite cru refrigerado e isolamento de bactérias psicrotróficas proteolíticas. Food Science and Technology, 26(3), 645-651.

Riemeier, A., Lebzien, P., & Flachowsky, G. (2004). Influence of the ruminal N-balance on rumen metabolism. Journal of Animal and Feed Sciences, 13, 191-194.

Salvador, F. C., Burin, A. S., Frias, A. A. T., Oliveira, F. S., & Faila, N. (2012). Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado comercializado em Apucarana-PR e região. Revista F@ pciência, Apucarana-PR, 9(5), 30-41.

Santana, E. H. W. (2001). Contaminação do leite por microrganismos aeróbios mesófilos, psicrotróficos e psicrotróficos proteolíticos em diferentes pontos do processo de produção leiteira (Dissertação [Mestrado em Ciência Animal]-Universidade Estadual de Londrina).

Santos, M. D., & Fonseca, L. D. (2010). Qualidade microbiológica do leite: métodos de análise e estratégias de controle. Monitoramento da qualidade do leite: módulo, 2.

Santos, M. V. D., & Fonseca, L. F. L. D. (2001). Importância e efeito de bactérias psicrotróficas sobre a qualidade do leite. Higiene alimentar, 15(82), 13-19.

Santos, M. V. D., & Fonseca, L. F. L. D. (2002). Bactérias psicrotróficas e a qualidade do leite. CBQL em revista, 1(1), 12-15.

Silva, V. A. D. M. D., Rivas, P. M., Zanela, M. B., Pinto, A. T., Ribeiro, M. E. R., Silva, F. F. P. D., & Machado, M. (2010). Avaliação da qualidade físico-química e microbiológica do leite cru, do leite pasteurizado tipo A e de pontos de contaminação de uma Granja Leiteira no RS. Acta Scientiae Veterinariae, 38(1), 51-57.

Silva, M. A. P. D., Santos, P. A. D., Isepon, J. D. S., Rezende, C. S. M., Lage, M. E., & Nicolau, E. S. (2009). Influência do transporte a granel na qualidade do leite cru refrigerado.

Swaisgood, H. E., & Bozoglu, F. (1984). Heat inactivation of the extracellular lipase from Pseudomonas fluorescens MC50. Journal of Agricultural and Food Chemistry, 32(1), 7-10.

Zanella, M. S. (2014). Pesquisa de psicrotróficos lipolíticos e proteolíticos do leite e análise da qualidade da água em propriedades rurais no extremo oeste de Santa Catarina. Monografia (Pós-Graduanda em Ciências Biológicas) Universidade do Oeste de Santa Catarina.

Published

17/08/2020

How to Cite

Guimarães, G. M., Mateus, L. S., Moraes, A. I. P., Costa, W. S. da, Soares, N. R., Santos, L. S. dos, & Santos, P. A. dos. (2020). Quality of fresh milk before normative instruction IN 76 of the Ministry of Agriculture, Livestock and Supply of Brazil. Research, Society and Development, 9(9), e262996746. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6746

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences