Sexuality of women during the climacteric: perceptions and experiences

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6852

Keywords:

Climacteric; Nursing; Women’s health; Sexuality.

Abstract

Objective: know the perceptions and experiences of women concerning the sexuality during the climacteric. Methodology: this is a field study, descriptive, exploratory, in a qualitative approach, carried out with semi-structured interviews with ten climacteric women, at a Basic Health Unit. The data were submitted to thematic content analysis. The study was approved by the Ethics in Research Committee, CAAE number 05287312.0.0000.5323. Results: sexuality was noticed in different ways, only as sexual intercourse or associated to femininity, sensuality and care itself. The loss of sexual desire and there was an association to marriage coexistence based on the dialogue and support for a better experience of sexuality. Conclusion: it is important that the nurse contemplates, when performing health actions, a closer and unique look concerning the sexuality of climacteric women so that they can experience this moment in a healthy and qualitative way.

Author Biographies

Joice Moreira Schmalfuss, Universidade Federal da Fronteira Sul

Graduada em Enfermagem (2008) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especialista em Enfermagem Obstétrica (2011) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Mestra em Enfermagem (2011) pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências da Saúde pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó/SC (UNOCHAPECÓ)-Bolsista CAPES. Desde 2013 atua como professora do Curso de Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Chapecó/SC. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Corpo, Movimento e Representações, vinculado à UFFS e membro do Grupo de Pesquisa Formação e Trabalho em Saúde, vinculado à UNOCHAPECÓ. Coordenadora da Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras (ABENFO)/SC-Núcleo Chapecó. Tem experiência nas seguintes áreas: saúde da mulher, saúde materno-infantil, obstetrícia e parto domiciliar planejado. 

Graciela Dutra Sehnem, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Enfermagem (2006) pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestra em Enfermagem (2009) pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Maria. Doutora em Enfermagem (2014) pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Adjunta da Universidade Federal de Santa Maria-Campus Sede. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Saúde do Neonato, Criança, Adolescente e Família, vinculado ao departamento de Enfermagem da UFSM. Realiza pesquisas na área de Enfermagem em Saúde da Mulher, com ênfase em: cuidados à saúde da mulher na adolescência, no ciclo gravídico-puerperal e no período do climatério; consultas de pré-natal de risco habitual; sexualidade; HIV/aids; educação em saúde.

Maíra Rossetto, Universidade Federal da Fronteira Sul

Graduada em Enfermagem (2010) pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestra em Enfermagem (2013) pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutora em Enfermagem (2016) pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, bolsista CAPES/FAPERGS, com realização de estágio de Doutorado na University of Wolverhampton, na Inglaterra (2015), pelo Programa de Doutorado Sanduíche no Exterior - PDSE/CAPES. É professora de Saúde Coletiva no curso de Medicina na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)-Campus Chapecó, SC. Integrante do Grupo de Estudos em Promoção da Saúde (GEPS) na UFRGS e do Grupo de Pesquisa Políticas Públicas e Gestão em Saúde (PPPGS) na UFFS. Tem estudado as seguintes temáticas: saúde coletiva, promoção da saúde, educação em saúde, saúde da mulher, gênero, tuberculose e HIV/aids.

References

Alves, E. R. P., Costa, A. M., Bezerra, S. M. M. S., Nakano, A. M. S., Cavalcanti, A. M. T. S., & Dias, M. D. (2015). Climatério: a intensidade dos sintomas e o desempenho sexual. Texto & Contexto Enfermagem, 24(1), 64-71.

Andrade, A. R. L., Freitas, C. M. S. M., Riegert, I. T., Arruda, H. N. A., Costa, D. A., & Costa, A. M. (2016). Cuidado de enfermagem à sexualidade da mulher no climatério: reflexões sob a ótica da fenomenologia. Revista Mineira de Enfermagem, 20(e964), 1-4.

Aranha, J. S., Lima, C. B., Lima, M. N. F. A., & Nobre, J. O. C. (2016). Climatério e menopausa: percepção de mulheres usuárias da estratégia saúde da família. Temas em Saúde, 16(2), 588-612.

Bodanese, G. R., & Martins, M. E. (2017). Sexualidade, comportamento sexual e cultura–reflexões e articulações teóricas. Psicologia.pt, 1-12.

Carvalho, M. L., Silva Júnior, F. J. G., Parente, A. C. M., & Sales, J. C. S. (2018). Influência do climatério em relacionamentos conjugais: perspectiva de gênero. Revista Rene, 19(e32617), 1-9.

Felix, C. A., & Maciel, E. S. (2016). A sexualidade da mulher no climatério. Especialização em Enfermagem Obstétrica. Escola de Medicina e Saúde Pública Bahiana, Salvador. 19p. Recuperado de http://www.repositorio.bahiana.edu.br/jspui/bitstream/bahiana/734/1/TCC_ %20A%20SEXUALIDADE%20DA%20MULHER%20NO%20CLIMAT%C3%89RIO.pdf.

Freire, A. L., Araújo, K. S., Vila, A. C. D., & Araújo, M. A. S. (2016). Assistência de enfermagem à mulher no climatério e sua sexualidade: relato de experiência na atenção básica. Revista Eletrônica de Trabalhos Acadêmicos – Universo, 1(1), 1-12.

Freitas, E. R., Barbosa, A. J. G., Reis, G. A., Ramada, R. F., Moreira, L. C., Gomes, L. B., Vieira, I. D., & Teixeira, J. M. S. (2016). Educação em saúde para mulheres no climatério: impactos na qualidade de vida. Reprodução e Climatério, 31(1), 37-43.

Frigo, J., Oliveira, D. L. L. C., Rodrigues, R. M., & Zooche, D. A. A. (2016). A consulta ginecológica e seu potencial para produzir a integralidade da atenção em saúde. Revista de Enfermagem UFPE, 10(4), 1299-1306.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14ª ed. São Paulo: Hucitec.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de atenção à mulher no climatério/menopausa. Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde, 2008.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde, 2009.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de atenção à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF): Editora do Ministério da Saúde, 2011.

Ministério da Saúde. Resolução número 466/2012. Diretrizes e Normas regulamentadoras em Pesquisas envolvendo Seres Humanos. Brasília (DF): Conselho Nacional de Saúde, 2012.

Pereira, A. S., et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Recuperado de ,https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824 /Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Perone, G. A., Ferraz, T. M. M., Pinheiro, V. A., & Jeneral, R. B. R. (2019). Percepção das mulheres no climatério em relação à sexualidade, à prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e à qualidade da assistência pelos profissionais da saúde. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, 21(2), 77-82.

Salazar-Molina, A., Klijn, T. P., & Delgado, J. B. (2015). Satisfação sexual nos casais durante o climatério feminino e masculino. Cadernos de Saúde Pública, 15(2), 311-320.

Schmalfuss, J. M., Bonadiman, P. O. B., & Prates, L. A. (2015). Cuidado de Enfermagem na saúde da mulher adulta. In: Hammerschmidt, K. S. A. Cuidado de Enfermagem: interfaces teóricas e práticas no ciclo vital do ser humano. Curitiba: Editora CRV.

Serpa, M. A. (2020). A percepção do climatério e menopausa por mulheres de Ouro preto – MG. Tese Doutorado, Universidade Federal de Ouro Preto. Programa de Pós Graduação em Ciência Farmacêutica. 119p.

Silva, F. G., Pelzer, M. T., & Neutzling, B. R. S. (2019). Atitudes das idosas quanto à expressão da sua sexualidade. Aquichan, 19(3),1-13.

Published

16/08/2020

How to Cite

Schmalfuss, J. M., Sehnem, G. D., & Rossetto, M. (2020). Sexuality of women during the climacteric: perceptions and experiences. Research, Society and Development, 9(9), e227996852. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6852

Issue

Section

Health Sciences