Community health agents: your quality of life and your occupational risks

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7030

Keywords:

Community health workers; Ergonomics; Occcupational risks.

Abstract

Aim: To assess the occupational risk generated by the work activity of Community Health Agents (CHA's) in the municipality of Olinda / PE. Method: This is a descriptive, cross-sectional study. It was developed in two Basic Health Units in Olinda, with the CHA’s professionals totaling a sample of 29 individuals. Initially, participants signed the Informed Consent Form and then a sociodemographic data sheet, ergonomics census, Couto checklists and Rapid Upper Limb Assessment (RULA) were applied. Results: Most of them were female (82.7%), with a mean age of 49.1 ± 8.4 years and an average working time of 16.2 ± 5.9 years. With the ergonomics census it was identified that 75.9% have work-related pain. There was a negative correlation between the RULA and the column checklist, and between the column and the job checklist; and a positive correlation between RULA and job. Conclusion: CHA's may develop musculoskeletal disorders in the future due to prolonged postures and long walks that are carried out with inadequate bags. In addition, the position of these agents does not have a good ergonomic condition, making an immediate change necessary for these injuries to be mitigated.

References

Alcântara, M. A. & Assunção, A. A. (2016) Influência da organização do trabalho sobre a prevalência de transtornos mentais comuns dos agentes comunitários de saúde de Belo Horizonte. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 41(50), 1-11. doi: 10.1590/2317-6369000106014

Andrade, G. B., et al., (2020). Ações de prevenção dos riscos à saúde e qualidade de vida do enfermeiro e usuário. Research, Society and Development, 9(4), 1-18. doi: 10.33448/rsd-v9i4.3043

Barbosa, H. S. B., Clarissa, A. F. M., Helena, M. S. L. D. & Vera, J. B. (2012). Gênero e trabalho em Saúde: um olhar crítico sobre o trabalho de Agentes Comunitárias/os de Saúde. Interface – comunicação, saúde e educação, 16(42), 751-765. doi: 10.1590/S1414-32832012000300013

Bernardi, M. A. & Lopes, A.R. (2017). Prevalência de DORT e Análise do Risco Ergonômico em Odontólogos de Foz do Iguaçu. Revista Pleiade, 10(19), 76-91. Disponível em: https://pleiade.uniamerica.br/index.php/pleiade/article/view/327/443

Branco, J. C. & Jansen, K. (2011). Prevalência de sintomas osteomusculares em professores do ensino fundamental do maior colégio municipal da America Latina. Ciências & Cognição, 16(3):109-115. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/712/507

Candido, A. S. & Ferreira, R. J. (2017). Riscos à Saúde e à Segurança no Trabalho do Agente de Combate as Endemias do Município de Campos Sales, Ceará, Brasil. e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, 21(1), 52-57. doi: 10.17921/1415-6938.2017v21n1p52-57

Cargnin, Z. A., Schneider, D. G., Vargas, M. A. O. & Schneider, I. J. C. (2019). Functional disability and pain intensity in nonspecific chronic low back pain in nursing workers. Cogitare enfermagem, 24(1), 1-12. doi: 10.5380/ce.v24i0.65058

Couto, H. A. (2007). Check-List para Avaliação Simplificada das Condições Biomecânicas do Posto de Trabalho. Ergonomia aplicada ao trabalho: conteúdo básico, guia prático. Belo Horizonte: ERGO Editora.

Cléverson, P. A. I. M., Peraça, D., Sapper, F., Moreira, I. & Moreira, T. (2017). Análise Ergonômica: Métodos Rula e Owas aplicados em uma Instituição de ensino superior. Análise, 38(11), 22. Disponível em: https://www.revistaespacios.com/a17v38n11/a17v38n11p22.pdf

Freire, L. A., Soares, T. C. N. & Torres, V. P. S. (2017). Influência da ergonomia na biomecânica de profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar. Revista Perspectivas Online: Biológicas & Saúde, 7(24):72-80. doi: 10.25242/886872420171149

International Ergonomics Association. (2020). Human Factors/Ergonomics. Disponível em: http://iea.cc/what-is-ergonomics/

Júnior, A. R. F, Torres, A. R. A. & Silva, C. M. A (2015). Condições laborais dos agentes de combate a endemias e seus efeitos à saúde. Essentia-Revista de Cultura, Ciência e Tecnologia, 16(4), 77-95. Disponível em: https://essentia.uvanet.br/index.php/ESSENTIA/article/view/66

Kluthcovsky, A. C. G. C. & Kluthcovsky, F. A. (2009). O WHOQOL-bref um instrumento para avaliar qualidade de vida: uma revisão sistemática. Revista de Psiquiatria, 31(3), 630-641. doi: 10.1590/S0101-81082009000400007

Lyrio, B. U., Trelha, C. S. & Nunes, E. F. P. A. (2010). O Agente Comunitário de Saúde na Estratégia de Saúde da Família: uma investigação das condições de trabalho e da qualidade de vida. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 327-339. doi: 10.1590/S0303-76572010000200015

Pereira A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Santos, E. B., Filho, A. S. M. & Fernandes, M. A. (2018). Análise do Conhecimento dos Agentes Comunitários de Saúde da Unidade de Saúde da Família de uma cidade do interior da Bahia sobre Hipertensão Arterial. Id on Line Revista de Psicologia, 2018;12(39), 432-451. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1000/1429

Silva, A. C. L. (2016). Conhecimento e prática dos agentes comunitários de saúde sobre promoção da alimentação adequada e saudável [Dissertação de mestrado]. Piauí: Universidade Federal do Piauí, 2016. 69p. Disponível em: https://repositorio.ufpi.br/xmlui/handle/123456789/1131

Silva, L. S. R., et al., (2019). Agentes comunitários de saúde: a síndrome de burnout em discussão/Community health agents: burnout syndrome in discussion. Brazilian Journal of Health Review, 2(1), 624-643. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BJHR/article/view/1189

Souza, J. A. C. & Mazini, M. L. (2017). Análise ergonômica dos movimentos e posturas dos operadores de checkout em um supermercado localizado na cidade de Cataguases. Gestão & Produção, 24(1), 123–135. doi: 10.1590/0104-530x1376-16

Taborda, L. W., Gregory, D., Silva, A. C. & Jahn, S. L. (2015). Análise de ergonomia e seus efeitos no ambiente de trabalho de uma cooperativa de crédito. Revista de Administração e Contabilidade,14(28), 43-64. Disponível em: https://core.ac.uk/reader/229768190

Vasconcelos, T. P. B. & Luz, M. L. S. (2018). Avaliação do setor de estuco do couro em um curtume sob a perspectiva da ergonomia [Trabalhos de Conclusão de Curso do Departamento de Engenharia de Produção]. Paraná: Universidade Estadual de Maringá. 39p. Disponível em: http://www.dep.uem.br/gdct/index.php/dep_tcc/article/view/307/319

Vieira, A. M. B., Albuquerque, E. G., Pereira, L. A & Andrade, I. S.(2017). Percepção dos agentes comunitário de saúde acerca do acompanhamento aos usuários de saúde mental. SANARE - Revista de Políticas Públicas, 16(01), 24-31. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1090/601

Published

11/08/2020

How to Cite

Souza, F. S. de, Gomes, V. M. da S. A., Ribeiro, G. O., Trindade, G. M. C., Uchôa, Érica P. B. L., Carvalho, V. C. P. de, & Barros, M. de L. N. (2020). Community health agents: your quality of life and your occupational risks. Research, Society and Development, 9(9), e66997030. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7030

Issue

Section

Health Sciences