Quality of prenatal: impact of infrastructure and work process

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7041

Keywords:

Pregnant Women; Prenatal care; Health indicators; Health evaluation; Primary health care.

Abstract

Objective: to assess the quality of prenatal care at usual risk using structure and process indicators. Methodology: quantitative research of the observational descriptive transversal observational type that followed the Donabedian theoretical framework. Data collection took place through the use of a questionnaire called IPR-PRENATAL in 13 Family Health Strategies, from September to October 2017. Results: it was shown that, in general, the infrastructure was considered adequate. In the variable work process, 92.3% of the monitored pregnant women had at least six prenatal consultations and that of the puerperium, 69.2% completed the first prenatal consultation in the first trimester of pregnancy, 53.8% of the professionals identify whether the first consultation was after the fourth month of pregnancy. Final considerations: it is concluded that the Family Health Strategies are structurally satisfactory with regard to the supply of permanent equipment and medication and supplements in prenatal care. As for the work process, it is necessary to invest in increasing the use of indicators in relation to information management and the use of light technologies.

Author Biographies

Daniela Dal Forno Kinalski, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Enfermeira. Doutoranda em enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Vania Maria Fighera Olivo, Universidade Federal de Santa Maria

Enfermeira. Docente da Universidade Federal de Santa Maria.

Jessye Melgarejo do Amaral Giordani, Universidade Federal de Santa Maria

Dentista. Docente da Universidade Federal de Santa Maria.

References

Anversa, E. T. R, Bastos, G.A. N, Nunes L. N., & Dal Pizzol, T. S. (2012). Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, 28(4),789-800. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400018.

Balsells, M. M. D., Oliveira, T. M. F., Bernardo, E. B. R., Aquino, P. S., Damasceno, A. K. C., Castro, R. C. M. B., Lessa, P. R. M., & Pinheiro, A. K. B. (2018). Avaliação do processo na assistência pré-natal de gestantes com risco habitual. Acta Paul Enferm, 31(3), 247-254.doi: 10.1590/1982-0194201800036.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria da Saúde. Portaria nº 569, de 1 de julho de 2000. (2000). Institui o programa de humanização no pré-natal e nascimento, no âmbito do sistema único de saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm /2000/prt0569_01_06_2000_rep.html

Brasil Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. (2006). Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada- Brasil,162p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_pre_natal_puerperio _3ed.pdf.

Brasil Ministério da Saúde. Humanização do Parto. (2014). Humanização no Pré-natal e Nascimento. Brasil, 465p.(Cadernos HumanizaSUS) Recuperado de http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS http://datasus.saude.gov.br/.

Costa, C. S. C., Vila, V. S. C., Rodrigues, F. M., Martins, C. A., & Pinho, L. M. O. (2013). Características do atendimento pré-natal na Rede Básica de Saúde. Rev. Eletr. Enf, 15(2), 516-22. doi: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i2.15635.

Domingues, R. S., Hartz, X. M. A., Dias, M. A. B., & Leal, M. C. (2012). Avaliação da adequação da assistência ao pré-natal na rede SUS do município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, 28(2),425-437. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012 000300003

Donabedian, A. (1990). The Seven Pillars of Quality. Arch Pathol Lab Med, 114(11), 1115-8. Recuperado de https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/2241519/

Moraes, M. H. S., Lima, A. C. S., & Silva, A. F. L. (2020). Práticas de autocuidado das gestantes adolescentes: revisão de literatura. Research, Society and Development, 9(4) e97942665,1-10. doi: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i4.2665

Nogueira, C. C. S., Justino, J. M. R., Tavares, M. I. P. L., & Morais, F. R. R. (2016). Caracterização da infraestrutura e do processo de trabalho na assistência ao pré-natal. Cogitare Enferm, 21(4), 1-10. Recuperado de https://www.redalyc.org/jats Repo/4836/483653833010/html/index.html#redalyc_483653833010_ref10.

Pereira, M. G. (2006). Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara.

Polgliane, R. B. S., Leal, M. C., Amorim, M. H. C., Zandonade, E., & Neto, E. T. D. (2014). Adequação do processo de assistência pré-natal segundo critérios do Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento e da Organização Mundial de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 19(7),1999-2010. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232014197.08622013.

Rocha, R.S., & Silva, M. G. C. (2012). Assistência pré-natal na rede básica de Fortaleza. Rev Bras Promoç Saúde, 25(3),344-355. doi:10.5020/18061230.2012.p344.

Secretaria Estadual da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Coordenação estadual da atenção básica. Seção da Saúde da Mulher. (2017). Nota técnica 01/2017 - atenção ao pré-natal na atenção básica. Recuperado de https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/ upload/arquivos/201706/14165435-nota-tecnica-pre-natal-na-atencao-basica-01-2017.pdf

Silva, E. P. (2012). Proposta de um índice para avaliação da assistência pré-natal na atenção básica. (Dissertação). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. Recuperado em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/tede/4272.

Silva, E. P., Lima, R. T., Costa, M. J. C., & Filho, M. B. (2013). Desenvolvimento e aplicação de um novo índice para avaliação do pré-natal. Rev Panam Salud Publica, 33(5), 356-62. Recuperado de https://www.scielosp.org/pdf/rpsp/2013.v33n5/356-362.

Silva, E. P., Lima, R. T., Ferreira, N. L. S., & Costa, M. J. C. (2013a). Pré-natal na atenção primária do município de João Pessoa-PB. Rev. Bras. Saúde Matern Infant, 13(1), 29-37.doi: https://doi.org/10.1590/S1519-38292013000100004.

Silva, E. P., Leite, A. F. B., Lima, R. T., & Osório, M. M. (2019). Avaliação do pré-natal na atenção primária no Nordeste do Brasil: fatores associados à sua adequação. Rev Saúde Pública, 53 (43),1-13. doi: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053001024.

Souza, V. B., Roecker, S., & Marcon, S. S. (2011). Ações educativas durante a assistência Pré-natal: percepção de gestantes atendidas na rede básica de Maringá-PR. Revista Eletrônica de Enfermagem, 13(2), 199-210. doi: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v13i2.10162.

Viellas, E. F., Domingues, R. M. S. M., Dias, M. A. B., Gama, S. G. N., Filha, M. M. T., Costa, J. V., Bastos, M. H., & Leal, M. C. (2014). Assistência Pré-Natal no Brasil. Cad. Saúde Pública, 30(1), 85-100. doi: https://doi.org/10.1590/0102-311X00126013.

Zanchi, M., Gonçalves, C. V., Cesar, J. A., & Dumith, S. C. (2013). Concordância entre informações do Cartão da Gestante e do recordatório materno entre puérperas de uma cidade brasileira de médio porte. Cad. Saúde Pública, 29(5), 1019-1028. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000500019

Published

15/08/2020

How to Cite

Kinalski, D. D. F., Olivo, V. M. F. ., & Giordani, J. M. do A. (2020). Quality of prenatal: impact of infrastructure and work process. Research, Society and Development, 9(9), e184997041. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7041

Issue

Section

Health Sciences