Student assistance policy: from civil and political rights to social and educational rights

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7230

Keywords:

Student assistance; Rights; Educational politics.

Abstract

This article resumes the reflections made in the master's dissertation that aimed at carrying out an evaluative study of the Social Vulnerability Student Assistance Program - PAEVS and the Social Vulnerability Index - IVS, conducted on the 22 campuses of the Federal Institute of Education, Science and Technology of Santa Catarina (IFSC). By expanding the reflections previously made, the present article aims to analyze the National Student Assistance Program - PNAES and, in its context, the theme of Student Rignts. The methodological path followed included a bibliographic research, of qualitative nature, carried out in four journals whose titles included the keywords "public policies", "social policies", "educational policies", as well as a search in Scielo (Scientific Electronic Library Online) to map, in this scope, research that deals with Student Assistance and Student Rignts. As a result of the analysis, it should be noted that the theme of Student Rights needs to be further explored in researches and that reflections on this theme must performed in institutions involving public servants and students, in the search for new meanings and places for the term which disconnect it from the idea of a favor, a beness, a donation. In view of this, it can be concluded that there is a need to create spaces for dialog in institutions, giving students a voice so that they are able to critically analyze their conceptions about Student Assistance, as well as to act politically to claim and guarantee their rights.

References

Arroyo, M. G. (2015). O direito à educação e a nova segregação social e racial- tempos insatisfatórios? Educação em Revista, 31(3), 15-47. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/edur/v31n3/1982-6621-edur-31-03-00015.pdf. Doi: https://doi.org/10.1590/0102-4698150390

Brasil. (1996). Lei nº 9.394/96. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Brasil. (2007). Portaria Normativa n. 39, de 12 de dezembro de 2007. Institui o Programa Nacional de Assistência Estudantil — PNAES. Brasília: Ministério da Educação. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/portaria_pnaes.pdf

Brasil. (2010). Decreto nº 7234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm

Brasil. (2014). Lei n° 13.005/2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm

Bringas, A. M.,& Merino, E. S. V. (2010). Ciudadanía, derechos sociales y educativos: Reflexiones para una pedagogía de los derechos humanos. Archivos Analíticos de Políticas Educativas 18 (18), 1-18. Recuperado de: https://epaa.asu.edu/ojs/article/view/728/847

Bruyne, Paul de, Herman, Jàcques & Schoutheete , Marc de (1991). Dinâmica da pesquisa em ciências sociais: os pólos da prática metodológica. Tradução de Ruth Joffily. Rio de Janeiro, F. Alves.

Duarte, C. S. (2007) A educação como um direito fundamental de natureza social. Educ. Soc., 28(100), 691-713. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a0428100

Dutra, N. G. R., & SANTOS, M. F. S. (2017). Assistência estudantil sob múltiplos olhares: a disputa de concepções. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas em Educação, 25(94), 148-181. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v25n94/1809-4465-ensaio-25-94-0148.pdf. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-40362017000100006

Estêvão, C. V. (2011). Direitos humanos e educação para uma outra democracia. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas em Educação, 19(70), 9-20. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/ensaio/v19n70/v19n70a02.pdf

Finger, S. J. (2020). A Assistência Estudantil na Educação Profissional e Tecnológica: estudo avaliativo do Programa de Atendimento ao Estudante em Vulnerabilidade Social – PAEVS e do Índice de Vulnerabilidade Social – IVS. [Dissertação de Mestrado, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina]. Florianópolis, Brasil. Recuperado em: https://repositorio.ifsc.edu.br/handle/123456789/1478

Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Estudantis- Fonaprace. V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES – 2018. Brasília, DF, 2019. Recuperado em: http://www.andifes.org.br/wp-content/uploads/2019/05/V-Pesquisa-Nacional-de-Perfil-Socioecon%C3%B4mico-e-Cultural-dos-as-Graduandos-as-das-IFES-2018.pdf

Gomes, A. M. O. & Passos, G. O. (2018). A implementação do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) nos Institutos Federais. Revista de Políticas Públicas, 22(1), 415-441. Recuperado de: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/9240. Doi: http://dx.doi.org/10.18764/2178-2865.v22n1p415-442

Hofling, E.M. (2001) Estado e políticas (públicas) sociais. Caderno CEDES, 21(55), 30-41. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/ccedes/v21n55/5539.pdf

Imperatori, T. K. (2017) A trajetória da assistência estudantil na educação superior brasileira. Serviço. Social & Sociedade,129, 285-303. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/sssoc/n129/0101-6628-sssoc-129-0285.pdf. Doi: https://doi.org/10.1590/0101-6628.109

Kowalski, A. V. (2012). Os (des)caminhos da política de assistência estudantil e o desafio na garantia de direitos. [Dissertação de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul]. Porto Alegre, Brasil. Recuperado em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/handle/10923/5137

Lima, W. A. S. & Mendes, V. L. P. S.(2020). Estudos sobre a avaliação do Programa Nacional de Assistência Estudantil à luz das múltiplas abordagens teórico-metodológicas. Avaliação, 25 (1), 199-218. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/aval/v25n1/1982-5765-aval-25-01-199.pdf. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-407720200001000011

Lobato, L. V.C. (2004). Avaliação de políticas sociais: notas sobre alguns limites e possíveis desafios. Trabalho, Educação e Saúde, 2 (1), 239-265. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/tes/v2n1/06.pdf

Macedo, J. C. & Abranches, A. F. P. S. (2018). Política de Assistência Estudantil: repercussões sobre a sua contribuição. Jornal de Políticas Educacionais. 12 (10), 1-21. Recuperado de: https://revistas.ufpr.br/jpe/article/view/58615/35451https://revistas.ufpr.br/jpe/article/view/71196/40286. Doi: http://10.0.21.4/jpe.v12i0.58615

Machado, J. P. & PAN, M. A. G. S. (2016). Direito ou benefício? Política de assistência estudantil e seus efeitos subjetivos aos universitários. Estudos de Psicologia, Natal, 21 (4),184-198. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/epsic/v21n4/1413-294X-epsic-21-04-0477.pdf. Doi: https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160046

McCowan, T.(2020). Existe um direito universal à Educação Superior? Jornal de Políticas Educacionais, 14 (1),1-26. Recuperado de: https://revistas.ufpr.br/jpe/article/view/71196/40286. DOI: http://10.5380/jpe.v14i0.71196

Pinheiro, E. B. (2016). O Caráter das Políticas de Assistência Estudantil nas Universidades Públicas. Revista Mundi Sociais e Humanidades, 1 (2), 1-16,. Recuperado de: http://periodicos.ifpr.edu.br/index.php?journal=MundiSH&page=article&op=view&path%5B%5D=16. Doi: http://dx.doi.org/10.21575/25254774rmsh2016vol1n216

Ristoff, D.(2014). O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação, 19 (3),723-747. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/aval/v19n3/10.pdf

Recktenvald, M; Mattei, L. & Pereira, V. A. (2018). Avaliando o Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) sob a ótica das epistemologias. Revista da Avaliação da Educação Superior, 23 (2), 405-423. Recuperado de: https://www.scielo.br/pdf/aval/v23n2/1982-5765-aval-23-02-405.pdf Doi: https://doi.org/10.1590/s1414-40772018000200008

Taufick, A.L.O.L. (2014). Análise da Política de Assistência Estudantil dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Revista Brasileira de Políticas e Administração da Educação, 30 (1), 181-201. Recuperado de: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/50020/31328. Doi: https://doi.org/10.21573/vol30n12014.50020

Vasconcelos, N. (2010). Programa Nacional de Assistência Estudantil: uma análise da evolução da assistência estudantil ao longo da história da educação superior no Brasil. Revista da Católica, 2 (3), 399-411. Recuperado de: http://www.seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/11361

Published

29/08/2020

How to Cite

Viella, M. dos A. L. ., & Finger, S. J. (2020). Student assistance policy: from civil and political rights to social and educational rights. Research, Society and Development, 9(9), e519997230. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7230

Issue

Section

Education Sciences