Knowledge of users of a public health service about risk and protective factors for breast cancer

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7521

Keywords:

Breast neoplasms; Risk factors; Primary health care.

Abstract

The present study aimed to investigate the knowledge of women treated at a Health Center in the interior of Paraíba about risk and protective factors for breast cancer. It was a field, cross-sectional and qualitative research. A sociodemographic questionnaire and a semi-structured interview were applied. The Theoretical Saturation technique was used for the sample composition, which resulted in the participation of 20 women attended at a health center in Paraíba. The treatment of the data was carried out based on the Bardin Content Analysis. The average age was 39.1 (± 14.02) years. Most of the women interviewed was married (25%), attended high school (40%), lived in Campina Grande (75%), was Christians (90%) and 75% did not report breast cancer in the family. The categories that emerged from the speeches were: genetics and heredity; hormone replacement; traumas; conducting preventive exams or not; media and lectures. Regarding the source of information, the media stood out the most, especially television, in addition to the lectures. Although some conditions possibly favor access to health services, it is clear that the knowledge about risk and protective factors for the disease is quite limited, pointing out the need for further clarification by the population.

Author Biographies

Kedma Anne Lima Gomes, Unifacisa - Centro Universitário

UniFacisa –Centro Universitário, Departamento de Fisioterapia –Campina Grande, PB. Docente da Graduação em Fisioterapia da UniFacisa. Mestra em Saúde Pública pela Universidade Estadual da Paraíba.

Lucicleia Nascimento Monteiro, Unifacisa - Centro Universitário

UniFacisa –Centro Universitário, Departamento de Fisioterapia –Campina Grande, PB. Fisioterapeuta pela UniFacisa -Centro Universitário.

Milena Edite Casé de Oliveira, Universidade Federal da Paraiba

Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Pós-graduação em Psicologia –João Pessoa, PB. Doutoranda em Neurociência Cognitiva e Comportamento pela Universidade Federal da Paraíba. Mestra em Saúde Pública pela Universidade Estadual da Paraíba.

Waleska Fernanda Souto Nóbrega, Universidade Estadual da Paraiba

Universidade Estadual da Paraíba, Departamento de Pós-graduação em Odontologia –Campina Grande, PB.Doutoranda em Clínicas Odontológicas pela Universidade Estadual da Paraíba. Mestra em Saúde Pública pela Universidade Estadual da Paraíba.

Gabriela Brasileiro Campos Mota, Unifacisa- Centro Universitário

Doutora em Engenharia de Processos pela Universidade Federal de Campina Grande. Coordenadora do curso de Fisioterapia da Unifacisa - Centro Universitário.

Danilo Vieira Barbosa, Universidade Federal de Campina Grande

Pós-graduando em Ortodontia pelas Faculdades Integradas do Norte de Minas - FUNORTE. Graduado em Odontologia pela Universidade Federal de Campina Grande - PB.

Sebastião Alexandrino de Melo Júnior, Cesrei Faculdades

Graduando do Curso de Direito da Cesrei Faculdades - Campina Grande - PB.

References

Borges, M. F. G., Santos, L. C., Caixeta, E. R., Aguiar, C. S., Alexandrino, E. N., Souza, J.V.M., Silva, M.V.S., & Carvalho, R.G. (2019). Terapia de reposição hormonal como fator de risco para o desenvolvimento do câncer de mama: uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Health Review, 2(4). doi: https://doi.org/10.34119/bjhrv2n4-127.

Boulos, D.N.K., & Ghali, R.R. (2014). Awareness of Breast Cancer among Female Students at Ain Shams University, Egypt. Global Journal of Health Science, 6(1), 154- 161. doi: 10.5539/gjhs.v6n1p154.

Branco, I. M. B. H. P. (2005). Prevenção do câncer e educação em saúde: opiniões e perspectivas de enfermagem. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, 14(2), 246-449. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/tce/v14n2/a12v14n2.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Organização Pan-americana de saúde. Módulos de Princípios de Epidemiologia para o Controle de Enfermidades. Módulo 6: controle de enfermidades na população. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/modulo_principios_epidemiologia_6.pdf.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Disponível em http://portal.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/homepage/estimativas-de-incidencia-de-cancer-2012/estimativas_incidencia_cancer_2012.pdf.

Bray, F., Ferlay, J., Soerjomataram, I., Siegel, R. L., Torre, L. A., &Jemal, A. (2018), Global cancer statistics 2018: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA: A Cancer Journal for Clinicians, 68: 394-424. doi:10.3322/caac.21492

Bushatsky, M., Cabral, L. R., Cabral, J. R., Barros, M. B. S. C., Gomes, B. M. R., & Filho, A. S. S. F. (2015). Educação em saúde: uma estratégia de intervenção frente ao câncer de mama. Revista Ciência, cuidado e saúde, 14(1), 870-8. doi: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v14i1.23259.

Cantinelli, F. S., Camacho, R. S., Smaletz, O., Gonsales, B. K., Braguittoni, E., & Rennó Jr, J. (2006). A oncopsiquiatria no câncer de mama: considerações a respeito de questões do feminino. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, 33(3), 124-133. doi: 10.1590/S0101-60832006000300002.

Castro, R. (2019). Câncer na mídia: uma questão de saúde pública. Revista brasileira de cancerologia, 55(1), 41-48. Disponível em http://www1.inca.gov.br/rbc/n_55/v01/ pdf/08_artigo_cancer_na_midia.pdf.

Castro, S. M. T. C. (2019). Mitos e verdades sobre o câncer de mama. Disponível em https://www.accamargo.org.br/mitos-e-verdades/mitos-e-verdades-sobre-o-cancer-de-mama.

Cecilio, A. P., Takakura, E. T., Jumes, J. J., Santos, J. W., Herrera, A. C., Victorino, V. J., & Panis, C. (2015). Breast cancer in Brazil: epidemiology and treatment challenges. Breast Cancer: Targets and Therapy, 7,43. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4317062/pdf/bctt-7-043.pdf.

Coelho, A. S., Santos, M. A. S., Caetano, R. I., Piovesan, C. F., Fiuza, L. A., Machado, R. L. D., & Furini, A. A. C. (2018). Predisposição hereditária ao câncer de mama e sua relação com os genes BRCA1 e BRCA2: revisão da literatura. Revista Brasileira de Análises Clínicas, 17-21. doi: 10.21877/2448-3877.201800615.

Cruz, G. K. P. (2014). Retirando as vendas: conhecimento de mulheres cegas sobre câncer de mama. Trabalho de Conclusão de Curso não Publicado. UEPB, Campina Grande. Disponível em http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/5210.

Dugno, M. L. G., Soldatelli, J. S., Daltoé, T., Rosado, J. O., Spada, P., & Formolo, F. (2013). Perfil do câncer de mama e relação entre fatores de risco e estadiamento clínico em hospital do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Oncologia. Belo Horizonte, 10(36), 60-66. Disponível em https://www.sboc.org.br/sboc-site/revista-sboc/pdfs/36/artigo3.pdf.

Ferlay, J., Ervik, M., Lam, F., Colombet, M., Mery, L., & Piñeros, M., (2018). Global Cancer Observatory: Cancer Today. International Agency for Research on Cancer, 68(6), 394-424.

Gonçalves, C. V., Camargo, V. P., Cagol, J. M., Miranda, B., & Mendonza-Sassi, R. A. (2017). O conhecimento de mulheres sobre os métodos para prevenção secundária do câncer de mama. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 4073-4082. doi: 10.1590/1413-812320172212.09372016.

Guerrero, V. G., Baez, A. F., González, C. G. C., & González, C. G. M. (2017). Monitoring modifiable risk factors for breast cancer: an obligation for health professionals. Revista Panamericana de Salud Pública, 41, e80. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28614486.

Inumaru, L. E., Silveira, E. A., Naves, M. M. V. (2011). Fatores de risco e de proteção para câncer de mama: uma revisão sistemática. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 27(7), 1259-1270. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000700002.

Jung, W., Kieling, E. F., Kunzler, I. M., Lazzari, D. D., Nascimento, E. R. P., & Alves, D. L. F. (2014). Fatores de risco para câncer de mama no setor calçadista. Revista Baiana de Enfermagem, 28(2). doi: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v28i2.10083.

Karim, S. M., Baeshen, W., Neamatullah, S. N., & Bin, B. (2015). Oral contraceptives, abortion and breast cancer risk: a case control study in Saudi Arabia. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, 16(9), 3957-3960. doi: 10.7314/apjcp.2015.16.9.3957.

Lima, M. J. M. R., Moreira, T. M. M., Florêncio, R. S., & Neto, P. B. (2016). Fatores associados ao conhecimento dos adultos jovens sobre histórico familiar de Acidente Vascular Cerebral. Revista Latino-americana de Enfermagem, 24, 9. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.1285.2814.

Lombardi, E. M. S., Prado, G. F., Santos, U. P., & Fernandes, F. L. A. (2011). O tabagismo e a mulher: riscos, impactos e desafios. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 37(1), 118-128. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132011000100017.

Lopes, R., & Tocantins, F. R. Promoção da Saúde e a Educação Crítica. 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414--32832012000100018&lng=en&nrm=iso.

Navarrete, M. L. V., Silva, M. R. F., Pérez, A. S. M., Sanmamed, M. J. F., Gallego, M. E. D., & Lorenzo, I. V. (2009). Introdução às técnicas qualitativas de pesquisa aplicadas em saúde. Tradução de Maria Rejane Ferreira da Silva e Maria do Rosário Ferreira da Silva. Recife: IMIP, 130. ISBN: 978-85-88660-45-8.

Neugut, A. I. (1999). Manual de oncologia clínica. 6ª ed. São Paulo: Fundação Oncocentro.

Noblat, A. C. P., Lopes, M. B., Lopes, A. A. (2004). Raça e lesão de órgãos-alvo da hipertensão arterial em pacientes atendidos em um ambulatório universitário de referência na cidade de Salvador. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, 28(2), 111-115. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2004000200002.

Nindrea, R. D., Aryandono, T., Lazuardi, L. (2017). Breast Cancer Risk from Modifiable and Nom-Modifiable Risk Factors among Women in Southeast Asia: A Meta-Analysis. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, 18, 3201-3206. doi: 10.22034/APJCP.2017.18.12.3201.

Ohl, I. C. B., Ohl, R. I. B., Chavaglia, S. R. R., & Goldman, R. E. (2016). Ações públicas para o controle do câncer de mama no Brasil: revisão integrativa. Revista Brasileira de Enfermagem [online], 69(4), 793-803. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690424i.

Pardini, D. (2014). Terapia de reposição hormonal na menopausa. Arquivos brasileiros de endocrinologia e metabologia, 58(2), 172-181. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0004-2730000003044

Penha, N. S., Nascimento, D. E. B., Pantoja, A. C. C., Oliveira, A. E. M., Maia, C. S. F., & Vieira, A. C. S. (2014). Perfil sócio-demográfico e possíveis fatores de risco em mulheres com câncer de mama: um retrato da Amazônia. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, 34(4), 579-584. Disponível em https://www.ingentaconnect.com/content/doaj/ 18084532/2013/00000034/00000004/art00024?crawler=true.

Prolla, C. M. D., Silva, P. S., Netto, C. B. O., Goldim, J. R., & Ashton-Prolla, P. (2015). Conhecimento sobre câncer de mama e câncer de mama hereditário entre enfermeiros em um hospital público. Revista Latino-americana de Enfermagem, 23(1), 90-97. doi: 10.1590/0104-1169.0185.2529.

Rhiry-Cherques, R. H. (2009). Saturação em pesquisa qualitativa: estimativa empírica de dimensionamento. Disponível em http://www.revistapmkt.com.br/Portals/9/ Edicoes/Revista_PMKT_003_02.pdf.

Rodrigues, J. C., Silva, L. C. F., & Cardoso, R. A. (2016). Câncer de mama: do diagnóstico ao tratamento. Revista Master, 1(1). doi: 10.5935/2447-8539.20160004.

Rodrigues, J. D., Cruz, M. S., & Paixão, A. N. (2015). Uma análise da prevenção do câncer de mama no Brasil. Revista Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 20(10), 3163-3176. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152010.20822014.

Rouquayrol, M. Z. (1994). Epidemiologia & Saúde. Rio de Janeiro: Medsi Editora Médica e Científica Ltda.

Santos, G. D., & Chubaci, R. Y. S. (2011). O conhecimento sobre o câncer de mama e a mamografia das mulheres idosas frequentadoras de centros de convivência em São Paulo (SP, Brasil). Ciência & Saúde Coletiva [online], 16(5), 2533-2540. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000500023.

Sidayama, C. M. N. O. (2011). Avaliação dos fatores de risco para o câncer de mama e dosagem de fração livre de DNA em mulheres atendidas na maternidade Odete Valadares, Belo Horizonte – MG. Dissertação. Universidade Federal de Viçosa.

Silva, A. C. R. (2008). Metodologia da pesquisa aplicada a contabilidade: orientações de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações e teses. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Souza, K. M. (2015). Fatores de risco associados ao câncer de mama. Disponível em https://www.univates.br/bdu/bitstream/10737/1184/1/2015KeliMoraesdeSouza.pdf.

Tamini, R. M., Spiegelman, D., Smith-Warner, S. A., Wang, M., Pazaris, M., Willett, W. C., Eliassen, A. H., & Hunter, D. J. (2016). Population Attributable Risk of Modifiable and Non modifiable Breast Cancer Risk Factors in Postmenopausal Breast Cancer. American Journal of Epidemiology, 184(12), 884-893. doi: 10.1093/aje/kww145.

Tavares, D. M. S., Guidetti, G. E. C. B. (2008). Características sócio-demográficas, condições de saúde e utilização de serviços de saúde por idosos. Revista Eletrônica de Enfermagem, 10(2), 299-309. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692011000500022.

Viana, C. D. M. R. (2009). Fatores de risco e marcadores de vulnerabilidade ao câncer de mama em mulheres com HIV/AIDS. Disponível em http://www.uece.br/cmacclis/ dmdocuments/carla_daniele_mota_rego_viana.pdf.

Winters, S., Martin, C., Murphy, D., & Shokar, N. K. (2017). Breast Cancer Epidemiology, Prevention, and Screening. Progress in molecular biology and translational science, 151, 1–32. https://doi.org/10.1016/bs.pmbts.2017.07.002

Published

27/08/2020

How to Cite

Gomes, K. A. L., Monteiro, L. N. ., Oliveira, M. E. C. de ., Nóbrega, W. F. S. ., Mota, G. B. C., Barbosa, D. V. ., & Melo Júnior, S. A. de . (2020). Knowledge of users of a public health service about risk and protective factors for breast cancer. Research, Society and Development, 9(9), e498997521. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7521

Issue

Section

Health Sciences