Coordination of care and ordination of health care networks: qualitative study with higher level workers in the Family Health Strategy

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7609

Keywords:

Unified Health System; Primary Health Care; Family Health Strategy; Health Management; Health Personnel

Abstract

Introduction: the Unified Health System (SUS) is an organizational system to reorder health services and actions in the Brazilian territory. Thus, the need for health workers to know the system in which they are inserted is imperative, so that users feel welcomed in any scope of SUS. Objective: to know the facilitating and hindering elements in the view of five health workers, of higher level, of the Family Health Strategy (ESF), of a small municipality in the State of Rio Grande do Sul, in relation to the coordination of user care and the ordering of Health Care Networks. Methodology: this is a qualitative study, conducted in 2019, in which the research subjects answered a semi-structured qualitative interview. Results: as facilitating elements, reception were highlighted, the teleconsulting, the resoluteness of care, knowledge of the population's problems, the prepared and well-connected team, the structured care network. The hindering elements were the unorganized decentralization, the high demand, too long waiting times for assistance in medium and high complexity, structural economic difficulties and inadequate clinical management of chronic users. Conclusion: finally, is pointed that it is up to the management and the teams to reorganize and strengthen the work, in order to minimize the problems and solidify the potential, making the ESF and SUS really effective and efficient.

Author Biographies

Rosecléa Cristina Cremonese Ensslin, Prefeitura Municipal de Segredo - RS

Possui Graduação em Enfermagem (1999) pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Especialização em equipes gestoras de serviços e sistemas de saúde (2004) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Especialização em Saúde Pública (2020) pela Escola de Saúde Pública do Estado do Rio Grande do Sul (ESP/SES/RS). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem de Saúde Pública, atuando desde 2001 na área de Gestão da Saúde. Coordena a Atenção Básica no município de Segredo, Rio Grande do Sul, Brasil.

André Luis Alves de Quevedo, Secretaria Estadual de saúde do Rio Grande do Sul

Especialista em Saúde - Enfermeiro, na Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul, lotado na Assessoria Técnica e de Planejamento (ASSTEPLAN). Possui Mestrado em Epidemiologia pelo Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPG Epidemiologia/UFRGS) (2015), Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Pelotas (2010), Residência em Atenção Básica em Saúde Coletiva - Enfermagem - pelo Programa de Residência Integrada em Saúde, da Escola de Saúde Pública do Rio Grande do Sul (ESP/RS) (2013), Especialização em Avaliação em Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz-RJ) (2015), Especialização em Avaliação de Tecnologias em Saúde pelo Instituto de Avaliação de Tecnologias (IATS/UFRGS) (2015), Especialização em Economia da Saúde pelo Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública da Universidade Federal de Goiás (UFG) (2018), Especialização em Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) (2019). Atualmente graduando em Ciências Jurídicas e Sociais (UFRGS). Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: Sistema Único de Saúde (SUS), políticas públicas de saúde, epidemiologia e avaliação em saúde.

References

Andrade, L. O. M., Barreto I. C.H. C., Bezerra, R. C. (2006). Atenção primária à saúde e estratégia saúde da família. In: Campos, G. W. S., Minayo, M. C. S., Akerman, M., Drumond Júnior, M., Carvalho, Y. M. Tratado de Saúde Coletiva (pp. 783-836). Rio de Janeiro: Hucitec; Fiocruz.

Bahia, L (2018). Trinta anos de Sistema Único de Saúde (SUS): uma transição necessária, mas insuficiente. Cadernos de Saúde Pública. 34(7), e00067218. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00067218

Brasil. (1988). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, 191-A, 05 out. 1988, p. 1. Brasília, DF. Recuperado 12 mar 2020, em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil. (1990). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei No 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 de set. 1990, p. 18055. Brasília, DF. Recuperado 10 fev 2020, em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm

Brasil (2010). Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria No 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF. Recuperado 20 mai 2020, em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html

Brasil (2011). Decreto Nº 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei No 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 29 de jun. 2011, p. 1. Brasília, DF. Recuperado 27 mai 2020, em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7508.htm

Brasil (2012a). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução No 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as seguintes diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, DF. Recuperado 15 mar 2020, em http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Brasil (2012b). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde. 110 p.: il. (Série E. Legislação em Saúde). Recuperado 03 fev 2020, em http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf

Brasil (2016). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução No 510, de 7 de abril de 2016. Trata das especificidades éticas das pesquisas nas ciências humanas e sociais e de outras que utilizam metodologias próprias dessas áreas. Brasília/DF, 2016. Recuperado 23 fev 2020, em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html.

Brasil (s.d.). DATASUS. Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES). Competência novembro de 2019. Recuperado 17 fev 2020, em http://cnes.datasus.gov.br/pages/profissionais/extracao.jsp

Brasil (s.d.). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado 03 mar 2020, em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados

Brasil (s.d.). Ministério da Saúde. Página inicial. Saúde de A a Z. Práticas integrativas e complementares. Recuperado 24 ago 2020, em https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados

https://saude.gov.br/saude-de-a-z/praticas-integrativas-e-complementares

Campos, G. W. S. (2018a). Réplica: O SUS, todavia, existe! Ciência & Saúde Coletiva. 23(6), 1721-1722. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.05662018

Campos, G. W. S. (2018b). SUS: o que e como fazer? Ciência & Saúde Coletiva. 23(6), 1707-1714. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018236.05582018

Campos, G. W. S. (2015). El Sistema Único de Salud de Brasil: entre la intención y el gesto. Salud Colectiva. 11(4), 469-470. https://doi.org/10.18294/sc.2015.783

Chueiri, P. S., Harzheim, E, Takeda, S. M. P (2017). Coordenação do cuidado e ordenação nas redes de atenção pela Atenção Primária à Saúde – uma proposta de itens para avaliação destes atributos. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. 12(39), 1-18. https://doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1363

Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde (1978). Declaração de Alma-Ata. Recuperado 19 fev 2020, em https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_alma_ata.pdf

Gil, A. C (2008). Métodos e técnicas da pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Giovanella, L., et al (2009). Saúde da família: limites e possiblidades para uma abordagem integral de atenção primária à saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 14(3), 783-794. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000300014

Gomes, R. (2003). A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: Deslandes, S. F., Cruz Neto, O., Gomes, R., Minayo, M. C. S. (organizadores). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade (22ª ed., pp. 67-80). Petrópolis, RJ: Vozes.

Lima, E. F. A, Sousa, A. I., Leite, F. M. C., Lima, R. C. D., Souza, M. H. N., Primo, C. C. (2016). Avaliação da Estratégia Saúde da Família na Perspectiva dos Profissionais de Saúde. Escola Anna Nery. 20(2), 275-280. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160037

Macinko, J., Mendonça, C. S. (2018). Estratégia Saúde da Família, um forte modelo de Atenção Primária à Saúde que traz resultados. Saúde Debate. 42 (n. spe. 10), 18-37. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s102

Mendes, E. V. (2010). As redes de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 15(5), 2297-2305. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000500005

Mendes, E. V. (2018). Entrevista: a abordagem das condições crônicas pelo Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 23(2), 431-436. https://doi.org/10.1590/1413-81232018232.16152017

Minayo, M. C. S. (2003). Ciência, Técnica e Arte: o desafio da Pesquisa Social. In: Deslandes, S. F., Cruz Neto, O., Gomes, R., Minayo, M. C. S. (organizadores). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade (22ª ed, pp. 9-30). Petrópolis, RJ: Vozes.

Núñez, R. T., Lorenzo, I. V., Naverrete, M. L. V. (2006). La coordinación entre niveles asistenciales: uma sistematización de sus instrumentos y medidas. Gaceta Sanitaria. 20(6), 485-495. Recuperado 11 fev 2020, em http://scielo.isciii.es/pdf/gs/v20n6/revision.pdf

Paim, J. S. (2018). Sistema Único de Saúde (SUS) aos 30 anos. Ciência & Saúde Coletiva. 23(6), 1723-1728. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.09172018

Paim, J. S. (2009). O que é SUS. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz. 148 p. (Coleção Temas em Saúde).

Paula, W. K. A. S., Samico, I. C., Caminha, M. F. C., Batista Filho, M., Figueirôa, J. N. (2017). Orientação Comunitária e enfoque familiar: avaliação de usuários e profissionais da estratégia saúde da família. Cadernos de Saúde Coletiva. 25(2), 242-248. https://doi.org/10.1590/1414-462x201700020113

Rio Grande do Sul (2011). Secretaria Estadual da Saúde. Resolução CIB/RS No 403, de 26 de outubro de 2011. Cria os Núcleos de Apoio à Atenção Básica (NAAB) saúde mental, dentro da Política Estadual da Atenção Básica. Diário Oficial do Estado, ano LXIX, No 211, p. 28, 03 nov. 2011. Porto Alegre/RS.

Santos, L. (2018). SUS- 30 anos: um balanço incômodo? Ciência & Saúde Coletiva. 23(6), 2043-2050. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.06082018

Selltiz, C., Jahoda, M., Deutsch, M., Cook, S. M. (1972). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder.

Souza, L. E. P. F. (2018). 30 anos do SUS: a transição continua. Cadernos de Saúde Pública. 34(7), e00109418. https://doi.org/10.1590/0102-311X00109418

Starfield, B. (2004). Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. UNESCO, Ministério da Saúde. Brasília. 726 p.

Published

29/08/2020

How to Cite

Ensslin, R. C. C., & Quevedo, A. L. A. de. (2020). Coordination of care and ordination of health care networks: qualitative study with higher level workers in the Family Health Strategy. Research, Society and Development, 9(9), e536997609. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7609

Issue

Section

Health Sciences