Reception with risk classification in obstetric emergency: strengths and weaknesses

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7647

Keywords:

Health plan implementation; User embracement; Risk assessment; Emergencies; Obstretics

Abstract

The study aims to verify the main strengths and weaknesses existing in the implementation of reception with risk classification in obstetric emergency. It is an integrative review built in March 2020 through searches in the Virtual Health Library, Google Scholar and Medical Literature Analysis and Retrieval System Online, with the health descriptor “host” and the keywords irregular: “risk classification ”And“ obstetric emergency ”. Documents in full article format, written in Portuguese and / or English, published between 2015-2020 were included and revision surveys were excluded, which did not have free access, in duplicate and in their title and / or abstract did not include the content under discussion, thus resulting in a total of 9 documents selected for the construction of this review. The qualification of assistance and improvement of the flow of care are listed as the main potentialities associated with the implementation of the reception policy with risk classification and the lack of permanent education, agreement with primary care and material resources as the main weaknesses. In view of this scenario, it is necessary that health services strengthen permanent education, professionals seek to empower themselves with the theme and that primary care strengthens their actions to improve the care provided to pregnant women and mothers of the Unified Health System.

References

Brilhante, A.F., Vasconcelos, C.T.M., Bezerra, R.A., Lima, S.K.M., Castro, R.C.M.B., & Fernandes, A.F.C. (2016). Implementação do protocolo de acolhimento com classificação de risco em uma emergência obstétrica. Rev Rene., 17(4), pp. 569-575.

Carvalho, S.S., & Santos, J.I.L. (2018). Percepção da equipe de enfermagem sobre a inserção do setor de acolhimento com classificação de risco às gestantes em um hospital do interior da Bahia. GEP NEWS., 2(2), pp. 29-35.

Correia, R.A, Rodrigues, A.R.M, Araújo, P.F. de, & Monte, A.S. (2019). Análise do acolhimento com classificação de risco em uma maternidade pública terciária de Fortaleza. Enferm. Foco., 10(1), pp. 105-110.

Costa, P.C.P., Garcia, A.P.R.F., & Toledo, V.P. (2016). Acolhimento e cuidado de enfermagem: um estudo fenomenológico. Texto Contexto Enferm., 25(1), pp. 1-7.

Costa, R.L.M., Santos, A.A.P., & Sanches, M.E.T.L. (2019). Avaliação do perfil de mulheres que receberam assistência durante a classificação de risco obstétrica. J. res.: fundam. care., 11(esp), pp. 488-494.

Figueiroa, M.N., Menezes, M.L.N., Monteiro, E.M.L.M., Aquino, J.M., Mendes, N.O.G., & Silva, P.V.T. (2017). Acolhimento do usuário e classificação de risco em emergência obstétrica: avaliação da operacionalização em maternidade-escola. Esc Anna Nery., 21(4), pp. 1-7.

Hedlund, A.C.B, Ilha, C.B., Hoffmann, I.C, Krusche, J.B, Pimenta, L.F., & Braz, M.M. (2015). Percepção de profissionais sobre acolhimento com classificação de risco no centro obstétrico. Saúde (Santa Maria), 41(2), pp. 149-160.

Mendes, K.D.S., Silveira, R.C.C.P., & Galvão, C.M. (2019). Uso de gerenciador de referências bibliográficas na seleção dos estudos primários em revisão integrativa. Texto & Contexto Enfermagem, 28(1), pp. 4-13.

Ministério da Saúde (Brasil). (2009). Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_classificaao_risco_servico_urgencia.pd

Ministério da Saúde (Brasil). (2011). Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Sistema de Legislação da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html

Ministério da Saúde (Brasil). (2013). Política Nacional de Humanização da Atenção. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf

Ministério da Saúde (Brasil). (2017). Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_acolhimento_classificacao_risco_obstetricia_2017.pdf

Rocha, C.R., Santos, I.M.M., Silva, L.R., Conceição, I.F., & Machado, C.A.M.P. (2017). Capacitação para o acolhimento e classificação de risco em obstetrícia: estratégia para colaborar com a agenda 2030. Raízes e Rumos, 5(1), pp. 115-120.

Santos, M.B, Diaz, C.M.G., Naidon, A.M., & Zamberlan, C. (2019). Perfil da demanda obstétrica atendida após implantação da classificação de risco em maternidade de risco habitual. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, 20(1), pp. 191-199.

Silva, L.R. & Rocha, M.E.M.O. (2018). Acolhimento com classificação de risco: percepção dos enfermeiros em uma maternidade pública. R. Interd., 11(3), pp. 103-113.

Published

01/09/2020

How to Cite

PINHEIRO, S. L. F. .; ALBUQUERQUE, J. L. A. de .; SANTOS, S. M. S.; PINHEIRO, E. L. T. .; FERNANDES, L. dos S. .; PINHEIRO, R. B. .; LUNA, I. C. .; SOUSA, R. de F. S.; RODRIGUES, F. E. de A. .; CLEMENTE, S. K. dos S. .; SILVA, P. N. da .; CALISTRO, M. de O. .; LUZ, D. C. R. P. . Reception with risk classification in obstetric emergency: strengths and weaknesses. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 9, p. e619997647, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i9.7647. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/7647. Acesso em: 26 may. 2024.

Issue

Section

Review Article