Protection to breastfeeding in prison space: Integrative Review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7692

Keywords:

Breastfeeding; Prisons; Health Services; Right to Health; Nursing.

Abstract

Breastfeeding is a topic that should be prioritized in prisons and supported by issues related to the physical and psychological conditions of women deprived of liberty, children and their families. The objective was to analyze scientific production in the field of breastfeeding protection in the prison system. This is an integrative review of scientific literature, where the search took place in the following databases: Capes Periodicals, Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences, Medical Literature Analysis and Retrieval, Scientific Electronic Library Online, Databases of Nursing, SciVerse Scopus the languages ​​used in the research were: English, Portuguese and Spanish, with year of publication from 2013 to 2020. 39 articles were selected, after careful analysis we obtained 09 validated articles. From the interpretative analysis on the theme, the following categories emerged: Protection to breastfeeding within the penal system and Inadequacy to breastfeeding support processes in prison. It is necessary that the penal system adopts well- defined public policies to protect breastfeeding and that there is also greater support for these breastfeeding mothers and their children, as they are women who breastfeed in vulnerable situations, and the global criminal system must protect, support and promote breastfeeding within the prison system.

Author Biographies

Márcia Vieira dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Sistema Penitenciário do Estado do Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Valdecyr Herdy Alves, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

Audrey Vidal Pereira, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

Bianca Dargam Gomes Vieira, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

Giovanna Rosario Soanno Marchiori, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

Gabriella Cardoso Rodrigues Rangel, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

Rayanne Coco Cunha, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

Juliana Vidal Vieira Guerra, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

Maria Bertilla Lutterbach Riker Branco, Universidade Federal Fluminense

Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil.

References

Andrade, A B C., & Gonçalves, M J F. (2018). Maternidade em Regime Prisional: Desfechos Maternos e Neonatais. Revista de Enfermagem UFPE online, 12(6), 1763-71. doi: 10.5205/1981-8963-v12i6A234396p1763-1771-2018

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal.

Braga, A N G., & Franklin, N I C. (2016). Quando a casa é a prisão: Uma análise de decisões de prisão domiciliar de grávidas e mães após a lei 12.403/2011. Quaestio Iuris, 9(1), 349-45. doi: 10.12957/rqi.2016.18579.

Brasil (2015). Saúde da Criança: aleitamento materno e alimentação complementar (Cadernos de Atenção Básica) (2a ed.). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil (2016). Conselho Nacional de Justiça. Regras de Bangkok: Regras das Nações Unidas para o Tratamento de Mulheres Presas e Medidas Não Privativas de Liberdade para Mulheres Infratoras/ Conselho Nacional de Justiça, Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas, Conselho Nacional de Justiça – 1. Ed – Brasília: Conselho Nacional de Justiça.

Brasil (2017). Bases para a discussão da Política Nacional de Promoção, Proteção e Apoio ao Aleitamento Materno. e. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil (2017). Informe situacional sobre os programas de alimentação e nutrição e de promoção da saúde na atenção básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Recuperado em 04 agosto, 2020, de https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/biblioteca/informe-situacional-sobre-os-programas-de-alimentacao-e-nutricao-e-de-promocao/.

Brasil (2018). Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias INFOPEN Mulheres (2a ed.). Departamento Penitenciário Nacional. Brasília, DF: Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Calhiari, E A, Santos, L R S., & Brunini, B C C B. (2015). De algozes a vítimas: dos direitos cegos e nulos à mulher gestante em situação de cárcere. Psicologia Argumento, 33(82), 393-409. doi: 10.7213/psicol.argum.33.082.AO05.

Carvalho, M R., & Gomes, C F. (2017). Amamentação Base Científica. Rio de Janeiro, Brasil: Guanabara Koogan.

Corrêa, M. de F., Chaves, A. B. P., Almeida, S. dos S. de, & Ramos, E. M. L. S. (2020). Mulheres na Prisão: dinâmica do encarceramento feminino na região metropolitana de Belém – Pará - Brasil. Research, Society and Development, 9(8), e494985980. doi: doi.org/10.33448/rsd-v9i8.5980.

Costa, L H R., Alves, J P., Fonseca, C., Costa, E P., & Fonseca, F M. (2016). Gender in the context of sexual and reproductive rights of women deprivedo fliberty. Enfermería Global, 16(43), 164-75. Retrieved from: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v15n43/en_docencia1.pdf

Diuana, V., Marilena, C D V., Corrêa, M., & Ventura, M. (2017). Mulheres nas prisões brasileiras: tensões entre a ordem disciplinar punitiva e as prescrições da maternidade. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 27(3), 727-47. doi:10.1590/S0103-73312017000300018.

Fochi, M C., Higa, R., Camisão, A., Turato, E., & Moraes, Lopes M H. (2017). Vivências de gestantes em situação de prisão. Revista Eletrônica de Enfermagem, 19, A57. doi: 0.5216/ree.v19.46647.

Guimarães, M L., Guedes, T G., Lima, L S., Morais, S C R V., Javorski, M., & Linhares, F M P. (2018). Promoção do Aleitamento Materno no Sistema Prisional a Partir da Percepção de Nutrizes encarcerada. Texto & Contexto Enfermagem, 24(4), e3030017. doi:10.1590/0104-07072018003030017.

Instituto Alana e Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos. (2019). Pela liberdade: a história do habeas corpus coletivo para mães & crianças. São Paulo, Brasil: Instituto Alana.

Leal, M C., Ayres, B V S., Pereira, A P E., Sánchez, A R., &Larouzé, B. (2016). Nascer na prisão: gestação e parto atrás das grades no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 21(7), 2061-70. doi: 10.1590/1413-81232015217.02592016.

Lockwood, C., Porrit, K., Munn, Z., Rittenmeyer, L., Salmond, S., Bjerrum, M., &Stannard, D. (2017). Systematic reviews of qualitative evidence. In E. Aromataris & amp; Z. Munn, orgs, Joanna

Briggs Institute Reviewer’s Manual. The Joanna BriggsInstitute.

Mariano, G J S., & Silva, I A. The Meaning of Breastfeed in Prison. (2018). Texto & Contexto Enfermagem, 27(4), e0590017. doi: 10.1590/0104-07072018000590017.

Mariano, G J S., Silva, I A., & Andrews, T. Amamentação em ambiente prisional: perspectivas das enfermeiras de uma penitenciária feminina Irlandesa. Revista Iberoamericana de Educacion e Investigacionen Enfermería, 5(3), 15-24. Retrieved from: https://www.enfermeriA21.com/revistas/aladefe/articulo/169/.

Matão, M E., Miranda, D B., Malaquias, A., & Souza, E L. (2016). Maternidade atrás das grades: particularidades do binômio mãe e filho. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 6(2), 2235-2246. doi: 10.19175/recom.v6i2.984.

Medeiros, A N., Ferreira, B M V., Costa, L V F de A., Silva, J C B da., Guerra, M C G C., Albuquerque, N L A. (2020). Aleitamento materno no sistema penitenciário: sentimentos da lactante. Ciência Plural, 6(1), 18-31. Retrieved from: https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/18255/12526

Neves, M C A. Amamentação: um direito que ultrapassa os limites da lei. (2016). Revistas dos Tribunais online, 967(s/n), 1-16. Retrieved from: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/documentacao_e_divulgacao/doc_biblioteca/bibli_servicos_produtos/bibli_boletim/bibli_bol_2006/RTrib_n.967.10.PDF.

Paynter, M J., & Snelgrove-Clarke, E. (2019). Breastfeeding in public” for incarceratedwomen: the baby-friendlysteps. International Breastfeed Journal, 14(16). doi: https://doi.org/10.1186/s13006-019-0211-3

Rodrigues, C. dos S. de F., Santos, B. Z. dos, Lipinski, J., Costenaro, R. G. S., & Zamberlan, C. (2020). Aleitamento materno exclusivo na primeira hora de vida: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, 9(7), e799974799. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.4799

Rollins, N C., Lutter, C K., Bhandari, N., Hajeebhoy, N., Horton, S. et al. (2016). Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, andlifelongeffect. The Lancet, 387(10017), 475-90. doi: 10.1016/S0140-6736(15)01024-7.

Santos C M C, Pimenta C A M, Nobre M R C. (2007). A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Revista Latino-Americana de Enfermagem, maio-junho; 15(3), 508-11. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692007000300023.

Simas, L., Ventura, M., Baptista, M R., &Larouzé, B. (2015). A jurisprudência brasileira acerca da maternidade na prisão. Revista Direito GV, 11(2), 547-71. doi: 10.1590/1808-2432201524.

Soares, C B., Hoga, L A K., Peduzzi, M., Sangaleti, C., Yonekura, T., & Silva, D R A D. (2014). Integrative Review: Concepts And Methods Used In Nursing. Revita da Escola de Enfermagem da USP, 48(2), 335-45. doi: 10.1590/S0080-623420140000200020.

Teixeira, E., Medeiros, H P., Nascimento, M H M., Silva, B A C., & Rodrigues, C. (2013). Integrative Literature Review Step-By-Step & amp; Convergences With Other Methods of Review. Revista Enfermagem da UFPI, 2(spe.), 3-7. Retrieved from: https://revistas.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/1457/pdf.

Tricco, A C. et. al. (2018). PRISMA Extension for Scoping Reviews (PRISMA-ScR): Checklist and Explanation. Annals of Internal Medicine, 169(7), 467-473. doi: 10.7326/M18-0850.

Ventura, M., Simas, L., & Larouze, B. (2015). Maternidade atrás das grades: em busca da cidadania e da saúde. Um estudo sobre a legislação brasileira. Cadernos de Saúde Publica, 31(3), 607-619.doi: 10.1590/0102-311x00092914.

Vieira, C. M., Freitas, H. M. B. de, Zanon, B. P., & Anversa, E. T. R. (2020). Promoção do aleitamento materno exclusivo na visão dos profissionais de uma Estratégia Saúde da Família. Research, Society and Development, 9(8), e796986355. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.6355

Published

30/08/2020

How to Cite

Santos, M. V. dos ., Alves, V. H. ., Pereira, A. V. ., Vieira, B. D. G. ., Rodrigues, D. P., Marchiori, G. R. S. ., Rangel, G. C. R. ., Cunha, R. C. ., Guerra, J. V. V., & Branco, M. B. L. R. . (2020). Protection to breastfeeding in prison space: Integrative Review. Research, Society and Development, 9(9), e555997692. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7692

Issue

Section

Health Sciences