The study of fruit pulp commercialization: a case study of an association of producers in Paraíba

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7919

Keywords:

Agribusiness; Marketing channels; Marketing; Social networks.

Abstract

Agribusiness is fundamental for the balance of the Brazilian economy. People look for healthy habits at their table, so the Fruit Pulp Factory located in the rural area of ​​Areia-PB, manufacture pulps for sale in Areia and surrounding regions. To promote this market, innovation and marketing are needed. The use of technologies in the field has become essential to carry out an activity in a planned and effective way. From the planting strategy to the harvest. Thus, the objective of this work was to analyze the commercialization channels used by the fruit pulp factory, maintained by the association - Association for the Development of the Community of Chã de Jardim (ADESCO). For this, research was used on social networks such as Facebook, interviews with those responsible for the factory, visits to YouTube and Instagram channels. After the analysis, it was verified that the factory does not use the potential that social networks have, leaving flaws and opportunities to promote the pulps. The use of strategies such as social networks is a profitable and effective way. The factory should exploit these networks adding more value to its product and obtaining recognition from the company.

References

Referências

ABF. Anuário Brasileiro de Fruticultura 2018. (2018). Recuperado em: http://www.editoragazeta.com.br/flip/anuario-fruticultura-2018/files/assets/basic-html/page19.html

Abrafrutas - Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados. Estatística de exportações de frutas no primeiro trimestre de 2019. (2019). Recuperado em: https://abrafrutas.org/2019/05/09/estatistica-de-exportacoes-de-frutas-no-primeiro-trimestre-de-2019/

Appio, J., & Vieira, V. A. (2006). Uma aplicação prática da Matriz BCG e análise SWOT: um estudo de caso. Revista de Ciências Empresariais da UNIPAR, 7(2).

Benevides, W. D., Pereira, W. H. C., & Alves, G. S. Comunidades Rurais: caso de sucesso – Restaurante Vó Maria em Areia/PB. In: X Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, p. 1-3, 2019.

Bezerra, G. J., & Schlindwein, M. M. (2017). Agricultura familiar como geração de renda e desenvolvimento local: uma análise para Dourados, MS, Brasil. Interações (Campo Grande), 18(1), 3-15.

Brambatti, L. E. (2019). Avaliação de Roteiros de Turismo Rural: o caso da região Uva e Vinho, Rio Grande do Sul, Brasil. Turismo e Sociedade, 12(2).

Brasil. Ministério da Agricultura do Abastecimento. Instrução normativa nº 01/00, de 07/01/00. Regulamento técnico geral para fixação dos padrões de identidade e qualidade para polpa de fruta. Diário Oficial da república federativa do Brasil, DF, 10 Jan. 2000, seção I, p. 54-58.

Buainain, A. M..; Batalha, M. O. (coord.). (2007). Cadeia produtiva de produtos orgânicos. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Política Agrária. Brasília, IICA/ MAPA, vol. 5.

Chã de Jardim. Blog em ação. Recuperado de: http://cha-de-jardim.blogspot.com/.

Chinellato, M. M., da Silva Scapim, M. R., Morales, D., Levorato, T. R., & Madrona, G. S. (2015). Pesquisa Quantitativa de Identificação das Oportunidades de Comercialização de Polpa Congelada de Frutas Orgânicas com Base do Perfil do Consumidor Atual. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, 8(3), 543-562.

da Matta, V. M., Freire Junior, M., Cabral, L. M. C., & Furtado, A. A. L. (2005). Polpa de fruta congelada. Área de Informação da Sede-Col Criar Plantar ABC 500P/500R Saber (INFOTECA-E).

da Silva, E. B., Cardoso, F. T., de Souza, G. G., & Almeida, A. (2013). Perfil sócio econômicos de consumidores de produtos orgânicos. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 8(2), 13.

Dantas, N. G., & Melo, R. S. (2011). Análise da metodologia de hierarquização de atrativos turísticos como instrumento para elaboração de roteiros turísticos no município de Itabaiana (PB). Caderno Virtual de Turismo, 11(1).

de Azevedo, E. (2012). Alimentos Orgânicos: ampliando conceitos de saúde humana, ambiental e social. Senac.

de Melo, P. F. C., & Brambilla, A. (2020). Roteirização e Turismo Cultural: percepção de empreendedores e turistas sobre o Roteiro Caminhos do Frio em Areia, Paraíba. Turismo e Sociedade, 12(3).

de Oliveira, A. U., & Marques, M. I. M. (2004). O campo no século XXI: território de vida, de luta e de construção da justiça social. Editora Casa Amarela.

Diniz, C. M., Reis, R. B. S., & Vieira, V. F. (2017). Coliformes Totais e Escherichia coli em Polpas de Frutas Comercializadas no Sudoeste da Bahia. ID on line Revista de Psicologia, 11(35), 180-187.

dos Santos, B. A., Teixeira, F., do Amaral, L. A., Randolpho, G. A., Schwarz, K., dos Santos, E. F., ... & Novello, D. (2019). Caracterização química e nutricional de polpa de frutas armazenadas sob congelamento. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 17(1).

Fernandes, A. R., & da Silva, C. A. B. Produção de polpa de frutas e extrato de tomate.

Fernandes, D. R. (2012). Uma visão sobre a análise da Matriz SWOT como ferramenta para elaboração da estratégia. Revista de Ciências Jurídicas e Empresariais, 13(2).

Figueiredo, A. M. D., & Souza, S. R. G. D. (2011). Como elaborar projetos, monografias, dissertações e teses: da redação científica à apresentação do texto final. Ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Fornazier, A. & Waquil, P. D (2011). importância do cooperativismo na inserção de pequenos produtores nos mercados: o caso da produção de maçã na serra catarinense. Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural.

Fundação Casa de José Américo (FCJA). Cidade de Areia. (2018). Recuperado de: https://fcja.pb.gov.br/cidade-de-areia-pb.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Editora Atlas AS.

Gilio, L. & Rennó, N. O crescimento do agronegócio realmente tem se refletido em maior renda para agentes do setor? Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – CEPEA. (2018). Recuperado em: https://www.cepea.esalq.usp.br/br/opiniao-cepea/o-crescimento-do-agronegocio-realmente-tem-se-refletido-em-maior-renda-para-agentes-do-setor.aspx#:~:text=03%2F09%2F2018,O%20crescimento%20do%20agroneg%C3%B3cio%20realmente%20tem%20se%20refletido,renda%20para%20agentes%20do%20setor%3F&text=Pela%20%C3%B3tica%20do%20mercado%20interno,redu%C3%A7%C3%A3o%20da%20pobreza%20no%20Pa%C3%ADs.

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). O Iphan na Paraíba. (2020). Recuperado de: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/347/.

Khan, A. S., Silva, L. M. R., Araújo, A. C. D., & Mayorga Mera, R. D. (2003). Estudo de mercado de polpa de frutas produzidas na região sudeste da Bahia.

Las Casa, A. L. (2000). Marketing de Varejo. 2 ed. São Paulo: Atlas.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A Construção do Saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. (Revisão técnica e adaptação da obra de Lana Mara Siman). Editora UFMG, Porto Alegre.

Low, S. A., Adalja, A., Beaulieu, E., Key, N., Martinez, S., Melton, A., ... & Jablonski, B. B. (2015). Trends in US local and regional food systems: A report to Congress.

Martins, M. A. P. (2007). Gestão Educacional: planejamento estratégico e marketing. Brasport.

Oliveira, J. R. D. (2018). “Do sítio sim, besta não!”: reciprocidade, dons e lutas simbólicas em jogo no turismo em Areia, Paraíba - Brasil. Tese de doutorado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Paraíba Criativa. Inventário: Restaurante Rural Vó Maria. (2015). Recuperado de: https://www.paraibacriativa.com.br/artista/restaurante-rural-vo-maria/.

Park, T., Mishra, A. K., & Wozniak, S. J. (2014). Do farm operators benefit from direct to consumer marketing strategies?. Agricultural Economics, 45(2), 213-224.

Pereira, J. G. B. (2019). Formação de estratégia e incrementalismo lógico no Terceiro Setor: o caso da ADESCO – Associação para o Desenvolvimento da Comunidade da Chã de Jardim. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Pierri, M., & Valente, A. (2015). A feira livre como canal de comercialização de produtos da agricultura. Anais. In 53º Congresso de Economia e Sociologia Rural. Alagoas.

Portilho, Fátima. (2005). Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. São Paulo, Ed. Cortez.

PNDF - Plano Nacional de Desenvolvimento da Fruticultura (2017). Recuperado de: http://www.agricultura.gov.br/noticias/mapa-lanca-plano-de-fruticultura-em-parceria-com-osetor-privado/PlanoNacionaldeDesenvolvimentodaFruticulturaMapa.pdf

Porter, M. E. (1985). Vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1986). Estratégia Competitiva–Técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 18ª Edição. São Paulo: Campus.

Porter, M. E. (1989). Vantagem Competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1992). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior (Vol. 1). Rio de Janeiro: Campus.

Pozzebon, L., Rambo, A. G., & Gazolla, M. (2018). As Cadeias Curtas das Feiras Coloniais e Agroecológicas: Autoconsumo e Segurança Alimentar e Nutricional. Desenvolvimento em Questão, 16(42), 405-441.

Scarabelot, M., & Schneider, S. (2012). As cadeias agroalimentares curtas e desenvolvimento local–um estudo de caso no município de Nova Veneza/SC. Revista Faz Ciência, 14(19), 101.

Sebastiany, E., Rego, E. R. D., & Vital, M. J. S. (2010). Avaliação do processo produtivo de polpas de frutas congeladas. Revista do Instituto Adolfo Lutz (Impresso), 69(3), 318-326.

Sepulcri, O., & Trento, E. J. (2010). O mercado e a comercialização de produtos agrícolas. Curitiba: Instituto Emater.

Silva, A. F. D., Minim, V. P. R., & Ribeiro, M. M. (2005). Análise sensorial de diferentes marcas comerciais de café (Coffea arabica L.) orgânico. Ciência e Agrotecnologia, 29(6), 1224-1230.

Silva, A. F. D., Minim, V. P. R., & Ribeiro, M. M. (2005). Análise sensorial de diferentes marcas comerciais de café (Coffea arabica L.) orgânico. Ciência e Agrotecnologia, 29(6), 1224-1230.

Silva, P. F. N., Kato, O. R., Martins, C. M., & Moreira, M. A. (2019). Captação de valor e canais de comercialização acessados pela cooperativa D’Irituia. Anais do Colóquio Organizações, Desenvolvimento e Sustentabilidade-CODS, 10.

Silva, R. F. D. (2018). Bases de serviço de comercialização para a agricultura familiar: contribuições para estratégias de ater na promoção de territórios rurais sustentáveis. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Souza-Seidl, R., & Billaud, J. P. (2015). O casamento entre os circuitos curtos e a agricultura de base.

Troiano, J. A. (2017). Espaços de comercialização e perfis de consumo: impactos nas escolhas e estratégias produtivas de pequenos e médios produtores orgânicos do interior paulista. (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual Paulista, São Paulo.

Vasconcelos, A. C. V. D. & Fernandes, V. D. C. (2014). Comunidade Chã de Jardim: gestão socioambiental como promotora do desenvolvimento sustentável com foco na economia solidária. Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente.

Viana, L. G., & Cruz, P. S. (2016). Reaproveitamento de resíduos agroindustriais. In IV Congresso Baiana de Engenharia Sanitária e Ambiental (pp. 1-3).

Yin, R. K. (2015). Qualitative research from start to finish. Guilford publications.

Zaccarelli, S. B. (2012). Estratégia e Sucesso nas Empresas (2ª ed). São Paulo: Saraiva.

Published

12/09/2020

How to Cite

Santos, I. M. de S. ., Laurentino, L. G. de S. ., Pessoa, T. ., & Silva, P. F. da . (2020). The study of fruit pulp commercialization: a case study of an association of producers in Paraíba. Research, Society and Development, 9(9), e899997919. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7919

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences