Developmental Coordination Disorder under the light of Inclusive Education and Human Rights

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.8059

Keywords:

Inclusive Education; Motor Skills Disorder; Human Rights; Amazonian context.

Abstract

The objective of this article is to conduct a theoretical reflection on the Developmental Coordination Disorder (DCD) from the perspective of Inclusive Education, arising from a qualitative literary review with the primary contribution of Brazilian Educational Legislation in the light of Human Rights. We approach the stages of identification of this disorder in children and adolescents, its influence on school life activities as well as the importance of the school's role, the perception of teachers in the recognition of this phenomenon and its attendance, in order to reduce school difficulties. The methodology is a bibliographic review. Our results draw the reader's attention to the prevalence of DCD, to the high rates of students with indicative of this disorder at the international, national and Amazonian levels, as well as the neglect of the special educational needs of students with this type of disorder. It is necessary for this public to be perceived, identified and recognized, since the inclusion of students with DCD is much more than a school issue, it is a matter of Human Rights.

Author Biographies

Samia Darcila Barros Maia, UFAM

Graduated in Full Degree in Pedagogy from Centro Universitário do Norte. Specialist in Higher Education Methodology at Nilton Lins University. Effective Teacher at the Amazonas State Education Secretariat - SEDUC / AM. Master's student of the Graduate Program in Education at the Federal University of Amazonas - UFAM in Research Line 4 (Special and Inclusive Education in the Amazon Context). Member of the Human Motor Behavior Study Group (LECOMH) of the Faculty of Physical Education and Physiotherapy / FEFF. I have as object of study the Teacher's Perception and the Developmental Coordination Disorder (DCD)

Cleverton José Farias de Souza, Universidade Federal do Amazonas

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Educação Física (1997) e especialização em Psicopedagogia (2006) pela Universidade Federal do Amazonas (1997), mestrado em Educação Física pela Universidade de São Paulo (2004), doutorado em Educação Física pela Universidade de São Paulo (2011) e pós-doutorado em Educação Física pela Universidade de Pernambuco. Atualmente é professor da Universidade Federal do Amazonas. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: criança, atividades motoras, coordenação motora, atividade física, educação e transtorno do desenvolvimento da coordenação.

Lúcio Fernandes Ferreira, Universidade Federal do Amazonas

Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação/PPGE-FACED/Universidade Federal do Amazonas. Doutor em Ciências, área de concentração Biodinâmica do Movimento Humano, pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo. Mestre em Educação Física, área de concentração Biodinâmica do Movimento humano, pela Universidade de São Paulo (2004). Especialização em Ciência e Técnica da Natação pelas Faculdades Integradas Castelo Branco (1992). Possui Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade de Taubaté (1987). Atualmente é professor Adjunto C Nível I da Universidade Federal do Amazonas/UFAM. É líder do Grupo de Estudos em Comportamento Motor Humano (LECOMH) da Faculdade de Educação Física e Fisioterapia/FEFF. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física Escolar, atuando principalmente nos seguintes temas: Desenvolvimento Motor, Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação (Desordem da Coordenação do Desenvolvimento); Pedagogia do Movimento e Educação Inclusiva.

References

American Psychiatric Association (APA). (2000). Diagnostic and Statistical manual of mental disorders. Washington, DC. 4. ed. rev.

American Psychiatric Association (APA). (2013). Diagnostic and Statistical manual of mental disorders. Washington, DC. 5. ed. rev.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Imprensa Oficial.

Brasil. (2008) Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: SEESP/MEC.

Brasil. (1990). Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e dá outras providências. Brasília. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.

Brasil. (1994). Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO.

Bratifische, Sandra Aparecida. (2003). Avaliação em educação física: um desafio. Maringá, R. da Educação Física/UEM,v. 14, n. 2, p. 21-31, 2.

Barnett, A. L, et al. (2007). Review of the Movement ABC Checklist – Second Edition. Fremantle, Western Australia. In: 8th Motor Control and Human Skill Conference, 2007, Fremantle.Anais do 8th Motor Control and Human Skill Conference, p.250.

Cabral, G. C. F., (2018). Prevalência de crianças com provável transtorno do desenvolvimento da coordenação: um saber necessário para inclusão educacional no contexto amazônico. Manaus. Dissertação- Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas.

Cairney, John, et al. (2005). Developmental Coordination Disorder, Generalized Self-Efficacy Toward Physical Activity, and Participation in Organized and Free Play Activities. Toronto. The Journal of Pediatrics.

Costa, K., Almeida, I., & Lupatin, M. (2020) Labor reform from the human rights perspective. Vargem Grande Paulista. Research, Society and Development, 9(7): 1-20, e427974058.

Coutinho, M.T., et al. (2011). Transtorno do desenvolvimento da coordenação: prevalência e dificuldades motoras de escolares da cidade de Porto Alegre. Porto Alegre. Anais do XVII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e IV Congresso Internacional de Ciências do Esporte em Porto Alegre; ISSN: 2175-5930.

França, C. (2008). Desordem coordenativa desenvolvimental em crianças de 7 e 8 anos de idade. Santa Catarina. Dissertação (mestrado) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis.

Ferreira, M.C., & Guimarães. (2003). Educação Inclusiva. Rio de Janeiro. Rio: DP&A.

Ferreira, L.F., & Freudenhein, A.M. (2010). Identificação de crianças com transtorno do desenvolvimento da coordenação: a lista de checagem do teste MABC em foco. São Paulo. Salto, SP: Schoba.

Ferreira, L. F., et al. (2015). Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação: discussões iniciais sobre programas de intervenção. Ji-Paraná. Revista Acta Brasileira de Movimento Humano, v. 5, n. 1, p. 42-65.

Ferreira, Maria Cecília Carareto, & Ferreira, Júlio Romero. (2004). Sobre inclusão, políticas públicas e práticas pedagógicas. Políticas e práticas de educação inclusiva. São Paulo. Autores Associados, p. 21-48.

Fonseca, Eneida Simões. (2003). Atendimento escolar no ambiente hospitalar. São Paulo. Memnon 2. Ed.

Folio, R., & Fewell, R. (2000). Peabody Developmental Motor Scales-2. Austin, TX. Faculty of Human Motricity. Pro-1. Ed.

Goyen, T., & Lui, K. (2009). Longitudinal motor development of “apparently normal” high-risk infants at 18 months, 3 and 5 years. London. Early Human Development, v.70, no.1-2, P. 103-115.

Glat, Rosana. (1998). Inclusão total: mais uma utopia? São Paulo. Revista Integração. n° 20. P26-28.

Gil, A.C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo. 5. Ed. Atlas.

Girisha, Srilatha, et al. (2016). Nieuwe Hemweg. Prevalence of developmental coordination disorder among mainstream school children in India. Nova Delhi. Journal of Pediatric Rehabilitation Medicine: An Interdisciplinary Approach 9, 107–116.

Haddad, Fernando. (2008). Inclusão. Revista Educação Especial. Brasília. v. 4, n. 1, p. 4-6, jan./jun.

Henderson, S. E., et al. (2007). Movement assessment battery for children: examiner’s manual. (2nd ed.). London: Harcourt Assessment.

Huau A., et al. (2015). Graphomotor skills in children with developmental coordination disorder (DCD): handwriring and learning a new letter. Salt Lake City. Human Movement Science. 42: 318-32.

Kadesjö, & Gillberg C.J. (1999). A Developmental coordination disorder in Swedish 7-year-old children. New York. Acad Child Adolesc Psychiatry. Jul;38(7):820-8.

Lingman, R., et al. (2009). A prevalence of Development Coordination Disorder Using the DSMIV at 7 years of age: a UK population-based study. Nashville, TN. Pediatrics, vol. 123, p. 692- 700.

Luckesi, C. C. (1986). Avaliação educacional escolar: para além do autoritarismo. Brasília. Revista de Educação AEC, v. 15,n. 60, p. 23-37, 1986.

Magalhães, L. C., et al. (2011). Activities and participation in children with developmental coordination disorder: A systematic review. Research in Developmental Disabilities, 32, 1309-1316.

Mantoan, M.T.E. (1998). Ensino inclusivo/educação (de qualidade) para todos. São Paulo. Revista Integração, n° 20, p 29-32, 1998.

Milander, M, et al. 2016). Prevalence and effect of developmental coordination disorder on learningrelated skills of South African grade one children. South African Journal for Research in Sport, Physical Education and Recreation p.49-62.

Missiuna, C., et al. (2003) Early idenfication and risk management of children with Developmental coordination Disorder. Los Angeles. Pediatric Physical Therapy. 15, p. 32-38.

Missiuna, C., et al. (2011). Crianças com Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação: em casa na sala de aula e na comunidade. Hamilton. Can Child, Centre for Childhood Disability Research, McMaster University.

Organização Mundial da Saúde (OMS). (1989). Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. São Paulo. Centro Colaborador a Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais, org.; coordenação da tradução Cassia Maria Buchalla. Editora da Universidade de São Paulo – EDUSP.

Paro, Vitor Henrique. (2007). Gestão escolar, democracia e qualidade do ensino. São Paulo: Ática.

Pearsall-Jones, et al. (2009). An investigation into etiological pathways of DCD and ADHDusing a monozygotic twin design. Cambridge. Twin Research & Human Genetics, 12(4), 381–391.

Peters, J. M., & Henderson, S. E. (2008). Understanding developmental coordination disorder (DCD) and its impact in families: the contribution of single case studies. St Lucia QLD 4072, Austrália. Internacional Journal of Disability, Development and Education, 55(2):97-111.

Rodrigues D. (2001). A Educação Física perante a Educação Inclusiva: reflexões conceptuais e metodológicas. Boletim da Sociedade Portuguesa de Educação Física. Coimbra. 24/25, pp. 73-81.

Sant’ana, I. M. (2005). Educação Inclusiva: concepções de professores e diretores. Psicologia em estudo. Maringá, v. 10, nº. 2, p. 227-234, mai /ago.

Schoemaker, M. M. et al. (2008). Validity of the motor observation questionnaire for teachers as a screening instrument for children at risk for developmental coordination disorder. Salt Lake City. Human Movement Science, v. 27, p. 190–199.

Silva, J., & Beltrame, T. S. (2013). Indicativo de Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação de escolares com idade entre 7 e 10 anos. Florianópolis. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Florianópolis, v. 35, p.3-14.

Smiths-Engelsman, B.C.M, et al. (2011). Is Movement Assentment Baterry for Children- 2nd edition a realiable instrument to measure motor performance in 3-year-old children? London. Research in Developmental Disabilities, v. 32.

Santos, V. A. P., & Vieira, J. L. (2012). Prevalência de desordem coordenativa desenvolvimental em crianças com 7 a 10 anos de idade. São Paulo.Ver. Bras. Cineantropom Hum, v. 15, p.223-242.

Souza, C. J. F., et al. (2007). O teste ABC do movimento para crianças de ambientes diferentes. Porto. Revista Portuguesa de Ciência do Desporto, v. 7 n° 1, p. 36-47.

Souza, P.R.F & Vasconcelos, A.L.C. (2017). Educação inclusive e diversidade: a prática do docente no cotidiano escolar no contexto amazônico. Manaus. Metodologia, educação especial e inclusão no contexto da globalização. P44-61.

Sugden, D., & Sugden, L. (1991). The assessmente of movement skill problems in 7- and 9-years old children. Birminghan. Britsh Journal of Education Psychology. v. 61, p. 329-345.

Sugden, D.A., & Wright, H.C. (1998). Motor Coodination disorderes in children. London: Sage.

Tsiotra, G. D., et al. (2006). A comparison of developmental coordination disorder prevalence rates in Canadian and Greek children. Philadelphia. Journal of Adolescent Health, v. 39, p. 125-127.

Ulrich, Dave.(2000). Recursos humanos estratégicos: novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura.

Valentini, N. C., et al. (2011). Prevalência de déficits motores e desordem coordenativa desenvolvimental em crianças da região sul do Brasil. São Paulo. Revista Paulista de Pediatria. 30(3); 377-84.

Valentini, N. C., et al. (2014). Developmental coordination Disorder in socially disadvantaged Brazilian children. John Wiley and Sons Ltd, Child: care health and development, 41, 6, 970-979.

Vles, J., et al. (2004). Maastrichtse Motoriek Test. Pits BV, Leiden.

Wann, J. (2007). Current approaches to intervention in children with developmental coordination disorder. Developmental Medicine and Child Neurology, 19, 405-405.

Wilson, P. H., et al. (2007). The Developmental Coordination Disorder Questionnaire. Calgary, Canada: Alberta Children’s Hospital Decision Support Research Team.

Zimmer, R., & Volkamer, M. (1987). Manual Motoriktest fur vier-bis sechsjaehrige kindern, MOT 4-6. Weinheim. Beltz Test gesellschaft.

Published

11/09/2020

How to Cite

Maia, S. D. B., Souza, C. J. F. de, & Ferreira, L. F. (2020). Developmental Coordination Disorder under the light of Inclusive Education and Human Rights. Research, Society and Development, 9(9), e869998059. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.8059

Issue

Section

Education Sciences