Sanitary hygienic conditions of food services in Brazil: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8156

Keywords:

Food Handling; Good habits; Health Surveillance; Health legislation.

Abstract

The purpose of this review was to evaluate the scientific production related to sanitary hygienic conditions in food services in Brazil. The Databases used in the research: Scielo, Lilacs, and PubMed, with the search for scientific productions from 2013 to 2018. Inclusion criteria: complete scientific publications, addressing the themes of food hygiene, good practices in food services, prepared and published in national territory, with Portuguese language. Exclusion criteria were scientific productions published outside the established period, literature reviews, international publications, theses, dissertations, editorials, epidemiological bulletins and letters to the editor. 33 articles were found in the research, but only 24 met the eligibility criteria. There was a considerable increase in scientific production in the North and Northeast regions. However, there was an increase in non-conformities in relation to the knowledge of good practices on the part of the handlers, insufficient inspection in the establishments, greater conformity in relation to the facilities and equipment hygiene and a greater number of non-conformities in relation to the required legal documentation and mandatory records. . The number of publications covering the topic of hygiene and sanitary surveillance of food services has been growing in Brazil, making it necessary to intervene based on published studies so that the number of conformities is more and more adequate to RDC no. 216/2004, thus aiming at a considerable reduction of contamination risks. There is a need for frequent inspection of the bodies responsible for registrations and other legal documentation necessary for the active operation of food service establishments in the country.

References

ABERC. Associação Brasileira de Empresas de Refeições Coletivas. História e Mercado. Recuperado de https://www.aberc.com.br/conteudo.asp?IDMenu=21

Almeida, E. B., Henn, R., Bartholo, S., & Feder, D. (2016). Condições higiênico-sanitárias de estabelecimentos de alimentação de um parque multitemático no Vale do Itajaí, Santa Catarina, Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional, 23(2), 904-911. https://doi.org/10.20396/san.v23i2.8645947

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC nº 216, de 15 de novembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de alimentação. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 set. 2004; Seção1. Recuperado de http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/388704/RESOLU%25C3%2587%25C3%2583O-RDC%2BN%2B216%2BDE%2B15%2BDE%2BSETEMBRO%2BDE%2B2004.pdf/23701496-925d-4d4d-99aa-9d479b316c4b.

Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 275 de 21 de outubro de 2002. Dispõe o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e Lista de Verificação de Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 out., 2002. Seção 1. Recuperado de http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_275_2002_COMP.pdf/fce9dac0-ae57-4de2-8cf9-e286a383f254

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual integrado de vigilância, prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010. Recuperado de https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/17/Apresentacao-Surtos-DTA-2018.pdf .

Carvalho, E. S., Sousa D. S., Ferreira A. M., & Dourado L. P. S. (2018). Condições higiênico-sanitárias de food trucks localizados em instituições de ensino superior privadas do Distrito Federal. Hig. Alimentar, 32, 284-285.

Costa, C. P., & Silva, E. A. Jr. (2016). Condições higiênico-sanitárias das barracas de alimentos prontos, comercializados nas feiras de arte, artesanato e antiguidades da subprefeitura da Sé – São Paulo. Hig. Alimentar, 30(260-261), 50-54.

Costa, M. C., Damacena, S. S., Silva, J. N., & Silva, I. M. M. (2017). Condições higiênico-sanitárias de food trucks em uma cidade do Recôncavo da Bahia. Magistra, 29(3/4), 328-334.

Figueiredo, R. P., & Ribeiro, M. C. S. (2013). Avaliação das condições higiênico-sanitárias de cantinas de escolas particulares da cidade de São Luís, MA. Hig Alimentar, 27, 226-227. https://doi.org/10.3395/2317-269x.00479

Gomes, J. A., Silveira J. T., Moura F. A., & Almeida L. C. (2016). Avaliação das condições higiênicas em uma unidade de alimentação e nutrição de uma organização militar. Higiene Alimentar, 30(254-255), 61- 65.

Gomes, R. N., Santos C. N. C., & Lago E. C. (2016). Adequação higiênico-sanitária de unidades de alimentação de escolas públicas em Município do Maranhão. Higiene Alimentar, 30, 260-261.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Comer fora de casa consome um terço das despesas das famílias com alimentação. Recuperado de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25607-comer-fora-de-casa-consome-um-terco-das-despesas-das-familias-com-alimentacao.

Lyra, G. R., Motta, M. C. M., & São josé, J. F. B. (2017). Avaliação das condições higiênico sanitárias em restaurantes comerciais de Vitória, ES. Rev. Inst. Adolfo Lutz, 76(1), 1722.

Lopes, L. L., Silveira, J. T., & Floriano, J. M. (2015). Condições higiênico-sanitárias de serviços de alimentação em hotéis de Urugaiana, Rio Grande do Sul –RS. Nutrivisa, 2(1),16-21.

Lopes, N. M., & Ferreira, L. C. (2016). Avaliação da higienização e sanitização em açougues da cidade de Januária, MG. Higiene Alimentar, 30(262-263), 89-93.

Maia, M. O. (2008). Avaliação das condições higiênico-sanitárias de uma lanchonete no município de Limoeiro do Norte – CE. Revinter,10(1),45-46. https://doi.org/10.22280/revintervol10ed1.259

Martins, D.A., Carneiro, J. L., Pereira, J. C., Cordovil, S. R., & Silva, B. A. (2016). Avaliação das condições higiênico-sanitárias em pizzarias na cidade de Marabá, Para, Brasil. Scientia Plena, 12, 069927. https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.069927

Mendes, K. Dal S., Silveira, R. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & Contexto - Enfermagem, 17(4), 758-764. https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Ponath, F. S., Valiatti, T. B., Sobral, F. O. S., Romão, N. F., Alves, G. M. C., & Passoni, G. P. (2016). Avaliação da higienização das mãos de manipuladores de alimentos do Município de Ji-Paraná, Estado de Rondônia, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude, 7(1),63-69. http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232016000100008

Reis, H. F., Flávio, E. F., & Guimarães, R. S. P. (2015). Avaliação das condições higiênico-sanitárias de uma unidade de alimentação e nutrição hospitalar de Montes Claros, MG. Montes Claros, 17(2), 69-81.

Santos, J. M., & Ferreira, L. C. (2018). Condições higiênico-sanitárias em uma escola pública do município de Januária – MG antes e após o treinamento dos manipuladores de alimentos. Cad. Ciênc. Agrá., 11, 01-07. https://doi.org/10.35699/2447-6218.2019.12285

Santos, E. R. S., Santos, T. C., Soares, L. S., & Dias, R. M. F. (2018). Avaliação da aplicação de boas práticas na comercialização de água côco em quiosques localizados em Salvador, BA. Higiene Alimentar, 32(278/279), 46-51

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Tendências para alimentação fora do lar. Recuperado de https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/ms/artigos/tendencias-para-alimentacao-fora-do-lar,65f779202b07e410VgnVCM1000003b74010aRCRD

Silva, A. C. Jr., Ferreira, L., & Frazão, A. (2017). Avaliação da condição higiênico-sanitária na comercialização de pescado da feira do produtor rural do Buritizal, Macapá-Amapá. Life Style, 4(1), 71-81. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v4.n1.p71-81

Soares, D. S. B., Henriques, P., Ferreira, D. M., Dias, P. C., Pereira, S., & Barbosa, R. M. S. (2018). Boas Práticas em Unidades de Alimentação e Nutrição Escolares de um município do estado do Rio de Janeiro – Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(12), 4077-4083. https://doi.org/ 10.1590/1413-812320182312.23992016

Skailo, M., & Machado, A. D. (2017). Condições Higiênicos sanitárias na produção de alimentos em panificadores de dois municípios do Sudoeste paranaense, PR. Higiene Alimentar, 31, 274-275.

Susin, V., Pereira, F. B., Gregoletto, M. L. O., & Cremonese, C. (2017). Condições higiênico-sanitárias, estruturais e de funcionamento de Unidades de Alimentação e Nutrição. Vigil. sanit. Debate, 5(1), 60-68. https://doi.org/10.22239/2317-269x.00820

Texeira, A. C., Toniato, T. S., Pereira, J. Q., & Traspaldini, L. S. (2016). Boas Práticas na manipulação de alimentos em restaurantes comerciais em self service. Higiene Alimentar, 30, 258-259.

Vasconcelos, R. M., Tancredi, R. C. P., & Marin, V. A. (2017). Condições higiênico sanitárias na produção de alimentos em creches públicas na cidade do Rio de Janeiro – RJ. Higiene Alimentar, 31, 264-265.

Published

17/09/2020

How to Cite

FERREIRA, C. A. .; LIMA, V. S. de .; AGUIAR, L. P. Sanitary hygienic conditions of food services in Brazil: an integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 10, p. e499108156, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i10.8156. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/8156. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences