Factors of interruption of enteral nutrition in adult intensive care units: integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.8188

Keywords:

Nutritional therapy; Enteral nutrition; Critical care.

Abstract

Objective: to identify in the literature the main factors of interruption of enteral nutrition in adult intensive care units. Method: integrative literature review, made possible through data collection in the LILACS, Medline and Scopus databases, with chronological cut from 2010 to 2020. The search descriptors were used: “Nutrição Enteral” or “Enteral Nutrition”, “ Cuidados Críticos ”or“ Critical Care ”,“ Desnutrição ”or“ Malnutrition ”. Results: Of the 10 articles selected for reading and analysis, it was possible to identify that the main reasons for interruption of enteral diet were: 08 (80%) break for exams, procedures and surgeries, 06 (60%) gastrointestinal intolerance, 03 (30% ) extraction or difficulties with enteral access, 02 (20%) diarrhea and 02 (20%) due to clinical instability. Conclusion: The research allowed to identify in the literature the main factors causing interruption of enteral diet in intensive care units, pointing to some similarity between different countries and scenarios. Emerging in this way, the recommendation of new research on the topic, which proposes to evaluate the knowledge of health professionals about the theme of nutritional therapy, in order to guide the development of educational and training plans.

Author Biographies

Denis dos Santos Pinheiro, Universidade Federal Fluminense

Mestrando em Ciências do Cuidado em Saúde. Universidade Federal Fluminense (UFF), Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EAAC). Niterói, RJ – Brasil.

Especialista em Enfermagem Gerontológica. Universidade Federal Fluminense (UFF), Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EAAC). Niterói, RJ – Brasil.

Especialista em Terapia Nutricional e Nutrição Clínica. Universidade Anhembi Morumbi. São Paulo, SP – Brasil.

Graduado em Enfermagem. Universidade Iguaçu (UNIG). Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde (FaCBS). Nova Iguaçu, RJ – Brasil.

Fátima Helena do Espírito Santo, Universidade Federal Fluminense

Professora Associada do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgico, Universidade Federal Fluminense (UFF). Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAC), Niterói, RJ -Brasil.

Doutora em Enfermagem. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Escola de Enfermagem Anna Nery (EEAN). Rio de Janeiro, RJ -Brasil.

Mestre em Enfermagem. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Escola de Enfermagem Anna Nery (EEAN). Rio de Janeiro, RJ -Brasil.

Graduada em enfermagem. Universidade Federal Fluminense (UFF). Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAC), Niterói, RJ -Brasil.

Wanderson Alves Ribeiro , Universidade Federal Fluminense

Doutorando em Ciências dos Cuidado em Saúde.
Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAC), Niterói, RJ -Brasil.

 

Mestre em Ciências dos Cuidado em Saúde.
Universidade Federal Fluminense, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa (EEAC), Niterói, RJ -Brasil.

Especialista em Enfermagem em UTI Neonatal e Pediátrica. Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Venda Nova do Imigrante – ES - Brasil.

 

Especialista em Nefrologia Multidisciplinar. Universidade Federal do Maranhão (UFMA). São Luís, MA - Brasil.

Especialista em Gestão de Redes de Atenção à Saúde. Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Rio de Janeiro, RJ - Brasil.

Especialista em Informática em Saúde. Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). São Paulo, SP - Brasil.

Especialização em Enfermagem em Alta Complexidade com Ênfase em CTI. (Carga Horária: 378h).
Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO). Duque de Caxias, RJ - Brasil.


Especialista em Saúde da Família. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, (UNIRIO). Rio de Janeiro, RJ - Brasil.

Graduado. ABEU Centro Universitário (UNIABEU). Belford Roxo, RJ - Brasil.

Bruna Porath Azevedo Fassarella, Universidade de Vassouras

Mestranda em Ciências Ambientais. Universidade Severino Sombra (USS). Vassouras, RJ - Brasil.

Pós-graduada em Enfermagem em Pediatria e Neonatologia. (Carga Horária: 720h).
Faculdade Venda Nova do Imigrante (FAVENI). Venda Nova do Imigrante – ES - Brasil.

 

Especialista em Educação em Saúde para Preceptores do SUS. Hospital Sírio Libanês (HSL). São Paulo, SP - Brasil.

Graduada em Enfermagem. Universidade do Grande Rio (UNIGRANRIO), Duque de Caxias, RJ - Brasil.

References

Alves, A. H. R. & Borges, S. (2019). Indicadores de qualidade em terapia enteral: avaliação da assistência nutricional ao paciente hospitalizado. Braspen Journal, 34 (1): 77-82. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: http://arquivos.braspen.org/journal/jan-fev-mar-2019/artigos/10-AO-Indicadores-de-qualidade.pdf.

Azevedo, L. C. P., Taniguchi, L. U., Ladeira, J. P. & Besen, B. A. M. P. (2019). Medicina Intensiva: Abordagem Prática (4ª ed.). São Paulo: Manole.

Barros, J. R., Lobo, I. M. F., Soares, F. M. & Almeida, D. S. S. F. (2018). Fatores associados à diarreia em uma unidade de terapia intensiva: estudo de coorte. Nutrición Clínica y Dietética Hospitalaria, 38 (2): 122-127. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://revista.nutricion.org/PDF/JRODRIGUES.pdf

Borges, A.C.N., Bezerra, J.B., Costa, A.L., Luz, L.V., Bezerra, F.C.L., Soares, M.A. A., Gonçalves, J. N. A., Lima, P. A. F., Melo, S.R. S. & Miranda, K. L. (2020). Tratamento dietoterápico em pacientes com sepse: uma revisão. Research, Society and Development, 9 (3), e63932111. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.researchgate.net/publication/340238382_Tratamento_dietoterapico_em_pacientes_com_sepse_uma_revisao/link/5e7ead33a6fdcc139c0c5239/download.

Carvalho, C. A. L. B., Carvalho, A. A., Nogueira, P. L. B. & Aguillar-Nascimento, J. E. (2017). Mudando Paradigmas em jejum Pré-operatório: Resultados de um Mutirão em Cirurgia pediátrica. ABCD Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva, 30(1):7-10. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202017000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

Chadu, I. L. S. J. (2018). Estabelecimento de critérios para posicionamento e reposicionamento da sonda de alimentação em pacientes adultos em estado crítico. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/22946

Chapple, L. S., Deane, A. M., Heyland, D. K., Kranz, A. J., Williams, L. T. & Chapman, M. J. (2016). Energy and protein deficits throughout hospitalization in patients admitted with a traumatic brain injury. Clinical Nutrition, 35 (6): 1315-1322. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0261561416000662.

Chaves, L. M. & Campos, J. S. P. (2019). Abreviação do jejum e suporte nutricional pré-operatório em cirurgias eletivas: Uma revisão sistemática. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 35 Supl. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/2210/1130.

Keng F.Y., Vineya R. & Kang, K. (2014). Evaluation of delivery of enteral nutrition in mechanically ventilated Malaysian ICU patients. BMC Anesthesiology, 14(1):127. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4292820/.

Lichtenberg, K., Guay-Berry P., Pipitone, A., Bondy, A. & Rotello, L. (2010). Compensatory increased enteral feeding goal rates: a way to achieve optimal nutrition. Nutrition in Clinical Practice 25(6):653-657. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21139131/.

Luiz, M. G., Carpenedo, F. B. & Contini, L. F. (2018). Terapia nutricional enteral em pacientes graves: início precoce ou tardio? Braspen Journal, 33 (3): 221-226. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: http://arquivos.braspen.org/journal/jul-ago-set-2018/02-%20AO%20Terapia%20Nutricional%20enteral%20pacientes%20graves.pdf.

McClave, S. A., Taylor, B. E., Martindale, R. G., Warren, M. M., Johnson, D. R., Braunschweig, C., McCarthy, M. S., Davanos, E., Rice, T.W., Cresci, G. A., Gervasio, J. M.,

Sacks, G. S., Robert,s P. R. & Compher, C. (2016). Guidelines for the Provision and Assessment of Nutrition Support Therapy in the Adult Critically Ill Patient: Society of Critical Care Medicine (SCCM) and American Society for Parenteral and Enteral Nutrition (ASPEN). Journal of Parenteral and Enteral Nutrition, 40(2):159-211. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.nutritioncare.org/uploadedFiles/01_Site_Directory/Guidelines_and_Clinical_Resources/EN_Pathway/McClave_et_al-2016-Journal_of_Parenteral_and_Enteral_Nutrition.pdf.

Medeiros, L. C. F., Pádua, C. S., Medeiros, I. M. S., Nascimento, M. S. M., Amaral, T. L. M. & Prado, P. R. (2018). Fatores de risco para falha no alcance do valor energético total em uma unidade de terapia intensiva. Saúde e Pesquisa, 11 (2): 337-346. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/6459/3252.

Peev MP, et al. (2014). Causes and Consequences of Interrupted Enteral Nutrition: A Prospective Observational Study in Critically Ill Surgical Patients. Journal of Parenteral and Enteral Nutrition, 39(1): 21–27. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4402286/.

Pereira A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Pereira, S. R. M., Coelho, M. J., Mesquita, A. M. F., Teixeira, A. O., Graciano, A. S., et al. (2013). Causas da retirada não planejada da sonda de alimentação em terapia intensiva. Acta Paulista de Enfermagem, 26 (4): 338-344. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010321002013000400007&script=sci_abstract&tlng=pt

Ramakrishnan, N., Daphnee, D. K., Ranganathan, L. & Bhuvaneshwari, S. (2014). Critical care 24 × 7: But, why is critical nutrition interrupted? Indian Journal of Critical Care Medicine, 18(3):144-148. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3963197/.

Resolução COFEN 277/2003: Dispõe sobre a ministração de Nutrição Parenteral e Enteral. Brasília. Recuperado em 10 de agosto 2020, em: http://www.cofen.gov.br/wpcontent/uploads/2012/03/Resolucao_277_2003_anexo.PDF.

Ribeiro, L. M. K., Oliveira Filho, R. S., Caruso, L., Lima, P. A.., Damasceno, N. R. T. & Soriano, F. G. (2014). Adequação dos balanços energético e proteico na nutrição por via enteral em terapia intensiva: quais são os fatores limitantes? Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 26(2):155-162. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2014000200155

Ritter, C. G., Medeiros, I. M. S., Pádua, C. S., Gimenes, F. R. E., & Prado, Patrícia Rezende do. (2020). Fatores de risco para a inadequação proteico-calórica em pacientes de unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 31(4): 504-510. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-507X2019000400504&script=sci_arttext.

Sampaio, I.R., Ferrari, T. K. V., Toso, T. P., Duarte, L. M., Luzzi, L. C., Souza, V. V. & Mezzomo, T. R. (2019). Análise da adequação dos indicadores de qualidade em terapia nutricional enteral em uma unidade de terapia intensiva. Research, Society and Development, 8(12), e468121941. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/1941.

Sandoval, L.C.N. & Chaud, D.M.A. (2016). Adequação da terapia nutricional enteral em pacientes críticos: uma revisão. Revista Disciplinarum Scientia: Ciências da saúde, 3 (17): 450-472. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumS/article/view/2146.

Santana, M. M. A., Vieira, L. L., Dias, D. A. M., Braga, C. C.& Costa, R. M. (2016). Inadequação calórica e proteica e fatores associados em pacientes graves. Revista de Nutrição, 29(5): 645-654. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732016000500645.

Santos, H. V. D. & Araújo, I. S. (2019). Impacto do aporte proteico e do estado nutricional no desfecho clínico de pacientes críticos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 31 (2): 210-216. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2019000200210.

Silva, A. F., Coelho, M.D, Paz, F.A.N. & Carvalho, T. M. (2017). Revista Saúde em Foco, 4 (1): 94-108. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://pdfs.semanticscholar.org/109b/988a92e3364a44a94c377e4504cbf6742859.pdf.

Silva, A. S. T., Pinto, R. L. G. & Rocha, L. R. (2020). Prevenção de eventos adversos relacionados à sonda nasogástrica e nasoenteral: uma revisão integrativa. Journal of Nursing and Health, 10(n.esp.): e20104003. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/16947

Sociedade Brasileira de Nutrição Enteral e Parenteral. (2018). Diretriz Brasileira de Terapia Nutricional no Paciente Grave. Braspen Journal, 33(Supp 1):2-36. Recuperado em 10 de agosto 2020, de: portaldoconhecimentosus.com.br›ccad›download.

Published

15/09/2020

How to Cite

Pinheiro, D. dos S., Santo, F. H. do E. ., Ribeiro , W. A., & Fassarella, B. P. A. (2020). Factors of interruption of enteral nutrition in adult intensive care units: integrative review. Research, Society and Development, 9(9), e985998188. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.8188

Issue

Section

Health Sciences