Institutional obstetric violence in childbirth and birth: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9546

Keywords:

Violence in women; Obstetric violence; Women's health; Hospital violence; Humanized assistance.

Abstract

Objective: This article aims to develop an analysis through an integrative review on the relationship between women's health and obstetric violence in the context of childbirth and birth in Brazil. Method: This is an integrative review, whose research method is an essential tool, as it allows analysis through a literature review in a broad and systematic way, in addition to disseminating scientific data produced by other authors. Results: Within the hospital environment, pregnant women are received in a hostile environment, where verbal violence is practically certain in their first contacts. Hospital routines cause isolation of parturients and their families and even companions, with inappropriate procedures such as vaginal touching without the necessary and repetitive care, the restriction of obstetric milk. Conclusion: it appears that the proposed reflections sought to elucidate the main reasons and to raise the awareness of everyone involved, from professionals working with assistance to class entities to the theme.

Author Biographies

Henrique de Souza Medeiros Neto, Centro Universitário Fametro

Acadêmico do curso de graduação de enfermagem do Centro Universitário FAMETRO

Henrique Gabriel de Lima Lopes, Centro Universitário Fametro

Acadêmico do curso de graduação de enfermagem do Centro Universitário Fametro

Hilme Castro da Silva , Centro Universitário Fametro

Acadêmico do curso de graduação de enfermagem do Centro Universitário Fametro ,cursando especialização em urgência e emergência.  Técnico de enfermagem pelo Liceu de ensino contemporâneo (2012), Especialização em nivel tecnico em urgencia e emergência, Instrumentador Cirúrgico,  Enfermagem do trabalho  e Atualização em curativos. Atualmente técnico em enfermagem socorrista na empresa Hospital Domiciliar do Brasil - Bringel.

Greicy Kelly de Lyra Marques, Centro Universitário Fametro

Acadêmica de enfermagem do Centro universitário fametro. Técnica em Enfermagem pela instituição Literatus desde do 2015 .
Especialização em urgência e emergência em nivel técnico  em 2019 .
Atualmente técnica em enfermagem na fundação Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado  desde 2018.

Eurides Souza de Lima, Centro Universitário Fametro

Enfermeira, Graduada pelo Centro Universitário Nilton Lins. Especialista em Enfermagem em Suporte Avançado de Vida em Urgência e Emergência, Saúde Publica com Ênfase na Saúde da Família. Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Amazonas -UFAM em ampla Associação com a Universidade Estadual do Pará - UEPA. Trabalhou no Centro de Educação Tecnológica do Amazonas - CETAM, no Distrito Sanitário Especial Indígena - DSEI-Alto Rio Solimões ocupando o cargo de enfermeira e coordenadora do polo-base de Tonantins-AM. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC como professora, na Faculdade Estácio Amazonas como preceptora, docente e supervisora de estágio em enfermagem. Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas - ESA/UEA como docente temporária no curso de enfermagem. Coordenadora do curso de Qualificação Profissional em Saúde Indígena do Núcleo de Treinamento em Saúde. Atualmente é docente do Instituto Metropolitano de Ensino - IME e docente substituta da Escola de Enfermagem de Manaus da Universidade Federal do Amazonas - EEM/UFAM. Faz parte do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica-PROMICT como orientadora, membra do grupo de pesquisa em saúde coletiva em enfermagem como coordenadora da linha pesquisa saúde do idoso e membra do grupo de estudo e pesquisa em saúde com populações em situação de vulnerabilidade na Amazônia - EEM/UFAM.

Dhayanna Cardoso Lima, Centro Universitário Fametro

Bacharel em Enfermagem pelo Centro universitário de Manaus (Ceuni-FAMETRO 2015-2019). Pós graduanda em Urgência e emergência (SINGULAR) e Pós graduanda em Docência em Enfermagem. Participou do programa de iniciação cientifica e tecnológica da Fametro (PROMICT). Monitoria nas disciplinas de Anatomia Humana, Saúde das populações Indígena, ribeirinhas e étnico-raciais e Saúde do idoso. Participou da comissão organizadora do Congresso Cientifico Fametro (2018) e como monitora do 71° Congresso Brasileiro de Enfermagem (2019). Participou do Projeto de Atividade Curricular de Extensão (PACE) para prevenção de lesão por pressão, atuou como voluntária do Programa de Atenção à Saúde do Idoso (PROASI), um programa de Extensão da Universidade Federal do Amazonas/UFAM (2019), e membra da Liga Amazonense de Educação em Saúde (LAES), Participou como voluntária no projeto de extensão Chá com Ciência (UFAM) e atuou como Enfermeira voluntária na Casa do idoso São Vicente de Paulo (2019). Atualmente professora/instrutora do curso técnico em enfermagem na instituição Liceu de Ensino Contemporâneo e na Institução CEMETRO.

References

Aguiar, M. I. F. D., Freire, P. B. G., Cruz, I. M. P., Linard, A. G., Chaves, E. S., & Rolim, I. L. T. P. (2010). Sistematização da assistência de enfermagem a paciente com síndrome hipertensiva específica da gestação.

Alexandre, A. F. (2010). O corpo na preparação para o parto: a psicoprofilaxia na Gestação. Anais do, 15.

Andrade, P. D. O. N., Silva, J. Q. P. D., Diniz, C. M. M., & Caminha, M. D. F. C. (2016). Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 16(1), 29-37.

Barbosa, L. D. M. M. (2016). Desenvolvimento de tecnologias sociais na área da saúde da mulher: intervenções em nível comunitário com gestantes.

Barboza, L. P., & Mota, A. (2016). Violência obstétrica: vivências de sofrimento entre gestantes do Brasil. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 5(1).

Berger, S. M. D., Giffin, K. M. (2011), Serviços de saúde e a violência na gravidez: perspectivas e práticas de profissionais e equipes de saúde em um hospital público no Rio de Janeiro. Comunicação Saúde Educação, 15(37) 391-405

Biscegli, T. S., Grio, J. M., Melles, L. C., Ribeiro, S. R. M. I., & Gonsaga, R. A. T. (2015). Violência obstétrica: perfil assistencial de uma maternidade escola do interior do estado de São Paulo. CuidArte, Enferm, 18-25.

Brandt, G. P., de Souza, S. J. P., Migoto, M. T., & Weigert, S. P. (2018). Violência obstétrica: a verdadeira dor do parto.

Cassiano, A. C. M., Carlucci, E. M. D. S., Gomes, C. F., & Bennemann, R. M. (2014). Saúde materno infantil no Brasil: evolução e programas desenvolvidos pelo Ministério da Saúde.

Castro, A. L. B. D., & Machado, C. V. (2010). A política de atenção primária à saúde no Brasil: notas sobre a regulação e o financiamento federal. Cadernos de saúde pública, 26(4), 693-705.

Costa, A. M. (2016). O Programa de Assistência Integral a Saúde da Mulher: anotações para um debate. Anais, 1133-1143.

Da Silva, A. G., Alves, V. H., Dulfe, P. A. M., Rodrigues, D. P., Pereira, A. V., & Barcellos, J. G. (2018). Acesso à assistência ao parto hospitalar de risco habitual: uma revisão integrativa. Revista de Enfermagem da UFSM, 8(3), 591-604.

De Sena, C. D., Santos, T. C. S., Carvalho, C. M. F., de Moraes Sá, A. C., & do Nascimento Paixão, G. P. (2012). Avanços e retrocessos da enfermagem obstétrica no Brasil. Revista de Enfermagem da UFSM, 2(3), 523-529.

Diniz, S. G., Salgado, H. D. O., Andrezzo, H. F. D. A., Carvalho, P. G. C. D., Carvalho, P. C. A., Aguiar, C. D. A., & Niy, D. Y. (2015). Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para sua prevenção. J Hum Growth Dev, 25(3), 377-82.

Dos Santos, D. T. A., Campos, C. S. M., & Duarte, M. L. (2014). Perfil das patologias prevalentes na gestação de alto risco em uma maternidade escola de Maceió, Alagoas, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 9(30), 13-22.

Ferraz, D., & Kraiczyk, J. (2010). Gênero e Políticas Públicas de Saúde–construindo respostas para o enfrentamento das desigualdades no âmbito do SUS. Revista de Psicologia da UNESP, 9(1), 70-82.

Figueiredo, N. S. V. (2010). Fatores culturais determinantes da escolha da via de parto por gestantes. Hu Revista, 36(4).

Franca, B. S., Figueiredo, J. D., Barboza, J. M., Souza, D. C., Zapponi, A. L. B. (2014). Violência institucional obstétrica no ambiente hospitalar. Revista Rede de Cuidados em Saúde, 2014; 8(2).

Gomes Ramalho, N. M., Lopes Ferreira, J. D., Jácome de Lima, C. L., Costa Ferreira, T. M., Umbelino Souto, S. L., & Carneiro Maciel, G. M. (2017). Domestic Violence Against Pregnant Women. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, 11(12).

Gomes, A. R. M., de Sousa Pontes, D., Pereira, C. C. A., Brasil, A. D. O. M., & Moraes, L. D. C. A. (2014). Assistência de enfermagem obstétrica na humanização do parto normal. Revista Recien-Revista Científica de Enfermagem, 4(11), 23-27.

Jardim, D. M. B, Modena, C. M. (2018). A violência obstétrica no cotidiano assistencial e suas características. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 26:e 3069

Kopereck, C. S., Matos, G. C. D., Soares, M. C., Escobal, A. P. D. L., Quadro, P. P., & Cecagno, S. (2018). A violência obstétrica no contexto multinacional. Rev. enferm. UFPE on line, 2050-2060.

Leguizamon Junior, T., Steffani, J. A., & Bonamigo, E. L. (2013). Escolha da via de parto: expectativa de gestantes e obstetras. Revista Bioética, 21(3), 509-517.

Machado, C. L., Fernandes, A. M. D. S., Osis, M. J. D., Makuch, M. Y. (2015). Gravidez após violência sexual: vivências de mulheres em busca da interrupção legal. Cadernos de Saúde Pública, 31, 345-353.

Maia, C., Guilhem, D., & Lucchese, G. (2010). Integração entre vigilância sanitária e assistência à saúde da mulher: um estudo sobre a integralidade no SUS. Cadernos de Saúde Pública, 26, 682-692.

Meller, F. D. O., & Schäfer, A. A. (2011). Fatores associados ao tipo de parto em mulheres brasileiras: PNDS 2006. Ciência & Saúde Coletiva, 16, 3829-3835.

Motta, L. B. D., Aguiar, A. C. D., & Caldas, C. P. (2011). Estratégia Saúde da Família e a atenção ao idoso: experiências em três municípios brasileiros. Cadernos de Saúde Pública, 27, 779-786.

Near, M. M. G. (2011). Severe maternal morbidity and near misses in a regional reference hospital. Rev Bras Epidemiol, 14(2), 310-22.

Oliveira, P. S. D., Rodrigues, V. P., Morais, R. L. G. L., & Machado, J. C. (2016). Assistência de profissionais de saúde à mulher em situação de violência sexual: revisão integrativa. Rev. enferm. UFPE on line, 1828-1839.

Oliveira, T. R. D., Costa, R. E. O. L., Monte, N. L., Veras, J. M. D. M. F., & Sá, M. Í. M. D. R. (2017). Percepção das mulheres sobre violência obstétrica. Rev. enferm. UFPE online, 40-46.

Pereira, J. S., Silva, J. C. D. O., Borges, N. A., Ribeiro, M. D. M. G., Aurek, L. J., & Souza, J. H. K. D. (2016). Violência obstétrica: ofensa a dignidade humana.

Pereira, P. K., Lovisi, G. M., Lima, L. A., & Legay, L. F. (2010). Complicações obstétricas, eventos estressantes, violência e depressão durante a gravidez em adolescentes atendidas em unidade básica de saúde. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), 37(5), 216-222.

Pinho, Z. G. L, Uribe, M. C., De Nadal, A. H. R., & Habigzang, L. F. (2017). Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & sociedade, 29, 1-11.

Porfírio, A. B., Progianti, J. M., & Danielle de Oliveira, M. (2010). As práticas humanizadas desenvolvidas por enfermeiras obstétricas na assistência ao parto hospitalar. Revista Eletrônica de Enfermagem, 12(2), 331-6.

Rodrigues, D. P., Alves, V. H., Penna, L. H. G., Pereira, A. V., Branco, M. B. L. R., & Silva, L. A. D. (2015). A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Escola Anna Nery, 19(4), 614-620.

Sena, L. M., & Tesser, C. D. (2016). Violência obstétrica no Brasil e o ciberativismo de mulheres mães: relato de duas experiências. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 21, 209-220.

Signorelli, M. C., Auad, D., & Pereira, P. P. G. (2013). Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 29(6), 1230-1240.

Silva, E. B. D., Padoin, S. M. D. M., & Vianna, L. A. C. (2015). Mulher em situação de violência: limites da assistência. Ciência & Saúde Coletiva, 20(1), 249-258.

Silva, M. Z. N. D., Andrade, A. B. D., & Bosi, M. L. M. (2014). Acesso e acolhimento no cuidado pré-natal à luz de experiências de gestantes na Atenção Básica. Saúde em Debate, 38, 805-816.

Silva, R. D. (2018). Violência obstétrica: um olhar holístico para uma realidade silenciada.

Silva, V. G., Motta, M. C. S., & Zeitoune, R. C. G. (2010). A prática do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: o caso do município de Vitória/ES. Revista eletrônica de enfermagem, 12(3), 441-8.

Silveira, S. C. D., Camargo, B. V., & Crepaldi, M. A. (2010). Assistência ao parto na maternidade: representações sociais de mulheres assistidas e profissionais de saúde. Psicologia: reflexão e crítica, 23(1), 01-10.

Souza, M. D., Silva, M. D., Carvalho, R. D., Souza, M. D., Silva, M. D., & Carvalho, R. D. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), 8 (1): 102-106.

Souza, T. G. D., Gaíva, M. A. M., & Modes, P. S. S. D. A. (2011). A humanização do nascimento: percepção dos profissionais de saúde que atuam na atenção ao parto. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(3), 479-486.

Spindola, T., Progianti, J. M., & Garcia Penna, L. H. (2012). Opinión De Las Gestantes Sobre El Acompañamiento De La Enfermera Obstetra En El Prenatal De Un Hospital Universitario. Ciencia y enfermería, 18(2), 65-73.

Tesser, C. D., Knobel, R., de Aguiar Andrezzo, H. F., & Diniz, S. G. (2015). Violência obstétrica e prevenção quaternária: o que é e o que fazer. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 10(35), 1-12.

Tostes, N. A., & Seidl, E. M. F. (2016). Expectativas de mujeres embarazadas sobre el parto y sus percepciones acerca de la preparación para el parto. Temas em Psicologia, 24(2), 681-693.

Vettore, M. V., Dias, M., Vettore, M. V., & Leal, M. D. C. (2013). Avaliação da qualidade da atenção pré-natal dentre gestantes com e sem história de prematuridade no Sistema Único de Saúde no Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 13(2), 89-100.

Zanardo, C. L. P., Uribe, M. C., Nada, A. H. (2017). Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade, 29.

Published

31/10/2020

How to Cite

Medeiros Neto, H. de S. ., Lopes, H. . G. de L. ., Silva , H. C. da ., Marques, G. K. de L. ., Lima, E. S. de ., & Lima, D. C. . (2020). Institutional obstetric violence in childbirth and birth: an integrative review. Research, Society and Development, 9(11), e039119546. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9546

Issue

Section

Health Sciences