Administrative improbity law: a systematic review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9560

Keywords:

Administrative Improbity; Corruption; Public administration.

Abstract

The Administrative Improbity Law represents a milestone in Brazilian legislation with regard to combating corruption. By establishing limits on the role of public agents, a Law sanctions conduct that undermines the treasury and the principles of Public Administration. However, after two decades in force, the application of this standard still permeates dialogues in the field of legal science. Thus, this article aims to conduct a systematic literature review in order to investigate the scientific production of articles dealing with this matter. It is understood that this review will allow the identification of existing gaps, thus guiding future studies on the topic. The database chosen was the CAPES Periodical where 11 studies were selected. When analyzing the results, it is possible to notice a large time lag between the law and the publication of the researched articles. This shows that, despite 28 years in force, the Improbity Law continues to be the subject of discussion. There was an inevitable association between research and corrupt conduct and administrative improbity in conduct offensive to the environment. Another highlight is the use of qualitative methodology, by most researchers.

References

Abreu, A. C. D., Helou, A. R. H. A., & Fialho, F. A. P. (2013). Possibilidades epistemológicas para a ampliação da Teoria da Administração Pública: uma análise a partir do conceito do Novo Serviço Público. Cadernos EBAPE.BR, 11(4), 608-620.

Arantes, R. B., & Moreira, T. M. Q. (2019). Democracia, instituições de controle e justiça sob a ótica do pluralismo estatal. Opinião Pública, 25(1), 97-135.

Araújo, M. O. (2011). Improbidade administrativa − da aplicação da Lei n. 8.429/1992 aos atos praticados por agentes políticos que respondem por crime de responsabilidade. Boletim Científico – Escola Superior do Ministério Público da União, 10(36), 223-284.

Avritzer, L., & Marona, M. (2017). A Tensão entre Soberania e Instituições de Controle na Democracia Brasileira. Dados, 60(2), 359-393. doi: 10.1590/001152582017123.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barroso, L. (2005). Neoconstitucionalismo e constitucionalização do Direito (O triunfo tardio do direito constitucional no Brasil). Revista De Direito Administrativo, 240, 1-42.

Berringer, T. (2017). O conceito de Estado para os estudos realistas das relações internacionais: uma análise sobre a obra A política entre as nações de Hans Morgenthau. Plural - Revista De Ciências Sociais, 24(2), 16-37.

Boukouras, A., & Koufopoulos, K. (2008). Political Competition, Ideology and Corruption. SSRN. dx.doi.org/10.2139/ssrn.1087777.

Cancellier, L. C. de O., & Orssatto, J. H. C. (2011). A responsabilidade dos agentes políticos pelos atos de improbidade administrativa. Espaço Jurídico Journal of Law [EJJL], 12(2), 67-90.

Castro, A. A. (2001). Revisão Sistemática e Meta-Análise: Principais Desenhos. São Paulo. Recuperado em http://www.usinadepesquisa.com/metodologia/.

Colombo, S., & Freitas, V. P. (2016). Gestão democrática do meio ambiente: uma análise crítica dos mecanismos de participação popular nas decisões ambientais à luz do direito brasileiro. Revista Thesis Juris, 5(1), 53-73.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (2018). [Coleção Saraiva de Legislação]. (55a ed.). São Paulo: Saraiva.

Costa, C. L. de O., Cunha, D. de O. da., Bezerra, L. F., Oliveira, F. L. de., Vale Júnior, J. S. do, & Severiano Junior, E. (2020). The corruption in the brazilian public sector. Research, Society and Development, 9(10), e5939109056. doi.org/10.33448/rsd-v9i10.9056.

Di Pietro, M. S. Z. (2019). Direito Administrativo (32a ed). São Paulo: Forense.

Dobrowolski, S. C. (2018). Aspectos da aplicação adequada da lei de improbidade administrativa no atual enfrentamento à corrupção no brasil. Coletânea de artigos: avanços e desafios no combate à corrupção após 25 anos de vigência da Lei de Improbidade Administrativa, 142-193.

Fortini, C., & Shermam, A. (2018). Corrupção: causas, perspectivas e a discussão sobre o princípio do bis in idem. Revista de Investigações Constitucionais, 5(2), 91-112.

Furtado, L. R. (2007). Curso de Direito Administrativo. Belo Horizonte: Fórum.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social (5a ed). São Paulo: Atlas.

Granjeiro, J. W. (2006). Administração Pública (12a ed). Brasília: Westcon.

Lei n. 8.429, de 02 de junho de 1992. (1992). Dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública direta, indireta ou fundacional e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Martin, D., Franklin, L., de Araújo, J., & Castro, S. de. (2018). Lei De Acesso à Informação Brasileira A Partir De Uma Revisão Sistemática Da Literatura. Nucleus, 15(2), 163-176.

Mazzei, M. R., Lorenzi, M. T., Pazeto, H. P., Silveira, S. S., & Geraige, Z., Neto. (2015). A administração pública na tutela coletiva da moralidade administrativa e do patrimônio público: o papel da advocacia pública. Revista de Administração Pública, 49(3), 699-717. doi: 10.1590/0034-7612130121.

Meirelles, H. L. (2012). Direito administrativo brasileiro (38a ed). São Paulo: Malheiros.

Melo, F. L. N. B., Sampaio, L. M. B., & Oliveira, R. L. (2015). Corrupção Burocrática e Empreendedorismo: Uma Análise Empírica dos Estados Brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, 19(3), 374-397. doi:10.1590/1982-7849rac20151611.

Moraes, M. A. P., & Dias, P. M. de V. (2016). A incidência do princípio da insignificância nos atos de improbidade administrativa. Revista Controle, 14(1), 74-107.

Morandi, M. I. W. M., & Camarco, L. F. R. (2015). Revisão sistemática da literatura. In: Dresch, A., Lacerda, D. P, & Antunes, J. A. V., Jr. (2014). Design Science Research: Método de Pesquisa para Avanço da Ciência e Tecnologia, 141-175. Porto Alegre: Bookman. Recuperado em https://www.researchgate.net/publication/268172679_Design_Science_Research_Metodo_de_Pesquisa_para_Avanco_da_Ciencia_e_Tecnologia.

MorGenthau, H. J. (2003). A política entre as nações – a luta pelo poder e pela paz. Brasília: UNB.

Nascimento, C. M. L., & Baracho, H. U. (2017). Corrupção e Improbidades nas contratações públicas que prejudicam o desenvolvimento sustentável. Revista Direito E Desenvolvimento, 6(12), 39 - 61.

Nascimento, C. M. L., & Oliveira, F. P. M. (2017) A defesa do meio ambiente na lei de improbidade administrativa. Revista Direito e Desenvolvimento, 6(11), 11-31.

Paludo, A. V. (2017). Administração Pública (6a ed). Rio de Janeiro: Método.

Pires, L. A. D. B., Menegassi, C. H. M., & Tatoo, L. (2016). Gestão do Conhecimento e Capital Humano: Uma Revisão Sistemática de Literatura. Revista Conbrad, 1(3), 204-220.

Ribeiro, F. da S., & Pinto, R. S. (2015). Lei 8.429/1992: uma breve análise sobre suas características e particularidades. Revista Controle, 16(1), 141-170.

Rua, M. das G. (2014). Políticas Públicas (3a ed). Florianópolis: UFSC.

Sampaio, RF, & Mancini, MC. (2007). Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Brazilian Journal of Physical Therapy, 11(1), 83-89. doi:10.1590/S1413-35552007000100013.

Santos, K., & Hermany, R. (2015). Improbidade administrativa em casos julgados: posicionamento do TJRS na perspectiva municipalista e na condenatória pelo art. 11/lia. Revista Jovens Pesquisadores, 5(3).

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico (23a ed). São Paulo: Cortez.

Souza, J. M. de, & Fidalgo, C. B. (2018). Legislação Administrativa para concursos (4a ed). Salvador: Juspodivm.

Teixeira, E. (2011). As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa (8a ed). Petrópolis: Vozes.

Vergara, S. C. (2000). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (3a ed). Rio de Janeiro: Atlas.

Published

02/11/2020

How to Cite

Araújo, J. M. F. C. de, & Moraes, I. C. de . (2020). Administrative improbity law: a systematic review. Research, Society and Development, 9(11), e199119560. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9560

Issue

Section

Human and Social Sciences