Risks of sexually transmitted infection in sex workers in Teresina-PI

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9666

Keywords:

Sexual behavior; Data; Risks factors; Sex professionals; Sexually transmitted diseases.

Abstract

In Brazil, the prostitution has been considered a professional category by the Ministry of Labor and Employment since 2002, and is linked to associations in several Brazilian states, but it isn`t regulated. It is a stigmatized activity and exposed to various risk factors such as alcohol consumption, tobacco, illicit drugs, violence, sexual exploration and sexually transmitted infections. The objective of the study was to know the socio-demographic data and the STIs of the sex workers in Teresina-PI. It is a quantitative descriptive study with 96 female sex workers registered and regularized in the Association of Prostitutes of Piauí. The data collection was in the places of the workers, such as bars, nightclubs, bordellos/cabaret, using a closed questionnaire. The data was organized into Microsoft Office Excel spreadsheets and transferred to the SPSS Program. The majority part of sex workers was young women between the ages of 25 and 31 (34.4%), single women (77.1%), average schooling (46.9%), brown women (58.3%), to a minimum wage (52.1%), fixed residence (58.3%) and had children (78.1%). The age group was 15 to 25 years old (71.9%), with a time of 2 to 5 years (49.0%), bars were the most frequented places (49, 0%), performing 4 to 5 programs daily (47.9%), having the most practiced vaginal sex (56.3%). As for STIs, candidiasis (25.0%), painful symptoms when urinating (69.8%), and abortions (50%) were found. In view of the data, it is considered necessary to increase the assistance coverage for Basic Health Care with strategies of prevention, promotion and protection to reduce the health problems of sex workers.

References

Almeida, I. S., Lima, K. A. P., Sousa, S. F., Souza Oliveira, V., & Lima, L. R. (2017). Determinantes sociais X IST: Profissionais do sexo. Mostra Interdisciplinar do curso de Enfermagem, 2(2).

Banuth, R. D. F., & Santos, M. A. D. (2016). Vivências de discriminação e resistência de uma prostituta negra. Psicologia: Ciência e Profissão, 36(3), 763-776.

Bonifácio, D., Pereira, D., & Tilio, R. D. (2016). Mulheres profissionais do sexo e o consumo excessivo de álcool. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 19(1), 29-44.

BRASIL. Ministério Da Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), Brasília, DF, 2.

Chacham, A. S., Maia, M. B., & Alvarenga, G. M. (2016). Práticas Sexuais e Reprodutivas de Prostitutas da “Zona Grande” de Belo Horizonte e a Prevenção de AIDS e outras DSTs. Anais.

Cruz, N. L., Ferreira, C. L., Martins, E., & Souza, M. (2016). O cuidado com a saúde das mulheres profissionais do sexo: uma revisão narrativa. Disciplinarum Scientia| Saúde, 17(3), 339-352.

Elias, A. R. R (2017). Transtornos mentais comuns, qualidade e satisfação na vida de mulheres profissionais do sexo. Dissertação (Mestrado em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Furtado, H. L. A., Motta, B. L. A., Mendes, T. L., Silva, T. O., & Santos, J. R. A. (2018). Fatores Predisponentes Na Prevalência Da Candidíase Vulvovaginal. Revista de Investigação Biomédica, 10(2), 190-197.

Knechtel, M. D. R. (2014). Metodologia da pesquisa em educação: uma abordagem teórico-prática dialogada. Curitiba: Intersaberes,125p.

Leal, C. B. D. M., Souza, D. A. D., & Rios, M. A. (2017). Aspectos de vida e saúde das profissionais do sexo. Rev. enferm. UFPE on line, 4483-4491.

Lima, F. S. D. S., Merchán-Hamann, E., Urdaneta, M., Damacena, G. N., & Szwarcwald, C. L. (2017). Fatores associados à violência contra mulheres profissionais do sexo de dez cidades brasileiras. Cadernos de Saúde Pública, 33, e00157815.

Machado, J. P. (2017). Proposta de regulamentação da prostituição no Brasil: desmarginalização de uma profissão ou institucionalização da cafetinagem? Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito do Centro de Ciências Jurídicas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Martins, T. A., Kerr, L., Macena, R. H. M., Mota, R. S., Dourado, I., Brito, A. M. D., ... & Kendall, C. (2018). Incentivos e barreiras ao teste de HIV entre mulheres profissionais do sexo no Ceará. Revista de Saúde Pública, 52, 64.

Miranda, T. S., Pereira, P. C., Polastri, J. A., Silva, C. A. V., & Santos, A. (2014). Fatores de risco para coinfecção de hiv e hepatite c em mulheres profissionais do sexo. Revista uningá review, 19(1), 52-57.

Noronha, I. C. D., & Elias, A. R. R. (2018). Contextos de vulnerabilidades à violência configurados no campo de trabalho de mulheres profissionais do sexo. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Saúde) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Brasil.

Oliveira, R. D. Correção da base de dados do SINAN- Sífilis congênita do município de Dourados/MS. 2014. Monografia (Graduação em Enfermagem). Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, Dourados, Brasil.

Penha, J. C., Queiroz Aquino, C. B., Neri, É. D. A. R., Reis, T. G. O., Souza Aquino, P., & Pinheiro, A. K. B. (2015). Fatores de risco para doenças sexualmente transmissíveis em profissionais do sexo do interior piauiense. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36(2), 63-69.

Pinto, M. V. (2018). Prostituição de luxo: sentidos e representações atribuídos à prostituição de luxo em contexto universitário. 148 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade do Minho, Braga, PT, 2018.

Queiroz, A. A. F. L. N., Sousa, Á. F. L., Araújo, T. M. E., Oliveira, F. B. M., Moura, M. E. B., & Reis, R. K. (2017). A review of risk behaviors for HIV infection by men who have sex with men through geosocial networking phone apps. Journal of the Association of Nurses in AIDS Care, 28(5), 807-818.

Silva, J. D. B., Oliveira, D. M., Rocha Filho, D. R., Mesquita, N. M. C. B., Lima, M. T. N., Teixeira, H. K. D. S., & Costa, E. D. S. (2017). Vulnerabilidade às infecções sexualmente transmissíveis/AIDS em idosos. Revista Uningá, 53(1).

Reis, T. G. O., Penha, J. C., Neri, É. D. A. R., de Andrade Luz, G. O., & de Souza Aquino, P. (2014). Health education with prostitutes: an experience to couple of education. Rev Enferm UFPI, 3(3), p. 46-52.

Santos, D. S. (2017). Contribuições para diminuir a prevalência de infecções sexualmente transmissíveis em gestantes inscritas na unidade básica de saúde dr. Aurélio Caciquinho na estratégia saúde da família São Francisco em Januária- Minas Gerais. 35 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Estratégia de Saúde da Família) - Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claro, Brasil.

Silva, F. S., Barbosa, T.R. (2016). A dinâmica da prostituição no espaço urbano de Parintins. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Geografia). Centro de Estudos Superiores de Parintins. Universidade do Estado do Amazonas, AM, Brasil

Soares, J. F. S., Santos, L. C. D., Cardoso, J. P., Neves, L., & Batista, E. C. (2015). A prostituição como profissão: uma análise sob a ótica das profissionais do sexo. Rev Saberes, 3(2), 63-75.

Sousa, R. M. R. B., Frota, M. M. A., Castro, C., Kendall, B. C., & Kerr, L. R. F. S. (2017). Percepções de mulheres profissionais do sexo sobre acesso do teste HIV: incentivos e barreiras. Saúde em Debate, 41, 513-525.

Vieira, A. C. D. S., Rocha, M. S. G., Head, J. F., & Casimiro, I. M. A. P. C. (2014). A epidemia de HIV/Aids e a ação do Estado. Diferenças entre Brasil, África do Sul e Moçambique. Revista Katálysis, 17(2), 196-206.

Villela, W. V., & Monteiro, S. (2015). Gênero, estigma e saúde: reflexões a partir da prostituição, do aborto e do HIV/aids entre mulheres. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24, 531-540.

Who World Health Organization. Global incidence and prevalence of selected curable sexually transmitted infections. Geneva: WHO, 2012. Recuperado de https://www.who.int/ eproductivehealth/publications/rtis/stisestimates/en/

Published

11/11/2020

How to Cite

Frota, C. A. ., Batista, C. de A. ., Santana, R. da S., Cândido, A. C. S. ., Rodrigues, S. dos S. ., Araújo, D. P. ., Araujo, M. A. P. de ., & Cardoso, T. S. . (2020). Risks of sexually transmitted infection in sex workers in Teresina-PI. Research, Society and Development, 9(11), e1999119666. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9666

Issue

Section

Health Sciences