Possible sense effects on reading about biotechnology in a textbook

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9823

Keywords:

Biotechnology; Textbook; Discourse Analysis; Socio-scientific controversies.

Abstract

Considering that Biotechnology has many controversies, in this research we try to understand how biotechnological themes appear in a textbook. For this, we analyze how written structure and images, present in a chapter of a high school biology textbook, can contribute to the production of meanings about biotechnological products and the controversies associated with them. As a theoretical and methodological support, we joined the Pecheutian Discourse Analysis, mainly in productions by Eni Orlandi. We start from the relation between form and content, considering some principles and notions, such as power relations, anticipation mechanisms and discursive formations, in order to understand the production of meanings from the image-text interaction. Based on the stated assumptions, we point out that these images have a dependence on the text so that they can join a biotechnological discourse, which can go against the production of meanings expected from the teaching point of view. We also point out that it is from a game between discursive typologies (pedagogical, scientific and daily discourse) that the text of the textbook is constructed.

Author Biographies

Alberto Lopo Montalvão Neto, Universidade Estadual de Campinas

Graduado em Licenciatura em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos - Campus Sorocaba (UFSCar) em concomitância com a Universidade de Coimbra (Portugal). Cursando 6 períodos no Brasil e 4 períodos no exterior, foi bolsista CAPES no Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI). Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), sendo bolsista CAPES. Atualmente é doutorando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), sendo inicialmente bolsista CAPES (11 meses) e posteriormente bolsista CNPq. Realizou estágios em diferentes áreas da Biologia e da Educação, e atuou como docente em escolas estaduais e em cursinho popular. Durante o mestrado, foi membro do grupo de estudos e pesquisas "Discursos da Ciência da Tecnologia na Educação" (DICITE). Atualmente é membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Ciência e Ensino (gepCE) e do Grupo de Pesquisa em Educação em Ciências e Biologia (GECIBIO).

Maria José Pereira Monteiro de Almeida, Universidade Estadual de Campinas

É Professora do programa de Pós-graduação em Educação e do Programa Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática na Universidade Estadual de Campinas. Atuou em disciplinas da Licenciatura e Pedagogia na mesma Universidade de 1983 a 2013, tendo antes lecionado no Ensino Médio e trabalhado na Fundação Brasileira Para o Desenvolvimento do Ensino de Ciências. Foi coordenadora do grupo de estudo e pesquisa em Ciência e Ensino - gepCE desde a sua fundação em 1995 até 2013 e líder desse grupo de 2014 a 2019. Atua na área de Educação e Ensino da Ciência, principalmente em: Ensino de Ciências/Física e Linguagens; Formação de Professores e Ensino e Práticas Culturais. É Livre Docente e Titular em Metodologia de Ensino: Física, pela Universidade Estadual de Campinas. Concluiu Pós-doutorado (1997), Doutorado em Ciência (1987), Mestrado em Psicologia (1979) e Licenciatura em Física (1967) na Universidade de São Paulo. Orientou vinte e uma dissertações de Mestrado e dezenove Doutorados já defendidas. Foi supervisora de dez pós-doutorados/recém-doutores concluídos. Foi editora do jornal Impresso Ciência & Ensino (Unicamp) de 1996 a 2004. Foi membro da comissão de Pesquisa em Ensino de Física da Sociedade Brasileira de Física (2010 -2012) É bolsista do CNPq na modalidade PQ-1B.

References

Almeida, M. J. P. M. (2010). O texto de divulgação científica como recurso didático na mediação do discurso escolar relativo à ciência. In G. A. Pinto (Org.), Divulgação Científica e Práticas Educativas, 11-24. Curitiba, PR: Editora CRV.

Almeida, M. J. P. M. (2012). Discurso Pedagógico e Formação de Professores das Ciências da Natureza: foco no professor de física. Alexandria: Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 5 (2), 29-41. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/view/37712

Almeida, M. J. P. M., & Pagliarini, C. R. (2015). Representações de futuros professores de física sobre o uso da história da ciência em aulas de física no ensino médio. Física y Cultura: Cuadernos Sobre Historia y Enseñanza de las Ciencias, 9 (1), 77-90.

Almeida, M. J. P. M., & Pagliarini, C. R. (2018). Representação numa vertente da Análise de Discurso e seu funcionamento em situações de ensino e pesquisa. Revista Discurso e Imagem Visual em Educação, João Pessoa, 3(1), 4-15. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/rdive/article/view/32129

Badzinski, C., & Hermel, E. E. S. (2015). A representação da Genética e da Evolução através de imagens utilizadas em livros didáticos de Biologia. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, 17(2), 434-454. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/epec/v17n2/1983-2117-epec-17-02-00434.pdf

Borém, A. (2005). A história da biotecnologia. Biotecnologia Ciência & Desenvolvimento, (34), 10-12. Recuperado de https://docente.ifrn.edu.br/helidamesquita/disciplinas/agricultura-geral/revista-biotecnologia-ciencia-e-desenvolvimento

Borzani, W., Schmidell, W., Lima, U. A., & Aquarone, E. (2001). Biotecnologia industrial (1ª ed.). São Paulo, SP: Edgard Blucher.

Bulla, M. E., & Meglhioratti, F. A. (2016). Controvérsias Científicas na construção do conhecimento Biológico: Investigando um curso de Formação Continuada de Professores referente à Evolução Biológica Humana. Investigações em Ensino de Ciências, 21(2), 01-29. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/285

Costa, N. M. B., & Borém, A. (2003). Biotecnologia e nutrição (1ª ed.). São Paulo, SP: NBL Editora.

Coutinho, F. A., Soares, A. G., Braga, S. A. M., Chaves, A. C. L., & Costa, F. J. (2010). Análise do valor didático de imagens presentes em livros de Biologia para o ensino médio. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 10(3), 01-18. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4085/2649

Evangelista, N., Santos, V. C., & El-Hani, C. N. (2015). O conceito de gene em livros didáticos do ensino superior: análise de texto introdutório de biologia celular e molecular. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia, SP, Brasil, 10. Recuperado de http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/resumos/R0611-1.PDF

Giraldi, P. M. (2005). Linguagem em textos didáticos de citologia: Investigando o uso de analogias. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/130843

Linhares, S. V., Gewandsznagjer, F., & Pacca, H. (2016). Biologia hoje (3ª ed.). São Paulo, SP: Editora Ática.

Martins, I., Gouvêa, G., & Piccinini, C. (2005). Aprendendo com imagens. Ciência e Cultura, 57(4), 38-40. Recuperado de http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?pid=S0009-67252005000400021&script=sci_arttext&tlng=es

Megid Neto, J., & Fracalanza, H. (2003). O livro didático de Ciências: problemas e soluções. Ciência & Educação, 9(2), 147-157. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/01.pdf

Miranda, L. M., Medeiros, V. L., Oliveira, L. M. M., & Flôr, C. C. (2013). Condições de produção de sentidos a partir da leitura do filme “O Núcleo – Missão ao Centro da Terra”. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia, SP, Brasil, 9. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R0859-1.pdf

Neves, R. F., Carneiro-Leão, A. M. A., & Ferreira, H. S. (2016). A imagem da célula em livros de biologia: uma abordagem a partir da teoria cognitivista da aprendizagem multimídia. Investigações em Ensino de Ciências, 21(1), 94-105. Recuperado de https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/152

Orlandi, E. P. (1983). A linguagem e seu funcionamento: As formas do discurso. (1ª ed.). São Paulo, SP: Editora Brasilense.

Orlandi, E. P. (1994). Discurso, imaginário social e conhecimento. Em Aberto, (61), 53-59. Recuperado de http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2250

Orlandi, E. P. (1995). Efeitos do verbal sobre o não-verbal. Rua, 1(1), 35-47. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638914

Orlandi, E. P. (2003). Análise de Discurso: princípios e procedimentos (5ª ed.). Campinas, SP: Pontes.

Pansera-de-Araújo, M. C., & Scheid, N. M. J. (2007). Os temas polêmicos em biologia e suas repercussões sobre o ensino científico escolar. Anais do VI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis, SC, Brasil, 6. Recuperado de http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p266.pdf

Pêcheux, M. (1990). O discurso: estrutura ou acontecimento (4ª ed.). Campinas, SP: Pontes.

Pedrancini, V. D., Corazza-Nunes, M. J., Galuch, M. T. B., Moreira, A. L. O. R., & Nunes, W. M. C. (2008). Saber científico e conhecimento espontâneo: opiniões de alunos do ensino médio sobre transgênicos. Ciência & Educação, 14(1), 135-146. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v14n1/09.pdf

Possenti, S. (1997). Notas sobre linguagem científica e linguagem comum. Cadernos Cedes, (41), 09-24.

Ramos, M. B., & Silva, H. C. (2007). Para pensar controvérsias científicas em aulas de ciências. Ciência & Ensino, 1(número especial), 01-16. Recuperado de http://143.0.234.106:3537/ojs/index.php/cienciaeensino/article/view/132/106

Ramos, M. B., & Silva, H. C. (2014). Educação em ciências e em audiovisual: perspectivas para a formação de leitores de ciências. Cadernos Cedes, 34(92), 51-67.

Schneider; E. M., Della Justina, L. A., Andrade, M. A. B. S., Oliveira, T. B., Caldeira, A. M. A., & Meglhioratti, F. A. (2011). Conceitos de gene: construção histórico-epistemológica e percepções de professores do ensino superior. Investigações em Ensino de Ciências, 16(2), 201-222. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/134636/ISSN1518-8795-2011-16-02-201-222.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Silva, A. C., & Almeida, M. J. P. M. (2017). Estratégias para a Coleta de Informações numa Pesquisa com Apoio Teórico-metodológico na Análise de Discurso. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 17(3), 883–902. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4618

Silva, H. C., Zimmermann, E., Carneiro, M. H. S., Gastal, M. L., & Cassiano, W. S. (2006). Cautela ao usar imagens em aulas de ciências. Ciência & Educação, 12(2), 219-233. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v12n2/07.pdf

Silva, L. N., & Meglhioratti, F A. (2020). Análise de livros didáticos de biologia em periódicos de ensino: o que trazem as pesquisas? VIDYA, 40(1), 259-278. Recuperado de https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/VIDYA/article/view/2803

Watson, J. D., Baker, T. A., Bell, S. P., Gann, A., Levine, M., Losick, R., & Harrison, S. C. (2015). Biologia molecular do gene (7ª ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Published

15/11/2020

How to Cite

Montalvão Neto, A. L., & Almeida, M. J. P. M. de . (2020). Possible sense effects on reading about biotechnology in a textbook. Research, Society and Development, 9(11), e3149119823. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9823

Issue

Section

Education Sciences