The role of women in the construction of a technical assistance service and participative agricultural extension

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9847

Keywords:

Gender; Agricultural Extension; Public policies.

Abstract

The reformulation of technical assistance and agricultural extension services has been a topic of discussions in the political and academic environment in the last decades. The main focus of this change is the abandonment of the diffusionist-innovative model in favor of an ATER that promotes the construction of knowledge in a participatory manner. In this perspective, this article aims to present rural women as a fundamental agent of this process, anchored in their ability to mobilize within the community and in the valorization of their knowledge as someone who carries out a triple workday for family maintenance. This research was based on bibliographic reviews and, through this, it was concluded that the rapprochement between the extensionist and the rural woman, will contribute not only to this new extension model but also to the autonomy and emancipation of women in the brazilian rural area.

Author Biographies

Camila Sobreira de Souza, Universidade Federal de Viçosa

Graduada em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais campus Barbacena. Mestranda em Extensão Rural pelo Programa de Pós-Graduação em Extensão Rural na Universidade Federal de Viçosa.

Marcelo Leles Romarco de Oliveira, Universidade Federal de Viçosa

Doutor em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Professor do Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa.

Nathália Thaís Cosmo da Silva, Federal University of Viçosa

Doutora pelo Programa de Engenharia para o Desenvolvimento Rural da Universidade de Santiago de Compostela. Professora no Departamento de Economia Rural da Universidade Federal de Viçosa.

References

Araújo, L. A., Costa, T. M. M., & Lemos, T. C. S. (2020). Mulheres no campo. CAMPO-TERRITÓRIO: REVISTA DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, 15(36), 88-111.

Aguiar, V. V. P. (2016). Mulheres rurais, movimento social e participação: reflexões a partir da Marcha das Margaridas. Política & Sociedade, 15, 261-295.

Beauvoir, S. (2009). O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bourdieu, P. (2006). O camponês e seu corpo. Revista de sociologia e política, (26), 83-92.

Bruno, R., Aquino, S. L. de, Jalil, L., Junior, V. J. W., & Bordalo, C. (2011). Organização produtiva das mulheres assentadas da reforma agrária. Políticas de organização, 70, 55.

Caporal, F. R. (2011). Lei de ATER: exclusão da Agroecologia e outras armadilhas. Agroecologia e desenvolvimento rural sustentável, 4(1), 23-33.

Caporal, F. R. (2006). Política Nacional de Ater: primeiros passos de sua implementação e alguns obstáculos e desafios a serem enfrentados. Assistência técnica e extensão rural: construindo o conhecimento agroecológico. Manaus: Bagaço, 09-34.

Carneiro, M. J. (2001). Herança e gênero entre agricultores familiares. Revista Estudos Feministas, 9(1), 22-55.

Deere, C. D. (2004). Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira. Revista Estudos Feministas, 12(1), 175-204.

Fonseca, M. T. L. (1985). A extensão rural no Brasil: um projeto educativo para o capital. São Paulo: Loyola.

Freire, P. (2014). Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas S.A.

Ministério Do Desenvolvimento Agrário. (2004). Política nacional de assistência técnica e extensão rural. MDA/SAF/Dater.

Ministério Do Desenvolvimento Agrário. (2010). 1º Conferência Nacional Sobre Assistência Técnica e Extensão Rural: Ater para agricultura familiar e reforma agrária e o desenvolvimento sustentável do Brasil rural. Recuperado de: http://www.agricultura.al.gov.br/cedafra/documentacao/1a-conferencia-nacional-sobre-assistencia-tecnica-e-extensao-rural/1a%20CONF%20NACIONAL%20SOBRE%20ATER.PDF

Melo, L. A. (2006). Crédito rural no Brasil: uma realidade para a mulher agricultora familiar? Coordenação Geral de Estudos Ambientais e da Amazônia CEAMB. Recife-PE, 1-9.

Menezes, M. A. (1996). Relações de solidariedade em comunidade de camponeses-trabalhadores migrantes. Informação & Sociedade, 6(1), 39-49.

Moraes, L. L. de, Jalil, L. M., Santos, J. H. dos, Costa, M. A. G., & Oliveira, M. D. S. L. (2018). Pedagogia Feminista como processo educativo para a reflexão da política pública de ATER no Nordeste. Interritórios, 4(6), 07-31.

Oliveira, M. F. (2011). Metodologia científica: um manual para a realização de pesquisas em Administração. Universidade Federal de Goiás. Catalão – GO.

Oliveira, M. M. (1999). As circunstâncias da criação da extensão rural no Brasil. Cadernos de Ciência & Tecnologia, 16(2), 97-134.

Oliveira, N. R. F de. & Vela, H. A. (2008). Escolhas alimentares, decisões culturais: a mulher define o que vai pra mesa. Fazendo Gênero, 1-6.

Paulilo, M. I. (2003). Movimento de mulheres agricultoras: terra e matrimônio. Agricultura e espaço rural em Santa Catarina. Florianópolis: Ed. da UFSC, 15-38.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Pinheiro, M. B. (2007). As Comunidades Eclesiais de Base e a conscientização política de mulheres: notas iniciais de pesquisa. SEMINÁRIO NACIONAL DE MOVIMENTOS SOCIAIS, PARTICIPAÇÃO E DEMOCRACIA, 2.

Prior, L. (2016). Using documents in social research. In: Silvermann, D. (org.). Qualitative Research (pp. 273-294). 4a ed. United Kingdom: SAGE.

Rossini, R. S. (1993). Geografia e Gênero: a mulher como força de trabalho no campo. Informações Econômicas, São Paulo, 23 (supl.1), 1-13.

Sales, C. M. V. (2007). Mulheres rurais: tecendo novas relações e reconhecendo direitos. Revista Estudos Feministas, 15(2), 437-443.

Scheper-Hughes, N. (1993). Death without weeping: the violence of everyday life in Brazil. University of California Press.

Schwarcz, L. M. & Starling, H. M. (2015). Brasil: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras.

Swanson, B. E. & Rajalahti, R. (2010). Strengthening agricultural extension and advisory systems: procedures for assessing, transforming and evaluating extensions systems. Washington: World Bank.

Weitzman, R. (2011). Mulheres na assistência técnica e extensão rural. In: Butto, A. & Dantas, I (orgs.). Autonomia e cidadania: políticas de organização produtiva para as mulheres no meio rural (pp. 88-11). 1a. ed. Brasília: MDA.

Published

14/11/2020

How to Cite

Souza, C. S. de, Oliveira, M. L. R. de, & Silva, N. T. C. da. (2020). The role of women in the construction of a technical assistance service and participative agricultural extension. Research, Society and Development, 9(11), e2959119847. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9847

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences