Epidemiological study of poisoning by pesticides in the state of Rondônia

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9876

Keywords:

Poisoning; Pesticides; Incidence; Epidemiological study

Abstract

The cases of poisoning by pesticides are a big problem to public health that affects innumerable people in Brazil, because the human exposition to these products can cause irreversible damages and even provoke death. The goal of this study is to describe the number of cases of poisoning by pesticides registered in the state of Rondônia located in the north region of Brasil. It was done an official data survey obtained with the system of the State Agency of Health Surveillance (AGEVISA). An analysis of the data relative to the period of 5 years, that comprehend the years from 2015 and 2019, took place. According to the obtained results, there was a total of 1.132 cases of poisoning by pesticides registered in the state of Rondônia during the period of this study. Evidencing that 58,57% of the cases registered correspond to male individuals and 41,43% to female, also the age range of the poisoned individuals varied from 1 to 90 years old, however the highest index of poisoning was obtained by the individuals that were from 22 to 50 years old. Besides that, it was observed that 89,29% of the cases of poisoning evolved to cure with no sequels and just 5,74% evolved to death. Thus concludes that the state of Rondônia has a significant margin of cases of poisoning by pesticides and that male individuals are more affected by poisoning and this can be related with their occupation.

References

Albuquerque, P. C. C. D., Gurgel, I. G. D., Gurgel, A. D. M., Augusto, L. G. D. S., & Siqueira, M. T. D. (2015). Sistemas de informação em saúde e as intoxicações por agrotóxicos em Pernambuco. Revista Brasileira de Epidemiologia, 18, 666-678.

Bárbara, T. B. (2016). Relação rural/urbano na construção de mercados da agricultura familiar na cidade de Luziânia-Goiás.

Bochner, R. (2015). Óbito ocupacional por exposição a agrotóxicos utilizado como evento sentinela: quando pouco significa muito.

Bombardi, L. M. (2011). Intoxicação e morte por agrotóxicos no Brasil: a nova versão do capitalismo oligopolizado. Boletim Dataluta, 45, 1-21.

Burity, R. D. A. B., Ribeiro, J. S. D., da Silva Guimarães, E., de Freitas, J. M., de Freitas, M. T. D., da Silva Lima, G. V. P., ... & Brandespim, D. F. (2019). Perfil epidemiológico das intoxicações exógenas no município de Moreno-PE no período de 2012 a 2015. Medicina Veterinária (UFRPE), 13(1), 49-56.

Brasil, M. S. (2018). Relatório Nacional de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos.

Carneiro, F. F. (2015). Dossiê ABRASCO: um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. EPSJV/Expressão Popular.

Cassal, V. B., de Azevedo, L. F., Ferreira, R. P., da Silva, D. G., & Simão, R. S. (2014). Agrotóxicos: uma revisão de suas consequências para a saúde pública. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 18(1), 437-445.

Cruz, C. D. C., Carvalho, F. N. D., Costa, V. Í. D. B. D., Sarcinelli, P. D. N., Silva, J. J. O. D., Martins, T. D. S., ... & Alves, S. R. (2013). Perfil epidemiológico de intoxicados por Aldicarb registrados no Instituto Médico Legal no Estado do Rio de Janeiro durante o período de 1998 a 2005. Cadernos Saúde Coletiva, 21(1), 63-70.

de Lara, S. S., Matos, A. D. F. F., da Silva Neves, S. M. A., Neves, R. J., & Mendes, M. F. (2016). Intoxicação aguda por agrotóxicos nos estados do Brasil, 2006 a 2010. Cadernos de Agroecologia, 10(3).

de Lara, S. S., Pignati, W. A., Pignatti, M. G., da Costa Leão, L. H., & Machado, J. M. H. (2019). A agricultura do agronegócio e sua relação com a intoxicação aguda por agrotóxicos no brasil. Hygeia-Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 15(32), 1-19.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. (2018). Visão 2030: o futuro da agricultura brasileira.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2020. Censo Demográfico. Obtido em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/panorama.

Instituto Nacional de Câncer. 2020. Agrotóxicos. Obtido em: https://www.inca.gov.br/en/node/1909.

Lima, M. A., Bezerra, E. P., Andrade, L. M., Caetano, J. A., & Miranda, M. D. C. (2008). Perfil epidemiológico das vítimas atendidas na emergência com intoxicação por agrotóxicos. Ciência, Cuidado e Saúde, 7(3), 288-294.

Malaspina, F. G., ZiniLise, M. L., & Bueno, P. C. (2011). Perfil epidemiológico das intoxicações por agrotóxicos no Brasil, no período de 1995 a 2010. Cad Saúde Coletiva, 19(4), 425-34.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2011). Plano Agrícola e Pecuário 2011-2012.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2019. A situação dos registros e a alteração da classificação da toxicologia de agrotóxicos. Obtido em: http://www.mpf.mp.br/pfdc/manifestacoes-pfdc/anexo-ao-oficio-470-2019-pfdc-mpf.

Matos, P. F., & Pessoa, V. L. S. (2011). A modernização da agricultura no Brasil e os novos usos do território. Geo Uerj, 2(22), 290-322.

OLIVEIRA, L. D. C. C. (2014). Resíduos de agrotóxicos nos alimentos, um problema de saúde pública. UBERABA/MG.

Pignati, W. A., Lima, F. A. N. D. S., Lara, S. S. D., Correa, M. L. M., Barbosa, J. R., Leão, L. H. D. C., & Pignatti, M. G. (2017). Distribuição espacial do uso de agrotóxicos no Brasil: uma ferramenta para a Vigilância em Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 22, 3281-3293.

Queiroz, P. R., Lima, K. C., Oliveira, T. C. D., Santos, M. M. D., Jacob, J. F., & Oliveira, A. M. B. M. D. (2019). Sistema de Informação de Agravos de Notificação e as intoxicações humanas por agrotóxicos no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 22, e190033.

Silva, D. O. D., Ferreira, M. J. M., Silva, S. A. D., Santos, M. A. D., Hoffmann-Santos, H. D., & Silva, A. M. C. D. (2019). Exposição aos agrotóxicos e intoxicações agudas em região de intensa produção agrícola em Mato Grosso, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 28, e2018456.

Sistema Nacional de Informações Tóxico-farmacológicas. 2017. Dados nacionais de intoxicações. Obtido em: https://sinitox.icict.fiocruz.br/sites/sinitox.icict.fiocruz.br/files//Brasil5.pdf.

Soares, W. L., & Porto, M. F. (2007). Atividade agrícola e externalidade ambiental: uma análise a partir do uso de agrotóxicos no cerrado brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 12, 131-143.

Viero, C. M., Camponogara, S., Cezar-Vaz, M. R., Costa, V. Z. D., & Beck, C. L. C. (2016). Sociedade de risco: o uso dos agrotóxicos e implicações na saúde do trabalhador rural. Escola Anna Nery, 20(1), 99-105.

Published

12/11/2020

How to Cite

Cunha, P. de O. ., Pereira, R. R., Terra, R. de S. ., Lima, F. B. de ., Meneguelli, M., Schons, S. de V. ., & Silva, F. C. da . (2020). Epidemiological study of poisoning by pesticides in the state of Rondônia. Research, Society and Development, 9(11), e2429119876. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9876

Issue

Section

Health Sciences