Evolution of deforestation and environmental liabilities in an agrarian reform settlement project in Southeast Para

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9887

Keywords:

Amazon; Agricultural technologies; Small production.

Abstract

Currently, the Agrarian Reform Settlement Projects in the Southeast of Pará are the focus of discussions on the loss of forest cover in the Amazon, as they are among the areas that most contribute to the deforestation process. In this sense, this work aimed to evaluate the evolution of deforestation and environmental liabilities in the São Francisco Settlement Project, in the city of Eldorado do Carajás, in a time span that runs from 1990 to 2020, identifying the main processes that lead to the loss of forest cover at the place of study. For this, the work was based and supported by landscape analysis methods, namely geotechnologies, adopting the same concepts worked by PRODES that measures clear cut deforestation polygons. In general, there was a significant increase in deforestation at the study site, which lost approximately 5,000 hectares of vegetation. In general terms, this rate represents more than 60% of forest lost and converted to other uses. Currently, at the legal reserve level, the environmental liability reaches more than 20% of the total area and in relation to APP's there was also a reduction of over 20% in riparian vegetation, which implies the loss of important environmental services provided by these locations. Thus, it can be seen that without the use of adequate agricultural technology and technical assistance to small producers, there is no long-term sustainability of the means of production and natural resources, requiring production alternatives that combine the use of already open areas, generating employment and income.

Author Biographies

Ismael Alves Amorim, Universidade do estado do Pará

Engenheiro Agrônomo, formado pela Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará - Unifesspa (2011 - 2016). Especialista em Geotecnologias e Recursos Naturais na Amazônia Oriental - Unifesspa - (2017-2018), Mestrando em Ciências Ambientais pela Universidade do Estado do Pará - UEPA (2019 - 2021). Bolsista da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas - FAPESPA. Foi Bolsista do Projeto Biomas (Amazônia) implementado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Tem experiência na área de Ciências Agrárias e Ambientais, atuando principalmente nos seguintes temas: Ciência do Solo, recuperação de áreas degradadas, estudo da dinâmica de uso e cobertura da terra no espaço amazônico e difusão de tecnologias para Agricultura Familiar em assentamentos do Sudeste Paraense.

Alfredo Kingo Oyama Homma, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Amazônia Oriental

Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental e colabora no curso de Mestrado Acadêmico em Ciências Ambientais da Universidade do Estado do Pará. Possui graduação em Agronomia (1970), mestrado (1976) e doutorado em Economia Rural todas pela Universidade Federal de Viçosa (1988). Recebeu o Prêmio Nacional de Ecologia (1989), Honra ao Mérito 1989 (CREA-PA), Prêmio Prof. Edson Potsch Magalhães (1989), Prêmio Frederico Menezes da Veiga (1997), Prêmio Jabuti (1999), Destaque Científico 2000 (CREA-PA/Clube de Engenharia do Pará), Prêmio Prof. Samuel Benchimol (2004, 2010) , Homenagem Festa Anual da Árvore 2007 pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, Comenda do Mérito Agronômico 2007 concedida pela Associação dos Engenheiros Agrônomos do Pará (AEAPA) em 2008, agraciado nas comemorações do 50 anos do Curso de Mestrado em Economia Rural da UFV, Membro Correspondente da Academia Amazonense de Letras (2011), Homenagem Especial Personalidades Nipo-brasileiras pela Assembleia Legislativa do Estado do Pará em 2015, Membro Legendário da SOBER (2015) e Medalha do Mérito 2015 CONFEA. É pesquisador da EMBRAPA desde 1974. Proferiu palestras de abertura do 33 Congresso Brasileiro de Fitopatologia (2000), do 45 Congresso Brasileiro de Fitopatologia (2012), do XI Semana de Integração de Ciências Agrárias (2011), 24 Seminário Internacional de Política Econômica (2012), I Simpósio Internacional de Agroecologia do Acre (2013), 51 Congresso Brasileiro de Economia, Administração e Sociologia Rural, Palestra Magna Inaugural da 74 Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (74 SOEA/CONFEA) (2017) e Palestra Magna do VI Festival Internacional do Chocolate e Cacau (2019). Proferiu Aula Inaugural do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento Local na Amazônia – PPGEDAM, Núcleo de Meio Ambiente (NUMA) (2012), do Instituto Tecnológico Vale Mestrado Profissional Uso Sustentável de Recursos Naturais em Regiões Tropicais (2014) e do Programa de Formação Interdisciplinar de Meio Ambiente (PROFIMA/NUMA/UFPa). O seu campo de conhecimento e experiência está relacionado com a economia agrícola, extrativismo vegetal, desenvolvimento agrícola, história da agricultura e política ambiental da região amazônica.

References

Alencar, A., PEREIRA. C; Castro, I; Cardoso, A; Souza, L; Costa, R; Bentes, A. J; Stella, O; Azevedo, A; Gomes, J & NOVAES, R. (2016). Desmatamento nos assentamentos da Amazônia: histórico, tendências e oportunidades. Brasília - DF: IPAM, 93p. 2016.

Alves, L. da C. & Bispo, M. O. (2018). Estudos socioeconômicos e culturais das famílias do assentamento P.A. Zé Pereira, Município de Porto Nacional -TO. Revista Interface, Edição nº 16. p. 18 - 30.

Ávila, M. M. & WADT, P. G. S. (2015). Avaliação do impacto ambiental em assentamentos rurais do estado do Acre, na Amazônia Brasileira. Revista Eletrônica de Biologia (REB). v. 8, n. 1, p. 54-77.

Ávila, S. R. S. A., Ávila, M., Bernardi, J. V. E. & Couto Júnior, A. F. (2019). Estudo exploratório sobre dinâmica do desmatamento em assentamentos localizados no território portal da Amazônia. Revista Retratos de Assentamentos. Vol. 22 N.1.

Avila, S. R. S. A., Bernardi, J. V. E., Couto Júnior, A. F. & Ávila, M. L. (2017). Assentamentos rurais e as possíveis relações com as dinâmicas de desmatamento na Amazônia: Uma revisão sistemática. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais - v. 8 n. 4.

Araújo, R., & Vieira, I. C. G. (2019). Desmatamento e as ideologias da expansão da fronteira agrícola: o caso das críticas ao sistema de monitoramento da floresta amazônica. Sustainability in Debate - Brasília, v. 10, n.3, p. 366-378.

Azevedo, A., Alencar, A., Moutinho, P., Ribeiro, V., Reis, T., Stabile, M. & Guimarães, A. (2016). Panorama sobre o desmatamento na Amazônia em 2016. IPAM, Brasília, DF. Obtido em: http://ipam.org.br/wp-content/uploads/2016/12/.

Barnin, P. E., Fearside, P. M. & Graça, P. M.L.A. (2012). Desmatamento no sul do Estado de Roraima: padrões de distribuição em função de Projetos de Assentamento do INCRA e da distância das principais rodovias (BR-174 e BR-210). Acta Amazônica. vol. 42(2) 2012: 195 – 204.

Barona, E., Ramankutty, N., Hyman, G. & Coomes, O. T. (2010). The role of pasture and soybean in deforestation of the Brazilian Amazon. Environmental Research Letters, v.5, p.1-9.

Barroso, L. R. & Mello, P. P. C. (2020) Como salvar a Amazônia: por que a floresta de pé vale mais do que derrubada. Revista de Direito da Cidade, v. 12, n. 2, p. 331-376.

Brandão Jr, A. & Souza Jr, C. (2006) Desmatamento nos assentamentos de reforma agrária na Amazônia. Imazon. Junho, Nº 7.

Calandino, D., Wehrmann, M. & Koblitz, R. (2012). Contribuição dos assentamentos rurais no desmatamento da Amazônia: um olhar sobre o Estado do Pará. Desenvolvimento e Meio ambiente, v. 26.

De Paula Junior, A. (2019). Escolaridade nas zonas rurais da região sul. Espaço e Economia. Revista brasileira de geografia econômica. ANO VIII, número 16.

Farias, M. H. C. S., Beltrão, N. E. S., Santos, C. A. & Cordeiro, Y. E. M. (2018). Impacto dos assentamentos rurais no desmatamento da Amazônia. Mercator (Fortaleza), v. 17.

Fearnside, P. M., Graca, P. M. L. A., Keizer, E. W. H., Maldonado, F. D., Barbosa, R. I. & Nogueira, E. M. (2009). Modelagem de desmatamento e emissões de gases de efeito estufa na regiao sob influência da Rodovia Manaus-Porto Velho (BR-319). Revista Brasileira de Meteorologia. 24: 208-233. 2009.

Homma, A. K. O. A Terceira Natureza da Amazônia. (2017). Revista Paranaense de Desenvolvimento. Curitiba, v.38, n.132, p.27-42.

Homma, A. K. O. Em favor de uma nova agricultura na Amazônia (2015). Revista Terceira Margem: Amazônia, v. 1, p. 19-34.

Hora, K. E. R., Mauro, R. A. & Calaça, M. (2019). Desafios para o parcelamento dos assentamentos de reforma agrária sob a perspectiva ambiental a partir da experiência do MST em Goiás. Rev. NERA Presidente Prudente. v. 22, n. 49, pp. 140-167.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Eldorado do Carajás. Obtido em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/eldorado-do-carajas/panorama.

INCRA - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Superintendência Regional Pará / Marabá - SR 27. (2018). Assentamentos - Informações Gerais. Obtido em: http://painel.incra.gov.br/sistemas/index.php.

INMET - instituto Nacional de Meteorologia. (2019). Dados Históricos. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Obtido em: http://www.inmet.gov.br/portal/.

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Projeto de Monitoramento da Floresta Amazônica por Satélite. (2019) Metodologia Utilizada nos Projetos PRODES e DETER. Coordenação-Geral de Observação da Terra. Obtido em: http://www.obt.inpe.br/OBT/assuntos/programas/amazonia/prodes/pdfs/Metodologia_Prodes_Deter_revisada.pdf.

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. (2017) Sistema de Processamento de Informações Georreferenciadas (SPRING). Obtido em: http://www.dpi.inpe.br/spring/portugues/index.html.

Leal, M. & Maniesi, V. (2018). Dinâmica de desflorestamento nos assentamentos extrativistas do município de Humaitá, Amazonas. Revista de Geografia e Ordenamento do Território. no.14 Porto set.

Lima, R. B., da Silva Brito., S. M. B., Calvi, M. F., & de Morais, V. A. (2020). Perda de vegetação e Políticas Públicas: Estudo de uma Área de Assentamento de Reforma Agrária na Amazônia Meridional. Revista de Ciências Agrárias, 43(2), 231-239.

Lopes, J. M. A., Dos Santos, A. M. & Nunes, F. G. (2019). Análise do desmatamento nas áreas de influência da BR-421 e as pressões sobre áreas especiais no Oeste de Rondônia. Sociedade e Território. Vol. 31, N. 2, p. 282–304.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. (2020). Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal. Plano para Controle do Desmatamento Ilegal e Recuperação da Vegetação Nativa. Obtido em: https://www.mma.gov.br/informma/item/616-preven%C3%A7%C3%A3o-e-controle-do-desmatamento-naamaz%C3%B4nia.

Nascimento, J. S., dos Santos Junior, C. S., Monteiro, M. J. G., Lopes, P. V. N., & da Silva, Y. P. (2019). Monitoramento ambiental Impactos ambientais movidos pelo desmatamento sucessivo da Amazônia Legal. Brazilian Journal of Development, 5(12), 33157-33167.

Rego, A. K. C. & Kato, O. R. (2017). Agricultura de corte e queima e alternativas agroecológicas na Amazônia. Novos Cadernos NAEA, v. 20, n. 3, p.203-224.

SEPLANGEC - Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão. (2017). Revisão do Plano Diretor de Eldorado do Carajás. Comissão Municipal do Processo de Revisão do Plano Diretor Municipal Participativo (PDMP). Eldorado dos Carajás.

Silva, B. N. R., Silva, L.G.T., Sampaio, S.M.N. (2002). Caracterização biofísica, solos e aptidão agrícola das terras em áreas de projeto de assentamento oficial: PA. São Francisco, Sudeste Paraense. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. Embrapa Amazônia Oriental. Documentos, 136. 38p.

Soares-Filho, B. S., Nepstad, D. C., Curran, L., Cerqueira, G. C., Garcia, R. A., Ramos, C. A., Voll, E., Mcdonald, A., Lefebvre, P. & Schlesinger, P. (2006). Modelling conservation in the Amazon basin. Nature, 440: 520-523. 2006.

Soares, J. L. N. & Espindola, C. R. (2008). Geotecnologias no planejamento de assentamentos rurais: Premissa para o desenvolvimento rural sustentável. Ruris, volume 2, número 2, setembro de 2008.

Sousa, D. A., Brito, G. M., Viana, E. C. O., Gomes, M. S. (1999). Diagnóstico socioeconômico e plano de desenvolvimento preliminar do projeto de Assentamento São Francisco. Marabá. 24 p.

Souza, A. L., Campos, M. C. C., Silva, V. V., Soares, S. C. R. & Silva, W. L. M. (2018). Sustentabilidade ambiental na Amazônia e os assentamentos rurais. Revista EDUCAmazônia - Educação Sociedade e Meio Ambiente. Ano 10, Vol. XX, Número 1, Pág. 36 – 54.

Yanai, A. M., Nogueira, E. M., Graças, P. M. L.A. & Fearnside, P. M. (2017). Deforestation and Carbon Stock Loss in Brazil’s Amazonian Settlements Aurora Miho Yanai. Environmental Management. 59:393–409.

Published

14/11/2020

How to Cite

Amorim, I. A. ., & Homma, A. K. O. . (2020). Evolution of deforestation and environmental liabilities in an agrarian reform settlement project in Southeast Para. Research, Society and Development, 9(11), e2999119887. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9887

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences