Analysis of the pharmaceutical assistance management situation in a municipality in the interior of Bahia

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9889

Keywords:

Pharmaceutical Assistance; Health Management; Health unic system.

Abstract

The institutionalization of Pharmaceutical Assistance in primary health care in Brazil, in municipal health systems, is still partial and occurs heterogeneously in different regions of the country. This institutionalization must be guided by the performance of professionals who seek to understand and promote public health policies to manage health services, in an interdisciplinary, intersectoral and multiprofessional perspective that can contribute to the consolidation of the Family Health Strategy. Research with a descriptive, quantitative and exploratory approach of the cross-sectional type, the interviews were carried out in July 2020 with twelve managers of Primary Care, being the Secretary of Health; the Coordinator of the Psychosocial Care Center; the Primary Care Coordinator; the Pharmaceutical Assistance Coordinator; and the managers of the Basic Health Units. This research aimed to report the situation of the PA management and planning capacity, in addition to the identification of possible points of improvement for advancing the service. Dispensing in the units is performed by the nursing technician. All managers know the Municipal List of Medicines, the existence of monitoring and evaluation of care actions is not seen by all managers. Despite advances in Pharmaceutical Assistance across the country and in the municipality studied, there is still much to be done so that problems do not compromise the quality of services.

References

Alencar, T. O. S., Araújo, P. S., Costa, E. A., Barros, R. D., Lima, T. O. R., Paim, J. S. (2018). Programa Farmácia Popular do Brasil: uma análise política de sua origem, seus desdobramentos e inflexões. Saúde debate, 42, 159-172. https://doi.org/10.1590/0103-11042018s211.

Araújo, S. Q., Costa, K. S., Luiza, V. L., Lavras, C., Santana, E. A. T., Noemia, U. L. (2017). Organização dos serviços farmacêuticos no Sistema Único de Saúde em regiões de saúde. Ciênc. saúde coletiva, 22(4), 1181-1191. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017224.27042016.

Barbosa, M. M., Garcia, M. M., Nascimento, R. C., Rezende, M., Reis, E. A., Guerra, A. A. J., Acurcio, F. A., Álvares, J. (2017). Avaliação da infraestrutura da Assistência Farmacêutica no Sistema Único de Saúde em Minas Gerais. Ciênc. Saúde coletiva, 22 (8), 2475-2486. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017228.10952017.

Barreto, J. L, Guimarães, M. C. L. (2010). Avaliação da gestão descentralizada da assistência farmacêutica básica em municípios baianos, Brasil. Cad Saúde Pública, 26(6),1207-20. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000600014.

Bermudez, J. A. Z., Esher, A., Osorio-Decastro, C. G. S., Vasconcelos, D. M. M., Chaves, G. C., Oliveira, M. A., Luiza, V. L. (2018). Assistência Farmacêutica nos 30 anos do SUS na perspectiva da integralidade. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 1937-1949. https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.09022018.

Cabral, I. E., Tyrrell, M. A.R. (1998). O objeto de estudo e a abordagem de pesquisa qualitativa na enfermagem. In: Gauthier, J. H. M., Cabral, I. E., Santos, I., Tavares, C. M. M. Pesquisa em Enfermagem: novas metodologias aplicadas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogam;1998. 18-29.

Gadelha, C. A. G., Costa, K. S., Nascimento Júnior, J. M., Soeiro, O. M., Mengue, S. S., Motta, M. L., Carvalho, A. C. C. (2016). PNAUM: abordagem integradora da Assistência Farmacêutica, Ciência, Tecnologia e Inovação. Rev. Saúde Pública, 50(Suppl 2): 3s. https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2016050006153.

Garcia, M. M., Guerra, J. A. A., Acúrcio, F. A. (2017). Avaliação econômica dos Programas Rede Farmácia de Minas do SUS versus Farmácia Popular do Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2017 Jan; 22 (1): 221-233. https://doi.org/10.1590/1413-81232017221.15912015.

Gerlack, L. F., Karnikowski, M. G. O., Areda, C. A., Galato, D., Oliveira, A. G., Álvares J., Acurcio, F. A. (2017). Gestão da assistência farmacêutica na atenção primária no Brasil. Rev Saúde Pública, 51(supl2):15s. https://doi.org/10.11606/S01518-8787.2017051007063.

Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm.

Leite, S. N., Manzini, F., Álvares, J., Guerra Júnior, A. A., Costa E. A., Acurcio, F. A., Farias M. R.(2017). Infraestrutura das farmácias da atenção básica no Sistema Único de Saúde: Análise dos dados da PNAUM-Serviços. Rev, saúde pública, 51(supl2), 13s. https://doi.org/10.11606/S01518-8787.2017051007120.

Matus, C. (1993). Política, planejamento & governo (vol. 1). Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Manzini, F., Farias, M. R., Rover, M. R. M., Mendes, S. J., Leite, S. N. (2015). Gestão da Assistência Farmacêutica: Proposta para Avaliação no Contexto Municipal: A Experiência em Santa Catarina. Florianópolis: Editora da UFSC, 147-160. https://doi.org/10.1590/1413-81232017228.01602017.

Mendes, S. J., et al. (2015) Gestão da assistência farmacêutica: avaliação de um município catarinense, Revista Eletrônica Gestão & Saúde, 06(01), 4- 29.

Monteiro, C. N., Gianini, R. J., Barros, M. B. A., Galvão, C. L. C., Goldbaum, M. (2016) Acesso a medicamentos pelo Sistema Único de Saúde e equidade: inquéritos de base populacional em São Paulo, Brasil. Rev. bras. epidemiol. 2016 Mar; 19(1), 26-37. https://doi.org/10.1590/1980-5497201600010003.

Monteiro, E. R., Lacerda, J. T. (2016). Promoção do uso racional de medicamentos: uma proposta de modelo avaliativo da gestão municipal. Saúde Debate, 40(111), 101–116. https://doi.org/10.1590/0103-1104201611108.

Oliveira, W. R. (2018). Gestão da assistência farmacêutica em regiões de saúde do Ceará: um recorte do Projeto QualiSUS-Rede, Rev. Gestão & Saúde, 9(1), 95-109.

Portaria n° 3.916, de 30 de outubro 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/1998/prt3916_30_10_1998.html.

Rover M. R. M. (2016). Avaliação da capacidade de gestão do componente especializado da assistência farmacêutica em Santa Catarina [tese]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina. https://doi.org/10.18673/gs.v9i1.24121.

Santos V. B., Rosa O. S.; Leite, F. M. C. (2017). A importância do papel do farmacêutico na Atenção Básica. Rev. Bras. Pesq. Saúde, 19(1):39–43.

Silva, S. N.; Lima, M. G. (2017). Assistência Farmacêutica na Saúde Mental: um diagnóstico dos Centros de Atenção Psicossocial. Ciênc. saúde coletiva, 22(6): 2025-2036. https://doi.org/10.1590/1413-81232017226.25722016.

S

ilva, R. M; Caetano, R. (2016). Custos da assistência farmacêutica pública frente ao Programa Farmácia Popular. Rev. Saúde Pública, 50, 74. https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2016050006605

Souza, G. S., Costa, E. A., Barros, R. D., Pereira, R. D., Barreto, J. L., Guerra Júnior, A. A., Leite, S. N. (2017). Caracterização da institucionalização da assistência farmacêutica na atenção básica no Brasil. Rev. Saúde Pública, 51(Suppl 2), 7s. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2017051007135

Vieira, F. S.; Zucchi, P. (2014). Gestão da Assistência Farmacêutica: Análise da situação de alguns municípios, Tempus, actas de saúde colet, 8(4), 11- 29. https://doi.org/10.18569/tempus.v8i4.1581

Published

14/11/2020

How to Cite

Lopes, L. S., Santos, T. A. dos, & Rodrigues, R. L. de A. . (2020). Analysis of the pharmaceutical assistance management situation in a municipality in the interior of Bahia. Research, Society and Development, 9(11), e3009119889. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9889

Issue

Section

Health Sciences