Nurses' perspectives on the work process in primary health care: challenges and perspectives

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29744

Keywords:

Family Health Strategy; Organization and Administration; Planning; Nurses; Health teaching.

Abstract

Introduction: The health work process is configured as a systematic organization of different activities and actors, fostered by decision-making that aims to ensure the success of necessary and priority actions and interventions in health services. Objective: The objective was to characterize the work process in the Family Health Strategy from the perspective of the nurse, with emphasis on the main challenges and perspectives. Method: Descriptive study with a quantitative and qualitative approach, whose population was nurses from the Family Health Strategy in a municipality in the interior of Tocantins, Brazil. Data were collected through a questionnaire, analyzed quantitatively by relative and absolute frequencies, and qualitatively by categorical critical analysis. Results and Discussion: The nurses' perception of the work process in the ESF was characterized according to the thematic cores: “How do I work? How do I articulate the actions and the team? How do I rate what I do? How do I improve the work?”. Conclusion: The main challenges highlighted are related to professional training, the management of work and personnel dynamics, and the pre-established model in the public health system. The perspectives lie in the potential for change and updating, as well as in the systematization of the planning and evaluation of the work process.

Author Biography

Rogério Carvalho de Figueredo, Universidade Federal de Goiás

Enfermeiro. Doutorando em Enfermagem e Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Especialista em Micropolítica da Gestão e do Trabalho em Saúde pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Especialista em Saúde Pública com ênfase em Saúde Coletiva e da Família pela Faculdade ITOP. Especialista em Metodologias Ativas de Aprendizagem pela Faculdade UNYLEYA.

References

Almeida, P. F. D., Medina, M. G., Fausto, M. C. R., Giovanella, L., Bousquat, A., & Mendonça, M. H. M. D. (2018). Coordenação do cuidado e atenção primária à saúde no Sistema Único de Saúde. Saúde em debate, 42, 244-260. https://www.scielo.br/j/sdeb/a/N6BW6RTHVf8dYyPYYJqdGkk/?format=pdf&lang=pt

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: MS; Série A. Normas e Manuais Técnicos. Série Pactos pela Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_basica_2006.pdf

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial União. 21 set 2017. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html

Brito, G. E. G. D., Mendes, A. D. C. G., & Santos Neto, P. M. D. (2018). Purpose of work in the Family Health Strategy. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 22, 77-86. https://www.scielosp.org/pdf/icse/2017.nahead/10.1590/1807-57622016.0672/pt

Cardoso, R. C. G., & de Andrade Baptista, J. A. (2017). Modelos organizacionais: um estudo da gestão horizontal. South American Development Society Journal, 1(3), 68-84. http://www.sadsj.org/index.php/revista/article/view/23/22

Christovam, B. P., Porto, I. S., & Oliveira, D. C. D. (2012). Gerência do cuidado de enfermagem em cenários hospitalares: a construção de um conceito. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(3), 734-741. https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n3/28.pdf

Coelho, J. S. (2012). Construindo a participação social no SUS: um constante repensar em busca de equidade e transformação. Saúde e Sociedade, 21, 138-151. https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v21s1/12.pdf

Facchini, L. A., Tomasi, E., & Dilélio, A. S. (2018). Qualidade da Atenção Primária à Saúde no Brasil: avanços, desafios e perspectivas. Saúde em Debate, 42, 208-223. https://www.scielosp.org/pdf/sdeb/2018.v42nspe1/208-223/pt

Fernandes, M. C., Silva, L. M. S. D., Silva, M. R. F. D., & Moreira, T. M. M. (2015). Ações de gerência do cuidado na Estratégia Saúde da Família. Rev Rene. 16(5):664-71. http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/2792/2166

Ferreira, T. L. S., de Souza, D. R. S., & de Andrade, F. B. (2016). Avaliação da gestão do trabalho com enfoque na atuação dos profissionais da atenção primária à saúde. Revista Ciência Plural, 2(2), 99-113. https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/10974/7848

Figueredo, R. C. & Gonzales, R. I. C. (2022). Aportes e Ferramentas para o planejamento estratégico em Saúde na atenção Primária. Revista Científica do ITPAC, 15(1), fevereiro. https://revista.unitpac.com.br/index.php/itpac/issue/view/v15-rcitpac-fev-2022/21

Figueredo, R. C., Gonzales, R. I. C., Signor, E., Silva, L. S., da Silva Amorim, R. C. C., de Almeida, D. R., ... & de Oliveira Bianchini, A. S. M. (2022). Avaliação da atenção primária em saúde no Brasil: principais características, limitações e potencialidades entre PMAQ e PCATool. Research, Society and Development, 11(1), e29311124395-e29311124395. https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24395

Galavote, H. S., Zandonade, E., Garcia, A. C. P., Freitas, P. D. S. S., Seidl, H., Contarato, P. C., ... & Lima, R. D. C. D. (2016). O trabalho do enfermeiro na atenção primária à saúde. Escola Anna Nery, 20(1), 90-98. https://www.scielo.br/pdf/ean/v20n1/1414-8145-ean-20-01-0090.pdf

Godoy, C. V. (2019). As clínicas médicas populares privadas: uma alternativa para a crise da saúde? Os casos de Fortaleza (CE) e Belém (PA). Contribuciones a las Ciencias Sociales, (mayo). https://www.eumed.net/rev/cccss/2019/05/clinicas-medicas-populares.html

Likert, R. (1932). A technique for the measurement of attitudes. Archives of psychology. https://legacy.voteview.com/pdf/Likert_1932.pdf

Martins, P. C., Cotta, R. M. M., Mendes, F. F., Priore, S. E., Franceschinni, S. D. C. C., Cazal, M. D. M., & Batista, R. S. (2011). De quem é o SUS? Sobre as representações sociais dos usuários do Programa Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 16, 1933-1942. https://www.scielo.br/pdf/csc/v16n3/27.pdf

Moreira, J., Damiani, A. P. M., & Scussel, C. (2017). Educação permanente em saúde na estratégia saúde da família: reflexões a partir do existencialismo e da educação libertadora. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, 26(50), 255-272. http://www.revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4281/2678

Oliveira, A. M. C., & Dallari, S. G. (2017). Análise dos fatores que influenciam e condicionam a participação social na Atenção Primária à Saúde. Saúde em Debate, 41, 202-213. https://www.scielosp.org/pdf/sdeb/2017.v41nspe3/202-213/pt

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica.[e-book]. Santa Maria. Ed (pp. 3-9). UAB/NTE/UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf

Peruzzo, H. E., Bega, A. G., Lopes, A. P. A. T., Haddad, M. D. C. F. L., Peres, A. M., & Marcon, S. S. (2018). Os desafios de se trabalhar em equipe na estratégia saúde da família. Escola Anna Nery, 22(4):e20170372. https://www.scielo.br/pdf/ean/v22n4/pt_1414-8145-ean-22-04-e20170372.pdf

Reuter, C. L. O., Maciel, P. P., Santos, V. C. F. D., Riquinho, D. L., & Ramos, A. R. (2020). Challenges of municipal planning from the perspective of nurse managers. Revista Brasileira de Enfermagem, 73. https://www.scielo.br/pdf/reben/v73n2/pt_0034-7167-reben-73-02-e20180409.pdf

Rodrigues, M. P., Melo, R. H. V., Vilar, R. L. A., Silva, G. S. N., & Silva, A. B. (2017). Ressignificando o trabalho na estratégia saúde da famíla: desafios para a integralidade do cuidado em saúde. Revista Brasileira de Inovação Tecnológica em Saúde-ISSN: 2236-1103. https://periodicos.ufrn.br/reb/article/view/6768/8974

Santos, A. M., da Nóbrega, I. K. S., Assis, M. M. A., de Jesus, S. R., Kochergin, C. N., Júnior, J. P. B., ... & Santana, K. C. (2015). Desafios à gestão do trabalho e educação permanente em saúde para a produção do cuidado na estratégia saúde da família. Revista de APS, 18(1). https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15469

Santos, L. A., Torres, A. E., & Ferreira, M. G. (2019). Planejamento estratégico: instrumento transformador do processo de trabalho em saúde. Revista Laborativa, 8(1), 57-81. https://ojs.unesp.br/index.php/rlaborativa/article/view/2522

Silva, S. A. D., & Fracolli, L. A. (2014). Avaliação da estratégia saúde da família: perspectiva dos usuários em Minas Gerais, Brasil. Saúde em Debate, 38, 692-705. https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v38n103/0103-1104-sdeb-38-103-0692.pdf

Souza, G. C. D., Peduzzi, M., Silva, J. A. M. D., & Carvalho, B. G. (2016). Trabalho em equipe de enfermagem: circunscrito à profissão ou colaboração interprofissional?. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50, 0642-0649. https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v50n4/pt_0080-6234-reeusp-50-04-0642.pdf

Published

22/05/2022

How to Cite

FIGUEREDO, R. C. de; SILVA, D. C. da .; RIBEIRO, R. R.; BIANCHINI, A. S. M. de O. .; SILVA, L. S. .; AMORIM, R. C. C. da S. .; ALMEIDA, D. R. de .; CELESTINO, K. A. de A. .; GONZALES, R. I. C. . Nurses’ perspectives on the work process in primary health care: challenges and perspectives. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e24511729744, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29744. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29744. Acesso em: 6 jul. 2022.

Issue

Section

Health Sciences