Cultural and organizational contexts of the use of mechanical restraint by psychiatric services in the Piedmont region, Italy

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10120

Keywords:

Mental Health; Psychiatry; Mental Health Services; Intervention During the Crisis; Ethnography.

Abstract

The aim of this text is to present the preliminary results of an ethnographic study entitled La contenzione del paziente psichiatrico: Un’indagine sociologica e giuridica, written by the researchers Mario Cardano, Alessandra Algostino, Marta Caredda, Luigi Gariglio and Cristina Pardini, based on the interview that the leading researcher provided to the Italian site Letture.org. The study had as starting point a set of questions which were included in the following leading question: What cultural and organizational aspects Diagnosis and Healing Psychiatric Services determine the use of mechanical restraint? It is important to think about the historical process of comprehension related to mental disorder and crisis, the way of care, the traditional coercive practices, as the mechanical restraint in Piedmont and Friuli Venezia Giulia regions, Italy, which reinforce similar models from other countries, like in Brazil.

Author Biographies

Mario Cardano, Universidade de Torino

Professor do Departamento de Política, Culturas e Sociedade da Universidade de Turim – Itália. Graduado em filosofia pela Universidade de Turim, Itália. PhD em Sociologia e Pesquisa Social pela Universidade de Trento, Itália. Coordenador Interuniversitário de Doutoramento em Sociologia e Metodologia da Investigação Social (SOMET). Seus principais eixos de pesquisa são: metodologia das ciências sociais (métodos e epistemologia da pesquisa qualitativa) e sociologia da saúde com ênfase em saúde mental.

Vanessa Rodrigues Pucci, UFSM

Nutricionista, Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Enfermagem - Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, Mestrado em Enfermagem - Universidade Federal de Santa Maria - UFSM. Licenciatura em Letras, habilitação em Língua Italiana e Literaturas de Língua Italiana, UFSC.

Maria de Nazareth Rodrigues Malcher de Oliveira, Universidade de Brasília

Graduação em Terapia Ocupacional (UEPA /1993), Especialista em Saúde Mental (UnB, 2009 - Reconhecimento CREFITO 12), Mestre em Psicologia Clínica e Cultura (IP/UnB, 2010) e Doutora no Ensino em Saúde (IP/UnB, 2016). Pós-doutorado em Psicologia Fenomenológica pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia UFPA e no Departamento de Politica e Ciências Sociais na Universidade de Turim (Itália). Docente do Curso de Terapia Ocupacional na Faculdade Ceilândia, Universidade de Brasília. 

Roberta Antunes Machado, Universidade Federal de Pelotas

Enfermeira. Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Enfermagem - UFPEL. Mestrado em Enfermagem - UFPEL. Professora do Curso Técnico em Enfermagem do IFRS - Rio Grande. 

Luciane Prado Kantorski, Universidade Federal de Pelotas

Enfermeira, Pós-doutorado na Università degli Studi di Torino, Itália.  Doutora em Enfermagem -Universidade de São Paulo - Ribeirão Preto-EERP, Mestrado em Educação - UFSM.  Professora Titular da Universidade Federal de Pelotas. - UFPEL.

Teresinha Heck Weiller, Universidade Federal de Santa Maria

Enfermeira, Pós-doutora em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem da USP/ Ribeirão Preto. Doutora em Enfermagem em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo - USP,  Mestrado em Enfermagem em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo - USP. Professora Associada da Universidade Federal de Santa Maria. 

References

Cardano, M. (2020). Defending Qualitative Research: Design, Analysis, and Textualization. New York: Routledge.

Cimador, F. (2017). A cultura da não contenção da pessoa idosa – uma necessidade, um direito, e uma batalha ética e política. Rev Enferm UFSM, 7(1).

Del’Olmo, F. S. & Cervi, T. M. D. (2017). Sofrimento Mental e Dignidade da Pessoa Humana: os desafios da reforma psiquiátrica no Brasil. Sequência (Florianópolis), 77, 197-220.

Dell’Acqua, G. & Mezzina, R. (1991). Resposta à Crise. In: J. Delgado, A Loucura na Sala de Jantar (pp. 53-79). São Paulo: Resenha.

Deviat, M. (1999). A reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Erickson, K. E. & Stull, D. (1998). Doing Team Ethnography: Warnings and Advices. London: Sage.

Ferigato, S. H., Campos, R. T. O. & Ballarin, M. L. G. S. (2007). O atendimento à crise em saúde mental: ampliando conceitos. Revista de Psicologia da UNESP, 6(1), 31-44.

Malcher, M (2009). Significados e significantes da cronicidade na esquizofrenia no processo a reforma psiquiátrica: pensar em outra via de cuidados. In Costa, I. & Grigolo, T. (2009). Tecendo redes em saúde mental no cerrado: estudos e experiências de atenção em saúde mental. Brasília: Universidade de Brasília/Ministério da Saúde. p. 302 – 313.

Menezes, A. K., Santana, R. F. & Cimador, F. (2016). Práticas assistenciais restritivas e o paradigma da cultura de não contenção da pessoa idosa. In: E. V. Freitas & L. Py, Tratado de geriatria e gerontologia (pp. 6582-627). 4ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Ministério da Saúde. (2011). Saúde Mental no SUS: as novas fronteiras da Reforma Psiquiátrica. Brasília: Coordenação-geral de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas.

Mislej, M. & Bicego, L. (2011). Contro la contenzione: Garantire sempre, a ogni cittadino, l'articolo 13 della Costituzione, si può, si deve. Santarcangelo di Romagna: Maggioli Editore.

Oliveira, P. R. M. (2002). Valorizando a palavra na emergência psiquiátrica: a recepção das diferenças. Dissertação de Mestrado, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Organização Mundial de Saúde. (2001). Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Geneva: OMS.

Organização Mundial de Saúde. (2018). Mental Health Atlas 2017. Geneva: OMS.

Organização Pan-Americana da Saúde. (2013). Plano de Ação sobre Saúde Mental 2013-2020. Washington: OPAS.

Organização Pan-Americana da Saúde. (2018). Folha Informativa - Transtornos Mentais. Washington: OPAS.

Potter, P. A. & Perry, A. G. (2012). Fundamentos de enfermagem. 8ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Rossi, L. M., Marcolino, T. Q., Speranza, M. & Cid, M. F. B. (2019). Crise e saúde mental na adolescência: a história sob a ótica de quem vive. Cad. Saúde Pública, 35(3).

Rotelli, F., Leonardis, O., Mauri, D. & Risio, C. (1990). Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec.

Silva, M. N. R. M. O., Abbad, G. S., & Montezano, L. (2019). Practices and Therapeutic Strategies of the Psychosocial Care Centers Alcohol and Drugs. Paidéia (Ribeirão Preto), 29.

Vasconcelos, E. M. (2008). Abordagens psicossociais, vol I: história, teoria e trabalho no campo. São Paulo: Hucitec.

Willrich, J. Q. (2016). A crise psíquica no discurso da Atenção Psicossocial: um acontecimento de saber, poder e subjetivação. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.

Published

29/11/2020

How to Cite

CARDANO, M.; PUCCI, V. R. .; OLIVEIRA, M. de N. R. M. de; MACHADO, R. A. .; KANTORSKI, L. P. .; WEILLER, T. H. Cultural and organizational contexts of the use of mechanical restraint by psychiatric services in the Piedmont region, Italy. Research, Society and Development, [S. l.], v. 9, n. 11, p. e64591110120, 2020. DOI: 10.33448/rsd-v9i11.10120. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/10120. Acesso em: 17 jul. 2024.

Issue

Section

Health Sciences