Microbiological profile of milk of Curraleiro Pé-Duro and Pantaneiro cattle breeds

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10194

Keywords:

Microbiological evaluation; Conservation of genetic resources; Quality control.

Abstract

The microbiological quality of raw milk can be directly influenced by the health of the animals, hygiene procedures performed during milking and storage conditions of the product. Given the need to characterize the microbiological aspects related to milk production of the bovine herds of the breeds Curraleiro Pé-Duro and Pantaneiro, 333 samples of raw milk were evaluated from the count of aerobic microorganisms mesophilic, psychrotrophic, Staphylococus coagulase positive as well as the determination of the most likely number of coliforms at 30°C and 45°C. Results showed low levels of contamination of milk samples by mesophils (7.5x101 - 8.7x103 CFU/ml - Hard Foot Currall/1.8x102 - 8.6x102 CFU/ml- Pantaneiro), psychrotrophic (2 - 1.4x102 CFU/ml / 2, 6x101 - 1.4x102 CFU/ml), Coagulase positive Staphylococcus (4 - 5.2x102 CFU/ml/ 1.1x102 - 7.6 x102 CFU/ml), coliforms at 30°C( 2.0 - 40.2 NMP/ml / 0.6 - 21.9 NMP/ml) and coliforms at 45°C (0.9-14.8 NMP/ml / 0.4- 20.3 NMP/ml). These results demonstrate the potential that the cattle herds of the breeds Curraleiro Pé-Duro and Pantaneiro present regarding the microbiological quality of the milk, the adequacy of the product to the sanitary legislation as well as the technological viability of this food matrix in the production of dairy products. 

Author Biographies

Marília Cristina Sola, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) concluída em 2008. Mestrado em Ciência Animal pela Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás (EVZ/UFG) concluído em 2011. Doutorado em Ciência Animal (EVZ/UFG) na área de concentração de Sanidade Animal, Higiene e Tecnologia de Alimentos com conclusão em 2015, também pela Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás (EVZ/UFG). Atualmente é professora adjunta do Instituto de Ciências Agrárias (ICA) 
 da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Campus Unaí-MG, na área de Higiene, tecnologia e inspeção de produtos de origem animal. Possui experiência na área de tecnologia e inspeção de leite e derivados, microbiologia de alimentos e biologia molecular.

Janaína Costa Feistel, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Goiás (2010). Mestre em Ciência Animal (Área: Sanidade Animal, Higiene e Tecnologia de Alimentos) da Universidade Federal de Goiás (2013) e doutorado em Ciência Animal (Área: Sanidade Animal, Higiene e Tecnologia de Alimentos) da Universidade Federal de Goiás

Fernanda Antunha de Freitas Alves, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Goiás (2011) e mestrado e doutorado em Ciência Animal pela Universidade Federal de Goiás (2017). Tem experiência na área de Higiene, Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Atua, principalmente, nas seguintes áreas: qualidade do leite, mastite, doenças infecciosas e parasitárias de animais, bioquímica, biologia molecular, biofísica, microbiologia e microbiologia de alimentos, tecnologia e inspeção de alimentos, higiene de indústria, controle de qualidade industrial. Atualmente trabalha junto à indústrias de laticínios na área de controle de qualidade, segurança de alimentos e assuntos regulatórios.

Maria Clorinda Soares Fioravanti, Universidade Federal de Goiás

É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq desde 01/08/2002. Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Goiás (1986), mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais (1992), doutorado em Clínica Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999) e pós-doutorado pela Universidade de Córdoba, Espanha (2010). É Professora Titular da Universidade Federal de Goiás, tendo iniciado a carreira docente em 1992. Tem experiência na área de Medicina Veterinária, com ênfase em Clínica e Patologia Veterinária / Conservação de Recursos Genéticos Animais, atuando principalmente nos seguintes temas: fotossensibilização, conservação e caracterização de bovinos de raças locais (Curraleiro e Pantaneiro), nefrologia, hepatopatia e nutrição clínica de cães e gatos. Orienta mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal da EVZ/UFG. Foi Coordenadora de Pesquisa da UFG (12/2002 a 1/2006), primeira Pró-Reitora de Pesquisa e Inovação da UFG (01/2014 a 01/2018), Presidente do Colégio de Pró-reitores de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação das IFES ? COPROPI/ANDIFES (2016-2017), Membro do Comitê Assessor de Medicina Veterinária do CNPq (07/2010 a 11/2014), Membro Fundador do Colégio Brasileiro de Nefrologia e Urologia Veterinárias e Presidente da Associação Latinoamericana de Buiatria (2013 a 2017). Atualmente é Diretora da Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG e Vocal da Associação Latinoamericana de Buiatria.

Raquel Soares Juliano, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Pantanal

Graduada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, fez mestrado e doutorado em sanidade animal na Universidade Federal de Goiás. Trabalhou como autônoma em clínica e cirurgia de pequenos animais e foi docente na área de medicina veterinária preventiva e imunologia. Atualmente é Pesquisadora A da Embrapa Pantanal e dedica-se a projetos relacionados a sanidade animal e programas de conservação de raças naturalizadas. Em 2009 foi nomeada pela Embrapa, curadora do rebanho de bovino Pantaneiro com a responsabilidade de atender às demandas de pesquisa com a finalidade de expansão e divulgação da raça. Em 2013 foi nomeada representante da Red Conbiand no Brasil e atuou como vice coordenadora da Rede Pró-Centro Oeste "Caracterização, Conservação e Uso das Raças Bovinas Locais Brasileiras: Curraleiro e Pantaneiro" de 2012 a 2018. Entre 2013 e 2015 coordenou projetos sobre uso de alimentação alternativa para produção de "ovos caipiras", trabalhando em parceria com Universidade de Buea (Camarões) e Fundação Bradesco (MS/Brasil) numa abordagem de soberania e segurança alimentar. Foi membro da CEUA-Embrapa Pantanal desde sua implantação nessa unidade até o ano de 2020. Membro permanente da Pós Graduação em Ciências Veterinárias (FAMEZ/UFMS) e da Pós Graduação em Estudos Fronteiriços (CPAN/UFMS) orientando e ministrando aulas com temas relacionados a Saúde Única, Sanidade Animal, Zoonoses e Conservação in situ.

Cíntia Silva Minafra e Rezende, Universidade Federal de Goiás

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Viçosa (1997), mestrado em Medicina Veterinária (2002) e doutorado em Ciência Animal pela Universidade Federal de Goiás (2006). Possui formação complementar em Sistemas de Gestão da Qualidade e Requisitos para Sistemas de Gestão Laboratorial pela ISO/IEC 17025:2017. É professora da Escola de Veterinária e Zootecnia da UFG, área de inspeção de alimentos de origem animal: abate e inspeção de aves, microbiologia de alimentos (ênfase em patógenos), análises físico-quimicas de alimentos e sistemas de gestão laboratorial. Foi vice coordenadora (2010-2012) e coordenadora (2012-2015) do Programa de Pós Graduação em Ciência Animal da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás. Entre 2015-2016 fez Pós Doutorado, em Microbiologia de Alimentos (atenção a Campylobacter termotolerantes), na Agence Nationale de Sécurité Sanitaire, Alimentation, Environnement et du Travail - Unité Hygiene et Qualité des Produit Avicoles et Porcins - Laboratoire de Ploufragan/Plouzané, ANSES - França. Desde 2017, auxilia a Escola de Veterinária e Zootecnia em sua interação com instituições de pesquisa e ensino francesas. É consultor Ad Hoc cadastrado (2020 - 2024) ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para a área de Perigos Biológicos. Atualmente exerce função de Coordenadora do Centro de Pesquisa em Alimentos com acreditação sob o número de registro CRL 1058 sendo componente da Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio (RBLE - ABNT NBR ISO/IEC 17025:2017).

References

Apha - American Public Health Association. Compendium of Methods for the Microbiological Examination of Foods. (4a ed.), Washington, 2001.676p.

Ataíde, W. S., Maciel, J. F., Lima, P. L. A., Lima, A. R. C., Silva, V. G., & Silva, J. (2008). Avaliação microbiológica e físico-química durante o processamento do leite pasteurizado. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 67(1):73-77.

Barreto, N. S. E., Santos, G. C. F., Crepaldi, A. L., & Santos, R. A. R. (2012). Qualidade microbiológica e suscetibilidade antimicrobiana do leite in natura comercializado em Cruz das Almas, Bahia. Semina: Ciências Agrárias, 33, (6):2315-26. DOI: 10.5433/1679-0359.2012v33n6p2315.

Bianchini, E., McManus, C., Lucci, C. M., Fernandes, M. C. B., Prescott, E., Mariante, A. S. & Egito, A. A. (2006). Características corporais associadas com a adaptação ao calor em bovinos naturalizados brasileiros. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 41(9), 1443-48.

Bondan, C., Folchini, J. A., Noro, M., Quadros, D. L., Machado, K. M. & González, F. H. D. (2018). Milk composition of Holstein cows: a retrospective study. Ciência Rural, 48(12), e20180123. https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20180123

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Inspeção de Produtos de origem Animal. Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. Instrução Normativa nº 62, de 26 de agosto de 2003. Diário Oficial da União. Set. 2003

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa Nº 76, de 2018. Dispõe sobre os Regulamentos Técnicos que fixam a identidade e as características de qualidade que devem apresentar o leite cru refrigerado, o leite pasteurizado e o leite pasteurizado tipo A, na forma desta Instrução Normativa e do Anexo Único. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30.11.2018.

Carmo, A. S., Kolling, G. J., Egito, A. A., Mariante, A. S., Albuquerque, M. S. M., Garcia, J. F., & Silva, M. V. G. B. (2015). Divergência genômica entre as raças bovinas brasileiras localmente adaptadas. XXV Congresso Brasileiro de Zootecnia Zootec; 2015; Fortaleza, Brasil. Fortaleza: Zootec; 2015. 1-3.

Carvalho, G. M. C., Fé da Silva, L.R., Almeida, M.J.O., Lima Neto, A.F. & Beffa, L.M. (2013). Avaliações fenotípicas da raça bovina Curraleiro Pé-Duro do Semiárido do Brasil. Archivos de Zootecnia, 62 (237), 9-20.

Chye, F. Y. Abdullah, A & Ayob, M.A. (2004). Bacteriological quality and safety of raw milk in Malaysia. Food Microbiology, 21(5), 535-41. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.fm.2003. 11.007

Félix, G. A., Piovezan, U., Juliano, R. S., Silva, M. C. & Fioravanti, M. C. S. (2013). Potencial de uso de raças bovinas locais brasileiras: Curraleiro Pé -Duro e Pantaneiro. Enciclopédia Biosfera, 9(16), 1715.

Fioravanti, M. C. S., Juliano, R. S., Costa, G. L., Abud, L. J., Cardoso, V. S., Carpio, M. G., & Costa, M. F. O. (2011). Conservación del bovino Curraleiro: cuantificación del censo y caracterización de los criadores. Animal Genetic Resources, 48: 109-116.

Fioravanti, M. C. S., Neiva, A. C. G. R., Moura, M. I., Oliveira e Costa, M. F., Monteiro, E. P., Monteiro, E. P. & Sereno, J. R. B. (2012). Kalungas e Curraleiro Pé-Duro: O resgate de uma tradição. Revista UFG, 13 (13), 100-112.

Georgescu, M., Savu, C., Neagu, J., & Georgescu, D. (2014). Coliform bacteria contamination profiling of raw milk cheeses using statistical assessment of type-linked correlations. AgroLife Science Journal, 3(2). 35-38.

Harmon, R. J., Eberhart, R. J., & Jasper, D. E. (1990). Microbiological procedures for diagnosis of bovine udder infection. Arlington: National Mastitis Council. 34p.

Heck, J. M., Valenberg, H. J. F., Dijkstra, J., & Hooijdonk, A. C. M.(2009). Seasonal variation in the Dutch bovine raw milk composition. Journal of Dairy Science, 92, 4745-4755. 2009. doi: 10.3168/jds.2009-2146.

Jayarao, B. M., & Henning, D. R. (2010). Prevalence of Foodborne Pathogens in Bulk Tank Milk. Journal of Dairy Science, 84(10), 2157-62.

Lambertz, C., Sanker, C., & Gauly, M. Climatic effects on milk production traits and somatic cell score in lactating Holstein-Friesian cows in different housing systems. Journal of Dairy Science, 97, 319-329. doi: 10.3168 / jds.2013-7217.

Marques Junior, H. R., Juliano, R. S., & Abdo, Y. (2012). Bovino Pantaneiro: retrospectiva histórica e fomento à raça. Unbral Fronteiras, 42, 71-86.

Martins, E. S., & Lima, C. M. F. (2013). Qualidade microbiológica de leite cru refrigerado obtido de propriedades rurais do município de Frutal-MG: comparação das ordenhas mecânica e manual. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, 7(1), 955-64. doi: http://dx.doi.org/ 10.3895/S1981-36862013000100008

Mata, N. F., Toledo, O. S., & Pavia, P. C. (2012). A importância da pasteurização: comparação microbiológica entre leite cru e pasteurizado, do tipo B. (2012). Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 384(67), 66-70.

Menezes, M. F. C., Simeoni, C. P., Etchepare, M. A., Huerta, K., Bortoluzzi, D. P., & Menezes, C. R. (2014). Microbiota e conservação do leite. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 18(5), 76-89. doi: http://dx.doi.org/10.59 02/2236117013033

Nero, L. A., Viçosa, G. N., & Pereira, F. E. V. (2009). Qualidade microbiológica do leite determinada por características de produção. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 29(2), 386-90.

Pereira, A. S., et al (2018). Metodologia da pesquisa científica. [free ebook]. Santa Maria: UAB/NTE/UFSM. Recuperado de https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/358/2019/02/ Metodologia-da-Pesquisa-Cientifica_final.pdf

Pinto, C. L. O., Martins, M. L., & Vanetti, M. C. D. (2006). Qualidade microbiológica de leite cru refrigerado e isolamento de bactérias psicrotróficas proteolíticas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, 26(3), 645-651.

Santos, G. C. F., Crepaldi, A. L., Silva, R. A. R., Cazetta, M. L., & Barreto, N. S. E. (2010). Identificação de Escherichia coli em leite in natura mantido refrigerado ou à temperatura ambiente obtido em estabelecimentos varejistas e informais. Reunião Regional da SBPC no Recôncavo da Bahia; 2010; Cruz das Almas, Brasil. Anais/Resumos da Reunião Regional da SBPC no Recôncavo da Bahia/BA.

Schalm, O. W., & Noorlander, B. S. (1957). Experiments and observations leadind to development of the California Mastitis Test. Journal of the American Veterinary Medical Association, 30(5), 199-204.

Schalm, O. W., Carroll, E. J., & Jain, N. C. (1971). Bovine mastitis. Philadelphia: Lea & Febiger, 1971.360p.

Soares e Barros, L. S., Oliveira, L. P., Cerqueira, M. G., Silva, V. C., & Oliveira, R. S. (2010). Análise microbiológica do leite cru consumido em cinco cidades do Recôncavo Baiano. Reunião Regional da SBPC no Recôncavo da Bahia; 2010; Cruz das Almas, Brasil. Anais/Resumos da Reunião Regional da SBPC no Recôncavo da Bahia/BA - ISSN 2178-3969: SBPC; 2010.

Souza, L. F., & Castro, M. L. L. (2015). Qualidade microbiológica do leite cru no município de Pontalina, GO. Revista Analytica, 58-64.

Yamazi, A. K., Moraes, P. M., Viçosa, G. N., Ortolani, M. B. T., & Nero, L. A. (2010). Práticas de produção aplicadas no controle de contaminação microbiana na produção de leite cru. Biosciene Journal, 26(4), 610-8.

Zingone, F., Bucci, C., Iovino, P., & Ciacci, C. (2017). Consumption of milk and dairy products: Facts and figures. Nutrition, 33(1), 322–325. doi:10.1016/j.nut.2016.07.019.

Published

21/11/2020

How to Cite

Sola, M. C. ., Feistel, J. C. ., Alves, F. A. de F., Fioravanti, M. C. S. ., Juliano, R. S. ., & Rezende, C. S. M. e . (2020). Microbiological profile of milk of Curraleiro Pé-Duro and Pantaneiro cattle breeds. Research, Society and Development, 9(11), e45691110194. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10194

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences