Floristic composition and potential use of species in an area of the Cerrado biome in Bandeirantes - MS

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11425

Keywords:

Forest inventory; Floristics; Wood volume.

Abstract

In order to know more precisely the wood stock and the structure of native forests, it is very important to identify the existing species and their characteristics. Thus, this work aimed to carry out a forest survey, by simple random sampling, of the floristic composition in an area of the Cerrado biome in the municipality of Bandeirantes, Mato Grosso do Sul. The methodology consisted of the delimitation of five plots of 10 x 100 m, subdivided into 25 areas of 10 x 20 m, the total and commercial height being estimated and the diameter at breast height (≥ 10 cm) of the trees was measured, obtaining the volume of wood, the shaft being classified according to quality (stake, firewood or sawmill). The survey resulted in 395 individuals belonging to 21 families and 49 species. The importance value index (IVI) was calculated for each species, indicating Vochysia tucanorum (Vochysiaceae) as the species with the highest IVI. Fabaceae was the most representative family, with 12 species, followed by Annonaceae, Bignoniaceae and Vochysiaceae, with three species each. The total volume of wood for the area was 3350.64 m3, of which 59.85% of the individuals measured could be destined for the sawmill, demonstrating the potential for use and justifying one of the reasons for the anthropization of this biome.

Author Biographies

José Carlos Pina, Universidade Anhanguera

Discente, Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional.

Ademir Kleber Morbeck de Oliveira, Universidade Anhanguera

Prof. Dr. Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional

Ricardo Anghinoni Bocchese, Universidade Anhanguera

Discente, Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional, Universidade Anhanguera-Uniderp

References

Alho, C. J. R. & Martins, E. S. (1995). De grão em grão, o Cerrado perde espaço (Cerrado-Impactos do Processo de Ocupação). Brasília: WWF-Fundo Mundial para a Natureza.

Alvarenda, F. Q., Royo, V. A., Mota, B. F. C., Laurentiz, R. S., Menezes, E. V., Melo Junior, A. F. & Oliveira, D. A. (2015). Atividade antinociceptiva e antimicrobiana da casca do caule de Psidium cattleyanum Sabine. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 17(4), 1125-1133.

Balduino, A. P. C., Souza, A. L., Meira Neto, J. A. A., Silva, A. F. & Silva Júnior, M. C. (2005). Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do Cerrado da flora de Paraopeba-MG. Revista Árvore, 29, 25-34.

Bezerra, J. S., Linhares, K. V., Calixto Júnior, J. T., Duarte, A. E., Mendonça, A. C. A. M., Pereira, A. E. P., Batista, M. E. P., Bezerra, J. W. A., Campos, N. B., Pereira, K. S., Sousa, J. D. & Silva, M. A. P. (2020). Floristic and dispersion syndromes of Cerrado species in the Chapada do Araripe, Northeast of Brazil. Research, Society and Development, 9(9), e864997934.

Brasil (2006). Ministério do Meio Ambiente. 2006. Resolução Conama nº 379, de 19 de outubro de 2006. Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal no âmbito do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA. Diário Oficial (da) República Federativa do Brasil, Brasília, DF, de 20 de outubro de 2006.

Braun-Blanquet, J. (1979). Fitosociologia: bases para el estudio de las comunidades vegetales. 3.ed. Madrid: Aum. Blume.

Bridgewater, S., Ratter, J. A. & Ribeiro, J. F. (2004). Biogeographic patterns, β-diversity and dominance in the cerrado biome of Brazil. Biodiversity and Conservation, 13, 2295-2317.

Brito, A. (2016). Heterogeneidade espaço-temporal do desmatamento do Cerrado brasileiro: estimativas e cenários de emissões de carbono. 156f. Tese (Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre). Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos.

Camilotti, D. C., Pagotto, T. C. S. & Araújo, A. C. (2011). Análise da vegetação arbórea de um remanescente de Cerradão em Bandeirantes, Mato Grosso do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botânica, 66(1), 31-46.

Carvalho, P. E. R. (2007). Jatobá-do-Cerrado Hymenaea stigonocarpa: Taxonomia e Nomenclatura. Circular Técnica Embrapa Florestas. Colombo, n. 133. p. 1-8.

Climate-Data. Clima: Bandeirantes (2017). Recuperado de https://pt.climate-data.org/location/316372/

CNCFlora. Centro Nacional de Conservação da Flora (2018). Lista Vermelha. Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Recuperado de http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/listavermelha

Coradin, L., Siminski, A. & Reis, A. (Eds.) (2011). Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: plantas para o futuro. Brasília: MMA.

Costa, F. G., Costa, V. S., Martins, I. S., Brito, E. C., Soares, K. S. A., Castro, Y. A. A. & Castro, Í. F. A. (2020). Knowing Cerrado: field classes and their importance for environmental knowledge and preservation. Research, Society and Development, 9(10), e1589108201.

Costa, R. B. (Org.) (2003). Fragmentação florestal e alternativas de desenvolvimento rural na Região Centro-Oeste. Campo Grande: UCDB.

Davide, A. C., Faria, J. M. R. & Botelho, S. A. (1995). Propagação de espécies florestais. Lavras: UFLA.

Dias-Filho, M. B. (2017). Degradação de pastagens: o que é e como evitar. Brasília: Embrapa.

Durigan, G., Contieri, W. A., Franco, G. A. D. C. & Garrido, M. A. O. (1998). Indução do processo de regeneração da vegetação de cerrado em área de pastagem, Assis, SP. Acta Botanica Brasilica, 12, 421-429.

Durigan, G. (2006). Métodos para análise de vegetação arbórea. In: Cullen Junior, L., Rudran, R. & Valladares-Pádua, C. (Orgs.). Métodos de Estudos em Biologia da Conservação e Manejo da Vida Silvestre. Curitiba: UFPR/Fundação Boticário de Proteção à Natureza. p. 455-478.

Elias, V. C. (2009). Inventário florestal e uso do solo numa propriedade rural sob domínio do Cerrado em Paranã, TO. 30f. Monografia (Graduação em Engenharia Florestal) — Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

Felfili, J. M., Nascimento, A. R. T., Fagg, C. W. & Meirelles, E. M. (2007). Floristic composition and community structure of a seasonally deciduous forest on limestone outcrops in Central Brasil. Revista Brasileira de Botânica 30, 611-621.

Felfili, J. M., Silva Júnior, M. C., Sevilha, A. C., Fagg, C. W., Walter, B. M. T., Nogueira, P. E. & Rezende, A. V. (2004). Diversity, floristic and structural patterns of cerrado vegetation in Central Brazil. Plant Ecology 175, 37-46.

Gama, J. R. V., Botelho, S. A., Bentes-Gama, M. M. & Scolforo, J. R. S. (2003). Estrutura e potencial futuro de utilização da regeneração natural de floresta de várzea alta no município de Afuá, estado do Pará. Ciência Florestal, 13, 71-82.

Gottlieb, O. R. & Borin, M. R. M. B. (1994). The diversity of plants: Where is it? Why is it there? What will it become? Anais da Academia Brasileira de Ciências, 66, 55-83.

Grecchhi, R. C., Gwyn, Q. H. J., Bénié, G. B., Formaggio, A. R. & Fahl, F. C. (2014). Land use and land cover changes in the Brazilian Cerrado: A multidisciplinary approach to assess the impacts of agricultural expansion. Applied Geography, 55, 300-312.

Hack, C., Longhi, S. J., Boligon, A. A., Murabi, A. B. & Pauleski, D. T. (2005). Análise fitossociológica de um fragmento de floresta estacional decidual do município de Jaguari, RS. Ciência Rural, 35, 1083-1091.

Hahn, C. M., Silva, A. N., Oliveira, C., Amaral, E. M., Valle, J. F. C., Rodrigues, M. S. & Soares, P. V. (Coords.) (2007). Roteiro para a elaboração de projetos de recuperação florestal para o Fundo Estadual de Recursos Hídricos – Fehidro. São Paulo: SMA/FF.

Haridasan, M. & Araújo, G. M. (1988). Aluminium-accumulating species in two forest communities in the Cerrado region of central Brazil. Forest Ecology and Management, 24, 15-26.

Husch, B., Miller, I. C. & Beers, T. W. (1982). Forest mensuration. New York: J. Wiley.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2006). Amazônia Legal - Fronteira Agrícola. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/mapas _doc3.shtm

Jácome, R. L. R. P., Oliveira, V. D. C., Oliveira, M. A. T., Mariano, M. C. F. & Oliveira, A. B. (2010). Estudo farmacognóstico comparativo das folhas de Davilla elliptica A. St.-Hil. e D. rugosa Poir., Dilleniaceae. Revista Brasileira de Farmacognosia, 20, 390-396.

Kershaw Junior, J. A., Ducey, M. J., Beers, T. W. & Hush, B. (2016). Forest mensuration. 5.ed. Hoboken: Wiley-Blackwell.

Lewis, G.P. (2000). Legumes of Bahia. Richmond: Kew Publishing/Royal Botanic Gardens.

Lewis, G., Schrire, B., Mackinder, B. & Lock, M. (Eds) (2005). Legumes of the World. Cambridge: Kew Publishing, Royal Botanic Gardens.

Lima, M. S., Damasceno Júnior, G. A. & Tanaka, M. O. (2010). Aspectos estruturais da comunidade arbórea em remanescentes de floresta estacional decidual, em Corumbá, MS, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, 33, 437-453.

Lima, E. M., Rezende, A. V., Oliveira, L. S. B.; Azevedo, G. B. & Matos, N. M. (2014). Diversidade e riqueza em área de Cerrado sensu stricto após diferentes intensidades de exploração da vegetação. Simpósio Brasileiro de Pós-Graduação em Ciências Florestais, 8, 2014, Recife. Anais... Recife: PPGCF. p. 446-449.

Lopes, T. C., Gonçalves, J. R. S., Souza, N. S., Moraes, D. F. C., Amaral, F. M. M. & Rosa, I. G. (2011). Avaliação moluscicida e perfil fitoquímico das folhas de Caryocar brasiliense Camb. Cadernos de Pesquisa, 18(3), 23-30.

Lopes, S. F., Vale, V. S., Oliveira, A. P. & Schiavini, I. (2011). Análise comparativa da estrutura e composição florística de cerrado no Brasil central. Interciencia, 36, 8-15.

Lorenzi, H. (2016). Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. v. 2. 5.ed. Nova Odessa: Plantarum.

Lorenzi, H. (2020). Árvores brasileiras: Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. v. 1. 8.ed. Nova Odessa: Plantarum.

Martinelli, G. & Moraes, M. A. (Orgs.) (2013). Livro vermelho da flora do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Martins, F. R. (1993). Estrutura de uma floresta mesófila. 2.ed. Campinas: Editora UNICAMP.

Martins, R. C. C. (2004). Germinação e crescimento inicial de três espécies pioneiras do Bioma Cerrado no Distrito Federal, Brasil. 141f. Tese (Doutorado em Ciência Florestal) — Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.

Mattos, N. F. (1979). O gênero Andira Lam. (Leguminosae Papilionoideae) no Brasil. Acta Amazonica, 9, 241-266.

Mendonça, R. A. A. & Costa, C. G. (2018). O negligenciado Cerrado paulista. Revista Brasileira de Geografia, 63, 129-155.

Menezes Filho, A. C. P. & Castro, C. F. S. (2019). Identificação das classes de metabólitos secundários em extratos etanólicos foliares de Campomanesia adamantium, Dimorphandra mollis, Hymenaea stigonocarpa, Kielmeyera lathrophytum e Solanum lycocarpum. Estação Científica (UNIFAP), 9(1), 89-101.

Monteiro, F. N. & Falcão, K. S. (2019). Resiliência em fragmento perturbado no bioma Cerrado. Research, Society and Development, 9(3), e33932351.

Moraes, L. F. D., Assumpção, J. M., Pereira, T. S. & Luchiari, C. (2013). Manual técnico para a restauração de áreas degradadas no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Moro, M. F. & Martins, F. R. (2011). Métodos de levantamento do componente arbóreo/arbustivo. In: Felfili, J. M., Eisenlohr, P. V., Melo, M. M. R. F., Andrade, L. A. & Meira Neto, J. A. (Eds.). Fitossociologia no Brasil: Métodos e estudos de casos. Viçosa: Editora UFV, p. 174-212.

Mueller-Dombois, D. & Ellenberg, H. (2003). Aims and methods of vegetation ecology. 2.ed. Caldwell: The Blackburn Press.

Oliveira, A. K. M. & Resende, U. M. (2012). Composição florística do Parque Estadual Matas do Segredo, localizado na área urbana do Município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Revista da Sociedade Brasileira de Urbanização Urbana, 7(3), 57-74.

Oliveira, A. K. M., Resende, U. M. & Schleder, E. J. D. (2014). Espécies vegetais e suas síndromes de dispersão em um remanescente de cerrado (sentido restrito) do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Ambiência, 10(2), 565-580.

Peres, M. K. (2016). Estratégias de dispersão de sementes no Bioma Cerrado: considerações ecológicas e filogenéticas. 360f. Tese (Doutorado em Botânica) - Universidade de Brasília, Brasília.

Ramos, T. C. P. M., Souza, E. F., Pina, J. C., Facco, J. T., Cassol, A. L., Santos, M. N. & Santos, M. S. M. (2017). Caracterização química de um solo de cerrado stricto sensu em Dourados-MS. Simpósio de bioquímica e biotecnologia, 6, 20-22 set. 2017, Londrina. Anais... Londrina: SIMBBTEC. p. 1-4.

Reis, A. & Kageyama, P. Y. (2003). Restauração de áreas degradadas utilizando interações interespecíficas. In: Kageyama, P. Y., Oliveira, R. E., Moraes, L. F. D., Engel, V. L. & Gandara, F. B. (Eds.). Restauração Ecológica de Ecossistemas Naturais. Botucatu: FEPAF. p. 91-110.

Reis, C. A. F., Souza, A. M., Mendonça, E. G., Gonçalvez, F. R., Melo, R. M. G. & Carvalho, D. (2009). Diversidade e estrutura genética espacial de Calophyllum brasiliense Camb. (Clusiaceae) em uma floresta paludosa. Revista Árvore, 33, 265-275.

Ribeiro, J. F. & Walter, B. M. T. (2008). As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. In: Sano, S. M., Almeida, S. P. & Ribeiro, J. F. Cerrado: ecologia e flora. Rio de Janeiro: Embrapa. p. 152-212.

Rizzini, C. T. (1978). Árvores e madeiras úteis do Brasil: Manual de dendrologia brasileira. 2.ed. São Paulo: Editora Edgard Blucher.

Rizzini, C. T. & Mors, W. B. (1995). Botânica econômica brasileira. 2.ed. Rio de Janeiro: Âmbito Cultural.

Rodrigues, R. R., Torres, R. B., Mattes, L. A. F. & Penha. A. S. (2004). Tree species sprouting from root buds in a semideciduous forest affected by fires. Brazilian Archives of Biology and Technology, 47(1), 127-133.

Rocha, C. C. C. (2011). Estimativa de volume, biomassa e carbono da vegetação lenhosa de floresta estacional no estado de Goiás. 70f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) — Universidade de Brasília, Brasília.

Rondon Neto, R. M., Santos, J. S., Silva, M. A. & Koppe, V. C. (2010). Potencialidades de uso de espécies arbustivas e arbóreas em diferentes fisionomias de cerrado, em Lucas do Rio Verde/MT. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 10, 113-126.

Saccaro Junior, N. L. (2011). A regulamentação de acesso a recursos genéticos e repartição de benefícios: disputas dentro e fora do Brasil. Ambiente & Sociedade, 14, 229-244.

Santos, R. M. & Vieira, F. A. (2005). Análise estrutural do componente arbóreo de três áreas de cerrado em diferentes estágios de conservação no município de Três Marias, Minas Gerais, Brasil. Cerne, 11, 399-408.

Sartorelli, P. A. R. & Campos Filho, E. M. (2017). Guia de plantas da regeneração natural do Cerrado e da Mata Atlântica. São Paulo: Agroicone.

SEMAC. Secretaria de Estado de Meio Ambiente, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (2011). Caderno Geoambiental das Regiões de Planejamento de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: SEMAC/SEPLAN.

SEMA-DF. Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Distrito Federal (2017). Plano recupera Cerrado: uma avaliação das oportunidades de recomposição para o Distrito Federal. Brasília: SEMA-DF.

Silva, D. H. S., Castro-Gamboa, I. & Bolzani, V. S. (2010). Plant diversity as a tool for prospecting potential therapeutic drugs. In: Mander, L. & Liu, H-W. Comprehensive Natural Products II: Chemistry and Biology. Kidlington: Elsevier Sci & Tech Book Div. p. 95-133.

Silva, I. P. (2014). Avaliação da entomofauna em frutos de espécies florestais do Cerrado. 44f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

Silva, L., Costa, D. A., Santo Filho, K. E., Ferreira, H. D. & Brandão, D. (2002). Levantamento florístico e fitossociológico em duas áreas de cerrado sensu stricto no Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, Goiás. Acta Botanica Brasilica, 16, 43-53.

Silva, M. A., Silva, G. A., Marques, M. J., Bastos, R. G., Silva, A. F., Rosa, C. P. & Espuri, P. F. (2016). Triagem fitoquímica, atividade antioxidante e leishmanicida do extrato hidroetanólico 70% (v/v) e das frações obtidas de (Annona crassiflora Mart.). Revista Fitos, 10(4), 505-517.

Silva, W. R. (2003). A importância das interações planta-animal nos processos de restauração. In: Kageyama, P. Y., Oliveira, R. E., Moraes, L. F. D., Engel, V. L. & Gandara, F. B. (Eds.). Restauração ecológica de ecossistemas naturais. Botucatu: FEPAF. p. 77-90.

Silveira, E. P. (2010). Florística e estrutura da vegetação de cerrado sensu stricto em terra indígena no noroeste do Estado de Mato Grosso. 62f. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais) - Faculdade de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

Siqueira, A. S., Araújo, G. M. & Shiavini, I. (2009). Estrutura do componente arbóreo e características edáficas de dois fragmentos de floresta estacional decidual no vale do rio Araguari, MG. Acta Botanica Brasilica, 23, 10-21.

SMA. Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Resolução SMA n. 57, de 5 de junho de 2016 (2016). Publica a segunda revisão da lista oficial das espécies da flora ameaçadas de extinção no Estado de São Paulo. In: Diário Oficial do Estado de São Paulo, Poder Executivo, São Paulo, SP, 07 jun. 2016. p. 69-71.

Soares, C. P. B., Paula Neto, F. & Souza, A. L. (2011). Dendrometria e inventário florestal. 2.ed. Viçosa: Editora UFV.

TNC. The Nature Conservancy (2019). Incentivos para produção de soja sustentável no Cerrado. São Paulo: TNC.

Useful Tropical Plants (2019). Database Search. Recuperado de http://tropical.theferns.info/query.php

Valli, M., Young, M. C. M. & Bolzani, V. (2016). A beleza invisível da biodiversidade: O táxon Rubiaceae. Revista Virtual de Química, 8(1), 296-310.

Weiser, V. L. & Godoy, S. A. P. (2001). Florística em um hectare de cerrado stricto sensu na ARIE-Cerrado Pé-de-Gigante, Santa Rita do Passa Quatro, SP. Acta Botanica Brasilica, 15, 201-212.

Published

07/01/2021

How to Cite

PINA, J. C.; OLIVEIRA, A. K. M. de; BOCCHESE, R. A. Floristic composition and potential use of species in an area of the Cerrado biome in Bandeirantes - MS. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e19910111425, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11425. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11425. Acesso em: 27 jan. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences