Family agriculture and sustainable development: a characterization of the rural producer fair in the municipality of Marechal Cândido Rondon – Paraná, Brasil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11462

Keywords:

Short circuits; Commercialization; Solidarity.

Abstract

Free trade fairs are important vectors for rural development in family agriculture, being a strategy to face difficulties related to commercialization. This research aims to characterize the rural farmer fair of Marechal Cândido Rondon/PR and provide a look at its potentialities and limitations. For this purpose, an interview was conducted with open and semi-open questions, applied to the president of the fair and twelve consumers. It was also used as a tool for the study, the Matrix FOFA (Strengths, Opportunities, Weaknesses, Threats) or SWOT Analysis (Strenghts, Weaknesses, Opportunities and Threats); and the Venn Diagram. The matrix analysis revealed that the organization of the fair is the main strength found, while the infrastructure is weakness. The fair has great opportunities, especially in its dissemination, however, presents the lack of support from Technical Assistance and Rural Extension agencies as the main threat. Although farmers are very satisfied with this short circuit commercialization model, there is a lack of investment by the local public power. The remarkable potential is the organizational process at the fair, and as a limitation there is a lack of effective dialogue between its board of directors and municipal bodies, a subject that can be investigated in future related studies. It is noted that investing in Marechal Cândido Rondon's free trade fair is to encourage not only family farmers who work on sales, but also to consolidate the importance of the class for the city's healthy food.

References

Araújo, A. M., & Ribeiro, E. M. (2018). Feiras, feirantes e abastecimento: uma revisão da bibliografia brasileira sobre comercialização nas feiras livres. Estudos Sociedade e Agricultura, 26(3), 561-583.

Assis, R. L. de. (2006). Desenvolvimento rural sustentável no Brasil: perspectivas a partir da integração de ações públicas e privadas com base na agroecologia. Economia Aplicada, 10(1), 75-89. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-80502006000100005.

Baiardi, A. (2014). Gênese e evolução da agricultura familiar: desafios na realidade brasileira e as particularidades do semiárido. Revista Econômica do Nordeste, 45(5), 143-156.

Bardin, L. (2011). L’analyse de contenu (3e tirage.). Paris: PUF.

Buainain, A. M. (2006). Agricultura familiar, agroecologia e desenvolvimento sustentável: questões para debate (No. IICA E20-30). IICA.

Buainain, A. M., & Batalha, M. O. (2007). Cadeia produtiva de produtos orgânicos (5a ed.). Bib. Orton IICA/CATIE.

Caporal, F. R., & Costabeber, J. A. (2004) Agroecologia e extensão rural: Contribuições para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. MDA/SAF/DATER - IICA.

Cepal, N. (2014). Agricultura familiar y circuitos cortos: Nuevos esquemas de producción, comercialización y nutrición. Memoria del seminario sobre circuitos cortos realizado el 2 y 3 de septiembre de 2013.

Darolt, M. R., Lamine, C., Brandenburg, A., Alencar, M. de C. F., & Abreu, L. S. (2016). Redes alimentares alternativas e novas relações produção-consumo na França eno Brasil. Ambiente & Sociedade, 19(2), 1-22. https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC121132V1922016.

Esquerdo, V. F. de S., Bergamasco, S. M. P. P., & Andrade, F. R. P. de. (2013). Agricultura Familiar e o PNAE: A implantação da Lei 11.947/2009 nos municípios do circuito das frutas-SP. Retratos de Assentamentos, 16(2), 153-173. https://doi.org/10.25059/2527-2594/retratosdeassentamentos/2013.v16i2.145.

Fals Borda, O. (1981). Investigación participativa y praxis rural. In: La ciência y el Pueblo. Grossi, F., Gianotten, V., & Wit, T. (Org.). Mosca Azul, 19-47.

Fontana, A. P. C. (2018). Tecendo relações: a feira da agricultura familiar como espaço para além da comercialização de alimentos. 2018. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural Sustentável) Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE – Marechal Cândido Rondon, Brasil.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). Editora Atlas SA.

Guillen, J. F., Coti-Zelati, P. E., & de Araújo, D. L. A. (2020). Family Farming And Sustainable Development Of Agribusiness In The Metropolitan Region Of Campinas. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 10(1), 123-145.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Cidades e Estados – Marechal Cândido Rondon. https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pr/marechal-candido-rondon.html.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE mapas. (2010). ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territ oriais/malhas_de_setores_censitarios__divisoes_intramunicipais/censo_2010.

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social. (2020). Caderno estatístico - Município de Marechal Cândido Rondon. http://www.ipardes.gov.br/cadernos/MontaCadPdf1.php?Municipio=85960&btOk=ok.

Jarosz, L. (2008). The city in the country: Growing alternative food networks in Metropolitan areas. Journal of rural studies, 24(3), 231-244.

Kinjo, T., & Ikeda, A. (2005). Comportamento do consumidor em feiras livres. CEP, 7195, 120. In: Congresso da sociedade brasileira de economia e sociologia rural. Brasília. Anais.

Kummer, L. (2007). Metodologia participativa no meio rural: uma visão interdisciplinar. conceitos, ferramentas e vivências. Salvador: GTZ.

Lago, A., Lengler, L., Coronel, D., & Silva, T. (2006). Agricultura familiar de produtos orgânicos: um olhar sob a ótica do marketing. Extensão Rural, 0(13), 93-116. Recuperado de https://periodicos.ufsm.br/extensaorural/article/view/5606

Lakatos, E. M., & Marconi, M. de A. (1996). Fundamentos de Metodologia científica. (3a ed). Atlas.

Lei da agricultura familiar nº 11.326 de 24 de julho de 2006. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11326.htm.

Leite, D. C., & Teles, E. C. P. V. A. (2020). Comercialização de produtos agroecológicos a partir de circuitos curtos: a experiência das feiras agroecológicas de Recife, Pernambuco. EXTRAMUROS -Revista de Extensão da UNIVASF, 7(2), 026-044.

Lima, R., & Fontana, A. (2019). As feiras da agricultura familiar como território de práticas alimentares e sociabilidades. Redes (St. Cruz Sul, Online), 24(3), 75-100. https://doi.org/10.17058/redes.v24i3.14119.

Luciano, W. R. (2017). Agricultura familiar no contexto da Feira do Produtor Rural Feira Corujão no município de Rio Claro-SP. Monografia em geografia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rico Claro, Brasil. https://repositorio.unesp.br/bitstream/han dle/11449/157034/000906640.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Marechal Cândido Rondon. (2020). Decreto número 105/2020 de 08 de abril de 2020. https://leismunicipais.com.br/a/pr/m/marechal-candido-rondon/decreto.

Messmer, J. G. (2013). Les circuits courts multi-acteurs: émergence d’organisations innovantes dans lês filières courtes alimentares. Rapport INRA-MaR/S.

Ministério da Saúde. (2020). Sobre a doença. https://coronavirus.saude.gov.br/sobre-a-doenca#o-que-e-covid.

Moreira, R. J. Terra, poder e território. (2007). Expressão Popular.

Oliveira, É. D. (2018). O lugar da produção e consumo em circuitos curtos. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas, 5(10), 65-78. https://doi.org/10.5902/2359043229113.

Oliveira, P. S., & Marjotta-Maistro, M. (2016). Canais de comercialização de orgânicos: alternativas para os agricultores familiares do leste paulista. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 12(3). https://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/2515/535.

Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. (2020). Caderno de Formação - Desenvolvimento Rural Sustentável. 2012. <http://www.fao.org/3/aq096pt/aq096pt.pdf>.

Organização das Nações Unidas. (2020). O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). https://nacoesunidas.org/agencia/pnuma/.

Pecqueur, B. (2006). O desenvolvimento territorial. Raízes: Revista De Ciências Sociais E Econômicas, 24(1 e 2), 10-22. https://doi.org/10.37370/raizes.2005.v24.243

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J. & Shitsuka, R. (2018). Metodologia Da Pesquisa Científica. UAB/NTE/UFSM.

Pereira, V., Brito, T., & Pereira, S. (2017). A feira-livre como importante mercado para a agricultura familiar em Conceição do Mato Dentro (MG). Revista Ciências Humanas, 10(2). https://doi.org/10.32813/rchv10n22017artigo6.

Pierri, M. C. Q. M., & Valente, A. L. E. F. (2015). A feira livre como canal de comercialização de produtos da agricultura. In 53º Congresso de Economia e Sociologia Rural. Alagoas.

Rondelli, E. (2003). Quatro passos para a inclusão digital. Sete pontos. http://www. comunicacao. pro. br/setepontos/5/4passos. Htm.

Saquet, M. A. (2018). A Perspective of Counter-Hegemonic Analysis and Territorial Transformation. Geographica Helvetica, 73(4), 347-355.

Schneider, S., & Cassol, A. (2013). A agricultura familiar no Brasil. Porto Alegre, Relatório de pesquisa. FIDA/RIMISP.

Secretaria da Agricultura Familiar e Cooperativismo. (2020). O que é agricultura familiar? http://sistemas.agricultura.gov.br/vitrine/o-que-e-a-agricultura-familiar#:~:text=O%20que%20%C3%A9%20a%20agricultura,de%20m%C3%A3o%20de%20obra%20familiar.

Silva, B. J. Circuitos curtos de comercialização de produtos orgânicos: emancipação socioeconômica na agricultura familiar? (2015). Dissertação em agrossistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Specht, S., Blume, R., Ende, M., & Souza, M. (2019). É dia de fazer feira na Universidade: análise do perfil do consumidor da Polifeira. Redes (St. Cruz Sul, Online), 24(3), 183-197. https://doi.org/10.17058/redes.v24i3.14124.

Tauk Santos, M. S. (2000). Comunicação rural - velho objeto, nova abordagem: mediação, reconversão cultural, desenvolvimento local. In: Comunicação e informação: identidades e fronteiras. Lopes, M. I. V., Frau-Meigs, D. (Org.). Bagaço.

Thornton, R. (2003). El agricultor, Internet y las barreras a su adopción. In: La extensión rural en debate: concepciones, retrospectivas, cambios y estratégias para el Mercosur. Thornton, R., & Cimadevilla, G. (Ed.). INTA, 323-345.

Ueno, V., Fagundes, G., & Habib, M. (2016). Análise comparativa entre feiras orgânicas e convencionais, no município de Campinas (SP). Cadernos De Agroecologia, 10(3). http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/19848.

Vieira, A. N. de C., Sartori, A., Moraes, F. C. de, & Siqueira, R. N. de. (2020). A elasticidade de transmissão de preços entre os elos de mercado: produtor, atacado e varejo na comercialização da carne bovina no período de 1997 a 2013. Revista Estudos e Pesquisas em Administração, 4(2), 65-80. https://doi.org/10.30781/repad.v4i2.10069.

Wanderley, M. N. B. (2000). A valorização da agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 2.

Published

07/01/2021

How to Cite

EXIME, E.; REIS, C. M. dos; COSTA, M. L. .; GONZALEZ, A. C. .; COSTA JUNIOR, J. M. .; ZONIN, W. J. . Family agriculture and sustainable development: a characterization of the rural producer fair in the municipality of Marechal Cândido Rondon – Paraná, Brasil . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e20310111462, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11462. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11462. Acesso em: 19 jan. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences