Phonoaudiological performance in home care

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11600

Keywords:

Speech therapist; Home care; Treatment.

Abstract

 

The speech therapist in Home care works by managing the needs of patients, such as, for example, in dysphagia, performing continuous evaluations, in addition to specifying the most appropriate methods of treatment. The general objective of this research is to analyze the importance of the performance of the speech therapist in the home environment. Among the specific objectives, the following stand out: to identify the role of the speech therapist in home care; verify the benefits to the patient in carrying out the treatment at home; demonstrate what are the main demands of the speech therapist in home care. The research problem lies in the following question: what is the importance of speech therapy in patients' homes? Regarding the methodology, the research can be characterized as a bibliographic review of the integrative type, of qualitative analysis, aiming at the systematization of results from varied theoretical sources on the present theme, especially articles available in databases directed to research scientific, such as Scielo, Capes, Scholar. It was evidenced through the studies found that the speech therapist is of paramount importance for personalized care, as it provides a reduction in the risks of hospitalizations, thus avoiding exposures to the hospital environment, with the privacy of the family bed, facilitating treatment, because emotional support is of fundamental importance for recovery.

References

Alves, D. B., & Barbosa, M. T. S. (2010). Desigualdades na mortalidade por doenças crônicas entre idosos e sua associação com indicadores socioeconômicos no Brasil. Passo Fundo: Revista Brasileira de Ciências de Envelhecimento Humano.

Borges, M. V., et al. (2016). Implicações simbólicas na organização de um home care: interpretações entre a equipe de saúde e os cuidadores familiares. REAd. https://bit.ly/3r0ZhAb.

Braga, P. P., et. al. (2016). Oferta e demanda na atenção domiciliar em saúde (2016). Ciência & Saúde Coletiva. https://bit.ly/2WeEs6q.

Brasil (2013). Portaria N° 963, de 27 de maio de 2013, redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3nzKf2B.

Caheiros, A. S.; & Albuquerque, C. L. (2012). A vivência da fonoaudiologia na equipe de cuidados paliativos de um Hospital Universitário do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto.

Chen, B. C., et al (2012). Hemorrhagic complications associated with dabigatran use. Clinical toxicology.

Cardoso, M. C. A. F. (2012). Presbifagia: estado da arte da deglutição do idoso. Passo Fundo: Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 2012. Disponível em: https://bit.ly/3acAoLY.

Fereira, F. P. C.; Bansi, L. O.; & Paschoal, S. M. P. (2014). Aged care services and home health care and institutional strategies. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Fontoura, V. T.; & Arend, S. C. (2015). Redes organizacionais como alternativa para gestão hospitalar: o sindicato dos hospitais beneficentes, religiosos e filantrópicos do Vale do Rio Pardo (SINDHVARP). Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional.

Galassi, C. V., et. al. (2014). Atenção domiciliar na atenção primária à saúde: uma síntese operacional. Santo André: ABCS Health Sciences, 2014. https://bit.ly/3gRqYab.

Genet, N., et. al. (2011). Home care in Europe: a systematic literature review. Woolloongabba: MC Health Services Research, 2011. https://bit.ly/3msPAr6.

Goulart, B. N. G. (2010). Fonoaudiologia e promoção da saúde: relato de experiência baseado em visitas domiciliares. Campinas: CEFAC, 2010. https://bit.ly/3qYVgwm.

Hennemann-Krause, L., et. al. (2015). Cuidados paliativos: o valor da pessoa e sua história no HUPE. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, 2015.

Maia, F. V.; Santos, T. R.; & Ribeiro, I. M. (2015). Ortotanásia em unidade de terapia intensiva sob a ótica dos profissionais. Catanduva: CuidArte Enfermagem.

Malta, D. C.; & Merhy, E. E. (2010). O percurso da linha do cuidado sob a perspectiva das doenças crônicas não transmissíveis. Interface.

Mansur, L. L.; & Mchado, T. H. (2010). Afasias: uma visão multidimensional da atuação do fonoaudiólogo. ROCA.

Moreira, E. K. C. B.; Martins, T. M.; & Castro, M. M. (2012). Representação social da Psicologia Hospitalar para familiares de pacientes hospitalizados em Unidade de Terapia Intensiva. Revista Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar.

Moreira, T. N. F., et. al. (2014). The foundation of care: family health program teams dealing with domestic violence situations. Saúde & Sociedade.

Padovani, A. R. (2013). Avaliação clínica da deglutição em unidade de terapia intensiva. CoDAS.

Pereira, F. C. B., et. al. (2011). The history of speech-language pathology in Minas Gerais state: the main characters' impression. CEFAC.

Rodriges, L. A.; Ligeiro, C.; & Silva, M. (2015). Cuidados paliativos, diagnósticos e terminalidade: indicação e início do processo de paliação. Catanduva: CuidArte Enfermagem.

Savassi, L. C. M. (2011). Iniciação à prática de ESF. Faculdade Senac.

Ribeiro, R. A. B. (2011). Internação Domiciliar no SUS: breve histórico e desafios sobre sua implantação no Distrito Federal. Brasília: Revista Comunicação em Ciências da Saúde.

Silva, K. L., et. al. (2017). Por que é melhor em casa? A percepção de usuários e cuidadores da atenção domiciliar. Cogitare Enfermagem.

Silva, L. E. S., et al. (2013). Contexto do cuidado fisioterapêutico: reveses e vieses na inserção comunitária à atenção domiciliar. Revista Kairós Gerontologia.

Silveira, M. H.; Ciampone, M. H. T., & Gutierrez, B. A. O. (2014). Percepção da equipe multiprofissional sobre cuidados paliativos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

Stewart, M., et. al. (2010). Medicina centrada na pessoa: transformando o método clínico. Artmed..

Vasconcelos, J. F., et al. (2015). Desospitalização para cuidado domiciliar: impactos clínico e econômico da linezolida. Jornal Brasileiro de Economia da Saúde.

Wachs, L. S., et al. (2016). Prevalence of home care and associated factors in the Brazilian elderly population. Cadernos de Saúde Pública.

Zeppe, M. A. (2014). A inserção do psicólogo no sistema único de saúde (SUS): do usuário ao sujeito. Ijuí: Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul.

Published

09/01/2021

How to Cite

SILVA, K. M. da R. .; SAMPAIO, D. Phonoaudiological performance in home care. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e21010111600, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i1.11600. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/11600. Acesso em: 19 jan. 2021.

Issue

Section

Review Article