The avenues of my city: observations on the nomenclatures

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v8i8.1215

Keywords:

Anápolis; Avenue; Toponymy.

Abstract

The spaces designed and built by the people have lives and tell stories. The environment inhabited by people is a representation of their identity and culture represented aesthetically. Names of sites may be associated with diversities of taxonomic classification. Therefore, the article aims to point out some historical, empirical and linguistic elements of the microtoponymy of the city of Anápolis (GO), through the official names of the main avenues of the city. For this, a bibliographical research was carried out on toponymic theories, on the historical view of the city. As a result, it was noticed that, in the selected sample, the studied avenues have two taxonomic categories that are: Corotoponimos and Antropotonimos. Both categories were discussed in light of the recorded history of Anápolis and also with perceived empirical elements on nomenclatures.

References

Alves, D. A. (2014). Vila Jaiara: Primícias Da Indústria Têxtil em Anápolis in: Rádio Imprensa. Disponível em: http://radioimprensa.am.br/portal/2014/08/vila-jaiara-primicias-da-industria-textil-em-anapolis-daniel-araujo-alves/ Acesso em; 12008/2015.

Anápolis-Go (2006). Plano Diretor Participativo. Prefeitura Municipal de Anápolis, Núcleo Gestor do Plano Diretor Participativo, CD-ROM.

Bezerra, L. M. (2008). Educação ambiental no ensino formal: o caso das licenciaturas da UniEVANGÉLICA. Dissertação de Mestrado (Pós-graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente), UniEVANGÉLICA, 124 p.

Bonnemaison, J. (2000). La Géographie Culturelle. Paris: Éditions du C.T.H.S.

Carvalho, Adelmo (2000). Pirenópolis, coletânea 1727-2000, história, turismo e curiosidade. Goiânia: Kelps.

Carvalho, L. (2015). Governo Juscelino Kubitschek. In: Brasil Escola. Disponível em <http://www.brasilescola.com/historiab/juscelino-kubitschek.htm>. Acesso em 03 de outubro de 2015.

Castro, J. D. B. (2004). Anápolis: desenvolvimento industrial e meio ambiente. Anápolis: AEE.

Curado, G. G. (1980). Pirenópolis, uma cidade para o turismo. Goiânia: Oriente.

Damásio Educacional (2015). Geografia e história de Goiás. Disponível em: http://portal.damasio.com.br/Arquivos/Apresentacao/material_historiago_marcossouza_aula1_2.pdf . Acesso em: 04/08/2015.

Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro Pós 1930 (2001). 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Figueiredo, A. E. (org.) (1999). Catálogo de Verbetes dos documentos Manuscritos Avulsos da Capitania de Mato Grosso (1720-1827). Campo Grande: Ed. da UFMGS.

Freitas, R. A. Conhecendo Anápolis. 3 ed. Goiânia: Vieira. 2002.

Godinho, R.G., Mesquita, P. V. F. ; Ferreira, L. C. G. (2006) A importância do Porto Seco de Anápolis na economia agroindustrial de Goiás. In: Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão da UFG - CONPEEX, 3. Anais eletrônicos do XIV Seminário de Iniciação Cientifica [CD-ROM], Goiânia: UFG, 2006.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2012). Censo demográfico do Brasil. Brasília: IBGE.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2019). Anápolis-Goiás – Informações completas. In: IBGE. Cidades@. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=520110&search=goias|anapolis. Acesso em: 28/1/2019.

Jardim, S. (1999). Juscelino Kubitschek - Onde Está a Verdade? São Paulo: Vozes.

Dick, M. V. P. A. (1990). Toponímia e antroponímia no Brasil. Coletânea de estudos. São Paulo: Edições Arquivo do Estado.

Dick, M. V. P. A. (1995). O léxico toponímico: marcadores e recorrências lingüísticas. In: Revista Brasileira de Lingüística. (Sociedade Brasileira de Professores de Lingüística). São Paulo: Plêiade,. v. 8.

Dick, M. V. P. A. (1996). A Dinâmica dos Nomes na Cidade de São Paulo 1554-1897. São Paulo: ANABLUME.

Google Maps (2019). Anápolis-GO. Disponível em: https://www.google.com/maps/place/An%C3%A1polis+-+GO/@-16.3557418,-49.0787489,11z/data=!4m5!3m4!1s0x935ea3e36dec50a9:0xb214512881021608!8m2!3d-16.3286427!4d-48.9534334 . Acesso em 20/05/2019.

Laraia, R. B. (2006). Cultura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

Misturini, B. (2014). A toponímia em Bento Gonçalves: um estudo interdisciplinar sobre os bairros da cidade. Dissertação de Mestrado (Pós-graduação em Letras, Cultura e Regionalidade). Universidade de Caxias do Sul, 115 p.

Polonial, J. M. (2007). Anápolis: das origens do povoado à revolução de 1930. In: Toschi, Mirza Seabra (org.). 100 anos: Anápolis em pesquisa. Goiânia: Vieira, 2007. p. 15-34.

Polonial, J. M. (2000). Ensaios sobre a história de Anápolis. Anápolis: AEE.

Sartori, T. O. (2014). Ruas de minha cidade: um estudo hodonímico. Dissertação de Mestrado (Pós graduação em Letras, Cultura e Regionalidade). Universidade de Caxias do Sul, 82 p.

Secretaria de Comunicação da Universidade Federal de Goiás [SECOM]. Novos rumos da história goiana (2009). In: UFG. Universidade Federal de Goiás. Disponível em; https://www.ascom.ufg.br/n/12576-novos-rumos-na-historia-goiana. Acesso em: 03/09/2018.

Seemann, J. (2005). A toponímia como construção histórico-cultural: o exemplo dos municípios do Ceará. In: Vivência. N. 29, p.207-224.

Soares, A. C., Pinto, L. A., Macedo, V., Moraes, S. G. (1999). Anápolis: marcas da história. Anápolis: Labor.

Vasconcelos, D. (1974). Memória sobre o descobrimento, governo, população e coisas notáveis da Capitania de Goyas. In: História antiga de Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia.

Zelinsky, W. (1997). Along the frontiers of name geography. In: Professional Geographer. v.49, n.4, 465-466.

Published

02/06/2019

How to Cite

BEZERRA, L. M. The avenues of my city: observations on the nomenclatures. Research, Society and Development, [S. l.], v. 8, n. 8, p. e27881215, 2019. DOI: 10.33448/rsd-v8i8.1215. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/1215. Acesso em: 19 sep. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences